Treinamento Funcional

As vantagens de conciliar treinamento funcional e corrida

4 janeiro, 2018 às 08:46  |  por Vinicius Boreki

Os treinos são totalmente direcionados, visando não prejudicar o cumprimento da planilha de corrida

Treinamento funcional não se trata de qualquer método, exercício ou uso de equipamentos. Baseado em evidências, o foco é construir um tipo de treinamento que ofereça resultados mais completos ao atleta. “É preciso observar os indivíduos, seus movimentos e seus objetivos. Não se deve pensar na tendência da moda”, explica Eduardo Sosnowski, que realiza treinamento funcional no Studio 1.6.

Não só os corredores, mas muitas pessoas têm adotado a prática em função dos benefícios – aumento da capacidade cardiorrespiratórios, da força muscular, da disposição, entre outros – e da variação dos treinos, que nunca são iguais. Neste ano, realizamos o treinamento funcional entre março e dezembro. Os resultados – tanto em aumento de velocidade na corrida como em resistência – foram perceptíveis e sentidos em nosso dia a dia.

Veja outros esclarecimentos prestados por Sosnowski sobre o treinamento funcional na entrevista abaixo:

- Por que o treinamento funcional se tornou uma febre entre corredores, na sua opinião?

Por ser uma atividade que não demanda equipamentos iguais ao da musculação convencional, o treinamento funcional pode ser realizado em parques, praças, praia, e, por isso, ficou mais fácil o acesso para os corredores. E, é claro, a grande vantagem do treinamento funcional para corredores: o treino é 100% direcionado, de forma individualizada, sem prejudicar os treinos de corrida.

- Qual o tipo de benefício deste treinamento? Como Personal Trainer, quais são as vantagens visualizadas por você na comparação com outros exercícios, como a academia?

No funcional, temos um resultado mais rápido de que em outras atividades, pois trabalham-se exercícios de forma integrada e não isolada, como na musculação, por exemplo. Diferente da academia cuja maioria dos casos o aluno fica 2, 3 meses com o mesmo treino, aqui no Studio cada treino é único, ou seja, toda aula um treino diferente.

- Há alguma desvantagem nesta prática? Se não, que tipo de cuidados devem ser tomados pelos corredores?

O principal cuidado a ser tomado é com o equilíbrio de força e flexibilidade. Nos treinos, é preciso trabalhar as cadeias musculares anteriores e posteriores, equilibrando as forças para evitar lesões. Cuidar também em manter musculaturas do core (perna, glúteos, abdômen e dorsais) fortes o suficiente para aguentar o impacto de uma maratona ou meia maratona, por exemplo. E dar a devida atenção a flexibilidade para evitar dores.

- Você podia falar sobre dois equipamentos que são novidades no Studio 1.6: o fitpulley e o Stroops? Como eles funcionam? Quais seus diferenciais?

Fitpulley – É uma estação de musculação extremamente compacta que oferece carga por meio de resistência elástica, polias deslizantes permitem posicionamento linear de vetores de saída e ajustes de carga entre 2 e 35kg, mensuráveis. No Fitpulley, podemos fazer uma sessão completa de treino com um equipamento.

Stroops – Conjunto de elásticos com cargas variadas de acordo com o número utilizado para cada exercício. Com os stroops, é possível fazer treino de agilidade, força, potência, corrigir técnica de corrida e trabalhar a reabilitação, caso necessário.

- Como conciliar funcional e corrida, já que a funcional geralmente é muito desgastante? Qual seria o número de práticas de funcional e de corridas por semana?

No caso dos corredores, é preciso adequar o treino funcional a periodização dos treinos de corrida, pois o objetivo principal é o desempenho nas provas. Portanto, a quantidade de aulas por semana irá variar de acordo com o cronograma de corridas de cada aluno.

- Alguma dica específica para dar aos corredores?

Procure sempre um profissional capacitado. Infelizmente, muitos profissionais utilizam a expressão de treinamento funcional sem conhecer a metodologia, ocasionando prejuízos ao aluno.

Quer conhecer mais sobre algum assunto ligado ao mundo da corrida? Deixe o seu comentário.

Calendario Corridas

Prefeitura divulga calendário de corridas de Curitiba para 2018

21 dezembro, 2017 às 12:18  |  por Vinicius Boreki

Confira as provas agendadas para o período entre janeiro e março do ano que vem

A prefeitura de Curitiba divulgou o calendário de corridas de rua para o ano de 2018. Listamos, abaixo, as provas agendadas entre janeiro e março. Em algumas delas, ainda não encontramos as inscrições abertas e, por esse motivo, não inserimos o link para mais informações.

Duas das provas que chamam a atenção por fugirem das distâncias tradicionais de 5 e 10 quilômetros são a Corrida Verde e a Entre Parques, com 16 km e 25 km, respectivamente. São duas boas opções para os corredores interessados em concluir provas mais longas, visando o treinamento para meias maratonas e maratonas.

Vale lembrar que algumas provas bem interessantes para o ano que vem nas proximidades da capital paranaense já estão com inscrições abertas e em seus lotes promocionais, caso da Meia Maratona de Camboriú, no dia 29 de abril, e da Maratona Internacional de Floripa, marcada para 26 de novembro.

A Maratona de Curitiba está agendada para o dia 18 de novembro. Guarde essa data na agenda para enfrentar os 42 quilômetros ou mesmo para sair de casa e transformar a cidade em uma verdadeira festa para os maratonistas que encaram uma das provas mais duras do Brasil.

Janeiro

20/01 – Parque Barigui – 3ª Summer Night Run – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/Summer-Night-Run–2018-5275

21/01 – Corrida da Ponte – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/Corrida-Da-Ponte-Faculdade-Inspirar–2018-5116

28/01 – Batel Run –5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/Batel-Run–2018-5095

Fevereiro

04/02 – Track & Field Run Series – Shopping Mueller – 5km/10km

https://www.tfsports.com.br/eventos/tfrs-shopping-mueller_2018

04/02 – Corrida Dia da Saúde Ecco Salva 5km/10km

18/02 – 3ª Corrida Verde – 10 milhas ou 16 km

http://www.thomeesantos.com.br/evento/corrida-verde/24

25/02 – XII Corrida Entre Parques – 25km

http://corridasweb.curitiba.pr.gov.br/FrmLogin.aspx

Março

04/03 – 17ª Corrida da Mulher – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/Corrida-Da-Mulher–2018-5327

04/03 – 3ª Corrida BPTran – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/3-Corrida-Solidaria-Provopar-Estadual-E-Bptran-5640?tk_TA_14=akNDSzMxQyUyZjJRNHdQRERoMU45eG1wZkQydHJGTldoVm1RcHlHM0slMmZ1d1olMmI0TnMwTWZVbDZRJTNkJTNk0

07/03 – Esquenta de Corridas – Etapa 01 – 3km/5km

10/03 – 14ª Corrida Noturna Unimed – 5km/10km

http://www.chiptiming.com.br/eventos/14corridaunimedcuritiba

11/03 – 1ª Corrida Casa Militar e Provopar Estadual – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/1-CORRIDA-DA-CASA-MILITAR-E-PROVOPAR-ESTADUAL-5648?origem=assessocor

18/03 – Etapa Copel – Circuito de Corridas Rústicas da Indústria

25/03 – Relay your race – 3ª edição – 7,5km/5km/2,5km

25/03 – 1a Prova Pedestre Patrulha Escolar – 5km/10km

https://www.ticketagora.com.br/e/Circuito-Pmpr–Primeira-Corrida-Da-Patrulha-Escolar-5515

 

Sergio

O que o seu sorriso tem a ver com a corrida?

19 dezembro, 2017 às 12:00  |  por Vinicius Boreki

Rotina de treinos, alimentação, sono… Muitas são as preocupações dos corredores, mas você sabia que a saúde bucal pode estar relacionada a tudo isso?

Um corredor amador se preocupa com vários detalhes de sua rotina: qual a alimentação adequada? Que tipo de treino deve realizar? Quantas horas por noite deve dormir? Essas são apenas alguns dos cuidados adotados para tentar o melhor desempenho possível na tão sonhada prova. Você sabia que aquela dor incômoda no quadril ou na pisada pode ser reflexo de sua saúde bucal?

Uma disfunção dos músculos temporomandibulares (ATM), por exemplo, costuma gerar dores nas costas e no pescoço e um desalinhamento postural, que pode reverter em uma sobrecarga das articulações, como quadril, joelhos e tornozelo. “Os estímulos dolorosos podem ser transmitidos entre os tecidos que envolvem os músculos e para os nervos, causando consequências em outras partes do corpo”, explica o dentista Sergio Correia, especialista em dentística restauradora e em periodontia.

Outro ponto mencionado por correia está relacionado ao sono. Muitas pessoas não sabem, mas sofrem com bruxismo – o ato de ranger os dentes –, que afeta não só a quantidade de horas dormidas, como também a qualidade. “Esse tipo de preocupação e cuidado, por vezes, é negligenciado pelos corredores por falta de informação. Por isso, há a importância de manter a saúde bucal em dia, com as consultas de rotina”, ressalta o profissional, cujo consultório está localizado no bairro Batel.

Bons hábitos

Assim como nos treinos de corrida, os hábitos de higiene diários costumam evitar uma série de problemas para as pessoas, em especial pequenos focos de infecções, que costumam tornar os atletas menos eficientes. A escovação diária adequada, somada ao uso do fio dental e do enxaguante bucal, costuma evitar uma série de problemas.

No entanto, é importante agendar, ao menos uma vez ao ano, uma consulta de rotina. Durante esse período, o profissional será capaz de perceber uma série de detalhes da sua boca, como o bruxismo, presença de infecções e a saúde da boca de uma forma mais global.

Tem alguma dúvida sobre corrida? Gostaria de tirar dúvidas sobre treinos, provas e o calendário? Escreva um comentário ou entre em contato por e-mail!

Leo-Dambiscki-

A importância de variar os treinos

14 dezembro, 2017 às 14:13  |  por Vinicius Boreki

Corpo não deve se acostumar ao mesmo treino, ensina o fitness and life coach Leonardo Dambiscki; o ideal é buscar outras atividades físicas para conciliar com a corrida

Cada vez mais, os treinamentos de corrida são mais variados dentro da própria modalidade. Na planilha estabelecida para o atleta amador estão os treinos intervalados, os longos, os de ritmo, os regenerativos, entre outras diversas possibilidades.

No entanto, além da corrida, outras modalidades e práticas podem ser inseridas na rotina de um corredor, visando transformar o tipo de estímulo recebido e também dar uma espécie de “folga” para o corpo e para a mente. “A dica que eu dou é: você estabelecer sua modalidade fixa, mas achar mais duas que você pratique de vez em quando, até mesmo como forma de “alívio” da mente”, explica o fitness and life coach Leonardo Dambiscki, que orienta diversos corredores na CF Trainer Treinamento Funcional.

Confira, abaixo, uma conversa sobre a variabilidade de treinos e seus benefícios para os corredores, inclusive em relação à performance.

Bomdedicadecorrida – Que tipo de práticas de exercícios devem ser conciliadas com a corrida?

Leonardo Dambiscki – A corrida é um esporte universal e, portanto, qualquer esporte pode ser conciliado a ela. O que deve ser levado em consideração são os perigos desses esportes. Vamos pegar o exemplo mais conhecido de todos: o futebol. Um baita  exercício cardiorrespiratório, aliado da corrida, mas os riscos de uma lesão são altos, o que pode tirar por alguns meses das pistas. Esportes ou atividades que tenham como papel principal auxiliar e até potencializar a corrida são ideais, dentre elas o treinamento funcional, uma das melhores opções.

BDC – É benéfico para o corpo oferecer essa variação de exercícios?

LD – Para o nosso corpo, a variação de atividade é sempre benéfica, pois nunca deixamos o organismo se “acostumar” com aquele estímulo. Porém, mais uma vez volto a bater na mesma tecla: a variação é importante, mas sempre dentro de uma periodização para a corrida.

BDC – Insistir em um tipo só de exercício pode causar lesões ou estagnação?

LD – Insistir em apenas um exercício não é responsável por causar lesão. O maior problema disso é o fator psicológico. Hoje em dia, as pessoas se cansam fácil de qualquer atividade, e isso pode fazer com que pare de praticar. A dica que eu dou é você estabelecer uma modalidade fixa, mas achar mais duas que você pratique de vez em quando, até mesmo como forma de “alívio” da mente.

BDC – Em relação ao fortalecimento, o corredor deve investir em uma academia ou outros tipos de práticas também podem ser consideradas?

LD – Em relação a fortalecimento, os caminhos são vários, e todos eles funcionam: pilates, funcional, musculação… O mais importante em todo o processo é ter ao seu lado um profissional competente, que leve até você o melhor e mais eficaz caminho para atingir o seu objetivo.

BDC – O treinamento funcional e práticas de alta intensidade (HIIT) viraram febre. Quais são as vantagens deste tipo de prática?

LD – O funcional e o HIIT estão em alta, pois têm provado que não precisamos mais ficar horas treinando em uma academia para obter resultados. Estudos comprovam que 25 minutos de atividade física de alta intensidade diariamente são suficientes para ganhos consideráveis em todas as valências físicas existentes em nosso corpo.

BDC – Existe um número mínimo de vezes que um corredor deve praticar a corrida em uma semana? Como dividir esse treino (tiros, longos e etc)?

LD – Isso varia muito. São muitos fatores que devem ser levados em conta para montar uma estratégia de treino: quantas vezes a pessoas vai treinar; quanto tempo; histórico de lesão; alimentação e etc. O ideal mesmo é uma boa anamnese do responsável para  montar o melhor treino possível para aquela pessoa.

Quer saber mais sobre algum aspecto da corrida? Deixe um comentário ou envie um e-mail para que possamos tirar suas dúvidas!

Ina-2

Quiropraxia para corredores

12 dezembro, 2017 às 19:11  |  por Vinicius Boreki

Neste ano, descobri a quiropraxia por acaso e me apaixonei pelos benefícios gerados por essa prática e como ela beneficiou minha corrida

Na sexta-feira, véspera da maratona de Curitiba, marquei uma sessão com a quiropraxista Inajara Maciel, que nos atende desde o meio do ano. A ideia era só soltar os músculos da perna e das costas para estar na melhor forma possível para a prova. Depois de um ano de treinos intensos, fiquei gripado justamente na semana da prova e ela fez uma série de manobras para liberar os músculos no entorno do pulmão. Resultado: saí de lá com a respiração bem mais aliviada e tranquila e muito mais confiante de que iria terminar a prova bem, o que aconteceu de fato.

Na terça-feira seguinte, voltei para uma sessão de pós-prova, com dores no corpo, especialmente no quadril, e alguns incômodos musculares. Saí de lá, novamente, com a impressão de que poderia correr – algo que parecia impossível para alguém que sofria cada vez que olhava uma escada e pensava em descê-la (se você já ficou com aquela dor chata da corrida, sabe que descer escada é um verdadeiro tormento).

Nas consultas de rotina, depois de uma avaliação completa do paciente e de escutar os propósitos com o tratamento, a profissional sente, pelo toque, quando os músculos e nervos estão desalinhados, procurando a origem do problema.

“Após a queixa do paciente, vamos percebendo, com o toque, quando há algo de errado que pode ser ajustado. No caso de atletas, tanto amadores quanto profissionais, a técnica previne lesões e também melhora a performance. O curioso é que nem sempre a origem do problema está no foco da dor”, explica Inajara Maciel, que atende no bairro Portão.

O que é quiropraxia?

Em geral, as pessoas só buscam a quiropraxia quando estão com algum tipo de lesão, em especial na coluna. As estimativas do IBGE apontam que 27 milhões de brasileiros sofrem com dor nas costas. No entanto, a quiropraxia está longe de tratar apenas deste mal.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os tratamentos realizados pela técnica buscam equilibrar aspectos neuro-músculo-esquelético, por meio da manipulação manual (com os famosos estralos) ou por meio de equipamentos adotados pelo profissional, sem o uso de medicamentos ou o apoio de procedimentos cirúrgicos.

Os benefícios

O quiropraxista busca alinhar o corpo por meio de manobras. Por vezes, a dor sentida no quadril, por exemplo, não tem a ver com aquela região, mas com a falta de sintonia desta parte do corpo com as demais. A ideia é melhorar tanto a postura quanto a biomecânica de cada atleta, sendo possível até mesmo corrigir a pisada no caso dos corredores ou as joanetes!

Uma das técnicas mais conhecidas é o uso das fitas de kinésio (ou Kinesio Taping), que são coladas em partes estratégicas do corpo para propiciar estabilidade do músculo e da articulação. Ela pode ser usada tanto para prevenir lesões, como para otimização da performance, visando a melhora dos movimentos esportivos. Essa técnica foi desenvolvida pelo quiropraxista Kenzo Base, na década de 1970, no Japão, embora recentemente tenha se tornado comum também entre os fisioterapeutas.

WhatsApp Image 2017-12-12 at 15.36.00

Durante a Copa do Mundo de 2014 – apesar do inesquecível 7 a 1 –, os atletas da seleção brasileira pediram à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que chamasse uma profissional. “É um trabalho excelente. Você sente o corpo mais equilibrado, tudo no lugar. Faz diferença quando se trata de alta performance”, afirmou, à época, o zagueiro Dante ao site da CBF.

Quer ler sobre algum assunto específico no blog? Deixe um comentário ou entre em contato pelo e-mail!

drauzio-bio

Os relatos do Dr. Drauzio te motivam a correr

5 dezembro, 2017 às 13:42  |  por Vinicius Boreki

Lançada em 2015, a obra mescla conhecimentos científicos, relatos de treinos e provas e a relação de Drauzio Varella com um esporte que pratica há mais de 20 anos, muito antes da democratização vivida nos dias atuais

Motivação para correr é algo muito pessoal, assim como os objetivos com o esporte. Algumas pessoas praticam pelo simples bem-estar gerado, enquanto outras visam derrubar desafios, seja uma maratona, uma meia maratona ou ser cada vez mais rápido em provas de 5 e 10 quilômetros. É curioso como cada pessoa tem uma relação com a corrida e nem sempre temos conhecimento disso.

Essa foi uma das razões pela qual recomendo o livro Correr – O Exercício, a Cidade e o Desafio da Maratona, do médico Drauzio Varella. A obra é uma daquelas experiências que vale a pena ser vivida por um corredor e para aqueles que pensam em se tornar adeptos deste democrático esporte.

Drauzio - Correr

De leitura rápida, simples e agradável, em 206 páginas, o livro mostra alguns dos desafios vividos pelo médico em seus mais de 20 anos de corrida pelo mundo – ele já concluiu algumas das principais maratonas, como Nova Iorque e Tóquio, por exemplo.

Em uma mescla entre relatos pessoais de treinos e provas, especialmente maratonas, com informações médicas e científicas sobre o ato de correr e seus impactos e riscos para o corpo, e até mesmo uma pesquisa sobre a verdadeira história da Maratona (aquela, que envolve a Grécia Antiga), o médico consegue deixar qualquer corredor muito à vontade com suas experiências e, ao mesmo tempo, motivá-los.

Alguns capítulos chamam a atenção, especialmente o momento em que Dr. Drauzio – vou tomar a liberdade de chamá-lo pelo nome e não pelo sobrenome – mostra como é a rotina de uma maratonista profissional. Seu volume de treinos, as dificuldades, a necessidade de abrir mão de tantas coisas, como vida social, férias, uma alimentação menos controlada. Ao conhecer esse cotidiano, garanto que você vai evitar de criticar qualquer atleta profissional – de qualquer esporte.

É preciso se identificar

Neste ano, durante a maratona de Curitiba, quando voltava pelo viaduto da Marechal Floriano, no quilômetro 32, havia algumas pessoas ao lado da pista. Uma delas falou: “Vamos, Vinicius!”, e a pessoa do lado brincou: “Olha a cara dele, ele tá bem! Grita para quem parece mais cansado”. E eu me convenci de que estava bem!

Mais tarde, quase no quilômetro 39, subíamos o viaduto do Capanema e uma menina foi extremamente hábil para se agachar e me entregar um geladinho, que é quase uma tradição naquele ponto da prova. Nessa hora, ao contrário do momento anterior, percebi que minha expressão não devia ser das melhores, mesmo que me sentisse bem, considerando que corria há quase quatro horas.

Meu relato é, de certa forma, próximo ao vivido pelo Dr. Drauzio em uma de suas maratonas:

“Naquele trecho, cada curva da estrada parecia trazer o fim da ladeira, impressão frustrada ao atingi-la e constatar que a subida se prolongava até a virada seguinte. Foram quatro ou cinco curvas assim, já não recordo. Só ficaram as memórias do esforço, do frescor da mata virgem ao lado, do sol e da ambulância que passou por mim, com um rapaz de branco sentado na parte traseira, de porta aberta: “Tudo bem com você?”. Respondi que sim, ele insistiu: “Tudo bem mesmo?”. Fiquei impressionado com a organização: uma ambulância para saber como estava cada corredor. No entanto, para minha surpresa, o carro seguiu sem perguntar nada a mais ninguém, até sumir de vista. Achei estranho”. 

 

 

Maratona na Serra da Graciosa será a novidade do Circuito Amazing Runs

Circuito Amazing Runs tem datas confirmadas para 2018

1 dezembro, 2017 às 17:03  |  por Vinicius Boreki

Nascido há quatro anos, calendário inclui quatro etapas em três estados brasileiros e prova de 42K na Serra da Graciosa, no Litoral Paranaense

Com etapas no Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais, o Circuito Amazing Runs, que nasceu há quatro anos, já tem datas confirmadas para 2018. Todas as provas realizadas em 2017 estão mantidas no calendário. A principal novidade é na prova da Graciosa, 20 de outubro, no litoral paranaense: além da tradicional Corrida da Graciosa (20K) haverá a maratona. Serão 42 kms de subidas e descidas na mais antiga via que liga Curitiba ao Litoral Paranaense. “É uma inovação e será uma prova bastante dura e desafiadora que vai acontecer paralelamente à Corrida da Graciosa, já reconhecida nacionalmente”, destaca Arthur Trauczynski, diretor de negócios da Global Vita, organizadora da prova e da Maratona de Curitiba 2017.

Circuito AR 2018

Além da maratona da Serra da Graciosa, a etapa de Garopaba-SC do Circuito Amazing Runs será realizada nos dias 19 e 20 de maio de 2018. Em 2017, a prova aconteceu em setembro, com destaque para o Ultra-Desafio da Baleia Franca, realizada em dois dias, com 41K no primeiro dia e 10,5K no segundo e último dia.

Por meio de uma parceria com a Átimo Experience, o Circuito AR expandiu suas operações com a prova na Serra da Canastra, que será realizada, pela segunda vez, nos dias 2 e 3 de novembro do próximo ano, no município de São João Batista do Glória, a 340 quilômetros de Belo Horizonte.

“Para os ultramaratonistas que completaram a prova de 64,9K, a premiação foi três pontos no índice para participar do Ultra Trail du Mont Blanc®, a maior prova de trailrunning do mundo”, lembra Trauczynski. O Ultra Trail du Mont Blanc® acontece uma vez por ano nos Alpes, e atravessa França, Itália e Suíça, com uma distância aproximada de 166 quilômetros.

Junto às etapas da Canastra Garopaba e Graciosa, o circuito Amazing Runs está confirmado para os dias 14 e 15 de abril na Ilha do Mel, também no litoral paranaense. Informações no www.amazingruns.com.br.

Amazing Runs – Calendário 2018

14 e 15 de abril – AR Ilha do Mel – PR

19 e 20 de maio – AR Garopaba – SC

20 de Outubro – AR Graciosa – PR

02 e 03 de novembro – AR Canastra – MG

Informações sobre inscrições e mais detalhes sobre as provas no www.amazingruns.com.br/

Post2

Fuja da dieta da moda!

30 novembro, 2017 às 17:24  |  por Vinicius Boreki

Frango com batata doce todo dia no cardápio ou low carb? Essas dietas são adequadas para você? Veja algumas dicas

Ter uma nutrição adequada é fundamental para um corredor de rua, por inúmeros motivos:

- Aumento da disposição

- Melhorar a performance

- Redução de radicais livres

- Melhor recuperação do pós-treino

- Diminuição da propensão a lesões

Saber o que comer e quando comer é uma forma de proteger o organismo. “Essa nutrição é necessária para evitar lesões, desmaios, tonturas, cãibras, desgastes musculares e ósseos e a perda de massa magra”, explica a nutricionista clínica, escolar e personal diet Angela Federau.

É curioso que alguns alimentos se tornam mocinhos ou vilões de repente. Quem não se lembra de todas as associações entre ovos e colesterol? A refeição da moda é o frango com batata doce, que se tornou uma febre nas academias. “Para um bom desempenho na atividade física, a alimentação deve ser saudável o dia inteiro. É importante que haja variação dos alimentos, pois cada um tem seu potencial nutricional, e, se ficamos reféns da batata doce, estaremos bem nutridos em poucos nutrientes, ocasionando a carência de muitos outros”, esclarece Angela.

As dietas “low carb” – com baixo ou nenhum uso de carboidratos – levam atletas a usar a massa magra (os músculos) para fornecer energia para o treino, o que é chamado de catabolismo em razão de não encontrar o glicogênio oferecido pelo carboidrato à disposição no organismo.

A nutricionista ensina que mesmo os alimentos considerados saudáveis (como a batata doce e o frango) devem ser consumidos com moderação: “A diferença entre o benefício e o prejuízo à saúde está sempre na quantidade ingerida”.

Individualidade do organismo

Cada atleta – seja amador ou profissional – tem objetivos diferentes e, por isso, a nutrição deve ser personalizada, com suporte de um profissional. “É preciso respeitar a individualidade de cada organismo, adequando a alimentação correta para cada situação”, sugere. Além disso, a nutrição deve variar conforme a intensidade do treino, o tempo, a necessidade de recuperação. Outro fator que não deve ser esquecido é a hidratação, especialmente nos intervalos entre as refeições e durante os treinos.

Veja algumas dicas de grupos de alimentos e suas aplicações:

Frutas: devem estar nos lanches, assim como as gorduras “boas” (castanhas, nozes, amêndoas, abacate e grãos como linhaça, chia e quinoa)

Carboidrato: é o fornecedor de energia e deve ser oferecido nas principais refeições. Opte sempre pelos integrais. Antes dos treinos, procure alimentos de fácil digestão, frutas com aveia, torrada integral com cottage, entre outras opções.

Proteínas: representadas por carnes, leites e derivados, ovos, feijões, lentilha, ervilha, grão de bico e soja, devem estar presentes no almoço, jantar e no pós-treino, auxiliando na reconstrução dos tecidos.

Ficou com alguma dúvida? Quer saber mais sobre algum assunto específico? Entre em contato com o blog pelo e-mail ou pelo Instagram @bomdedicadecorrida!

Corrida, um estilo de vida

30 novembro, 2017 às 10:56  |  por Vinicius Boreki

No universo das corridas, o desafio é sempre vencer você mesmo!

Foto - Capa

Se você chegou até esse blog, você também é um apaixonado por corridas ou quer começar a viver esse estilo de vida. A corrida de rua é assim: começa, normalmente, como uma prática despretensiosa de atividade física barata e fácil ou como uma tentativa para perder aquele peso excedente. De repente, quando você menos percebe, está investindo em um tênis melhor, pesquisando sobre aplicativos de corrida, buscando auxílio profissional de grupos especializados e exigindo cada vez mais de você mesmo.

Sim, normalmente, começa-se com os 5 quilômetros e se segue uma escalada: 10 km até os 21. Você pode insistir um pouco mais e tentar fazer os 42 quilômetros de uma maratona! E, se você realmente for louco por isso, pode dar os passos adicionais para as ultramaratonas (em uma definição simples, provas a pé que ultrapassam os 42.195 metros da maratona).

Esse universo é apaixonante e tem várias nuances para os atletas amadores. Ao contrário de outros esportes, o seu principal adversário é você mesmo. Há sempre o objetivo de baixar o tempo, aumentar o desafio e estar cada vez mais preparado para as próximas provas. Há uma frase que todo corredor costuma usar: “não é que ficou mais fácil, é você que está mais forte!”.

Nosso objetivo com este blog é prestar informações relevantes sobre o universo da corrida. Tipos de treinos, calendários de corrida, dicas de alimentação, lançamentos interessantes, curiosidades… Enfim, um mundo apaixonante. Você vai perceber com o passar do tempo! ;)

Somos corredores amadores, sem qualquer pretensão de sermos profissionais. Queremos apenas dar dicas e trazer informações pertinentes sobre esse estilo de vida.

Quer ler algo por aqui? Trazer algum assunto novo? Entre em contato pelo e-mail ou pelo instagram @bomdedicadecorrida.