14º

Operação Ágata movimenta mais de 8 mil militares na fronteira

A ação acontece no Norte do País e visa combater o tráfico de drogas e pessoas.

02/05/12 às 18:57   |  Agência Brasil

O Ministério da Defesa iniciou nesta quarta-feira (2) uma operação conjunta das Forças Armadas no Norte do país para combater o tráfico de drogas e pessoas, o desmatamento irregular da Amazônia, além de garimpos ilegais. Cerca de 8,5 mil militares vão patrulhar uma área de cinco mil quilômetros na fronteira com Venezuela, Suriname, Guiana Francesa e Guiana.

Essa será a quarta edição da Operação Ágata, que integra o Plano Estratégico de Fronteiras, lançado em junho do ano passado pela presidenta Dilma Rousseff. De acordo com o Ministério da Defesa,   será a maior operação conjunta das Forças Armadas.

Nas próximas semanas, tropas da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, com a participação da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança Pública, vão atuar nos estados do Amazonas, Pará, Amapá e Roraima. Além da presença militar nas fronteiras, a Operação Ágata 4 tem ações sociais previstas para ajudar a população ribeirinha que enfrenta problemas com as cheias do rio Negro e seus afluentes.

As enchentes desalojaram moradores na região metropolitana de Manaus e mais 24 cidades do Amazonas. Ontem (1º), o hospital de campanha da Força Aérea Brasileira (FAB) foi levado para o município de Barcelos, a 490 quilômetros de Manaus. Montado numa balsa, o hospital tem capacidade de atender entre 350 e 400 pacientes por dia. Até 9 de maio, uma equipe de 38 profissionais do serviço médico atenderá moradores.

Desta vez, a Ágata será executada a partir do Comando Militar da Amazônia (CMA). No desenrolar da operação, oficiais da França, da Venezuela e dos demais países da região de fronteira atuarão como observadores das missões. Segundo o Ministério da Defesa, o vice-presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Defesa, Celso Amorim, devem visitar pontos da Operação Ágata nos próximos dias.

Publicidade
3 Comentários
  • Almir Pazzini Lobo de freitas- 03/05/12 às 09:48
    Esta operação militar onde participam em conjunto as Forças Armadas do nosso país, já deveriam ter sido feitas há tempos passados, pois sabemos que não é somente o tráfico de drogas, o desmatamento e, as tentativas de invasões de nações estrangeiras que nos preocupa.
  • joao pavao 03/05/12 às 09:24
    como se essa movimentação toda fosse resolver... os tubarão nunca sao pegos...
  • hermes cavalheiro 02/05/12 às 19:37
    Associaçao dos Trabalhadores Rurais do Vale do Rio Guapore no Estado de Rondonia,vem mui.respeitosamente,responsavelmente.parabenizar-lhes,a nossa grandende.Presidenta Dilma Russeff.por essa sua especial,iniciativa.pois nos lideres da Associaçao do vale do rio guapore,ficamos mui,grato.pois so assim,as autoridades corruptas.que nos acusaram,e nos colocaram nas prisoes somente,por nos querer.organizarmos,essa associaçao hoje privada.para nos revendicarmos,os nossos direitos das nossas.terras,as quais,fomos espulsos,entao agora,iremos ver a Ordem e a Lei,funcionar de verdade,em nossas Fronteiras Brasileiras,nosso muito obrigado.em nome dos nossos milhares de Associados,e Lideres