A Cidade que Nasceu como uma Escultura

22/02/10 às 15:14 - Atualizado às 15:50 Dayse Regina Ferreira
Você pode pensar em Petra e na Jordânia por causa da novela “Viver aVida”. Ou porque leu o Antigo Testamento. Ou ainda porque assistiu “Embusca da arca perdida” , filme das aventuras de Indiana Jones. Mas nadadará a real dimensão do lugar fantástico, que encanta a todos osvisitantes que chegam ‘as terras do rei Abdulla II Ibn Al Hussein.

A rocha multicolor esculpida pelos nabateos deu origem ‘a maisimpressionante cidade, onde é possível sonhar todas as fantasias eimaginar  todas as histórias. Patrimônio da Humanidade, Petra sobreviveaos séculos, guardando os segredos de uma civilização pouco conhecida,mas que fez parte dos povos da Antiguidade. No sul do reino daJordânia, a leste de Wadi Araba, distante uma centena de quilômetros dogolfo de Aqaba, no Mar Vermelho, onde turistas da Jordânia, Israel eEgito aproveitam dos balneários, Petra fica escondida no meio demontanhas que separam o Mar Morto e o Mar Vermelho. Durante séculospermaneceu em  segredo, lugar só conhecido pelos povos nômades. Foiredescoberta em 1812 por John Lewis Burckardt, estudioso suíço queintegrou uma expedição patrocinada por associação londrina que faziadescobertas do continente africano. Rumando na direção ao Cairo,cruzando a região que hoje é parte do reino da Jordânia, Burckardtidentificou a cidade com Sela ( pedra, em hebreu), que aparece váriasvezes no Antigo Testamento.

Veja aqui mais iamgens desta viagem.

Mas os árabes a chamavam de Wadi Mousa. Adenominação Petra surgiu com a tradução dos escritos da Grécia antiga,que faziam referência ‘a  monumental cidade  feita de pedra. Hoje Petraé espaço protegido e  o Turismo  o ponto alto da Jordânia, levandogente de todo o mundo para ver  a  principal atração da região. Pormais que o viajante leia, veja em vídeos ou filmes os principais pontosde Petra,  ainda  assim será  grande a emoção do visitante quandoultrapassar uma estreita garganta no meio da rocha e se deparar com avisão do Khaznab – o Tesouro – imponente como uma catedral e símbolo dacidade. Mas Petra é muito mais e reserva inúmeras surpresas emquilômetros de belezas. Todas as encostas foram esculpidas formando acidade que era o ponto de encontro de caravanas que ligavam o Orienteao Ocidente. Como um cenário teatral, os monumentos se sucedem variandoa cor rosa escuro da pedra com veios amarelos, lilás, cinzas e brancos.Além  do Tesouro, uma das áreas mais impressionantes da cidade perdidaé a encosta dos túmulos reais e o Monastério.Patrimônio da Humanidadeem 1985, Petra foi  eleita em 2007 como uma das sete novas maravilhasdo mundo, junto com Machu Picchu (Peru), o Taj Mahal (Índia), o CristoRedentor e será sempre uma experiência inesquecível. Os primeirosturistas europeus começaram a chegar a Petra em 1925. Em 2008 o númerode visitantes atingiu  a  casa de 3,7 milhões.

JORDAN TRAVEL MART

Ahlan Wa Sahlan – Benvindo ‘a Jordânia – dizem os habitants da milenarterra. Entre os dias 21 e 23 de fevereiro, o Jordan Tourism Board vaireceber  no Mar Morto, o ponto mais baixo da terra,  aos operadores deturismo e agentes de viagens das Américas, para o encontro de trabalhoentre os que vendem as atrações e serviços locais e os profissionais deturismo estrangeiros.Quem dirige o Ministério do Turismo é uma mulher –Maha al Khatib – e quem assina modernidades é a bela rainha Rania alAbdullah, kuaitiana-palestina que estudou no Cairo.Uma rainhapreocupada com a cultura, a presença feminina no mercado de trabalho, orespeito pela natureza. O Brasil estará presente a esta terceira versãodo evento, que acontece no moderno  King Hussein Bin Talal ConventionCenter, resultado da tecnologia, criatividade humana e natureza,  projetado para encorajar novas idéias de todos os povos.No coração doMar Morto, tem espaço para qualquer tipo de evento e representa ajunção de arquitetura moderna e escultura, em prol dos negócios. Oprédio de três andares localizado no ponto mais baixo do planeta ficaao lado dos principais hotéis cinco estrelas da região, verdadeirospalácios de luxo, como o Movenpick Hotel & Resort, Jordan ValleyMarriott Resort & SPA e o Kempinski Hotel Ishtar.  Nayef H.Al-Fayez, diretor do Jordan Tourism Board, aponta a Jordânia como localperfeito para o turismo de lazer, turismo de saúde, turismo religioso eturismo de aventura, além de estar preparada para as viagens deincentivo e os grandes eventos de negócios. Uma experiência verdadeira,através da diversidade de um destino ímpar, como diz Malia Asfour,diretora do Jordan Tourism Board North America.

JORDANIA

Localizada no Oriente Médio, fronteira com a Síria, Arábia Saudita, MarVermelho, Palestina, Israel e Iraque, a Jordânia tem apenas 89.342quilômetros quadrados.Mas sua história é tão antiga quanto o princípiodo mundo. Desde tempos imemoriais, abriga o homem em seus primeirosassentamentos e vilas, guardando os passos das grandes civilizações atéos dias de hoje. Tanto as terras da Jordânia quanto da Palestinaserviram de encruzilhada nas conexões para a Ásia, África e Europa.Assim, desde os primeiros raios de luz da civilização, a Jordânia foiponto importante no comércio e comunicações entre o ocidente e oriente,o norte e o sul, um papel que continua até nossos dias. No ReinoHachemita o tipo de governo é monarquia parlamentarista, tendo o reicomo chefe de estado, chefe executivo e comandante em chefe das forçasarmadas. Seu poder é exercido através do Conselho de Ministros. OJudiciário é totalmente independente (veja no www.kinghussein.gov.jo).A língua é o árabe, a capital Amã, a religião islâmica (sunita), amoeda o dinar jordaniano, os grupos étnicos: árabes (98%), circassianos(1%) e armênios (1%). A população, com dados de 2008, era de 6,19milhões de habitantes, com um PIB per capita de  cinco mil dólares.Umapopulação jovem, com 70% , cerca de  3.8 milhões de pessoas, com idadeabaixo de 30 anos. Jordânia lidera os países árabes em termos de gastoscom educação. Tem 8 universidades públicas, 13 universidades privadas,21 colégios, 35 centros de treinamento vocacional, abrigando mais de140 mil estudantes de vários países, principalmente do mundo árabe. Onúmero de estudantes estrangeiros aumenta em 9% a cada ano.A Jordâniamoderna foi fundada pelo Rei Abdullah I depois da Primeira GuerraMundial. Foi dirigida pelo neto do Rei Abdullah I durante 46 anos, atésua morte, em 1999, quando assumiuo trono  seu filho, Rei Abdullah II.Hoje a Jordânia é uma nação moderna, com estabilidade econômica,vivendo o progresso nas últimas décadas.

O QUE VER

PETRA  é claro, a magnífica cidade dos nabateus, uma das setemaravilhas do mundo atual.A cidade rosada, tão antiga quanto todos ostempos, é conhecida pelas fachadas de templos e tumbas, incluindo umaque serviu de igreja durante a época bizantina.Os árabes nabateus esculpiram há mais de dois mil anos na pedra as maravilhasreverenciadas hoje por milhões de visitantes. O primeiro impacto: verPetra ‘a noite, quando é iluminada por  1.800 velas e, em frente aoTesouro (Khazneh) se ouve o som de uma flauta e a voz de um cantorbeduíno. No dia seguinte, o turista volta para ver Petra ‘a  luz do sol.

WADI RUM – o deserto em toda sua magnitude, praticamente intocado. Otempo e o vento deram formas ‘as pedras, formando torres tão altasquanto arranha-céus. Uma paisagem que impressionou T.E. Lawrence, olendário Lawrence da Arábia, que descreveu sua estada no deserto eparticipação na revolta árabe no seu As Sete Colunas da Sabedoria.

BETHANY NO JORDÃO – local onde Jesus foi batizado pelo seu primo, JoãoBatista, é o clímax das Escrituras.Foi nas águas do rio Jordão queJesus iniciou sua missão dando origem ao Cristianismo.Muitos cristãospercorrerem seus caminhos para serem batizados nas mesmas águas. OParque Arqueológico do Batismo tem 25 acres, tem um centro deatendimento ao visitante e designa 17 locais sagrados, incluindo oponto a tradição diz que o profeta Elias subiu aos céus.

MAR MORTO – um dos locais mais diferenciados do planeta.É considerado omaior Spa ao ar livre e o mais  ponto mais baixo da terra: mais de 400metros abaixo do nível do mar. Na verdade é um lago alimentado pelo RioJordão, cujas águas têm um  grau de salinidade  tão alto que éimpossível afundar. Um verdadeiro coquetel de sais minerais dá origem aprodutos industriais, elementos para a agricultura, medicina e produtos de beleza. Os hotéis são famosos pelo luxo e modernidade dosSpas. O mais destacado é Spa Anantara do Kempinski Hotel Ishtar DeadSea, o maior do Oriente Médio, com várias piscinas, 20 quartos paratratamentos, yoga, tai chi, pilates, lounges de terapia, 28 suites despa, hammam marroquino, jacuzzis interna e externa, sauna, tratamentosayurveda, piscina com água do Mar Morto, terapias asiáticas, terapiascom sal e lama medicinal.

MADABA – a Cidade dos Mosaicos guarda tesouros dos primeiros séculos doCristianismo. O mais famoso mosaico é o que representa o mapa da TerraSanta, feito no século seis, considerado o mais antigo e perfeito mapada região.Está no solo da igreja ortodoxa de São Jorge e tem servidocomo fonte de informação histórica desde sua descoberta, orientandoescavações arqueológicas que levam a antigos nomes e locais citadospela Bíblia.

AQABA – o resort da Jordânia no Mar Vermelho é ponto de encontro dequem gosta de aventuras .Combina história antiga, excelentes hotéis,shopping, povo hospitaleiro, passeios de barco e mergulhos.

MOUNT NEBO – onde Moisés avistou a Terra Prometida, guarda uma basílicacom um chão coberto de raros mosaicos, talvez os mais belos do mundo.Naplataforma em frente ‘a igreja, o turista avista o Vale do Jordão, oMar Morto e até Jerusalém e Belém. No Livro do Gênesis, Deus se refereao Vale do Rio Jordão como “O Jardim do Senhor”, o que faz com que seacredite se tratar do Jardim do Paraíso. Também são citadas Sodoma eGomorra e outros locais que aparecem no Velho Testamento. Na chegada aoMar Morto, uma formação de sal é apontada como a mulher de Lot, que foitransformada em estátua de sal ao desobedecer a vontade divina.

JERASH –  a antiga Gerasa é uma das cidades greco-romanas mais bempreservadas do mundo. É o segundo destino preferido dos visitantes naJordânia, depois de Petra. A antiga cidade representa a ocupação humanaininterrupta por mais de 6.500 anos.Escondida debaixo da areia duranteséculos, foi restaurada aos poucos nos últimos 70 anos. Suas avenidasladeadas de colunas, templos no alto das colinas, teatros, praças,banhos e fontes são palco do Jerash Festival, que acontece anualmenteem fins de julho  e início de agosto  desde 1981, quando a antigacidade se transforma em um dos grandes eventos internacionais, compresença de grupos de dança, ballet, ópera, teatro e concertos. Ofestival atrai também artesãos, animando ainda mais a temporada deverão. Os pontos mais importates são o Arco de Adriano, o Hipódromo, aavenida das colunas, a Catedral, o teatro do Norte, o teatro do Sul e oMuseu Arqueológico de Jerash. Foi lá que  Jayme Monjardim escolheualgumas das principais tomadas para a novela “Viver a Vida”, há um ano.

AMÃ -  capital da Jordânia, é um mundo de contrastes, mistura de antigoe novo, tradicional e moderno. Situada em uma elevação, fica entre odeserto e o fértil Vale do Jordão.Metade da população da Jordânia estáconcentrada na capital e área próxima. O centro da cidade é mais antigoe mantém o comércio tradicional de pequenas lojas que vendem desde opistache e as frutas secas a roupas típicas, jóias de prata e objetospara a casa. O lado moderno é responsável pela animação noturna, comrestaurantes, clubes e cafés. A Cidadela é ponto de início para oslugares arqueológicos da capital, a antiga Rabbat-Ammon, ondeescavações revelaram restos de ocupação romana, bizantina eislâmica.Localizada no alto da montanha, oferece também uma perspectivade toda a cidade. Importante ver o Jordan Arqueolólical Museum, o MuseuJordaniano do Folclore, o Museu Jordaniano das Tradições Populares,  aGaleria Nacional de Belas Artes, o Centro Haya, o Museu Militar e oMemorial dos Mártires, o Museu Real do Automóvel, o  Museu da Criança.Uma boa opção é Kan Zaman, cerca de 12 quilômetros do centro da cidade,um complexo renovado de estábulos, residências e pavilhões de estoquede mercadorias, transformado em atração turística. Kan Zaman quer dizer“Era uma Vez” e combina uma atmosfera de outros séculos com o que há demelhor em gastronomia local, artesanato e arte da Jordânia, oferecidosem em lojas que vendem jóias, especiarias e arte.

 

Do deserto  Wadi Rum onde o turista pode passar uma noite em tendas denômades e até experimentar as agruras de uma tempestade de areia,depois de jantar ‘a luz da fogueira onde são assadas carnes e pães;dosluxuosos e modernos hotéis em Amã, Mar Morto, Petra e Aqaba; dasreservas naturais de Dana ou Wadi Mujib , onde estão concentradas  420espécies de plantas, 102 espécies de aves permanentes ou migratórias e10 espécies de carnívoros; das caravanas e do trekking em Moab e Edom;dos castelos medievais como o islâmico de Ajloun, construído em 1185para proteger o país contra os ataques das Cruzadas; das escaladas aobíblico Gilead; dos banhos de lama medicinal e das águas salgadas doMar Morto; dos museus aos centros de eventos, tudo é parte da magia daJordânia. Um programa completo inclui  voluntariado, quando o turistadedica meio dia ou dia inteiro ajudando a construir uma casa dentro doprograma Habitat for Humanity, lendo histórias ou tocando música paracrianças em orfanato, fazendo companhia a crianças cegas ou mudas,ouvindo pessoas idosas contar suas vidas. Para saber mais sobre umaviagem tão fascinante e para orientação na programação de seus dias naJordânia, contate www.visitjordan.com

1 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Maria Nilza
Fiquei encantada. Um dia quem sabe, possa conhecer de perto?
Blogs
Ver na versão Desktop