Há ‘Jumanji’ sem Robin Williams

5 janeiro, 2018 às 13:31  |  por Lycio Vellozo Ribas

Dr. Bravestone (Dwayne Johnson): avatar do nerd Spencer

Quando o reboot de ‘Jumanji’ foi anunciado pela Sony, houve chiadeira, pelo medo de que o exemplo clássico de ‘Sessão da Tarde’ fosse estragado. Mas não. ‘Jumanji: Bem-Vindo à Selva’ mantém o clima do original: muita ação e diversão numa história levemente bizarra.

A grande sacada de ‘Jumanji: Bem-Vindo à Selva’ recai sobre a ambientação do filme. Nada de jogo de tabuleiro (quem, nessa geração millennials, ainda tem paciência para um jogo de tabuleiro?). Desta vez, Jumanji é um jogo de videogame, com o poder de transpor os jogadores ao cenário. Quando quatro adolescentes descobrem o videogame em uma casa antiga, acabam sugados à selva do jogo. E os quatro assumem o corpo dos avatares que escolheram. Para completar, os avatares não necessariamente refletem os adolescentes…

Assim, o nerd-de-carteirinha Spencer (Alex Wolff) vira o Dr. Bravestone (Dwayne Johnson), um herói cheio de músculos e com uma voz grossa.

O professor Oberon (Jack Black): avatar da gatinha Bettany

A gatinha-da-turma Bettany (Madison Iseman) toma a forma do professor Shelly Oberon (Jack Black), um cartógrafo com comportamento de adolescente mimada.

O biólogo Moose Finbar (Kevin Hart): avatar do atlético Fridge

O adolescente-atlético Fridge (Ser’Darius Blain) se torna o histriônico biólogo Moose Finbar (Kevin Hart).

Ruby Roundhouse (Karen Gillan): avatar da nerd Martha

E a também-nerd Martha (Morgan Turner) assume o corpo de Ruby Roundhouse (Karen Gillan), uma espécie de Lara Croft, que no fim das contas entrega uma das cenas mais divertidas do filme. Cada um dos avatares tem habilidades especiais, que serão reveladas com o passar da aventura.

Outra grande sacada foi não apelar para a nostalgia barata fazendo referências demais ao filme dos anos 90. ‘Jumanji: Bem Vindo à Selva’ tem vida própria e não tenta lembrar que houve um filme anterior. Fora isso, o novo ‘Jumanji’ repete a premissa do longa de 1995, colocando os quatro personagens diante de perigos diferentes a cada jogada. Há menos ligação com o livro que deu origem ao filme, escrito pelo norte-americano Chris Van Allsburg. Em contrapartida, apresenta um tom cômico mais acentuado que o filme antecessor. Jake Kasdan, o diretor (o mesmo de ‘Sex Tape – Perdido na Nuvem‘ e ‘Professora Sem Classe’), consegue equilibrar ação e humor.

Robin Williams iria gostar.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>