Arquivos da categoria: Literatura

El perro de Dostoiévski

21 setembro, 2016 às 17:20  |  por Erol Anar

Çizim-Ilya-Glazunov

 

Las relaciones entre las personas son tan complicadas, de difícil comprensión y solución, es una tarea difícil para cada persona conocerse a si misma,  más aún entender a la otra persona con la cual se relaciona.  A pesar de eso, muchas personas afirman que conocen y entienden a los otros muy bien.  En realidad esta pretensión es sólo un escape.

 

El escritor ruso Dostoiévski leyó un poema en voz alta durante una reunión y a causa de ese poema fue exiliado por el zar, y enviado a Siberia. Cuando su presidio finalizó, él publicó el libro de sus remembranzas de ese periodo en la prisión: “Recuerdos de la casa de los muertos”.  En este libro él contó que antes de ir a Siberia creía que conocía al pueblo muy bien, pero estaba equivocado, fue en la prisión de Siberia que él supo realmente conocerlos. Tras el encuentro con esos prisioneros él comenzó a analizar mucho mejor a las personas, descendiendo hasta la profundidad de sus almas.

 

Todo el mundo sabe que existe un perro famoso de Pavlov, ese perro fue utilizado en experimentos psicológicos. Dostoiévski en la prisión hizo un experimento también,  observó la relación entre un perro y las personas. Él hizo interesantes observaciones. Contó que había un perro que vivía con los prisioneros, y todos los que allí pasaban cerca de él lo pateaban y maltrataban, pero, lo más interesante, es que él no huyó de los prisioneros que lo maltrataban, cuando el prisionero se aproximaba él tomaba su posición para aferrarse.  Dostoiévski llegó un día cerca de aquel perro y lo acarició, el perro por un momento quedó sorprendido mirándole y luego huyó rápidamente, muy lejos, y comenzó a temblar. Tras aquel día el perro, cuando se encontraba con él , huía muy lejos y nunca más permitió algún acercamiento.

 

En ese ejemplo el perro es un ser hambriento de cariño.  Existen muchas personas como él, que no saben como reaccionar cuando encuentran afecto. ¡Si ustedes les dieran sus manos ellos podrían morder su pierna! Algunas relaciones parecen darse como amo y esclavo.  A veces, precisamente a quién usted maltrata, lo admira, y otros a los que usted trata bien pueden odiarlo. Las personas pueden enaltecerlo, pero cuando usted los humilla reaccionan como si hubiera hecho bien para ellos. Y, absurdamente, cuando usted los trata bien ellos te desvalorizan completamente. Las personas que viven con problemas y sin justicia muchas veces no saben como reaccionar cuando reciben un buen trato.

 

El libro de Shakespeare “Romeo y Julieta”  dice que cuando entregamos afecto éste aumenta, y no disminuye. El afecto es un tesoro que va en aumento, y más aún cuando está siendo obsequiado. Todos nos parecemos al perro de Dostoiévski, ¡desgraciadamente! No valoramos el cariño y peor aún, no lo demostramos. A quien nos trata bien, le quebramos su corazón. Será solamente cuando demostremos nuestros verdaderos sentimientos y tratemos afecto con afecto es que estaremos más cerca de nuestro verdadero yo.

 

Erol Anar

Os Irmãos Karamazov de Dostoievski

10 agosto, 2016 às 17:47  |  por Erol Anar

The_Brothers_-Karamazov_large

De acordo com alguns críticos deste livro de Dostoiévski, o romance é o melhor de todos os tempos. Makedoniy Kiselev é um diretor de cinema russo que fará a versão cinematográfica do livro de Dostoievski, “O Irmão Karamazov”.

Lubovi Skotoprigonyevska, o filme abre uma nova perspectiva sobre o grande autor e sua obra-prima chave Irmãos Karamazov.

“Lubovi Skotoprigonyevska” é um filme independente sem fins lucrativos de longa-metragem baseado em Os Irmãos Karamazov, último e mais magnífico romance de F. Dostoevsky. A ação é centrada em torno do desenrolar das histórias dos irmãos  Karamazov com suas mulheres, suas paixões e reflexões acerca de Deus. A linha de investigação do detetive de um assassinato é executada em segundo plano. No primeiro plano, há uma história de amor de um adolescente em uma cadeira de rodas e Aleksey Karamazov, o irmão mais novo, também por “paixões de seus irmãos por mulheres, que consideram que Aleksey seja um anjo e a única pessoa capaz de ajudar o desenrolar de seus relacionamentos complicados. O filme explora o ser humano no ponto mais alto das tensões e contradições psíquicas. Em uma situação de escolha e para superar suas paixões, vão perdoar uns aos outros?

Por que é importante?

Dostoievski nos ajuda a entender a nós mesmos. Em algum momento da vida, todos nós vamos encontrar uma pessoa que vai tornar-se importantes para nós e a situação pode não ser sempre tão simples. O que se deve fazer, e como é possível sobreviver a uma traição? Como pode alguém, sem se auto destruir, superar o adversário? Como se pode superar a dor, manter-se vivo e perdoar? Mantendo contato com as personagens de Dostoiévski, podemos mudar nossas almas e do mundo que nos rodeia.“

https://www.indiegogo.com/projects/lubovi-skotoprigonyevska-dostoyevsky#/

magritte_mirror_tn

Existen personas perfectas?

30 novembro, 2015 às 10:21  |  por Erol Anar

Existen personas perfectas?, claro que existen! Ellas se dicen ser tantos que si lo contamos nosotros parecrá increíble quien no lo descubre em si mismo cree que es perfecto. Quien no confia em si mismo, se esconde tras una máscara y queda com uma apariencia de uno poderoso en si com uma personalidad pobre. Esse tipo de persona juzga a todas las otras, y las juzga cruelmente. Según su juicio todo el mundo es poco inteligente, ruin y sucio. Em el enorme planeta tierra sólo existe el del limpio y bueno, conoce todo, observa todo y comenta ciertas cosas.

Deja trás de si conceptos inmutables y da  bellaca vida superficial. Cuenta como suyo la superioridade y el orgullo em la misma música como en um disco ralado. Pero sólo los conceptos y conocimientos no pueden explicar la esencia de la vida.! Pero este tipo de personas no aprenden eso… y pasean superficialmente por la vida. Quien quiere compreende la esencia de la vida precisa además, asir la vida profindamente, psicológica, filosófica e historicamente acumulando y haciendo intersecciones entre lo que se sabe com esos datos, todo eso sumado a la propia experiencia  de existir.

Existen muchas personas en la sociedad de esse tipo: perfeccionista y superficial.

En realidad essas personas no consiguen ser felices. Pequenos acontecimentos los hacenreaccionar com intensidade, como uma voz desafinada em um concierto, ellos no aceptan ninguna crítica para si mismos.

El bellaco Murin habla lo siguiente em el libro de Dostoiévski “La dueña de cas”: -“una persona enormenete flaca no puede  vivir soñando, no tiene eso em su mente! Para él todas las cosas, dejará todo y correrá hacia vos nuevamente. Es ara él la mitad del mundo y él no va a pensar em dominar, se va a diminuir él mismo y se va a encoger com miedo, hasta quedar del tamaño de um zapato. Si vos das libertad a uma persona flaca ella la colocará em uma bolsa y la devolverá austed, entregará todo. Lo qué irá a hacer um corazón sin mente?”.

Lo que Rimbaud habla sobr la cuestión de la felicidade mágica es que cuando comenzamos a pensar en nuestro interior escuchamos al gallo de Galha cantar nuestros corazones. La felicidade esa escondida em esa excursión.

Espero que el gallo de Galha que vive dentro de ustedes cante, desafiando la eternidad.

 

Con amor…

 

Erol Anar.

“Café de mañana existencialista”.

 

Uma conversa sobre o passado e o futuro

29 maio, 2015 às 08:28  |  por Erol Anar

10645207_10153875455420558_6723483420998350636_n

 

 

Ela falou:
As pessoas normalmente
Dizem que sou complicada,
não me entendem .
Porém não me importo,
Fodam-se!
Queria um relacionamento
nada complicado.
Não gosto de pensar nem idealizar,
prefiro deixar fluir.
É melhor!
Sinto-me mais livre…
Ela falava sem parar:
Depois etc.
e depois etc.
Vou assumir uma coisa:
Odeio assumir isso.
Sinto-me ridículo!

Respondi:
Tudo bem, te entendi.

Ela falou de novo:
Cara, você não entendeu nada!

Refleti mais e afirmei:
As vezes, olhar o passado é bom
para caminhar para o futuro, baby.
O passado parece uma sombra e
fica bem atrás de você,
mas se não olhar para lá poderá esquecê-lo…
porém se o fizer vai vê-lo
ainda ali, grudado na sua bunda…
Talvez não tenha sido vivido…

Ela disse:
Cara, você foi longe agora…
Bom é viver o presente
sonhando com o futuro!

Ela tinha razão, mas acrescentei:
O passado parece um passarinho morto, baby.
Se você carregá-lo na bolsa, vai cheirar.
Se enterrá-lo, vai ser melhor.
Assim, quando quiser poderá visitá-lo.

Caraca! disse ela.
Foda-se!
Muito boa frase!

Rimos juntos, dessa vez
e a conversa terminou assim.
como a vida.

 

Erol Anar


“Os Poemas do Maio”, 2013,

Santa Catarina Brasil

 

O Renascimento de Raskólnikov

10 setembro, 2013 às 13:52  |  por Erol Anar


Raskólnikov é um dos mais famosos heróis de romance de todos os tempos. O escritor que o concebeu disse que Raskólnikov, como estilo de personagem, não existia em nenhum romance anterior, eu penso o mesmo. Os heróis anteriores lutavam contra o mal, as personalidades eram perfeitas, eram sempre boas pessoas, nas quais não existia o mal.Porém, Raskólnikov perdeu desde que nasceu: era pobre, doente, não tinha piedade e ao mesmo tempo tinha muita piedade, ás vezes o vemos como uma boa pessoa, e outrras como uma má. Na verdade, ele não é mau nem bom, ele tem ambas características, como todas as pessoas, um misto de bem e mau.
Sem dúvida Crime e Castigo é livro mais discutido e pesquisado.

Sobre o Escritor
Fiódor Mikháilovitch Dostoiévski é o maior escritor de todos os tempos, conseguiu aprofundar seus conhecimentos na característica psicológica das pessoas, desvendando-lhes a alma, com todos os seus conflitos e emoções.
Ele nasceu em 1821, em Moscou, o pai era médico num hospital da classe social mais desfavorecida, sua família era classe média. A primeira educação ele teve com sua família, ele teve uma vida difícil e pobre, podemos ver nas suas obras essa parte de sua história de vida pessoal. A vida dele foi muito tumultuada, quando ele tinha 17 anos foi para a academia militar. Em 1849, ele recebeu sentença de pena de morte, mas quando foi recebê-la, a pena de morte foi transformada em outra sentença: exílio na Sibéria. Dostoiévski voltou da morte para viver dias de horror na Sibéria, e sua mente sofre um impacto com essa experiência. Ele sofria epilepsia, e teve muito mais crises nesse período.Essa doença também provocou alterações na sua personalidade. Depois da sibéria, suas obras surgiram com ideas místicas. Também após esse exílio e até morrer, sua vida tinha problemas com amores, casamentos, viagens para Europa, apostas em jogos e economicamente foi um desastre. Morreu em 1881, pobre e em grandes turbulências.
Stefan Zweig escreveu no sua livro: “ Três Grandes Mestres” , que Dostoiévski fez a face dos “ pés-vermelhos” . Ele falou que : “ essa é a face de Dostoiévski, a face que nos lembra um pé-vermelho, ou pobre ou mendigo, a face negra na qual não existe beleza alguma. Ele nos causa medo, primeiramente, depois nós o veneramos .Sua face é vulgar, e traz nela o carimbo do seu destino: um destino cruel e miserável.”
Sua fisionomia nas fotos é horrível. A horrível , majestosa e misteriosa face. Ele gostava de jogar, assinava contratos suicidas com editoras, e nunca ganhava o bastante .
Gogól impressionava todos os escritores russos da época. Dostoiévski disse que todos nós saímos do “O Capote de Gogól.” , que é o nome de uma história curta de Gogól : “ O Capote” . Esse escrito é um alicerce para toda a literatura russa.
Quando o livro “ Pobre Gente”(Dostoiévski) foi publicado, todo mundo aplaudia em pé, Bielinski, importante crítico de literatura russa naquela época, também.
Quatro anos ele ficou no inferno da Sibéria. Lá, pela primeira vez, ele encontrou gente do povo pobre. Ele fazia parte do grupo de intelectuais anteriormente, que pensava para o povo mas não o conhecia, até então. Ele conta essa história no seu livro “Recordações da Casa dos Mortos” .

Muitos intelectuais pensam que Dostoiévski é uma das bases do existencialismo. Nos seus livros esta inserido o niilismo também. Ele era como seu personagem Raskólnikov,além de morar na mesma região, penhorava seus bens para ter algum dinheiro na Europa. Ele queria que as pessoas emprestassem dinheiro para ele, para isso enviava muitas cartas , mendigando , sem nenhuma vergonha. Ele também estava doente, como Raskólnikov. Ele não pagava o aluguel de onde morava como seu herói, mandou seu herói para a Sibéria, como ele próprio.
Um escritor, cujo nome eu não me recordo, afirmou que : “ Os escritores se dividem em dois tipos: um dostoiévski e os outros.” A diferença é que ele andava nos lados obscuros da mente humana, desvendou a alma humana, queria a análise profunda dos seres humanos. Tinha uma parede, ele conhecia o outro lado dela. Ele atravessava ,sem medo ,para o outro lado da parede.
Ele criticava também os intelectuais e os escritores:

“Mas então o literato recebeu cinco rublos, em uma ‘casa decente’, por uma aba de casaco… Olha como são esses tipos! Faz três dias, em uma taberna, foi a mesma história; um desses literatos almoçou e na hora de pagar veio com essa: ‘Olhe, que posso fazer-lhe uma sátira no jornal.’ Na semana passada, um outro, em um barco, ofendeu a respeitável família de um conselheiro de Estado. Ha algum tempo, tiveram de expulsar um outro de uma confetatia, Já dá para ver como são esses literatos, escritores, estudantes…” (Crime e Castigo, Página 109)

Crime e Castigo
Crime e Castigo foi publicado em 1866, o nome original é “Prestuplenie i Nakazanie” . Era época de turbulência política, e econômica, o livro era contemporâneo da Rússia. O herói também era contemporâneo, sofria , tinha cicatrizes , mesmo sendo tão jovem. Dostoiévski mandou uma carta para Katkov, em 1865, dizendo que o livro tinha acontecimentos indecentes, como na nossa atualidade. É do mesmo ano que nós passamos.
Para o escritor foram anos muito difíceis também. Ele vivia grande solidão, tinha muitas dúvidas. Em 1864, ele perdeu pessoas muito importantes para ele: sua esposa Maria Dmitrievna , seu irmão Mikhail Mikháilovitch, seu amigo e poeta Apollon Grigoriev …
O escritor, quando esteve na Sibéria, foi proibido de ler, só um único livro foi permitido: a Bíblia. Ele leu somente a Bíblia durante quatro anos! Por isso ele ficou tão impressionado com as anedotas da Bíblia, especialmente com a parte da história de Lázaro. O herói Raskólnikov também ficou impressionado, após seu crime, visitou Sônia e queria que ela lesse essa parte da Bíblia para ele. Talvez ele desejasse que acontecesse com seu crime o mesmo retorno á vida, da história de Lázaro.
A idéia básica do livro é a liberdade, na realidade como pode um indivíduo ser livre. Questionamentos sobre o conceito de Deus aparecem no livro:

“-E isto que é? Perguntou ela, apontando para o moribundo.
-É possível que os que involuntariamente provocaram a morte de seu marido indenizem a senhora, pelo menos no que diz respeito a perda do ampora material.

-O senhor não entende! -gritou irritada Ekatierina Ivánovna, agitando as maos. -Por que haveriam de me indenizar? Foi ele que, embriagado, se atirou para baixo das patas dos cavalos! E que ampora? Ele nunca foi para mim senão um tornemento. Deixava-nos sem pão, para ir beber na taberna. Deus foi misericordioso livrando-nos dele. Um gasto a menos.
-Deve perdão-lo na hora da morte, senhora. Esses sentimentos são um enorme pecado!
Enquanto conversava com o padre, Ekatierina Ivánovna não deixaria de atender o ferido; dava-lhe beber, limpava-lhe o suor e sangue da cabeça, ajeitava-lhe a cabeceira. (Crime e Castigo, Páginas 190-191)

Também a visão socialista é importante . Ele contava realisticamente como era viver na Rússia. Nenhum escritor contou sobre a sociedade russa como ele. Primeiramente, a pobreza dos estudantes universitários, a prostituição de filhas com o aval das famílias, por suas necessidades sócio-econômicas, a vida vazia dos pequenos burgueses, o medo do Estado e da criação de polícias, …na realidade na Rússia o czarismo tinha a faca no pescoço do povo.
Do ponto do vista literário o livro foi uma novidade para a literatura por seu realismo, até então inovador. A diferença desse livro para os outros , não só reflete a realidade, a vida objetiva, ele ao mesmo tempo reflete a psicologia humana e a vida intrapsíquica das pessoas
“Sem Dostoiévski , não teriam sido possíveis as pesquisas em profundidade de psicólogos como Nietzsche e Freud, além de um conhecimento, por assim dizer íntimo, dos motivos da alienação humana e dos caminhos para sua superação.” (em Recordações da Casa dos Mortos, ed. Martin Claret, 2006, SP, pág. 314)
A despeito do pessimismo do escritor, em todos os romances ele finaliza com questionamentos e uma porta para um caminho positivo.
Sônia prostituiu-se para vender seu corpo em nome da família, para que seus irmãos não passassem fome. Sua personagem tem características bíblicas de Maria Madalena , faz sacrifício para que os outros sejam beneficiados, bem como Lisavieta, irmã da agiota assassinada,. Raskólnikov matou Lisavieta por circunstâncias, mas isto estava fora do seu planejamento. Lisavieta ficou na consciência dele.

“Não foi diante de ti que me curvei, mas diante de todo o sofrimento humano” (Crime e Castigo, Página 328)

O ponto de foco de Crime e Castigo é um problema do século XIX, é o mesmo problema da literatura realística. Depois da revolução burguesa francesa no oeste europeu, e depois da reforma rural na Rússia, a literatura realística pesquisou sobre os caminhos para o desenvolvimento da personalidade humana. Não há nenhum outro romance que tenha atingido o sucesso, por ter feito esse caminho também, como Crime e Castigo. Esse romance trouxe à baila a consciência e a inteligência da humanidade para aplicar na justiça. Dostoiévski descreveu a filosofia dos pensadores da época. Eles diziam que não é possível mudar o destino da humanidade. Ele não queria a submissão, queria a rebeldia, a resistência à desigualdade, não aceitava a injustiça, defendia níveis supremos de ética e moral para as sociedades.

O teto do livro é a história de um crime psicológico e o resultado ético deste crime. O herói Raskólnikov não é um criminoso comum, ele queria experimentar o seu próprio sistema de pensamento , para provar que a atitude dele era correta. Era um jovem honesto, inteligente, gostava de ajudar as pessoas, observava a vida dos pobres e percebeu que o destino deles era a pobreza, a doença e a morte na juventude. Ele fez uma solução mental, ele não encontrou ninguém, estava sempre sozinho, fugia das pessoas. Na busca dessa suloção ele ficou dividido: eu sou um piolho ou um ser humano?
Finalmente ele encontrou um caminho para salvação: existe dois tipos de pessoas, um tipo incomum que tem o direito de fazer tudo e pessoas comuns, submissas a tudo. E então quis pertencer ao grupo de pessoas incomuns, por isso planejou e efetuou seu crime.

“Não foi uma criatura humana que matei, foi um princípio!” (Crime e Castigo, Página 280)

Antes do crime ele pensou em todos os detalhes, mas estava errado, a realidade da vida foi diferente daquilo que visualizou nos planos anteriores . Ele terminou por assassinar a segunda mulher, a qual não estava nos planos, a irmã da agiota. Foi para a polícia e acreditou que era um suspeito. Mas a base que estava errada, ele pensava que o crime não modificaria o relacionamento dele com as outras pessoas a sua volta, mas na verdade, tudo mudou. Ele pensava que a responsabilidade de matar era só dele, que a opinião dos outros não iria importar. Isso foi totalmente errado!
Dostoiévski disse que uma pessoa não existe na solidão ,quando vivemos em sociedade, essa idéia foi contra os pensadores racionalistas do século XVIII. . Como vivemos na sociedade carregamos esta mesma em nossos corações, temos muitas amarras pelos vínculos estabelecidos com os demais. Se desatamos os nós dessas amarras, cometemos um tipo de suicídio. Raskólnikov vivia esses pensamentos, ficou alienado inclusive da mãe e irmã dele. Ele queria matar a agiota que suga o sangue da pobreza, mas ele matou ele mesmo. Por isso ele confessou para a polícia, conforme o conselho de Sônia.
Ele tinha duas possibilidades: suicidar ou escolher viver a despeito de tudo.

“Onde li’, pensava Raskólnikov afastando-se, ‘…aquele frase atribuído a um condenado à morte, uma hora antes do suplício? Se ele tivesse de passar a vida sobre um lugar alto, sobre um rochedo perdido na imensidade do mar, que lhe oferecesse apenas o espaço suficiente para firmar os pés; se tivesse de viver assim mil anos, sobre o espaço de um pé quadrado, na solidão, nas trevas, exposto a todas as intempérie -ainda assim preferiria tal existência a morrer! Viver seja como for mas viver!… Como isso é verdadeiro, meu Deus, como é verdadeiro! O homem é covarde! E também é covarde o covarde que lhe chama assim -acrescentou um momento depois.” (Crime e Castigo, Página 166)

Ele não sentia arrependimento pelo que planejava.

“O meu crime? Qual crime? -replicou ele em um subito acesso de colera: o de ter matado um piolho imondo e malefico, uma velha usuraria nociva a toda a gente, um vampiro que se alimentava do sangue dos pobres?” (Crime e Castigo, Página 520)

Depois que assassinou tinha sofrimento, de acordo com o escritor, porque a essência da humanidade ganhou espaço dentro dele. Dostoiévski pensava que o a história do herói dele não era uma queda da moral e da ética, pelo contrário, elevava a ética e a moral. Um erro de Raskólnikov o levou a compreender que errou e não foi destruído, ele criou um novo humanismo.
O autor desenhou uma obra obscura que inclúi uma luz no fim. Essa luz é a fé, a coragem de Raskólnikov para a utilização de ferramentas fortes para servir a sociedade. Porque Raskólnikov ficou mais humano a despeito de tudo o que aconteceu.

Raskólnikov é a Mona Lisa da literatura universal

Ele foi contra a injustiça, contra pessoas e animais. Por exemplo, ele sonhou que um dono bateu no cavalo até este morrer e ele atacava esse dono e salvava o cavalo. Outro dia um homem tentava atacar sexualmente uma menina, ele esforçou-se para salvá-la .

“Raskólnikov remexeu o bolso, tirou vinte copeques e os estendeu ao policial -Tome -disse-; alugue uma carruaguem e leve-a para casa. Só precisamos saber onde ela mora.” (Crime e Castigo, Página 59)

Razumíkin conta que:

“Conheço Ródia (Raskólnikov) há dezoito meses: é taciturna, severo, orgulhoso e altivo. Nos últimos tempos (mas talvez essa disposição existisse nele há muito) tornou-se desconfiado e hipocondríaco. Tem bom coração, é generoso. Não gosta de revelar os próprios sentimentos e prefere antes ser duro que deixar o coração falar… Não gosta de brincadeiras, não porque ao seu espírito falte senso de humor…. Não escuta até o fim o que se lhe diz; nunca se interassa pelas coisas que interassam toda gente.” (Crime e Castigo, Páginas 219-220)

Não existe uma pessoa só boa ou só ruim.O bem e o mal coexistem, as pessoas são boas-ruins, ele matou duas mulheres com um machado selvagem, mas ao mesmo tempo ele deu um último dinheiro de seu bolso para ajudar pessoas necessitadas. Por exemplo, deu 25 rublos que a mãe dele enviou com esforço duro de trabalho, para o funeral do marido de Ekatierina Ivánovna.
Freud, fundador da Psicanálise, impressionou-se com esse livro. Ele disse que Crime e Castigo tem a tríade Super-Ego, Ego e Id em profundidade. O Id de Raskólnikov ordena que ele mate , o processo do Ego traz tumulto emocional, e finalmente, o Super-Ego o faz sentir culpa.
J. .L. Borges afirmou sobre este livro:” pela primeira vez viver o amor, pela primeira vez ver o mar, de forma similar a descoberta de Dostoiévski é tão importante data na vida das pessoas. Geralmente isso foi na primeira juventude para as pessoas, quando estamos mais velhos, nós lemos livros de escritores mais leves. Eu li Crime e Castigo em 1915 em Geneve, Suiça.Os heróis do livro são um assassino e uma prostituta, esse romance para mim era mais impressionante e destrutivo que a guerra . Ler Dostoiévski é como entrar numa cidade grande e desconhecida, ou entrar na sombra de uma guerra.”

Caracteres dos livros
Os livros são uma discussão de eventos colocados com maestria pelo autor.
A irmã e a mãe de Raskólnikov o amavam, sempre o ajudavam com dinheiro e o que precisasse. Esperavam que ele fosse um grande cientista ou escritor.

No livro existem também: Sônia, a segunda personagem mais importante, e outros personagens como Razumíkhin, Ekatierina Ivanóvna, Piotr Pietróvitch, Marmiledov, Zamiótov, Porfiri Pietróvitch, Svidrigáilov, etc ..
Razumíkhin é o único amigo dele, ele sempre o ajudou e nunca o deixou até o fim. Depois casou-se com a irmã de Raskólnikov. Ele é inteligente, dominava três ou quatro línguas, era estudante na universidade, era um jovem.
Ekatierina Ivanóvna é pobre, serve sua família o dia todo e sempre relembrava sua infância aristocrata, sofria de tuberculose, rebelava-se contra Deus e tinha muitos sofrimentos.

“No canal, a pequena distância da ponte e a apenas dois prédios do lugar onde morava Sônia, aglomerava-se uma multidão, composta na maior parte de crianças. A voz rouca e sofrida de Ekatierina Ivánovna ouvia-se já da ponte. De fato, e espetáculo era suficiemente singular para atrair a atenção dos transeuntes. Com um chapéu de palha e o velho vestido esfarrapado, sobre o qual tinha lançado aquele xale verde. Ekatierina Ivánovna estava mesmo louca. Estava exausta, arguejante. O seu rosto marcado pela tísica exprimia mais sofrimento do que nunca (de resto, os tisicos, ao sol, na rua, parecem sempre mais doentes e desfigurados do que em casa); apesar da fraqueza, estava em uma agitação extraordinário que aumentava, de momento a momento.” (Crime e Castigo, Página 429)

O esposo de Ekatierina Ivanóvna era um simples funcionário público que gastava todo seu dinheiro para se embriagar, não ia ao trabalho muito dias seguidos, morreu na rua atropelado por uma carroça, aos pés do cavalo.

“O que significam estas palavras: não ter onde ir?…” (Crime e Castigo, Página 57)

Piotr Pietróvitch , metido a superior, gosta só dele mesmo, gosta de dinheiro acima de tudo, através do dinheiro desejava direcionar as pessoas. Se não era possível com dinheiro, tentava outros caminhos, por exemplo, colocou 100 rublos na bolsa de Sônia, só para acusá-la de roubá-lo mais tarde.
Svidrigáilov é como o próprio Dostoiévski, ele apostava dinheiro, não pagava empréstimos e foi preso, era infeliz, nunca tinha o que queria, tinha dinheiro mas não comprava o amor de Dúnia. Então todo dinheiro dele deu para os necessitados, e suicidou-se.

A parede
Dostoiévski nos coloca numa corrente de sua imaginação, o que tem no outro lado da parede. Ele passou para o outro lado e espera que o leitor atravesse a parede e fique ao lado dele. Nós todos que estamos em que lado da parede? O outro lado é proibido para nós, temos medo do auto-conhecimento, de encarar a nós mesmos. . A diferença entre Dostoiévski e outros escritores é essa, ele mostra o outro lado .
Raskólnikov no fim do livro, ele confessa o amor para Sônia, torna-se uma pessoa boa, como Lázaro na Bíblia ele renasce.

Bibliografia

Dostoiévski, “Suç ve Ceza (Crime e Castigo)”, Oteki Yayinevi, 1996, Ankara-Turquia
Dostoiévski, “Crime e Castigo”, Editora Martin Claret, 2006, S. Dostoiévski, “Recordações da Casa dos Mortos”, Editora Martin Claret, 2006, S. Paulo-Brasil.
Stefan Zweig, “Uc Buyuk Usta (Três grandes Mestres) ”
Omer Turkes, Eski Kitaplar ( Livros Antigos) “Suç ve Ceza” Istambul, Turquia.
Asuman Kafaoglu-Büke, Yazin Sanati Kitap Eki 18 Mayis 2006, Turquia.
Ender Ozkahraman: “Dostoiévski ve duvarin öte yani (Dostoiévski e o outro lado da parede) 5” Milliyet Gazetesi Kitap Eki. Istambul-Turquie (http://www.milliyet.com.tr/ozel/kitap/020510/tadimlik.html)

Todos os direitos reservados para © Erol Anar,

Era uma vez… num barzinho no subsolo

25 junho, 2013 às 14:25  |  por Erol Anar

Foi há muito tempo!
Estávamos num barzinho no subsolo
Chegamos nele descendo pelas escadas
Na rua Sakarya, na cidade de Ancara.
Havia uma música alta no fundo:
“We will, we will rock you!
We will, we will rock you!”

Meu amigo e eu
Estávamos tomando cerveja lá
De repente ele chegou,
com sua barba amarela com meio metro de comprimento
Era um conhecido antigo que morava agora nas ruas…
Antes ele havia sido diretor de uma revista de literatura
Os olhos desesperados brilhavam como os de um bicho selvagem
quando ele nos viu…

Sentou-se à mesa rapidinho
Ele sempre dava uma volta pelos barzinhos
todas as noites…
Se encontrava alguém conhecido, logo se sentava e
tomava cerveja de graça…
Ele tomou uma gota da cerveja e
de novo os olhos brilharam…
Entrava num mundo de imaginação…
“Erol, vou me casar logo num hotel 5 estrelas.”
Olhávamos para ele que acreditava em suas próprias palavras
Tornou-se um babaca metido
porque achava cerveja de graça

Depois contou sobre como seria seu suposto casamento,
O ser humano é assim
Ele esquece sua vida difícil
quando possui sua cerveja…
Na hora esquece tudo
e entra num mundo de imaginação

Partimos do barzinho umas horas depois
Já era madrugada
Subimos pelas escadas escuras cuidadosamente
E chegamos novamente na rua
A música continuava:
“We will, we will fuck you!”

 

Uma conversa sobre o passado e o futuro

10 junho, 2013 às 20:21  |  por Erol Anar

Ela falou:
As pessoas normalmente
Dizem que sou complicada,
não me entendem .
Porém não me importo,
Fodam-se!
Queria um relacionamento
nada complicado.
Não gosto de pensar nem idealizar,
prefiro deixar fluir.
É melhor!
Sinto-me mais livre…
Ela falava sem parar:
Depois etc.
e depois etc.
Vou assumir uma coisa:
Odeio assumir isso.
Sinto-me ridículo!

Respondi:
Tudo bem, te entendi.

Ela falou de novo:
Cara, você não entendeu nada!

Refleti mais e afirmei:
As vezes, olhar o passado é bom
para caminhar para o futuro, baby.
O passado parece uma sombra e
fica bem atrás de você,
mas se não olhar para lá poderá esquecê-lo…
porém se o fizer vai vê-lo
ainda ali, grudado na sua bunda…
Talvez não tenha sido vivido…

Ela disse:
Cara, você foi longe agora…
Bom é viver o presente
sonhando com o futuro!

Ela tinha razão, mas acrescentei:
O passado parece um passarinho morto, baby.
Se você carregá-lo na bolsa, vai cheirar.
Se enterrá-lo, vai ser melhor.
Assim, quando quiser poderá visitá-lo.

Caraca! disse ela.
Foda-se!
Muito boa frase!

Rimos juntos, dessa vez
e a conversa terminou assim.
como a vida.

Erol Anar
“Os Poemas do Maio”

Um livro que causou uma onda de suicídios na Europa

23 outubro, 2012 às 08:13  |  por Erol Anar

“Os Sofrimentos do Jovem Werther” foi escrito pelo famoso Alemão pensador e escritor Johann Wolfgang Von Goethe. Ele escreveu esse livro quando tinha 25 anos, marcou um ponto inicial de romantismo. Trata-se de um livro carta romance, Jovem Werther manda cartas poéticas para amigo Wilhelm. Werther estava apaixonado e conta seus sentimentos sobre esse amor.
Na época esse livro causou uma onda de suicídio no continente Europeu, então Goethe escreveu e solicitou que as pessoas não seguissem o herói da história.
Werther é um jovem inteligente, fugiu da cidade grande e residia no interior, acabou por se apaixonar pela filha de uma família nobre.
A moça também se interessa por ele, porem ela é noiva, por isso só o trata como amigo, porem ela tinha medo e por isso não queira mais conversar com Werther.
“Não basta a impossibilidade de sermos felizes? Precisamos ainda roubar o contentamento que as vezes passeia nos corações alheios? Aponte-me alguém que esteja de mau-humor e apesar disso seja valente o suficiente para ocultá-lo, suportá-lo sozinho, sem destruir a alegria em torno de si. …Não suportamos ver pessoas felizes, sem que tenhamos concorrido para tal.
(pp. 24)”
A história do livro é escrita em primeira pessoa e com poucos personagens. Werther escreveu novas cartas para ela e se suicidou, por causa do amor.
Essa história é uma parte real da vida do escritor Goethe, quando ele era jovem se apaixonou e a moça era a noiva de um amigo dele. O estilo do texto escrito é poético, profundo e romântico.

Goethe, Johann Wolfgang Von: “Os Sofrimentos de Jovem Werther”
Editora: LPM
Edição: 1
Ano: 2001
Páginas: 216

Um escritor de alta qualidade: Jerzy Kosinski

14 outubro, 2012 às 11:06  |  por Erol Anar

Ao começar a leitura de Jerzy Kosinski perceberá tratar-se de um escritor de alta qualidade e inédito. Li os seguintes livros dele: “O Pássaro Pintado”, “Being There” “Devil Tree”, “Steps”, “Blind Date” etc… cada página era um surpresa, era impossível já prever o que aconteceria no enredo na página seguinte. Ele construía as histórias como num jogo de xadrez, tão inteligente e genial!
Kosinski, nasceu na Polônia e anos depois consegui fugir para os Estados Unidos e residiu por lá.
Tem escritores que fazem a diferença, Kosinki é um deles.
Seu livro “Being There” foi adaptado ao cinema e ganhou o prêmio Academy Award. Sofreu acusações de falsificação em seus livros por alguns jornalistas, porém isso não o impediu de ser um escritor mundial.
Quando chegou ao sucesso, dinheiro e fama, foi encontrado no seu banheiro morto, suicidou colocando uma sacola na cabeça impedindo a circulação do ar e se afogou. Deixou um bilhete assim: “Vou me colocar para dormir agora, um pouco mais de tempo do que o habitual. Chame a eternidade.’

O Pássaro Pintado

18 setembro, 2012 às 08:32  |  por Erol Anar

Há livros capazes de causar o mesmo impacto ao serem lidos anos depois do seu lançamento, “O Pássaro Pintado (The Painted Bird)”, de Jerzy Kosinski, é um desses livros inesquecíveis. Um livro impressionante porque o escritor conta sua própria história de vida desde sua infância. Quando li esse livro fiquei assustado refletindo sobre a selvageria e a violência dos seres humanos. Esse livro é a obra prima do autor.
Durante a Segunda Guerra Mundial, uma criança de 6 anos, foi afastada de seus próprios pais e sozinho sobreviveu em meio a guerra no leste Europeu. Ele era o escritor, permaneceu sozinho até reencontrar seus pais no fim de guerra, 3 anos depois. O livro revela a história durante a guerra através dos olhos de uma criança pequena.
Na história há violência, ele conviveu ao lado da morte. Também as pessoas o tratavam mal porque seu tom de pele era moreno, então pensavam se tratar de um menino cigano, os Nazistas mataram os ciganos também.
É um livro duro, com uma história selvagem, uma escrita mágica. Esse livro mostra como os humanos podem ser implacáveis.
A respeito desse livro Elei Wiesel publicou no jornal New York Times: “Um dos melhores, escrito com profunda sinceridade e sensibilidade.” Richard Kluger afirmou na revista Harper’s Magazine:
“Extraordinário, literalmente surpreendente, um dos livros mais poderosos que já li.” (Do livro anúncio promocional por Barnes&Noble)
Também pra mim é um dos melhores livros que já li. Se ainda não conhece, saiba que vale a pena lê-lo, estou certo que o considerará um de seus melhores livros.

Kosinski, Jerzy: “O Pássaro Pintado”
Editora: Livros de Areia
Edição : 1 / 2006
Idioma : Português de Portugal
Paginas : 200