Retomada

UEM retoma aulas presenciais nesta segunda com exigência de passaporte da vacina

(Foto: Divulgação )

As aulas presenciais na Universidade Estadual de Maringá (UEM), uma das melhores instituições de ensino superior da América Latina, retornam amanhã (17). As últimas aulas haviam ocorrido em 1º de fevereiro de 2020, quando se encerrou o ano letivo de 2019. São 13.931 estudantes nas cerca de 70 graduações presenciais, mas apenas os 10.725 veteranos voltam dia 17, já que os 3.206 calouros virão aos sete câmpus somente no dia 31 de janeiro.

Este não é o início do ano letivo de 2022. As aulas, que recomeçaram remotamente (pela Internet) no dia 10 de janeiro, são referentes ao segundo semestre acadêmico de 2021, que irá até 14 de maio. O 1º semestre de 2021, cujas aulas terminaram em 15 de dezembro, foi realizado em Ensino Remoto Emergencial (ERE), assim como todo o ano letivo de 2020, devido à pandemia da Covid-19. E como a pandemia ainda não acabou, fica o alerta: dentro ou fora da universidade, use máscara de proteção individual sempre!

A UEM é a segunda universidade estadual do Paraná a voltar às aulas presenciais das graduações. A primeira foi a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em 3 de novembro de 2021. As próximas deverão ser: Estadual de Londrina (UEL), em 24 de janeiro; Estadual do Centro-Oeste, 31 de janeiro, mesma data da Federal do Paraná (UFPR); Estadual do Paraná (Unespar) e Estadual do Norte do Paraná (Uenp), 2 de fevereiro; e, por fim, Estadual de Ponta Grossa (UEPG), 7 de fevereiro.

A fim de recuperar a carga horária que não foi ofertada durante o ensino remoto, os cursos de graduação da UEM poderão ofertar até 20% da carga horária das disciplinas no formato a distância, segundo decisão tomada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP) em novembro de 2021.

Protocolos de biossegurança da UEM – “É importante que toda a comunidade acadêmica se informe a respeito dos protocolos de biossegurança”, pede Alexandra de Oliveira Abdala Cousin, pró-reitora de Ensino (PEN) da UEM. Acesse-os por meio deste link.

Comprovação vacinal – Para acessar as dependências da universidade, alunos e servidores (incluindo professores) devem apresentar seus comprovantes de esquema vacinal completo contra a Covid-19. A medida, já informada anteriormente, é corroborada pelo Ofício Circular 1/22 da PEN da UEM, datado de 13 de janeiro, que orienta que “apenas poderão retomar as atividades letivas presenciais os discentes com esquema vacinal anti-Covid-19 completo, exceto nos casos de expressa impossibilidade clínica atestada por relatório médico”.
Alunos comprovam via Secretaria Acadêmica Virtual (Sisav) e os servidores via Portal do Servidor. Aqueles que não se vacinaram por impossibilidade clínica poderão optar por fazer plano de atividades domiciliares enquanto não forem imunizados. Estudantes e servidores públicos que não se vacinaram nem seguirem os protocolos de biossegurança estarão sujeitos a faltas e sanções disciplinares.

Durante a pandemia
Em 19 de março de 2020, a UEM instituiu o regime de teletrabalho (home office). As aulas de 2020, que iniciariam em 6 de abril, começaram apenas em 17 de agosto daquele ano, em ensino remoto emergencial, e se estenderam até 22 de maio de 2021. Já o primeiro semestre letivo de 2021 começou em 9 de agosto do ano passado e tem previsão para acabar em 14 de maio. Desde setembro de 2021, os servidores públicos da UEM com esquema vacinal completo há mais de um mês começaram a retornar ao trabalho presencial.
Desde agosto de 2021, as graduações do Centro de Ciências da Saúde (CCS) voltaram a ter aulas presenciais nas disciplinas de práticas profissionalizantes, enquanto as demais continuaram em ensino remoto. A retomada gradual das aulas presenciais se deu em 2020, com atividades para os dois últimos anos dos cursos do CCS, seguindo as diretrizes da Secretaria da Saúde do Paraná. Além dessas turmas, 30% dos demais anos dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Medicina e Odontologia retornaram presencialmente, seguindo protocolos de biossegurança.

A qualidade da UEM
A UEM é a 6ª melhor universidade estadual do país e mantém o conceito 4 no Índice Geral de Cursos (IGC) desde 2007, patamar considerado de excelência (o máximo é 5). O IGC é o indicador oficial de qualidade do ensino superior brasileiro, elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) do Ministério da Educação (MEC).
Por meio da formação de pessoas (em graduações presenciais e a distância e em programas de pós-graduação), produção de conhecimentos e prestação de serviços, a UEM é notadamente promotora do desenvolvimento paranaense, tanto socioeconomicamente quanto nas áreas de saúde, agronegócio, cultura, ciência, tecnologia, inovação e outras.
Universidade pública, gratuita, de qualidade e inclusiva, a UEM tem forte tradição em Ensino, Pesquisa e Extensão, além de manter parcerias público-privadas e convênios com universidades estrangeiras em todos os continentes. Instituição que não se contenta apenas em repassar conhecimentos, a UEM é prestadora dos mais variados serviços à população, bem como tem sua comunidade científica, competente e reconhecida nacional e internacionalmente, envolvida com pesquisas e inovação.
Criada em 6 de novembro de 1969, a UEM tem sete câmpus, nas cidades de Cianorte, Cidade Gaúcha, Diamante do Norte, Goioerê, Ivaiporã, Maringá (sede) e Umuarama (incluindo a fazenda e o Hospital Veterinário). Também há polos de apoio presencial do Núcleo de Educação a Distância (Nead) no Paraná, a Fazenda Experimental de Iguatemi (FEI), a Estação Experimental de Piscicultura no distrito de Floriano, a base avançada de pesquisas do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (Nupélia) em Porto Rico e o Complexo de Saúde em Maringá – com o Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM) e outras unidades.