Mais saudável

Venda de pães sem glúten registra crescimento de 89,9%

(Foto: Divulgação)



No último ano, a venda de pães tradicionais teve aumento de 9,3% no Brasil, segundo dados da Nielsen, empresa especializada na análise de comportamento dos consumidores. Dentro da categoria, o destaque foi o crescimento nas vendas dos pães sem glúten, que avançou 89,9% em 2019, totalizando R$ 26 milhões. De acordo com uma projeção realizada pela consultoria internacional Zion Market Research, o mercado de produtos sem glúten deve atingir a marca dos US$ 7,6 bilhões até 2024 em todo o mundo.


O aumento expressivo é resultado de uma demanda crescente por alimentos sem glúten, composto de proteínas encontrado na farinha de trigo, aveia, centeio, cevada e no malte, que está presente na maioria das receitas de massas, pães e biscoitos. Segundo levantamento realizado pela consultoria Euromonitor, aponta que 53% das pessoas que passaram a consumir alimentos sem glúten, o fizeram porque os consideram mais saudáveis. Consumir menos glúten ajuda na redução de desconfortos intestinais e ainda estimula a perda de peso, de acordo com um estudo da Universidade de Copenhague, na Dinamarca.


Em outro levantamento realizado pelo Conselho Nacional de Saúde e da Associação de Celíacos do Brasil (Acelbra), cerca de 2 milhões de brasileiros (40% deles crianças de até 10 anos) são afetados pela doença celíaca, um distúrbio intestinal provocado pelo glúten, o que obriga muitos pacientes a evitarem a proteína.
Referência no mercado de pães sem glúten, a Jasmine Alimentos - empresa especializada em alimentos saudáveis - lançou em agosto dois novos sabores do produto. Um deles é o pão com coco, que possui lascas da fruta, além de ser rico em minerais, fibras e antioxidantes. O outro lançamento é o pão com chia e ervas finas, que é rico em ômega-3, com ingredientes como salsinha, cebolinha e tomilho. No último ano, a Jasmine evoluiu 116% nas vendas da categoria, com domínio de 35% do mercado brasileiro neste segmento.


Entre os principais diferenciais do produto está a conservação, já que os pães sem glúten da Jasmine possuem validade de seis meses, com embalagem altamente resistente por conta da tecnologia. “Na linha de panificação sem glúten, utilizamos uma embalagem termoformada de alta barreira, para garantir que não ocorra troca de gases de dentro da embalagem com o ambiente externo. Embalar um produto em atmosfera modificada significa substituir a atmosfera natural existente na embalagem por uma mistura de gases, que garantem vida longa ao alimento, conservando suas características sensoriais, como odor, sabor, textura e aspecto, com segurança e qualidade. Em comparação com os concorrentes, a Jasmine foi a primeira empresa a oferecer essa inovação, garantindo seis meses de validade do produto”, afirma a engenheira de processos da Jasmine, Mariane Bento.
Outro destaque dos pães sem glúten da marca é o fato de serem elaborados em uma planta exclusiva para receitas sem glúten e sem leite, com rigorosos padrões de qualidade, utilizando matérias-primas com garantia e linha de produção especializada. “Os pães são obtidos pela fermentação biológica e massa preparada com farinha e outros ingredientes provenientes de cereais, grãos ou tubérculos selecionados, com garantia 'gluten free'. Podem ser consumidos em lanches ou como acompanhamento de saladas ou pratos quentes”, explica Bento.
Atualmente, a linha de pães sem glúten da Jasmine representa 12% do faturamento da empresa, que conta com um portfólio variado, em formatos e sabores, como australiano, fatiado tradicional, com frutas e castanhas e ainda o pão multigrãos. Na linha sem glúten, a marca também possui bolos, biscoitos, granolas, aveias e cookies.