Vice-presidente do Condor, Ricardo Zonta; presidente do Condor, Pedro Joanir Zonta,e a diretora do Condor, Sandra Zonta (pai ao centro com seus filhos)

Condor é eleito como o preferido dos curitibanos

15 dezembro, 2017 às 14:06  |  por Maximilian Santos

Em sua 9ª Edição, o Prêmio IMPAR – Índice das Marcas de Preferência e Afinidade Regional, consagra o Condor Super Center como o supermercado preferido dos curitibanos pelo 9º ano consecutivo. Realizado pelo Grupo RIC, o prêmio tem a chancela do IBOPE Inteligência e ouviu 1.260 pessoas.

Em cerimônia realizada na noite desta terça-feira (12), 26 empresas receberam o reconhecimento por suas marcas terem se destacado na capital paranaense. “Este prêmio é a valorização de todo o nosso empenho em oferecer o melhor aos nossos clientes, pois nos mostra que estamos conseguindo manter a preferência dos consumidores”, afirma o presidente do Condor, Pedro Joanir Zonta.

O Condor iniciou a sua trajetória em 1974 com uma pequena loja de 110m² e apenas cinco funcionários em Curitiba. Com mais de 11 mil colaboradores diretos, atende mensalmente mais de 4 milhões de clientes em suas lojas.

Atualmente, a rede conta com 44 lojas, entre super e hipermercados, em 15 cidades do Paraná, localizadas em Curitiba e Região Metropolitana, litoral, Campos Gerais e Norte do estado, e uma em Santa Catarina, na cidade de Joinville, além de uma central de distribuição com mais de 70 mil m² em Curitiba, responsável pelo abastecimento diário das lojas da rede.

Na foto, o Vice-presidente do Condor, Ricardo Zonta; presidente do Condor, Pedro Joanir Zonta, e a diretora do Condor, Sandra Zonta (pai ao centro com seus filhos).

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

B70A7134

Empreendedores fomentam mais de R$ 50 milhões em Curitiba e Santa Catarina em 2017

14 dezembro, 2017 às 15:57  |  por Rafaela Salomon

Amigos de vida e profissionais de segmentos diferentes uniram-se pela vontade de empreender e criaram uma empresa no ramo de fomento comercial: a Personalite Invest Securitizadora, um novo segmento da Personalite que iniciou na área de fomento, assessoria e cobrança há 20 anos, em Curitiba (PR). A securitizadora atendeu, em 2017, pequenas e médias empresas, justamente as que mais sofrem com a limitação de recursos para o giro e a manutenção do seu negócio. E foi assim que estas empresas, fomentadas pelo time de quatro empresários, movimentaram cerca de 50 milhões de reais em apenas 10 meses em 2017.

O grupo, que já atua em diferentes setores da economia do Paraná e Santa Catarina sempre acreditou no crescimento destes estados ampliando fortemente a antecipação de recebíveis da indústria e comércio de diversos setores como forma de gerar capital de giro para empresários. Estes, por sua vez, conseguem não apenas pagar seus fornecedores à vista, como também maior desconto nas negociações de compra gerando crédito para investir em novos equipamentos aumentando a capacidade produtiva e gerando novos postos de trabalho.

Os pilares da Personalite Invest são a agilidade e transparência na análise de crédito, controle rígido de inadimplência, pulverização da carteira e o entendimento da necessidade real do nosso cliente. Pilares de sucesso que atendem o nicho de mercado de pequenas e médias empresas que estão em um processo de desbancarização.

Recente matéria divulgada pelo governo paranaense junto ao IBGE demonstrou que a indústria do Paraná cresceu 2,5% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano anterior ficando apenas atrás de Santa Catarina (3,3%) e Amazonas (3,7%). “O crescimento do semestre marca não apenas a retomada da indústria do Estado, mas assim como uma reação consolidada da produção industrial do Paraná e Santa Catarina”, diz Francisco de Castro (Ipardes). Segundo Castro, a retomada da indústria contribuirá para a recuperação do Estado já que no primeiro trimestre o PIB da indústria cresceu 3,1% e o PIB brasileiro recuou 0,4%.

Diante destes dados e das projeções da economia, os sócios da Personalite Invest acreditam que em 2018 os investimentos em fomento deverão ultrapassar a casa dos 100 milhões de reais.

 

Personalite Invest Securitizadora

Rua Acyr Guimarães, 436 – sala 102, Curitiba-PR

(41) 3244-6444

http://www.personaliteinvest.com.br

www.facebook.com/personaliteinvest

www.instagram.com/personaliteinvest

 

Opinião – O que fazer com o 13 salário? Anote essas dicas!

14 dezembro, 2017 às 15:50  |  por Rafaela Salomon

* artigo divulgado pela empresa Chaves na Mão

O final do ano é a época mais esperada pela maioria das pessoas. São as festas de Natal e Ano Novo com a família, as confraternizações e férias coletivas que são muito animadas, mas também acabam fazendo a gente gastar um pouco mais do que deve. Na contramão disso vem o tão aguardado 13o salário, que pode ajudar você a passar por esse momento de uma forma mais tranquila. Mas o que fazer com esse dinheiro? Existe alguma forma mais inteligente de passar o final do ano e usar essa quantia da melhor maneira? Nós vamos ajudar você a decidir o que fazer com o 13o salário!

Antes de tudo, é importante não gastar esse dinheiro sem definir prioridades ou disposto a torrar a quantia integral. Lembre-se de que janeiro reserva grandes gastos, como IPVA, matrículas e material escolar. Se você está ansioso por sua primeira parcela e quer saber o que fazer com o 13o salário, confira agora as nossas dicas e entre em 2018 com o bolso em ordem!

Colocar suas contas em dia

Nós não gostamos muito de dar essa dica, mas ela é a mais importante. O 13o salário só pode ser visto como dinheiro extra e gastança se você está com todas as suas dívidas em ordem. Pode ser bastante sofrido dar seu último salário todo para pagar contas, mas lembre-se de que os juros altos dos parcelamentos e contas de cartão crédito, por exemplo, podem transformar uma pequena fatura atrasada em uma penhora de bem. Não é exagero; em apenas um ano, uma dívida de R$ 300 pode se transformar em um rombo de R$ 30 mil! Já pensou o quanto será doloroso depois?

Por isso, se você tem alguma pendência financeira, aproveite para começar a negociar desde já. Em geral, os próprios credores facilitam o pagamento das contas nessa época do ano para garantir que recebam. Isso vai ajudar você na hora da negociação dos valores e as chances de você se ver livre do nome sujo são grandes! Modere seus gastos de Natal, Ano Novo e férias, e coloque tudo em dia. Consciência tranquila não tem preço, não é mesmo?

Mesmo que esse salário extra não seja suficiente para pagar por completo as suas dívidas, é importante que você, pelo menos, reduza o valor do débito. Não caia na armadilha de gastar o dinheiro todo só porque não pode pagar todas as contas.

Aplicar seu dinheiro

Aplicar todo ou parte do seu 13o salário pode ser a decisão mais inteligente para você tomar. Além de esse dinheiro servir como aquele fundo de reserva que você precisa ter caso precise arcar com uma quantia inesperada, como um problema de saúde repentino, por exemplo, é possível que você faça essa grana render. Confira três formas de aplicação e escolha a que mais se adapta à sua realidade.

Tesouro Selic

Uma das possibilidades para investir o 13o salário é por meio do Tesouro Selic. Ele é um título público vendido pelo Tesouro Direto e tem atraído muitas pessoas. É como se você emprestasse seu dinheiro para os cofres públicos e recebesse por isso. Muitas pessoas limparam as poupanças para fazer esse investimento. O melhor é que os investimentos podem ser feitos a partir de R$ 30.

Existem outros tipos de títulos do governo, mas o Tesouro Selic é o mais indicado. Caso o investidor decida resgatar o seu dinheiro e vender seu título antes do prazo de vencimento, que é de 2021, não haverá prejuízo.

É o investimento mais seguro do país. Acredite se quiser: embora o governo tenha uma péssima reputação perante a população, o risco de ele dar o calote, nesse caso, é muito baixo. Você mesmo pode comprar e vender títulos por meio da plataforma do Tesouro Direto. Para isso, entretanto, é preciso procurar antes uma corretora ou um banco e abrir uma conta.

Fundo DI

O Funfo DI nada mais é do que você entregar seu dinheiro ao gestor de um banco que, com sua experiência, vai decidir onde investir. Não precisa ter medo. Em geral, esses investimentos são em títulos do Tesouro Direto e de bancos.

Nesse caso, a vantagem está na praticidade de você confiar esse trabalho a uma pessoa que entende de aplicações. Outro bônus é que você pode resgatar o dinheiro a qualquer momento, ou seja, é um investimento de baixa liquidez. Mas fique atento às taxas administrativas que as instituições cobram, já que elas podem variar bastante de um banco para outro.

CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Enquanto o Tesouro Direto é um empréstimo ao governo, aqui o empréstimo é ao banco. As instituições pegam os investimentos e emprestam a outras pessoas a juros bastante altos, assim, os bancos garantem retorno financeiro para quem decidiu aplicar seu dinheiro no CDB.

Uma desvantagem dessa modalidade é a baixa liquidez. Não é possível resgatar seu investimento tão rapidamente, ou seja, você ficará preso à instituição bancária durante algum tempo.

Comprar um carro usado

Se você está precisando de um carro, saiba que essa época do ano é bastante indicada para isso. Com os vendedores querendo bater as metas de dezembro e proprietários querendo fazer dinheiro, é possível que você consiga realizar um bom negócio. Uma dica é comprar carro usado por meio dos portais da internet especializados nesse tipo de classificado.

Se você pesquisar os valores que estão sendo aplicados e ficar atento às taxas e juros, seu poder de negociação aumenta e você consegue achar um carro por menos do que você esperava. Alguns dos carros mais procurados são o Fiat Palio ou o Volkswagen Gol usado, que, além de terem bom índice de satisfação dos usuários, mantêm a qualidade mesmo após alguns anos de uso.

O 13o salário é direito de todo trabalhador e pode ajudar muitas pessoas em uma época do ano que exige tantos gastos. Por isso, para fazer bom uso desse dinheiro extra, analise sua situação financeira, estabeleça suas prioridades e aproveite para fechar bons negócios. Você está ansioso por sua primeira parcela? Já sabe o que fazer com o 13o? Então compartilhe esse post nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a fazerem bom uso desse dinheiro!

Eduardo Opinião

OPINIÃO S/A – Como lidar com os conflitos?

13 dezembro, 2017 às 17:44  |  por Maximilian Santos

Por Eduardo Shinyashiki

Ao longo da vida, nos deparamos com diversas situações difíceis que nascem da convivência com as pessoas, como o estresse no trabalho e a crise no relacionamento. Esses momentos podem gerar diferenças entre valores, crenças, interesses e objetivos e tornam-se conflitos quando cada indivíduo envolvido tenta impor o seu ponto de vista, sem ouvir e sem respeitar a outra parte.

Para entender melhor o que o conflito representa, vamos analisar a origem da palavra: no latim, confligere é composto por “com” e “fligere”, que significa “combater, estar em desavença, golpear, atacar” – ou seja, evoca um conceito negativo de guerra e agressividade. Porém, o termo também possui outro significado, bem mais positivo, de “fazer encontrar”.

Ao avaliar esse último ponto de vista, podemos considerar que é, sim, possível se aproximar positivamente de um conflito, respeitar as diversidades e transformar o momento em um recurso, em vez de um confronto. Assim, é possível criar uma evolução e a abertura ao novo. Tudo depende das estratégias utilizadas para resolver os problemas.

Mas será que essas táticas são construtivas e de cooperação para, assim, se chegar a uma solução compartilhada? O primeiro passo é entender que o seu ponto de vista é diferente do outro. Cada ser humano interpreta a realidade conforme suas crenças, experiências, educação e convicção. Então, lembre-se: antes de querer ser compreendido, compreenda o outro.

A próxima etapa é avaliar os três pontos de vista: a primeira posição é referente à própria realidade, aos próprios sentimentos, valores, às crenças e a como enxergar o mundo – é “como eu lido com o conflito”; a segunda posição refere-se à perspectiva da outra pessoa, a “como o outro percebe essa situação”; por fim, a terceira posição é a do observador, é o olhar objetivo da interação entre a primeira e a segunda posições. Nesta fase, é preciso esquecer por um momento o que você quer e olhar para a situação de forma mais distanciada e sem julgamentos.

Após entender as três ações mencionadas acima, é necessário compreender as posturas corporais do outro. Identificar a forma como ele se comunica permite uma ampla e correta avaliação da situação, para reorganizar ou corrigir os comportamentos, redirecionar ações, solucionar conflitos e chegar a um resultado desejado. Treine a forma de olhar a vida e as situações de pontos de vista diferentes, para desenvolver uma visão mais aberta e observar os problemas de diferentes perspectivas e ângulos.

Quando olhamos o mundo com novos olhos, mudamos velhos julgamentos, enriquecemos o nosso cérebro com novas experiências, a mente se abre e, assim, os comportamentos automáticos e repetitivos se transformam. Também é fundamental desenvolver a capacidade de lidar com as emoções (tanto as próprias quanto as dos outros) de maneira apropriada, sem se deixar dominar por elas, mantendo o autocontrole e o equilíbrio. Algumas questões ajudam a fazer a autoanálise: “quando eu enfrento um conflito, o que é importante para mim?”; “quais são as minhas intenções?”.

Para controlar as próprias emoções, um recurso simples e eficaz é a respiração. Na sua rotina, faça 20 respirações conectadas: respire pelo nariz, de forma mais lenta e profunda que o normal, com expansão torácica e abdominal. Fazer esse exercício uma ou duas vezes ao dia ajuda a desenvolver uma maior consciência corporal.

Para estar preparado a lidar com as divergências, permita utilizar e colocar em prática essas atitudes, pois qualquer habilidade precisa ser treinada e repetida para se tornar natural. O ponto não é evitar o conflito, fechar os olhos para a realidade, mas saber como geri-lo de forma eficaz e produtiva.

 

 

*Eduardo Shinyashiki é presidente do Instituto Eduardo Shinyashiki, mestre em neuropsicologia, liderança educadora e especialista em desenvolvimento das competências de liderança organizacional e pessoal. Com mais de 30 anos de experiência no Brasil e na Europa, é referência em ampliar o poder pessoal e a autoliderança das pessoas, por meio de palestras, coaching, treinamentos e livros, para que elas obtenham atuações brilhantes em suas vidas. Mais informações: www.edushin.com.br

 

Tem alguma opinião sobre assuntos que movimentam os negócios e a situação no Paraná, Brasil e no Mundo? Envie para peoplesa@bemparana.com.br e compartilhe sua ideia com nossos leitores.

 

 

 

alison

Venda de lingerie triplica em dezembro

13 dezembro, 2017 às 16:26  |  por Maximilian Santos

Dezembro começou com o anúncio que muitas pessoas esperam para escolher o tom certo do ano novo. Para 2018, na teoria, a tendência de moda, design e cultura irá apostar no ultravioleta, mas na prática, parece que as coisas não funcionam exatamente assim. Desde o ano passado, por conta da crise, o público tem apostado no amarelo como a cor da virada. O motivo é claro: de acordo com as superstições, a tonalidade significa mais dinheiro no novo ano.

Mas as simpatias não param por aí. Há quem acredite que usar o amarelo em novas lingeries é ainda mais efetivo, além de ser uma opção mais em conta para quem está atrás de um presente. De acordo com Alison Mazza Lubascher proprietária da franquia Liz do ParkShoppingBarigui, neste ano o amarelo continua liderando as vendas dessa época. “As pessoas buscam muito as calcinhas como presentes de final de ano, principalmente para eventos como amigo secreto, em que os valores são um pouco menores. Com o movimento de Natal que já começou, temos percebido uma busca maior do que no ano passado pela cor amarela, tanto que para este ano criamos uma edição especial nessa cor, que vem acompanhada de um pingente Swarovski”, conta.

Para se preparar ainda mais, Alison conta que houve um reforço de 25% no estoque de calcinha amarela, em relação a dezembro do ano passado. Segundo ela, é preciso aumentar o estoque para suprir a demanda. “O período do Natal é o melhor de vendas para nós. Durante o ano vendemos cerca de mil peças por mês e, em dezembro, estamos esperando triplicar esse valor”, finaliza.

Traz dinheiro mesmo?

Segundo a professora de Economia da Universidade Positivo, Leide Albergoni, apenas simpatia não basta para que 2018 seja um ano mais tranquilo financeiramente. “A receita ideal é o planejamento e o início do ano é a época ideal para se programar”, ressalta. Em primeiro lugar, a especialista recomenda conhecer a estrutura de gastos. “Anote todos os gastos diariamente e organize as despesas em uma planilha, separando-as por categoria: alimentação fora de casa, contas da casa (energia, telefone, supermercado), escola, transporte (combustível, vale transporte, táxi), vestuário, lazer, seguros (carro, casa, vida), impostos, financiamentos e empréstimos, entre outras despesas que você identificar”, explica.

Em seguida, a professora orienta estabelecer metas de gastos mensais. “Determine um limite máximo para cada categoria (supermercado, transporte, vestuário, entre outras despesas que dependem de suas escolhas). O ideal seria fazer o balanço diariamente, mas uma vez por semana já é suficiente para se planejar para a semana seguinte”, conta. Além  dos gastos rotineiros, o início de ano é sinônimo de despesas como IPTU, IPVA, material escolar e seguro. “É recomendável aproveitar o 13º salário para pagar essas despesas, ou então ir guardando um pouquinho por mês durante o ano  para conseguir pagar à vista”, explica.

 

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Munhoz NeoGrid

Vendas nos supermercados aumentaram até 12 vezes na Black Friday

13 dezembro, 2017 às 16:16  |  por Maximilian Santos

Durante a última Black Friday, no dia 24 de novembro, as vendas do varejo supermercadista cresceram 2,6% em relação ao mesmo período de 2016, segundo levantamento realizado pela Neogrid, empresa que coleta informações de mais de cem redes de varejos em todo o Brasil. O número de produtos vendidos chegou a ser 12 vezes maior quando comparado à semana anterior, como no caso do uísque.

Entre os produtos mais procurados durante a data, lideram o ranking bebidas e eletrodomésticos. As vendas de produtos da chamada linha marrom – que engloba televisores, som e vídeo – aumentaram quatro vezes, enquanto que da linha branca –  que reúne geladeiras, fogões e microondas –, cresceram três vezes e as de vodca, duas vezes.

Segundo o vice-presidente de operações da Neogrid, Robson Munhoz, o sucesso da Black Friday deste ano se deve às ações realizadas no varejo físico. “Os varejistas aumentaram seus estoques nos pontos de venda, decoraram as lojas, fizeram campanhas e promoções reais, além de reunirem os funcionários de todos os turnos para estarem à disposição dos consumidores. Tudo isso colaborou para um bom resultado”, explica o executivo.

Segundo números da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as lojas virtuais nacionais movimentaram R$ 2,48 bilhões em 2017, o que representa uma alta de 16% em relação ao mesmo período de 2016. Veja abaixo a lista de alguns dos produtos mais vendidos na data, de acordo com o estudo da Neogrid.

 

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Monique de Souza Pereira e Nelson Luiz Oliveira, SouzaPereira Advogados

Gestão interfere na longevidade das empresas familiares

12 dezembro, 2017 às 15:44  |  por Maximilian Santos

A maneira como uma empresa é gerenciada interfere diretamente em seus resultados e, principalmente, em sua presença e longevidade no mercado. Em empresas familiares, a gestão tem papel fundamental para o bom desempenho dos negócios. Prova disso é que a profissionalização contínua das atividades e de seus membros pode assegurar à família empreendedora a tão sonhada longevidade empresarial, mesmo diante dos desafios e incertezas presentes nessa trajetória.

Segundo a advogada Monique Souza Pereira, sócia do escritório Souza Pereira Advogados, de Curitiba, é preciso traçar regras claras de gestão, governança e sucessão, em todos os estágios de vida da empresa, evitando que a inércia do fundador em momentos cruciais promova o declínio do seu negócio. “No início, grande parte das empresas começam suas atividades por meio de ideias, colocadas em prática por seus idealizadores. Nessa fase, observamos que seus proprietários estão no centro de todas as funções, e com essa centralização as estruturas organizacionais são informais sem nenhum tipo de planejamento”, analisa Monique.

O grande desafio desse estágio é ter uma visão racional do empreendimento para que esperanças pessoais motivadas pela idealização dos sonhos dos fundadores não ofusquem o julgamento sobre a viabilidade do negócio. Após o período de fundação, a advogada afirma que a empresa familiar poderá evoluir até o segundo estágio identificado como expansão, quando sinais de crescimento começam a se fazer presentes em diversas áreas, tais como, vendas, produtos, maior número de funcionários, adição de políticas de recursos humanos, controles mais rígidos e investimentos em sistemas e equipamentos. “Nessa fase, o proprietário ainda poderá estar levantando capital para manter a empresa operando em um nível sustentável, ocasião em que deverá ter cautela para que as necessidades pessoais da família não absorvam os recursos financeiros que deveriam ser investidos no negócio”, revela a especialista.

Depois de todo esse processo a empresa familiar passa pelo terceiro estágio, caracterizado como maturidade. De acordo com o especialista em governança corporativa, Nelson Luiz Paula de Oliveira, esse estágio é alcançado quando os principais produtos ou serviços da empresa passam a ter uma evolução mais lenta. “A maturidade ocorre quando as margens, antes saudáveis, começam a diminuir, os concorrentes se propagam e as vendas se estabilizam ou declinam. Ou seja: as empresas precisam se reinventar para superar essa fase, apontada por muitos estudos como a mais crítica para a sobrevivência do negócio”, avalia Oliveira.

Portanto, no decorrer desses estágios é importante que o fundador tenha uma equipe capacitada, incluindo membros das próximas gerações da família e que, segundo o especialista, adote boas práticas de governança, tanto para assegurar maior controle nos processos de gestão, como para promover um direcionamento mais estratégico aos negócios. “Além disso, é importante planejar a passagem da empresa a um sucessor competente e habilitado, mantendo viva a confiança de todas as partes que com ela se relacionam, pois sem regras de sucessão, na ausência do fundador, a empresa poderá perder seu rumo e a credibilidade de seu mercado”, alerta Oliveira.

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Maria Andreia Lameiras

Ipea diz que inflação dos mais pobres ficou menor em novembro

12 dezembro, 2017 às 14:28  |  por Maximilian Santos

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda de novembro de 2017 aponta que as parcelas da população de renda mais baixa foram as que apresentaram as menores taxas de inflação. Enquanto a inflação da população de renda muito baixa registrou alta de 0,07%, nas famílias de renda alta o crescimento foi de 0,34%. No ano, a inflação dos mais pobres acumula uma alta de 1,8%, inferior à registrada pela classe de renda mais alta (elevação de 3,2%).

“De fato, a significativa desaceleração no preço dos alimentos ao longo do ano se constitui no principal foco de alívio inflacionário em 2017, especialmente para as classes de menor poder aquisitivo”, explica Maria Andreia Parente Lameiras, pesquisadora do Grupo de Conjuntura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Os alimentos são o item com maior peso nos gastos totais das famílias mais pobres. A deflação dos alimentos contribuiu para diminuir em 0,16 p.p. a inflação dos mais pobres, ao passo que, para a classe mais alta, a ajuda foi de 0,05 p.p.

Em menor intensidade, os transportes também influenciaram, com a queda nas tarifas dos ônibus urbanos (0,6%) e interestaduais (1,6%), itens de grande peso na inflação dos mais pobres. Em contrapartida, nas classes mais ricas, para as quais o gasto com combustíveis é bem maior, a alta de 2,9% no preço da gasolina fez com que a contribuição do grupo transportes fosse positiva.

Entre os itens que tiveram impacto maior sobre as famílias menos abastadas, os reajustes das tarifas de energia elétrica (4,2%) e do gás de botijão (1,6%) significaram um aumento de 0,29 p.p. na inflação dos mais pobres – e de 0,11 p.p na dos mais ricos. Nos últimos meses, de acordo com a análise, a desaceleração da trajetória inflacionária ocorreu de modo significativo em todas as faixas de renda.

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Youtube/Ipea

Temer e Gilmar Mendes

Temer nomeia novo diretor e a ex-esposa do ministro Gilmar Mendes, do STF, na Itaipu

12 dezembro, 2017 às 14:19  |  por Maximilian Santos

O engenheiro agrônomo Luiz Kaminski, 52 anos, é o terceiro empregado de carreira a ser nomeado diretor da Itaipu Binacional. Ele assume a Diretoria de Coordenação no lugar de Helio Amaral. A nomeação, com mandato até 16 de maio de 2022, foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (12).

Também foram nomeados os conselheiros Frederico Matos de Oliveira e Samantha Ribeiro Meyer. A designação tem validade até 16 de maio de 2020. Com essas nomeações, o número de representantes brasileiros no Conselho de Administração da Itaipu está completo.

Advogada, doutora e professora universitária, Samantha é a primeira mulher a assumir uma vaga no Conselho de Administração no lado brasileiro da Itaipu. Ela também é ex-mulher do ministro do STF, Gilmar Mendes e, assinou, parecer usado pela defesa do presidente na ação movida pelo PSDB que pediu a cassação da chapa Dilma/Temer. Frederico Matos de Oliveira é advogado e diretor do Departamento de Articulação com os Estados da Casa Civil.

O decreto desta segunda-feira, 11 de dezembro, publicado nesta terça-feira, é assinado pelo presidente da República, Michel Temer, e pelo ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho. Link para as nomeações no Diário da União: goo.gl/k2mNDP.

Antes de Kaminski, outros dois empregados de carreira haviam sido nomeados diretores na Itaipu. A primeira, em 2006, foi Margaret Groff, hoje aposentada, na Diretoria Financeira Executiva. Em março deste ano, Marcos Baumgärtner foi nomeado diretor administrativo.

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Minervino Junior

 

 

 

Os jornalistas Flávio Ricco e José Armando Vannucci (Créd. Manuela Scarpa)

ESTANTE S/A – Lançamento de livro em Curitiba sobre a história da TV brasileira contada por quem a fez

11 dezembro, 2017 às 17:59  |  por Maximilian Santos

Biografia da Televisão Brasileira (Matrix Editora) traz em dois volumes de 464 páginas cada provavelmente a maior, mais extensa e significativa pesquisa sobre a  história da televisão no Brasil. Os mais importantes profissionais envolvidos com a TV foram entrevistados para compor um painel amplo desse veículo que desde 1950 cativa corações e mentes do país e que se tornou um símbolo da cultura nacional, apresentando conhecimento, diversão e informação. Os autores Flávio Ricco (também colunista do Bem Paraná) e José Armando Vannuci lançam o livro, com noite de autógrafos, no próximo dia 11 de dezembro, às 19 horas, na Livrarias Curitiba do Shopping Palladium (Av. Kennedy, 4121). O lançamento do livro em Curitiba tem o apoio da Rede Massa | SBT.

 A obra não segue uma ordem cronológica da primeira a última página, mas o faz dentro de cada assunto tratado ao longo de seus 54 capítulos.

Biografia da TV brasileira - Caixa 3D

No primeiro volume, entre outros temas estão os pioneiros e sonhadores da TV. O aparecimento da Tupi, Record, Excelsior, Globo e Bandeirantes. Como as emissoras acabaram direcionando suas primeiras programações para o público feminino. Como eram exibidos os programas em cidades diferentes, num tempo em que não havia satélite, e como a força das novelas ajudou a moldar a programação, fazendo o sucesso de atores e atrizes.

No segundo volume, a evolução do jornalismo televisivo e das transmissões esportivas. Os programas de rádio tornam-se o grande referencial das emissoras de TV, fornecendo conteúdos e formatos. A evolução da teledramaturgia. Quem foram e quem são os grandes comunicadores. A chegada dos seriados, dos reality shows e das novas tecnologias, entre tantos outros assuntos importantes. A capa é de autoria de Hans Donner.

Os autores

Flávio Ricco é jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu durante anos o Programa Ferreira Netto, que recebeu algumas das maiores expressões da vida política nacional e, mais recentemente, integrou a equipe do SBT Repórter, com reportagens em Portugal, Tailândia, Estados Unidos, China, Holanda, Espanha, Vietnã, Marrocos, entre outros países.

Começou como repórter esportivo de rádio e colaborou com Ferreira Netto em suas colunas de televisão no jornal Folha da Tarde. Desde 2003, Flávio Ricco assina a Canal 1, coluna especializada em assuntos da TV e uma das mais conceituadas e respeitadas no assunto, hoje publicada em 83 jornais brasileiros e no portal UOL. Em 2011, 2013 e 2014, foi indicado para o Comunique-se, o Oscar do jornalismo, como Melhor Colunista, ficando entre os três finalistas, sendo vencedor da edição de 2012.

José Armando Vannucci é jornalista e, atualmente, um dos autores-roteiristas do Domingão do Faustão da Rede Globo. Trabalhou por mais de 25 anos na Rádio Jovem Pan, onde atuou como coordenador de produção, além de manter uma coluna diária sobre os bastidores da TV. Foi, aliás, um dos primeiros a desenvolver um blog voltado à cobertura desse tema, com entrevistas, análises, reportagens especiais em vídeo e a participação do internauta. Graças a isso, o Parabólica JP se tornou referência entre as publicações digitais. Depois, de forma independente, lançou o Blog do Vannucci. Por 17 anos integrou o júri do Troféu Imprensa, transmitido pelo SBT. Na TV Gazeta de São Paulo foi colunista durante 11 anos no Todo Seu, com o quadro De Olho na TV. Nessa mesma emissora também fez parte do Mulheres e foi um dos apresentadores do web-programa Responde o Meu E-Mail, Vannucci. Já atuou ainda como professor de redação jornalística.

Livro: Biografia da Televisão Brasileira
Páginas: 928 páginas (em dois volumes)
Valor: R$ 99,90

 

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Manuela Scarpa.