Publicidade
Supremo

Toffoli suspende processo contra filho de Bolsonaro

Flávio Bolsonaro (PSL/RJ): defesa alega devassa
Flávio Bolsonaro (PSL/RJ): defesa alega devassa (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendeu na segunda-feira (15) todos os processos judiciais que tramitam no País onde houve compartilhamento de dados da Receita Federal, do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do Banco Central com o Ministério Público sem uma prévia autorização judicial, ou que foram instaurados sem a supervisão da Justiça. A decisão atende a um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A determinação do presidente do STF foi tomada em um processo em que se discute a possibilidade ou não de os dados bancários e fiscais do contribuinte serem compartilhados sem a intermediação do Poder Judiciário. Segundo a decisão, todos os casos que tratam sobre a controvérsia ficam suspensos até que o STF decida sobre a questão. O julgamento pelo plenário está marcado para novembro.

A decisão de Toffoli deve ter efeitos sobre o processo que tramita contra Flávio Bolsonaro no Ministério Público do Rio de Janeiro. Apesar de ter sido resultado de um pedido da própria defesa do senador, a determinação não deixa claro se a investigação contra Flávio também está suspensa.

Devassa
O Ministério Público estadual do RJ pediu a quebra de sigilo com o fim de investigar a suposta prática dos crimes de peculato lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete do ex-deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A defesa de Flávio afirma que o MP-RJ se utilizou do Coaf como “atalho” e evitou o controle do Poder Judiciário.

“Sem autorização do Judiciário, foi realizada devassa, de mais de uma década, nas movimentações bancárias e financeiras”, afirmam. O advogado do senador anota também que o Ministério Público já estaria em poder das informações bancárias e fiscal fornecidas pelo Coaf quando a quebra do sigilo foi “posteriormente autorizada judicialmente”.

O processo pelo qual Toffoli tomou a decisão entrou em destaque em março deste ano, quando teve o julgamento marcado pelo presidente da Corte - que acabou adiado. O caso ressurgiu na esteira de uma forte reação do STF após vazamento de informações do Fisco sobre procedimentos abertos para analisar dados fiscais de ministros de tribunais superiores, como Gilmar Mendes.

Integrantes do Supremo entendem que os auditores extrapolaram suas funções, entrando em seara criminal, que não é de competência do Fisco.

Retrocesso
O coordenador da operação Lava Jato no Rio de Janeiro, Eduardo El Hage, classificou nesta terça-feira (16) a decisão de Toffoli de “retrocesso” e disse que ela pode paralisar todas as investigações de lavagem de dinheiro no País. Para El Hage, a exigência de decisão judicial para a utilização de relatórios do Coaf “ignora o macrossistema mundial de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo e aumenta o já combalido grau de congestionamento do Judiciário brasileiro.” O procurador afirmou esperar que ela seja revertida.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES