Arquivo mensais:maio 2012

DISFUNÇÃO DA ATM

22 maio, 2012 às 09:49  |  por Dra. Michele de Camargo

A ATM (articulação temporomandibular) é a articulação que une a mandíbula à base do crânio. Ela, juntamente com os músculos, ligamentos e ossos é a responsável pelos movimentos da mandíbula para frente, para trás e para os lados, para cima e para baixo. Ou seja, todos os movimentos envolvidos na mastigação e na fala.

Qualquer problema que impeça o adequado funcionamento deste complexo sistema é chamado de DTM (disfunção temporomandibular).

A DTM pode gerar um enorme desconforto, causando dores de cabeça, dores de ouvido, dor e pressão atrás dos olhos, barulhos durante a abertura bucal, como estalos ou até mesmo um chiado. Alguns portadores de DTM sofrem com o travamento da mandíbula não conseguindo fechar a boca após uma abertura excessiva.
Existem inúmeras causas que podem levar um indivíduo a desenvolver DTM, como por exemplo: próteses mal adaptadas; dentes mal posicionados; hábitos de ranger ou apertar os dentes (bruxismo e apertamento); falta de dentes, etc. O correto diagnostico da causa da DTM é muito importante para que se possa indicar o correto tratamento.

Os tratamentos mais comumente indicados são: reposicionamento dos dentes (através de aparelhos ortodônticos), confecção de novas próteses, recolocação de dentes faltantes (através de implantes dentários ou próteses), uso de placa mio relaxante e muitas vezes é indicado o tratamento conjunto com fisioterapeuta. Alguns casos mais avançados de DTM só podem ser resolvidos através de uma cirurgia na ATM. Por isso o diagnostico precoce é muito importante.

Sedação Consciente

8 maio, 2012 às 10:30  |  por Dra. Michele de Camargo


Trata-se de uma técnica segura e que visa, acima de tudo, o bem estar dos nossos pequenos pacientes.
A sedação consciente, também conhecida como analgesia inalatória ou analgesia relativa – como o próprio nome diz – é uma técnica de sedação do paciente através da inalação de uma mistura de gases: o óxido nitroso associado ao oxigênio. Nesta técnica, diferentemente da anestesia geral, o paciente não perde a consciência. Ela “tem o poder de eliminar ou diminuir o medo dos procedimentos odontológicos, provocando na criança ou no adolescente uma sensação de bem estar e felicidade e também uma leve noção de perda de tempo, produzindo uma resposta psicológica positiva, tornando o tratamento mais fácil de ser realizado.” (Fonte: Associação Brasileira de Odontopediatria)

É importante ressaltar que esta técnica não elimina a necessidade da anestesia local, mas facilita muito o seu uso, já que o paciente não percebe a punção da agulha e não sente dor alguma.

Como funciona?

A inalação da mistura óxido nitroso/ oxigênio é feita através de uma máscara colocada sobre o nariz do paciente, tal qual ilustrado na figura acima. Seus efeitos no organismos são facilmente percebidos durante a administração: promove efeitos analgésicos, cognitivos e psicométricos. Traduzindo para fins práticos: aumenta o limiar de dor e tolerância para procedimentos mais demorados, reduz os movimentos inesperados durante o atendimento, altera a percepção do ambiente e da passagem do tempo. Mas um detalhe importante deve ser ressaltado: a criança permanece em um estado de consciência muito próximo do normal.

Cuidados

Uma vez que a inalação é feita pelo nariz, a técnica fica contra-indicada nos casos de pacientes com algum tipo de obstrução das vias aéreas superiores como infecção respiratória, aumento das amígdalas e/ou adenoides. Além disso, o paciente deve estar saudável ou com uma doença sistêmica leve.

Observação importante para papais e mamães: apesar de ser uma técnica segura, regulamentada pelo Conselho Federal de Odontologia (resolução CFO-51/2004), é imprescindível que vocês assinem um termo de consentimento autorizando o odontopediatra a usá-la. Neste documento vocês serão informados sobre a dosagem da mistura óxido nitroso/ oxigênio, o tempo de duração do atendimento e sobre os efeitos dos gases na criança: sonolência (podendo dormir durante o procedimento) e choro durante e/ou após o atendimento.

Quando usada corretamente e dentro dos padrões de segurança, a técnica de sedação consciente pode ser uma grande aliada no controle do comportamento da criança durante o atendimento odontológico proporcionando, acima de tudo, um atendimento tranquilo e eficaz, sem medo ou ansiedade.