Barragens

31/10/17 às 00:00

Os deputados estaduais derrubaram ontem três vetos do governador Beto Richa (PSDB) a projetos aprovados pela Assembleia Legislativa. Entre eles está o veto parcial a proposta que determina que as novas centrais hidrelétricas que serão construídas no Estado só poderão entrar em funcionamento após o pagamento de indenização aos proprietários das terras atingidas pelas obras, derrubado por 34 votos a doze. O dispositivo que condiciona o pagamento de indenização ao funcionamento das novas centrais foi inserido na lei por meio de emenda da bancada de oposição.

Salvaguarda
Líder da oposição, o deputado Tadeu Veneri (PT) defendeu a rejeição ao veto, afirmando que o dispositivo permite a “paridade de enfrentamento” dos proprietários das terras atingidas pelas obras com as construtoras das obras. “Antes das novas centrais entrarem em funcionamento, todo o passivo deve estar totalmente resolvido. O dispositivo que foi vetado pelo governador representa uma salvaguarda principalmente aos pequenos produtores rurais, que são os mais prejudicados pelas obras”, destacou.

Exames
Os outros dois vetos derrubados envolviam projeto do deputado Felipe Francischini (SD) que concede o direito à segunda chamada gratuita de exames, provas e avaliações aos alunos dos estabelecimentos da rede particular de ensino. E a proposta dos deputados Anibelli Neto (PMDB) e Maria Victória (PP) que cria o “Caminho do Vinho” no Paraná.

Reajuste
Terminou em impasse a reunião da última sexta-feira entre os sindicatos que representam os servidores públicos de Curitiba e a prefeitura da Capital. A gestão do prefeito Rafael Greca (PMN) disse ainda não ter uma proposta de reajuste salarial para a data-base do funcionalismo, adiada de 31 de março para 31 de outubro dentro do pacote de ajuste fiscal. Os sindicatos pedem a resposição da inflação, de 6,39%, mais 3,61% de aumento real.

Crise
A informação de que a prefeitura pretende propor reajuste de 1,5% também foi questionada pelos sindicatos. O Executivo negou que tenha um porcentual definido. E repetiu que o momento é de cautela em razão da manutenção da crise financeira dos municípios. Outra reunião está marcada para hoje.

Ippuc
O prefeito Rafael Greca promoveu outra mudança em sua equipe. Reginaldo Reinert deixou a a presidência do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), sendo substituído interinamente pelo secretário municipal de Governo, Fernando Jamur. A mudança foi criticada pelo líder da oposição na Câmara, Goura (PDT). “Há preocupação com os rumos do urbanismo na cidade”, disse o vereador. Dizendo “externalizar sua preocupação”, ele questionou a mudança no comando do Ippuc “num momento que se discute a Lei de Zoneamento”.

Aplicativos
A polêmica sobre o projeto em discussão no Senado que pode inviabilizar a operação dos aplicativos de transporte individual no País, como o Uber, também foi comentada na sessão de ontem da Câmara. “Sou favorável ao direito de escolha do cidadão”, respondeu Bruno Pessuti (PSD) a Jairo Marcelino (PSD). Marcelino perguntou a Pessuti se ele era contra os taxistas. “Vossa excelência tem que ser a favor de quem é regulamentado”, criticou o primeiro, dizendo que o pai de Bruno, o ex-governador Orlando Pessuti, defendia a categoria. “Se alguém disseminou essa mentira [de eu ser contra os táxis], pode ter sido vossa excelência entre os taxistas”, respondeu Bruno.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Últimas de Política em debate
Blogs
Ver na versão Desktop