Arquivos da categoria: Educação

Expansão do ensino a distância pode levar instituições a guerra de preços

14 janeiro, 2018 às 05:00  |  por Fernando Tupan

Início de ano é época de vestibular e de matrícula nas instituições de ensino superior. No caso daquelas que oferecem o ensino a distância (EAD), 2018 começa com um plano de expansão dos negócios depois de um período sem muito a ser comemorado. O projeto de expansão dos grandes grupos é resultado do marco regulatório do Ministério da Educação (MEC), publicado no ano passado, que flexibilizou algumas regras do segmento. A Uninter, do Paraná, é uma instituição de ensino com planos agressivos de crescimento. Em 2017, foram abertos 150 polos, o que levou ao encerramento do ano com 600 unidades. Em 2018, segundo o reitor Benhur Gaio, a previsão é abrir 250. “Até o marco regulatório, as regras limitavam muito o crescimento. Esta é a primeira vez que o ensino a distância passa por uma situação dessas, por isso o esforço tem sido tão grande para garantirmos a melhor infraestrutura”, afirma. As informações são do Correio Braziliense.

PSS para professores já registra 213 mil inscrições

10 janeiro, 2018 às 18:31  |  por Fernando Tupan

erminam nesta sexta-feira (12), às 18h, as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado (PSS) da Secretaria da Educação do Paraná. Já são 213 mil inscrições feitas por 69 mil pessoas. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas exclusivamente pela internet. Ao longo de 2018 serão contratados no mínimo 10 mil professores, pedagogos, tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais e professores guia-intérprete.

Continuar lendo

Inscrições do PSS começam amanhã

1 janeiro, 2018 às 08:00  |  por Fernando Tupan

professores

As inscrições para o processo seletivo simplificado (PSS) da Secretaria de Educação serão abertas em 2 de janeiro. As vaga são para professores, pedagogos, guias, tradutores e intérpretes de língua de sinais, que atuarão no próximo ano nas escolas estaduais. Interessados poderão se inscrever até 12 de janeiro pelo site do governo www.pr.gov.br. A classificação será divulgada no final de janeiro, a tempo de fazer a distribuição de aulas.

Você é a favor ou contra as cotas étnico-raciais?

28 dezembro, 2017 às 08:00  |  por Fernando Tupan

Mariana Seifert Bazzo* e Andre Luiz Querino Coelho**

“Slavery didn’t end in 1865. It just evolved” (A escravidão não terminou em 1865. Apenas evoluiu). Essa frase citada pelo professor Bryan Stevenson, da Universidade de Nova Iorque (NYU), poderia se aplicar à realidade brasileira e ao então já bastante tardio ano de 1888, já que a mera consulta de quaisquer dados e estatísticas produtores de conhecimentos disponíveis evidencia que a população negra ocupa um lugar na equação das vantagens e desvantagens sociais.

Continuar lendo

Reajuste de professores pressiona caixa de prefeituras do Paraná

26 dezembro, 2017 às 15:08  |  por Fernando Tupan

As prefeituras paranaenses começam 2018 já preocupadas em como pagar o novo reajuste do piso salarial dos professores. Para o ano que vem, o aumento será de 6,82%, com o valor mensal mínimo a ser pago aos profissionais da categoria passando dos atuais R$ 2.298,80 para R$ 2.455,58. O porcentual é 3,92 pontos acima da inflação projetada para 2017, de 2,9%, segundo previsão do Comitê de Política Monetária do Banco Central.As informações são do Bem Paraná.

Continuar lendo

Ministério da Educação autoriza a instalação de 29 faculdades de medicina

19 dezembro, 2017 às 16:32  |  por Fernando Tupan
Embora o presidente Michel Temer tenha proibido por decreto, no mês passado, a criação de novos cursos de medicina pelos próximos cinco anos, a União autorizou a abertura de 29 faculdades no país, contrariando especialistas da área. A informação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 8 de dezembro e, agora, as localidades que poderão oferecer as escolas médicas terão de demonstrar aptidão para receber essa estrutura. Atualmente, o Brasil forma mais médicos que os Estados Unidos e o Japão. Na opinião de representantes da classe, o crescimento na formação dos médicos não significa que o cidadão terá mais acesso à Saúde ou a tratamentos de melhor qualidade. As informações são do Correio Braziliense.

APP–Sindicato invade Palácio Iguaçu

18 dezembro, 2017 às 11:39  |  por Fernando Tupan

Invasão da app-sindicato no Palácio Iguaçu

Militantes da APP-Sindicato invadiram o Palácio Iguaçu por volta das 12h e exigem uma audiência com o governador Beto Richa (PSDB) ou com a governadora en exercício, Cida Borghetti (PP). Também reivindicam a conclusão das obras das escolas envolvidas no escândalo da Operação Quadro Negro e reivindicam o pagamento de horas extras dos professores no sistema PSS. Resolveram agora soltar os cachorros contra o secretário da Casa Civil, Valdir Rossoni.

Ensino personalizado é tendência para o futuro da educação

10 dezembro, 2017 às 17:25  |  por Fernando Tupan

Há pouco mais de um mês, o executivo Daniel Faccini Castanho, presidente do Grupo Anima Educação, partiu de Belo Horizonte rumo à gelada Finlândia, terra dos vikings e da fabulosa Aurora Boreal, fenômeno que enche os céus escandinavos de cores e luzes. O objetivo da viagem, porém, não era contemplar as belezas do país. Castanho cruzou o Atlântico para conhecer de perto os métodos e inovações que têm sido aplicados ao sistema de ensino finlandês, considerado um dos mais avançados do planeta. “Precisamos olhar e aprender com os melhores do mundo”, diz ele. O executivo gostou do que viu. Tanto é que a Universidade da Finlândia vai aprimorar a qualificação de 40 professores da Anima por um ano, que se atualizarão por meio de aulas on-line e presenciais, aqui mesmo no Brasil. A parceria está em estágio inicial, mas a ambição é grande. A Anima, com mais de 95 mil alunos, mantém 3,1 mil docentes em seu quadro. “O mundo está mudando, e o ensino, mudando mais rapidamente ainda”, destaca. As informações são do Correio Braziliense.

A declaração de Castanho não é uma força de expressão. Nos últimos anos, a Anima tem reformulado todo o seu sistema de ensino, buscando se adaptar às novas necessidades do mercado de trabalho, às evoluções do mundo acadêmico ou mesmo às demandas individuais dos próprios alunos. O que antes eram livros, quadros-negros e extensas aulas monótonas dentro de quatro paredes se transformou em modelos de aprendizado muito mais dinâmicos. “Os alunos não precisam mais ir à universidade para aprender, porque o conhecimento não está centralizado como antigamente. O conhecimento está em todo lugar”, afirma Castanho. “Atualmente, com todos os recursos tecnológicos existentes, podemos utilizar inteligência artificial, realidade virtual, sistema de tecnologia para acompanhamento de cada aluno, além de todos os dispositivos que estão ao nosso alcance para tornar a aula mais eficiente.”

A adaptação do modelo de ensino do Grupo Anima, que faturou R$ 960 milhões no ano passado com suas oito instituições (Una, São Judas, Unisociesc, Unimonte, HSM, Ebradi, UniBH e Alis Educacional), é mais do que necessária para garantir a longevidade do negócio. Um estudo elaborado pelo World Innovation Summit for Education (Wise), da Fundação Catar, elaborado com a participação de 645 especialistas, apontou que, para 93% dos pesquisados, a inovação (social, tecnológica e pedagógica) será a base do crescimento do sistema educacional nos próximos anos. “Em um futuro próximo, as escolas terão formatos híbridos e o professor não terá um papel protagonista no processo de aprendizagem”, afirma o especialista em sistemas de ensino da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Leandro Tessle.

O desafio é proporcional ao tamanho da mudança. Especialistas afirmam que as universidades brasileiras não podem apenas replicar modelos predefinidos de outros países, sem levar em conta características específicas do Brasil. “Um aprendizado personalizado é aquele que considera e respeita os instrumentos culturais que fazem parte do mundo dos alunos e, de forma equilibrada, traz tudo isso para dentro da sala de aula”, afirma Maria Bianconcine, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. “É perda de tempo impor um modelo de ensino em que professores ditam as matérias para alunos que vivem e se informam pelas redes sociais.”

A julgar pelo desempenho das ações das empresas de educação na Bolsa de Valores — um dos termômetros que medem a percepção do mercado em relação à capacidade das empresas de se adaptarem aos novos tempos —, os grupos de ensino estão se saindo bem em suas estratégias. Segundo os números da consultoria Economática, os papéis da Anima negociados na Bolsa acumulam a impressionante alta de 92,67% neste ano – até o dia 5 de dezembro. A valorização só ficou atrás do avanço da cotação da Estácio, que alcançou 95,75% no mesmo período. A Ser Educacional valorizou-se 60%, 65%, enquanto a Kroton subiu 36,14% no mesmo intervalo. Como comparação, a Bolsa de São Paulo, a B3, subiu aproximadamente 20%.

A bonança do setor educacional começou depois de fortes tempestades nos últimos anos. Uma das causas das tormentas foi a decisão do ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), de alterar, em 2016, as regras do Fies, colocando como exigência a nota mínima de 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e teto de renda para os candidatos. Com mais dificuldade em obter crédito, desenhou-se um quadro de estagnação do sistema privado do ensino superior. No ano passado, as ações da Anima recuaram cerca de 5%.“Eu tenho a percepção clara de que a crise econômica afeta os ânimos e a disposição de jovens de se matricular. As famílias empurram os filhos para que possam ajudar na renda familiar, o que dificulta os planos de acesso à educação superior”, rebateu o ministro.

 

Entrevista com Daniel Faccini Castanho

Presidente da Anima fala sobre a transformação dos processos de ensino

Qual é o modelo ideal para o ensino atualmente?

Hoje, a educação tem de ser híbrida, sem diferenciar o que é presencial e o que é a distância. O que importa é que tenha fluidez. Tanto faz se é analógica ou digital. Tanto faz o que é escola e o que é o trabalho. Esse é o futuro.

O que mudou no ensino no Brasil?

Antes, o simples fato de ter um diploma já aumentava muito a empregabilidade do aluno e o salário em duas ou três vezes. Então as pessoas queriam fazer o curso mais fácil, mais rápido e mais barato. A realidade hoje é outra.

Qual é a realidade?

A personalização do ensino. Nos últimos anos, o foco da educação foi a inclusão. Mas o Brasil continuou com o problema da produtividade. Os brasileiros passaram a ter diploma, mas não a qualificação ideal. Agora, a sociedade está mais madura. Estão surgindo novas competências, novas habilidades e novos conhecimentos. Agora importa, sim, quanto o aluno aprendeu na faculdade. Um certificado, por si só, não está valendo mais nada. Ou valendo muito pouco.
As universidades acompanharam essa mudança?
Antes, o conhecimento e o conteúdo estavam centralizados na universidade. Hoje em dia, o conteúdo está em todo lugar, no meu celular, no computador. Então, a universidade precisa deixar de ser um local de transmissão de conteúdo para ser um local de desenvolvimento de competências e habilidades. Isso está ocorrendo. O desafio da universidade é deixar de ser padronizada para ser personalizada.

Como a tecnologia vai impactar na sala de aula?

O modelo de ensino a distância, o EAD, já é uma questão do passado. Quando o aluno entra na universidade, ele faz uma avaliação para identificar suas competências específicas. Quanto mais preciso ele for, mais consegue definir o percurso formativo. Se o aluno sabe onde está e onde quer chegar, o caminho é mais fácil de ser traçado.

Isso reduz o tempo em sala de aula?

Isso otimiza o processo de aprendizagem. O aluno não perde tempo em aprender aquilo que ele já sabe. É uma forma de otimizar tempo e recurso. O aluno deveria ter um modelo de aula por hora. Assim, no tempo que ele fica dentro da universidade, conseguiria crescer e se desenvolver muito mais.

Quais tecnologias a Anima utiliza para aprimorar a relação entre professor e aluno?

Há uma gama imensa de recursos. Temos uma plataforma em que os alunos são acompanhados durante toda a vida acadêmica. O Watson da IBM, de Inteligência Artificial, é utilizado para ajudar a responder dúvidas em sala de aula. Há também recursos de realidade virtual, como a utilização de óculos virtuais. É possível visitar qualquer cidade da Europa, por exemplo.

Parcerias com instituições de ensino internacionais não são importantes?

 

Sim. Possuímos duas grandes parcerias no mundo. Uma com a Universidade Stanford, a número um dos Estados Unidos, que ajuda na formação de nossos professores. A outra é com a Universidade da Finlândia. O mesmo curso que é dado para professores de lá é oferecido a nossos professores aqui. Tudo isso para capacitar os profissionais para o ensino do futuro.

Seplag de Minas Gerais autoriza concurso com 16.700 vagas para Educação

10 dezembro, 2017 às 09:00  |  por Fernando Tupan

A Secretaria de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag/MG) autorizou a abertura de um novo concurso público para a Secretaria de Educação. Serão abertas 16.700 oportunidades para a Educação Básica, sendo 16 mil para professores e 700 para especialistas. O objetivo é distribuir os novos profissionais entre as 47 superintendências regionais espalhadas por todo o estado.

Continuar lendo

Psicóloga sofre ameaça de morte por combater ideologia de gênero

2 dezembro, 2017 às 12:17  |  por Fernando Tupan

Do Diário Nacional

A psicóloga Marisa Lobo foi convidada para fazer uma palestra na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Parte da programação do “I Ciclo de Estudos sobre Corpo Humano, Filosofia e Sociedade: Reflexões sobre aborto, drogas e gênero”, a presença de Marisa acabou provocando a ira de ativistas LGBT. Pelas redes sociais, ela vem recebendo muitas ameaças, inclusive de morte. O caso, segundo a coordenação do evento, é levado à sério e já foram tomadas as medidas legais. As informações são do Notícias Gospel Prime.

Continuar lendo

O MEC virou palanque

28 novembro, 2017 às 16:30  |  por Fernando Tupan

James Andrade *

No último domingo (26), fiz a prova do Enade, isto é, do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Antes chamado de “provão”, ele avalia o rendimento dos alunos dos cursos de graduação superior do país. Estou indignado com as questões discursivas de cunho geral. Uma delas obriga você a defender políticas públicas com as quais não concorda para que sua resposta seja considerada certa. A outra, 100% feminista, obriga na prática a reconhecer que somente os homens são transmissores de sífilis.

Continuar lendo

Acredite: turma de MBA divide 138 por 138 e acha zero

26 novembro, 2017 às 14:00  |  por Fernando Tupan
Do blog do Vicente
Num país de tantas desigualdades como o Brasil, onde grupos privilegiados distorcem os fatos para manter as benesses, somente uma revolução educacional poderá mudar essa realidade. “Do jeito que as coisas estão, caminhamos rapidamente para o fracasso como nação”, diz, coberto de razão, o professor Hélio Arthur Irigaray, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Tecnologia desenvolvida em Caxias é premiada no Paraná

24 novembro, 2017 às 06:00  |  por Fernando Tupan

Mano e o presidente da Câmara de Caxias

O presidente da Câmara Municipal de Caxias do Sul, Felipe Gremelmaier (PMDB), que recebeu o prêmio no 5º Congresso Paranaense de Cidades Digitais, esteve na Assembleia Legislativa hoje e foi recebido pelo chefe de gabinete da Presidência, Romeo Pedralli. Gremelmaier, que estava com assessores, explicou a tecnologia do Parlavox, dispositivo desenvolvido pela Câmara de Caxias do Sul que recebeu o prêmio no Paraná.

Continuar lendo

Senado aprova prorrogação de bolsas a estudantes que derem à luz

24 novembro, 2017 às 05:04  |  por Fernando Tupan

O Senado aprovou nesta quinta-feira (23/11) o Projeto de Lei (PL) 3.012/15, que permite a prorrogação dos prazos de vigência das bolsas de estudo concedidas por agências de fomento à pesquisa nos casos de maternidade e adoção. Aprovado em junho pela Câmara, o projeto estabelece que a prorrogação das bolsas será por um período de 120 dias e se destina a estudantes que derem à luz, adotarem crianças ou obtiverem a guarda judicial de crianças para fins de adoção. O texto vai à sanção presidencial. As informações são da Agência Brasil.

Professores brasileiros têm salário adequado e benefícios acima da média, diz Banco Mundial

23 novembro, 2017 às 05:00  |  por Fernando Tupan

As queixas sobre a falta da qualidade da educação no Brasil costumam incluir uma premissa inquestionável: a de que os professores de escolas públicas são mal pagos e que essa é uma das principais razões para os maus resultados do ensino. Mas um novo estudo do Banco Mundial sustenta que essa premissa está errada. O relatório, divulgado nesta terça-feira, aponta outras causas para a péssima relação entre o gasto público e os resultados das escolas: o desperdício, a ineficiência e a falta de incentivos para os docentes. Informações são da Gazeta do Povo.

Continuar lendo