Publicidade
Violência

Tiroteio entre traficantes na zona sul do Rio deixa um morto e um ferido

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Um tiroteio entre duas facções criminosas deixou um morto e um ferido na manhã deste sábado (23) no morro da Babilônia, que fica no bairro do Leme, na zona sul do Rio de Janeiro.

O confronto entre criminosos começou por volta das 8h, de acordo com informações do 19º Batalhão da Polícia Militar, de Copacabana. Um dos baleados não resistiu aos ferimentos e morreu, o outro foi socorrido pela viatura do Samu, mas seu estado de saúde não foi informado.

Os moradores das comunidades da Babilônia e Chapéu Mangueira e do Leme vêm sofrendo com a disputa de grupos rivais pelo controle da região, que começou há cerca de um mês e meio.

Segundo a plataforma colaborativa Fogo Cruzado, foram registrados ao menos 11 tiroteios ali nos últimos 30 dias.

Foi nessa região que, no último dia 8, confrontos fecharam o bondinho do Pão de Açúcar e interromperam voos no aeroporto Santos Dumont por 15 minutos.

Dois dias depois, sete corpos foram encontrados na Praia Vermelha, vizinha aos morros. De acordo com a Polícia Civil, todos tinham marcas de tiros e testemunhas afirmaram que tinham ligação com o tráfico de drogas.

OPERAÇÃO

Nesta semana, na quinta (21), as forças de segurança do Gabinete de Intervenção na segurança do Rio realizaram uma operação com quase 2.000 agentes nas duas comunidades do Leme.

A maioria era de militares das Forças Armadas, mas também participaram policiais militares e Corpo de Bombeiros. As ações envolveram cerco e estabilização da área, revistas de pessoas e de veículos e checagem de antecedentes criminais.

Naquela manhã, duas pessoas foram presas em flagrante e foram apreendidas uma pistola, munição e carregadores, três coletes à prova de bala e três granadas. Os militares também encontraram um cadáver.

Como mostrou a Folha de S.Paulo neste sábado (23), o número de apreensões de armas pesadas caiu nos três meses completos após o início da intervenção -decretada em fevereiro pelo presidente Michel Temer (MDB), que nomeou o general do Exército Walter Braga Netto para comandá-la.

DESTAQUES DOS EDITORES