Colégio Estadual do Paraná será restaurado

Prédio principal da maior unidade da rede pública de ensino será reformado em 2018

06/12/17 às 23:00 - Atualizado às 22:21
Restauração será feita no prédio principal e em áreas externas do colégio (foto: Divulgação Fundepar)

O Colégio Estadual do Paraná (CEP), o maior da rede estadual de ensino, será restaurado. Na quarta-feira (6), o projeto arquitetônico do restauro foi entregue ao governador Beto Richa pelo presidente e CEO da Volkswagen na América do Sul e Brasil, Pablo Di Si. A montadora foi responsável pelo projeto, como uma contrapartida por incentivos recebidos do governo.
O projeto arquitetônico prevê a restauração do prédio principal e das instalações externas. O espaço deverá receber adequações de acessibilidade, rede elétrica, drenagem paisagismo, comunicação visual, climatização, sonorização, detecção de fogo e alarme de incêndio.
Para a diretora do Colégio Estadual do Paraná, Tânia Maria Acco, os benefícios da restauração para os cerca de 5 mil alunos serão imensos. “Os espaços serão aprimorados e, com a nova estrutura, vamos poder melhorar ainda mais o processo de ensino-aprendizagem dos estudantes”, disse ela.
Além da revitalização do colégio, o Governo do Estado tem outras obras em curso no CEP. “Reformas que vão melhorar ainda mais estrutura do colégio”, afirmou o superintendente do Paraná Educação, Juarez Alberto Dietrich. A entidade é responsável por auxiliar na gestão escolar e na aplicação dos recursos orçamentários na área.
Entre as obras, estão a reforma do Ginásio de Esportes e do Centro de Memória, a nova entrada de energia, o projeto do Canteiro de Obras do Curso de Edificações – campus Santa Felicidade e o projeto do Sistema de Vídeo Vigilância. O ginásio foi projetado em 1946 e inaugurado em 1950. Por iniciativa de alunos do próprio colégio, o ginásio foi tombado em 1993.

1 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Douglas de Souza
O mesmo investimento deve ser aplicado no Instituto de Educação do Paraná. O colégio centenário, de grande valor histórico, cultural e educacional está abandonado. Alunos, funcionários e professores reclamam que o governo do estado não libera recursos para manutenção da instituição. O ano letivo termina e os estudantes não receberam o material didático ( livros).Para piorar, o colégio está infestado de ratos e barata . A Secretaria de Educação do Estado, simplesmente vira as costas para o problema. E o governo do estado propaga por todas as mídias que o Paraná investe na educação. Acorda, Richa, o ano que vem tem eleições.
Blogs
Ver na versão Desktop