21º

Corpo saudável depende também das condições da boca

Falta de cuidados com a boca e a região dentofacial aumentam o risco para problemas respiratórios, de sono, zumbido e inclusive doenças cardiovasculares.

14/05/12 às 18:23   |  Redação Bem Paraná

Falar, mastigar, deglutir e reconhecer o sabor dos alimentos são algumas das ações realizadas pela boca e seus componentes consideradas fundamentais para a sobrevivência do ser humano. A importância da saúde bucal vai além da digestão e linguagem, afetando a estética, a condição sistêmica do organismo e a vida social. “O indivíduo tem que ter confiança na sua imagem para conseguir se relacionar com as outras pessoas sem constrangimentos e um sorriso bonito e saudável é o primeiro passo”, observa o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler.

A boca é a porta de entrada de alimentos, bebidas e de muitos micro-organismos que ficam instalados e se desenvolvem nos dentes, gengivas e mucosas bucais. Sem a higiene adequada, ocorre a proliferação de bactérias que podem causar infecções. O problema tem início na boca e se espalha gradativamente para outras partes do corpo. “A saúde bucal não pode ser desvinculada da saúde geral. Estudos científicos já comprovaram que doenças bucais podem provocar doenças sistêmicas e vice-versa”, destaca o especialista, integrante da equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial.

Os órgãos possuem uma interdependência para assegurar a integração do trabalho, ou seja, o funcionamento de uma área depende da outra e se houver algum problema o todo será prejudicado. “Além de comprometer o bem-estar físico e a qualidade de vida do indivíduo, a má higiene bucal pode gerar alterações psicológicas. É necessário ter uma visão ampliada da saúde, pois a boca faz parte de um sistema maior. As anomalias dentofaciais, como as oclusões incorretas, mordida aberta ou cruzada e o apinhamento dentário, também geram reflexos na saúde sistêmica do organismo”, enfatiza.

De acordo com Juarez Köhler, especialista em ortodontia e ortopedia facial e responsável pelo setor de Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica (MOFP) da Köhler Ortofacial, a boca não pode ser vista de maneira isolada pelos profissionais. A saúde bucal se reflete nas articulações, vasos sanguíneos e órgãos que parecem - aparentemente - não ter contato com os dentes. “Coração, pulmões, estômago e até as artérias podem sentir os danos de uma cavidade bucal doente. Algumas horas sem escovar os dentes são o suficiente para a formação da placa bacteriana, que causa cáries e periodontite e - a partir desta - pode repercutir inclusive sobre a saúde do coração”,  esclarece.

Boca doente aumenta o risco de doenças cardíacas

As inflamações causadas por micróbios afetam a gengiva e contribuem para o surgimento da gengivite, que progride para a doença periodontal. A consequência é o aumento do risco de doenças cardíacas, respiratórias, artrites, gastrites e sinusites. Quem não escova os dentes pelo menos duas vezes ao dia tem 70% mais chances de desenvolver um problema cardiovascular. “A escovação e o uso do fio dental são essenciais para manter a boca e o restante do corpo saudáveis. Logo após as refeições deve ser realizada a higienização dos dentes e da língua”, recomenda Gerson, professor da pós-graduação da UFPR há 23 anos.

As bactérias aproveitam as lesões na gengiva e o espaço entre o dente e o osso para entrar na corrente sanguínea e percorrer o organismo. Se o indivíduo estiver com o nível de colesterol elevado, as artérias não serão poupadas pelos microorganismos. Eles ainda favorecem a constituição de placas de gordura nos vasos sanguíneos, o que pode causar um infarto ou derrame.  “Diabéticos e gestantes são ainda mais suscetíveis aos males que os micróbios da doença periodontal podem causar. As grávidas têm mais chances de ter parto prematuro e as pessoas com diabetes tem mais dificuldade para controlar a glicemia”, comenta Juarez.

Zumbido e alterações no sono podem ser causados por problemas bucais

O zumbido, som ouvido na cabeça ou nos ouvidos sem fonte externa, é um sintoma que pode indicar a presença de problemas bucais. O bruxismo, denominação do aperto de dentes provocado pelo excesso de força da musculatura facial, pode causar a compressão de áreas vascularizadas próximas aos ouvidos. “O cérebro pode - em determinados casos - decodificar os sinais da compressão como zumbido. O diagnóstico é feito a partir da realização de determinados movimentos que envolvem a face, a cabeça e o pescoço. A atuação do ortodontista em pacientes com zumbido acontece após a indicação do otorrinolaringologista ou otoneurologista”, explica Gerson.

A qualidade do sono também está relacionada com a saúde bucal. Alterações nas arcadas dentárias podem causar a queda para trás da língua durante o sono. O posicionamento incorreto da língua bloqueia a faringe, impedindo a passagem do ar. “A interrupção da respiração por alguns segundos ou a obstrução parcial da entrada e saída do oxigênio gera a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS), um dos distúrbios mais graves no contexto da Medicina do Sono. A SAOS é considerada uma doença multifuncional, com várias causas associadas, que prejudica a saúde em geral e contribui para o surgimento de outras enfermidades”, acrescenta Gerson, que atua de maneira interdisciplinar em distúrbios do sono.

Publicidade
0 Comentário