12º

Desemprego na RMC sobe 0,8% em março

Região, porém, mantém-se com a menor taxa de desocupação entre as áreas metropolitanas pesquisadas

26/04/12 às 18:07 - Atualizado às 19:49   |  Redação Bem Paraná

O desemprego na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) em março subiu 0,8% sobre o resultado de fevereiro, chegando a 4,5%, aponta levantamento do IPARDES e IBGE. As demais regiões metropolitanas do país, porém, tiveram média de 6,2% no mês.

O rendimento do trabalho subiu 0,6% em relação ao de fevereiro, chegando a R$ 1.849,80. Segundo o IPARDES, uma alta de 11,2% sobre o mesmo mês de 2011, com a região apresentando a segunda maior remuneração no ranking das demais pesquisadas pelo IBGE, praticamente empatada com a da Região Metropolitana de São Paulo, que ocupa a primeira posição, com R$ 1.852,4.

Segundo Daniel Nojima, economista e diretor do IPARDES, as estatísticas “continuam revelando uma situação de aquecimento do mercado de trabalho regional, que deve se manter em virtude, dentre outros fatores, das perspectivas de um desempenho melhor da economia brasileira para 2012.” Destaca-se a área de serviços em geral e a construção civil. Até março deste ano, o emprego formal na RMC acumula variação de 1,56%, superior à média nacional de 1,17% na mesma comparação.

Da mesma forma, dados recentes da Pesquisa Mensal de Emprego e Salários (PIMES), também do IBGE, apontam para elevado nível de atividade da indústria do Estado, dado o respectivo crescimento de 4,2% do pessoal ocupado em fevereiro último com em relação a fevereiro de 2011; nessa mesma comparação, a indústria nacional recuou em 0,7%. É a melhor performance do País no cotejo com os demais estados.

 

 

TAXA DE DESOCUPAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASIL, 2012

REGIÕES METROPOLITANAS

TAXA DE DESOCUPAÇÃO (%)

MARÇO DE 2012

FEVEREIRO DE 2012

Recife – PE

6,2

5,1

Salvador – BA

8,1

7,8

Belo Horizonte – MG

5,1

4,7

Rio de Janeiro – RJ

5,9

5,7

São Paulo – SP

6,5

6,1

Porto Alegre – RS

5,2

4,1

Curitiba – PR

4,5

3,7

Nacional (seis regiões)

6,2

5,7

FONTES: IBGE e IBGE/IPARDES

Nota: A Região Metropolitana de Curitiba não integra o cálculo da taxa nacional

Publicidade
0 Comentário