Arquivo mensais:junho 2012

O mundo de Franz Kafka: alienação e perseguição

29 junho, 2012 às 07:37  |  por Erol Anar

Quem já não escutou o nome de Kafka? Quem ainda não leu seus escritos, talvez tenha assistido os filmes adaptados dos seus livros, como “A Metamorfose”, “O Processo”, “O Castelo”, “America”. Muitos livros dele foram adaptados para o cinema.
Kafka nasceu numa família judia de classe média,em Praga, no ano de 1883, aprendeu alemão como sua primeira língua. Kafka cresceu sob as influências de três culturas: a judaica, a tcheca e a alemã. As irmãs dele morreram nos campos de concentrações nazistas.
Kafka participou de reuniões com grupos anarquistas.
Faleceu em 1924 no sanatório Kierling na Áustria, onde se internou com tuberculose.
Como alguns escritores famosos, dentre eles Dostoievski e Bukowski , ele também sofreu com seu pai. O pai o pressionava muito. Na sua obra “A Carta ao Pai” explicou como foi esse relacionamento horrível entre o pai e ele.
Ele amava uma mulher casada, o nome dela era Milena, a moça havia se casado quando tinha 16 anos. Milena e Kafka pessoalmente só se encontraram duas vezes. O relacionamento acabou, Milena não teve coragem de deixar Ernest. Cartas a Milena foi publicada originalmente em alemão em 1952.
Kafka foi um dos maiores escritores de ficção da língua alemã do século XX.
Antes de morrer deixou seus escritos para seu amigo Max Brod, para serem queimados.
Segundo o escritor Vladimir Nabokov, “Kafka é um dos melhores escritores do século XX”
Os personagens kafkianos sofrem de conflitos existenciais, como o homem de hoje em dia. No mundo kafkiano, os personagens desconhecem o rumo a tomar, não sabem os objetivos da sua vida, questionam seriamente a sua própria existência e acabam sós, diante de uma situação a qual não planejaram.
Os temas dos livros dele geralmente são a alienação e a perseguição.
Sua única obra publicada em vida foi A Metamorfose, onde o autor expõe sua resignação pela vida cotidiana com um toque de surrealismo.
Suas obras tiveram grande influência em movimentos artísticos como o surrealismo, o existencialismo e até hoje é considerado um dos grandes gênios da literatura universal.
Durante sua vida, Kafka nunca conseguiu atingir grande fama através dos seus livros.
O escritor causou grande impacto e revolucionou o mundo da literatura.

Pensamentos sobre o futuro (2)

27 junho, 2012 às 09:31  |  por Erol Anar

Desenvolvimentos ambientais
No futuro talvez a água será um líquido mais valioso que o petróleo, alguns preveem acontecimento de guerras por causa dela. Se não encontrarmos uma solução para a desertificação da Amazônia a área atingida será enorme, por esta causa o clima mundial já está refletindo um saldo negativo.
O aquecimento global vai piorar e vamos sentir esse efeito ainda mais no futuro, vamos passar verões muito quentes.

Estilo da vida
Acredito no aumento da pobreza e numa crise econômica mais duradoura e severa, por causa disso as pessoas vão ficar mais pobres. Outro fator, as pessoas irão se unir muito menos e vão se tornar assocializados. Na verdade as pessoas vão parecer as tartarugas, escondidas em baixo da sua própria casca.
Hoje há pessoas que só trabalham dentro de suas casas, para empresas no Japão e nos Estados Unidos. Novas formas de capitalismo afetam diretamente o estilo da vida do ser humano e esse fator vai mudar negativamente os relacionamentos da sociedade.
Bancos e supermercados vão cada vez em amior número servindo pela internet e fecharão estabelecimentos ísicos. As empresas vão reduzir seus gastos e lucrarão muito mais, pois não vão gastar com eletricidade, aluguel, funcionários, água etc.

Vida posmodernista
Estou pensando que as emoções das pessoas vão mudar e serão mais negativas no futuro. Por exemplo as pessoas vão ser mais egoístas e se preocupam com nada além delas mesmas. Hoje já existe esse prorotipo na sociedade, pessoas que não pensam sobre sofrimentos das outras pessoas e tudo é permitido para se conquistar aquilo que se quer ter.
O posmodernismo também inflenciou as pessoas negativamente, tudo esta mudando o mundo emocional e ideal na mente das pessoas. A fundação das famílias vai ser diferente, a solidariedade social não vai existir mais em breve e muito menos no futuro.
O efeito da distribuição desigual de renda causará aumento no número da criminilidade no mundo inteiro.

Cultura
A diferança entre as culturas vai diminuir. Isso será efeito da globalização que já hoje em dia causa as mesmas músicas com sucesso pelo mundo todo, os mesmos programas de televisão em países muito distantes fisicamente , os mesmos resturantes, como Mcdonalds espalhados no mundo inteiro.
Algumas artes como teatro, música clássica, pintura já estão em crise e vão sumir totalmente. As salas de cinemas serão fechadas. A pintura não será mais tratada como arte, será apenas uma parte da decoração.

Uma entrevista sobre a Colônia Cecília e o anarquismo

25 junho, 2012 às 10:40  |  por Erol Anar

Minha entrevista com Maria Isabel Corrêa sobre a Colônia Cecília e o anarquismo.

Quem foi Giovanni Rossi?
Giovanni Rossi foi um italiano um idealista utópico, veterinário por formação, mas com alma de sociólogo! Sensível à miséria do povo, preocupado com a liberdade e a justiça social.
Ele é anarco-socialista?
Sim, ainda na itália sonha com a implantação de uma colônia socialista, nos moldes da utópica “Poggio al mare” do seu livro “un comune socialista”.
Em 11 de novembro de 1887 instala-se a assembléia geral para discussão e aprovação do Estatuto Orgânico da Associação Cooperativa de Cittadella na comunidade de Stagno Lombardo – Cremona. (assinado por trinta trabalhadores) Apesar do coletivismo nas relações de trabalho, Rossi desejava uma colônia socialista, o que era impraticável em meio a camponeses impregnados de preconceitos religiosos e sociais.
Embalado por essas ideias Rossi trabalha para a formação de uma Unione Lavoratrice per la colonizzazione sociale in Italia, no intuito de formar uma colônia experimental. O Atto di Costituzione della Unione Lavoratrice é oficializada em 11 de dezembro de 1888, subscrito por camponeses, operários e profissionais liberais.
Em Torricella havia um grupo de camponeses despejados de suas terras que formaram uma associação, na Província de Parma. Muitos destes camponeses vieram para a Colônia Cecília. Ao não conseguir os subsídios para os investimentos nessa comunidade socialista, Rossi cria um núcleo dentro da própria Citadella, fato que é visto com desconfiança pelos associados.
Como ele decidiu construir a Colônia Cecília?
Creio que com a impossibilidade de criar um núcleo socialista libertário onde tudo fosse comum e se destruísse o “egoísmo familiar”, e diante das dificuldades de aquisição de terras na Itália, Rossi começa a pensar nas terras além-mar.
A ideia mais aceita é que o grupo iria para o Uruguai, depois para Porto Alegre e, finalmente por problemas de saúde derivados do mar (mal de mare) acabaram descendo no porto de Paranaguá, no Paraná.

Maria Isabel Corrêa

Por que a Colônia Cecília é importante?
A meu ver, a Colônia é iportante porque prova que é possível viver numa organização comunitária, solidária, onde os interersses comuns se sobreponham aos individualistas, seja de indivíduos, seja da família.

Como eles se alimentavam lá? Eles produziam sua alimentação?
No início compraram seus suprimentos, com o dinheiro que traziam, depois plantavam e tinham alguns animais, mas há a história de um roubo de todo o dinheiro da colheita..
Existia discussões ou conflito entre eles?
Sim, especialmente em momentos onde houve muitas famílias na colônia, famílias estas que não comungavam de um espírito libertário e não podiam entender a divisão conforme a necessidade de cada um(a) e não conforme o trabalho. A própria experiência de amor livre foi foco de discórdias… A situação de penúria da colônia também deve ter sido uma ducha de água fria para camponeses que fugiam justamente da fome e da miséria…
Por que essa experiência terminou após 4 anos?
Creio que o fato de Rossi ter que ir à Itália por duas vezes buscar recursos e fazer propaganda da própria colônia deixou o movimento acéfalo, e, embora o anarquismo não aceite lideranças, não há como negar que a presença de Rossi fez muita falta… Creio que o próprio Rossi se desencantou, e ao mesmo tempo provou aquilo que desejava e foi em busca de uma vida mais digna, com menos dificuldades e sofrimento.. As famílias que ficaram sucumbiram ao regime estabelecido.. era muito fácil para agricultores migrantes comprarem terras..
Você pode falar um pouco sobre você? Por que se interessou pela Colonia Cecília?
Cheguei em Palmeira em 1982 e logo que ouvi os primeiros relatos sobre a colônia Cecília fiquei fascinada!! Saber que num recanto tão distante dos centros mais desenvolvidos conviveram ideias de liberdade, de fraternidade, de ideias dissonantes da ordem estabelecida!! Ao mesmo tempo percebia que as pessoas tinham vergonha de falar sobre a Cecília… Em 1988, quando se escreveu a Constituição Estadual, fui uma das pessoas que recolheu assinaturas para uma emenda popular à Constituição, que contemplasse a colônia Cecília, no que tange ao resgate de sua história. Ficou lá, nas disposições transitórias, art. 32, o dever do Estado de resgatar a memória imaterial da colônia… até hoje o Estado nada investiu..
Em 1989, quando trabalhava no Departamento de Eduacação da Prefeitura, a rede Bandeirantes de televisão filmou uma série sobre a colônia Cecília, ajudei a buscar materiais para compor os cenários e acabei até aparecendo em uma cena..
De lá para cá, buscamos aproximar as pessoas que tem o objetivo comum de resgatar essa história..

Vai continuar

 

A Colônia Cecília

Foi uma comuna experimental baseada em premissas anarquistas. A Colônia foi fundada em 1890, no município de Palmeira, no estado do Parana, por um grupo de libertários mobilizados pelo jornalista e agrônomo italiano Giovanni Rossi(1859-1943).

A fundação da Colônia Cecília foi a primeira tentativa efetiva de implantação do ideário anarquista no Brasil (1889). Rossi, ideólogo e escritor e anarquista.

O experimento da Colônia Cecília terminou por vários motivos. O principal foi a pobreza material, chegando mesmo a condições de miséria. Em segundo lugar, a hostilidade da vizinha comunidade polonesa, fortemente católica. O próprio clero e as autoridades locais promoveram o ostracismo dos anarquistas. Enfim, havia as doenças, ligadas à desnutrição à falta de condições de saneamento adequadas e os problemas internos ligados às dificuldades de adaptação ao estilo de convivência anarquista, particularmente no tocante ao amor livre, que, embora teoricamente fosse aprovado por todos, na prática, despertava temores, especialmente entre as camponesas.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/

Notas do Subsolo

24 junho, 2012 às 09:36  |  por Erol Anar

Esse é um romance difícil, como Nietzsche afirma: “Notas do Subsolo é um verdadeiro golpe de mestre da psicologia.” Essa obra de Dostoievski influenciou muitos escritores como Camus, da perspectiva existencialista. O livro é considerado como primeira obra do existencialismo.
O protagonista é um homem isolado do mundo e que fica numa casa que é no subsolo, como ele descreve. É um homem sem nome, amargo, insociável, com ódio da sociedade e que sente medo das pessoas. Trata-se de uma auto-resolução e análise.
Algumas frases do livro:
“E se acontece de algum deles se mostrar valente perante alguma coisa, isso não deve ser motivo de consolo ou de entusiasmo: fatalmente ele irá se acovardar diante de outras circunstâncias.” (pp. 56)
“E, ademais, saibam de uma coisa: estou convencido de que é preciso manter esses tipos do subsolo à rédea curta. Embora eles possam passar quarenta anos calados no subsolo, se conseguem sair para a claridade, ficam falando, falando, falando…” (pp. 48)
“Sou, por exemplo, uma pessoa com um amor-próprio exagerado. Sou desconfiado, e ressentido, como um corcunda ou um anão, embora verdade seja dita, houvesse momentos em que, se me dessem uma bofetada, eu talvez ficasse alegre até com isso.” (pp. 17)
“Mas isso é porque eu mesmo não me respeito. Por acaso um homem com consciência pode ter algum respeito próprio?” (pp. 25)
Essa é uma grande ideia de Dostoievski: dois e dois são cinco. Ele elogiou a ciência, mas ao mesmo tempo pensava mais amplo e filosoficamente. Essa obra algumas vezes vai chatear e outras mexer com as emoções do leitor, o escritor entra na alma e fica vasculhando como ela é até a última pagina do livro.
O escritor Frances Andre Gide afirma que essa obra de Dostoievski é o pináculo da sua autoria e a pedra angular das outras obras do autor.
Vale a pena ler esse livro, se aprofundar e conhecer sua própria alma.

Dostoiévski, Fiódor M.: Notas do Subsolo
Editora: L&PM
Edição : 1 / 2008
Número de Paginas : 152

A orelha de Van Gogh

22 junho, 2012 às 08:02  |  por Erol Anar

Um dos pintores mais conhecidos da história teve uma vida trágica. Suas obras são coloridas: azuis, amarelos dentre outras cores. Porém, uma história de vida muito difícil.
Anos antes quando passeava pelo museu Van Gogh em Amsterdã, Holanda, vi a grande diferença entre a reprodução e obras originais dele, nas originais há um toque de cores maravilhosas e batidas com escovas muito especializadas.
Ele foi muito pobre, o seu irmão Theo mandava dinheiro para sua subsistência. Van Gogh era incompatível, sozinho, melancólico e sem sossego. Era uma pessoa entre a loucura e a genialidade.
Sofria com o alcoolismo, a esquizofrenia e a epilepsia, sua alma era atormentada. Na verdade e morava entre a vida e a morte. A vida dele é um poema trágico.
Além desses fatos, foi rejeitado pelas mulheres com quem queria ter um relacionamento afetivo, por causa disso tinha um coração machucado profundamente. Nunca achava um afeto nas mulheres, nem na sua mãe. O relacionamento entre ele e a mãe sempre foi distante e frio.
Um dia cortou sua própria orelha e a enviou para uma mulher que ganhava sua vida ficando com os homens. Depois de cortá-la pintou um autorretrato desta ação. Essa cena é uma das famosas obras de Van Gogh, por que adicionou uma tragédia inesquecível na sua vida. Talvez quisesse dar essa mensagem para a sociedade: “Escutem-me !Entendam-me!”

Nenhuma de suas obras foi vendida enquanto estava vivo, apenas uma delas foi entregue ao proprietário da casa na qual residia para pagar-lhe o aluguel.
Certo dia, cometeu suicídio e atirou no seu abdômen, morreu em 1890 quando tinha 37 anos.
Van Gogh é o Dostoiévski da arte da pintura e a sua melhor obra é aquela representando o ato de cortar sua orelha.

O lado escuro da alma: Fiódor Dostoiévski

20 junho, 2012 às 07:57  |  por Erol Anar

Quando era criança, nossa casa era cheia de clássicos da literatura mundial, especialmente os romances. Escritores americanos, Russos, Europeus e outros estavam a nossa disposição. Por esse motivo conheci muitos escritores e entre eles Dostoiévski. Desde cedo o achei diferente dos outros por mostrar o lado escuro de nossas almas. Conclui que escritores se dividiam entre duas classificações: Dostoiévski e os outros.
Ele nasceu em São Petersburgo, uma cidade conhecida por suas atividades culturais e prédios históricos, além de sua fama sobre a arte.
É aceito hoje por alguns biógrafos, porém sem provas concretas, que o doutor Mikhail Dostoiévski, pai do escritor, foi assassinado pelos próprios servos de sua propriedade rural na cidade de Daravói, indignados com os maus tratos sofridos. Por isso o escritor escreveu a famosa pergunta na sua obra prima “Os Irmãos Karamázov”: “Quem não quer matar seu pai?” Segundo alguns críticos e Freud, esse livro é a maior obra da história.
Em seus livros há inúmeras frases do poeta romântico alemão Friedrich Schiller e de Gogol, escritores que o influenciaram.
Dostoiévski logrou atingir sucesso com seu primeiro romance, Gente Pobre.
Outro livro dele “Crime e Castigo” é também um romance inesquecível.
Suas obras exercem grande influência nos romances modernos.
Dostoiévski foi preso em 23 de Abril de 1849 por participar de um grupo intelectual liberal chamado Círculo Petrashevski, sob a acusação de conspirar contra o Nicolau I da Rússia, cumpriu pena na Sibéria. Foi libertado em 1854. Depois dos anos na prisão suas ideias mudaram totalmente e essas experiências são contadas em seu livro “Memórias da Casa dos Mortos”.
De todos os seus livros, os meus prediletos são “ Os Irmão Karamázov” , “ Crime e Castigo” , “O Idiota” e “Memórias da Casa dos Mortos”.
Algumas frases dos seus livros são especiais, minhas prediletas são essas:
“Eu não me ajoelhei diante de ti, mas diante de toda a dor humana.” Crime e Castigo
“Se queres vencer o mundo inteiro, vence a ti mesmo’.“ Os Demônios ou Os Possessos
“É melhor ser infeliz, porém estar inteirado disso, do que ser feliz e viver sendo feito de idiota.“ O Idiota
“O inferno é não confiar.“ Os Irmãos Karamázov
O russo Alexey Rémizov, durante exílio em Paris, em 1927, escreveu: “A Rússia é Dostoiévski, ela não existe sem Dostoiévski”.
A influência desse escritor é imensa em Hemigway, Hermann Hesse, Marcel Proust, William Faulkner, Albert Camus, Franz Kafka, Yukio Mishima, Garcia Marquez etc.
A sua vida toda o escritor sofreu com a falta de dinheiro. Ele morreu em janeiro de 1881 e foi enterrado no Cemitério de Tikhvin, no Monastério Alejandro Nevsky, em San Petersburgo. Ainda é um dos grandes escritores da história e acredito que será assim por muito anos mais.
Se você quiser dar uma olhada no lado escuro da sua alma, sugiro ler as obras dele. Garanto que não haverá decepção!

Entrevista sobre Comissão Nacional da Verdade (Parte 2)

19 junho, 2012 às 08:15  |  por Erol Anar

Minha entrevista com Roberto Elias Salomão, um dos coordenadores do Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça.

A Lei de anistia de 1979 impede punir os responsáveis pela era ditatorial?
A Lei de Anistia de 1979, aprovada por um Congresso manietado (ainda estávamos em plena ditadura militar), e representou o esquecimento, o perdão aos torturadores. Trinta e três anos depois, está na hora de afirmar, como dizem todos os órgãos internacionais, que tortura e assassinato são crimes inafiançáveis e não merecem perdão.

Já li alguns comentários das vitimas da era ditatorial afirmando que a comissão não fará diferença sobre o assunto. Como o senhor avalia essa questão?
Não concordo com essa visão negativa. A Comissão Nacional da Verdade é um grande passo no caminho da consolidação da nossa democracia. Desde sua criação, foram desencadeados vários movimentos, em todas as regiões brasileiras, exigindo a verdade e a justiça. O assunto está em todos os meios de comunicação, quase diariamente. Agora mesmo, foi noticiado que familiares de militantes argentinos desaparecidos querem a ajuda da Comissão Nacional da Verdade. Esta passou a ser uma referência na luta em defesa dos direitos humanos.

Outros países da America Latina onde aconteceram golpes militares há anos estão enfrentando a ex-ditadura. Alguns já julgaram e puniram os golpistas e responsáveis, os torturadores e assassinos. O Brasil vai fazer isso um dia ou não?
Espero que sim. Embora este não seja o objetivo da Comissão Nacional da Verdade, é o desejo da sociedade brasileira, que não pode conviver com a impunidade de crimes hediondos e inafiançáveis.
Os crimes contra humanidade como a tortura não devem ter um tempo limite para serem julgados, segundo as regras internacionais. Como o senhor avalia essa questão?
Identificar e julgar os responsáveis por esses crimes, que não têm prazo de validade, significará um enorme avanço político e social para o Brasil. Não podemos olhar só para o passado. Atualmente, a tortura de presos comuns é uma prática costumeira. Hoje, como ontem e como será amanhã, a tortura é hedionda e seus autores devem ser punidos.

Pensamentos sobre o futuro

18 junho, 2012 às 07:27  |  por Erol Anar

O ser humano tem uma história de milhões de anos, mas o Homo Sapiens Sapiens, o último homem moderno, tem um história menor de cem mil anos.
A história humana tem milhões de anos mas se olharmos para a história da humanidade, poderiamos ver que os desenvolvimentos mais rápidos e significativos ocorreram no século passado.
A humanidade realizou grandes saltos para a frente nas áreas científicas e tecnológicas.
Neste contexto, nos próximos anos, poderemos testemunhar grandes desenvolvimentos. Assim como o celular e a Internet cresceram rapidamente, muita coisa poderá mudar rapidamente em pouco tempo.

Desenvolmentos tecnológicos
Há coisas que até há alguns anos atrás faziam parte apenas de nossa imaginação mas atualmente tornaram-se realidade como o carro voador, a televisão holográfica, etc… O carro voador vai ser comum em alguns anos e a tecnologia dos robôs vai ser usada mais nas fábricas e nas casas.
A tecnologia holográfica é uma ilusão. Se você conseguir olhar para o futuro e vislumbrá-lo tudo que é parte de nossa imaginação hoje vai aparecer na realidade cotidiana. A respeito do leitor de livro digital, isso será bom por que não vamos precisar ler livro em papel e a natureza irá agradecer pois não precisaremos cortar árvores para termos livros em nossas mãos. Esse leitor digital pode carregar uma biblioteca inteira na sua memória. Os jornais também terão o mesmo formato digital. Grandes jornais como New York Tımes não vão ser publicado em papel daqui a alguns anos, pois atualmente já estão investindo nisso para o futuro. O livro eletrônico é mais barato e poderá ser comprado em qualquer lugar onde a internet estiver.
O marketing está crescendo na internet tambem, os supermercados vão fechar as portas. Você vai comprar tudo pela internet e receber na comodidade da sua residência, alguns supermercados já fazem isso atualmente. Então, o lucro desses estabelecimentos será maior por que será necessário número menor de funcionários, sem necessidade de grandes espaços, luz, etc… Os capitalistas serão mais ricos. Os bancos tambem fecharão e servirão seus clientes pela internet.
No que irá resultar todas essas mudanças? Nos Estados Unidos grandes livrarias estão fechando as portas e cada dia mais livros são vendidos eletronicamente. Nos anos seguintes as livrarias  fecharão ou não vão vender livros, vão vender outras coisas. Editoras vão publicar livros em formato digital (e-livro) na internet e vão pagar os escritores pelos direitos autorais. Segundo minhas ideias, a leitura não será valorizada no futuro e essa ideia esta sendo comprovada por algumas pesquisas apontando que a quantidade de leitores esta sendo reduzida a cada dia mundialmente. A cada dia menos gente lê livros! As pessoas gastam seu tempo na internet fazendo surf ou chat.
No futuro o conhecimento acumulado não vai ser tão valorizado como antes, todos entrarão na internet e terão acesso a todo conhecimento humano possível. A valorização será para a melhor interpretação do conhecimento adquirido.

Vai continuar