Publicidade
Economia

Trump teria orientado assessores a seguir com taxa em US$ 200 bi à China

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente americano, Donald Trump, orientou assessores a prosseguir com a taxação de US$ 200 bilhões (R$ 830 bilhões) em importações chinesas.

Com a medida, ele passa por cima das tentativas do secretário de Tesouro americano, Steven Mnuchin, de promover conversas com Pequim para resolver a guerra comercial entre os países, segundo a Bloomberg.

A orientação teria sido dada em reunião nesta quinta-feira (13) com Mnuchin, Wilbur Ross, secretário de Comércio, e Robert Lightizer, do Departamento de Comércio, segundo a reportagem.

Antes da reunião, Trump escreveu em uma rede social que "não estão sob pressão para fazer um acordo com a China": "Eles que estão sob pressão para fazer um acordo conosco. Nossos mercados estão crescendo e os deles, colapsando".

As reuniões entre autoridades americanas e chinesas para discutir a guerra comercial ainda não tiveram sucesso.

A última foi realizada em agosto, quando o subsecretário para assuntos internacionais do Tesouro, David Malpass, se encontrou em Washington com o vice-ministro chinês Wang Shouwen.

A divulgação da notícia levou a uma intensificação da queda no valor do yuan chinês em relação ao dólar no mercado cambial nesta sexta-feira (14).

Pouco após das 12 horas, havia caído 0,45%.

A lista com os produtos que ficarão sujeitos à nova rodada de tarifas, de 25%, ainda não foi divulgada.

A administração Trump está considerando ponderações que surgiram durante a fase de consultas públicas, que terminou na última semana.

O governo dos Estados Unidos já impôs taxas de 25% sobre US$ 50 bilhões (R$ 209 bilhões) em importações da China.

O país asiático, em resposta, retaliou com tarifas equivalentes.

Na última semana, o republicano ameaçou sobretaxar outros US$ 267 bilhões (mais de R$ 1 trilhão) em importações chinesas, o que significaria impor tarifas sobre praticamente tudo o que o país asiático exporta para os Estados Unidos.

Segundo o governo americano, a balança comercial com a China é de US$ 505 bilhões (R$ 2,2 trilhões).

Trump disse que as tarifas poderiam entrar em vigor em pouco tempo "caso ele quisesse", mas a lista de produtos que ficariam sujeitos à medida ainda não foi publicada.

DESTAQUES DOS EDITORES