Arquivo mensais:janeiro 2016

Ciclo Arte Itinerante

22 janeiro, 2016 às 15:36  |  por Ana Maria Ferrarini

12510279_1640900689503651_2197082130018625908_n

A dupla do Ciclo Arte Itinerante que tá com o pedal na estrada – Guilherme e Lua  – chega a Aracaju (SE). Eles saíram de Salvador (BA)  e seguem de bike rumo a Natal (RN) ….. Já foram percorridos quase 400 quilômetros. Os dois seguem em frente com suas bikes “apetrechadas”… Boa viagem!!! No facebook eles postaram: “Bom dia Sergipe!!! Depois de 370 km de vários morros e superações nós vencemos a fronteira da Bahia, dormimos na Praia do Saco – SE e hoje seguimos pra Aracaju”.

Mostra Animal seleciona filmes para a VI edição

22 janeiro, 2016 às 15:30  |  por Ana Maria Ferrarini

Cineastas e produtores que têm filmes ligados à causa animal já podem inscrever os seus trabalhos para a VI Mostra Internacional de Cinema Pelos Animais, um dos maiores eventos de cinema com a temática animal do mundo, promovido pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), que acontece em Curitiba no mês de maio.

Podem ser inscritos, até o dia 28 de fevereiro, filmes de curta, média e longa-metragem, produzidos por profissionais da área ou não, que se relacionem com o tema da mostra – as produções exibidas serão escolhidas por uma curadoria nomeada pela organização do evento. O mesmo cineasta pode participar com mais de um filme, desde que use fichas de inscrições diferentes.

O regulamento completo (com versões em português, inglês e francês) e ficha de inscrição estão disponíveis no site: www.mostraanimal.com.br/index.php/pt/inscricoes-de-filmes.

Os selecionados serão divulgados no início de abril, e farão parte da VI Mostra Animal. Três dos filmes serão homenageados pela estatueta símbolo do evento – o “Oscow” – que será entregue para as produções indicadas pelo público e pelos organizadores.  “A Mostra Animal é um evento singular no mundo, que chama atenção para a temática do amplo respeito animal em sua essência”, destaca o presidente da SVB, Ricardo Laurino.

Na edição passada, realizada na Cinemateca de Curitiba, a Mostra Animal teve recorde de público, com sessões lotadas, além da presença de diretores, produtores e atores, que conversaram com os cinéfilos sobre os filmes. Além disso, durante todo o evento, acontece paralelamente uma tradicional feira com a comercialização de produtos veganos.

Serviço:

As inscrições de filmes para a VI Mostra Internacional de Cinema Pelos Animais são gratuitas, e estão abertas até o dia 28 de fevereiro. Todos os detalhes para envio dos trabalhos estão no link: http://www.mostraanimal.com.br/index.php/pt/inscricoes-de-filmes.

A Mostra Animal

Lançada em 2009 em Curitiba (PR), a Mostra Animal é um dos maiores eventos de cinema do mundo voltado para a discussão do amplo respeito aos animais e as implicações positivas que essa atitude gera para as pessoas, os animais e o planeta. Além de Curitiba, várias cidades brasileiras já receberam edições itinerantes.

Palladium agora tem coletores de óleo de cozinha

22 janeiro, 2016 às 15:28  |  por Ana Maria Ferrarini

18fce6a2-ba69-4258-8ca7-0ec29acafc86

O Palladium Shopping Center, em parceria com a empresa Ambiental Santos, instalou nesta semana coletores de óleo de cozinha no estacionamento do shopping. Esses coletores estão nos Pisos G1 e G2 e têm como principal objetivo ajudar o meio ambiente, dando destino certo a esse resíduo.

Muitos não sabem, mas apenas um litro de óleo de cozinha pode poluir até um milhão de litros de água. Essa quantidade de água é aproximadamente o que uma pessoa consome em 14 anos.

O óleo de cozinha, separado e descartado nos lugares corretos, pode ser reciclado e transformado em sabão, sabonetes, tintas e até em biodiesel. Para o descarte correto do óleo, a pessoa deve esperar que o óleo esfrie para depois depositá-lo em uma garrafa pet limpa. Após, é só levar até uma das coletoras localizadas no Palladium e fazer o descarte da garrafa com o óleo.

Açougue vegano nos EUA vende imitações de carne à base de plantas

22 janeiro, 2016 às 15:26  |  por Ana Maria Ferrarini
Carne vegana

Carne vegana

O primeiro açougue vegano de Minneapolis abrirá ainda esse mês. O chamado Herbivorous Butcher vende uma ampla variedade de carnes e queijos à base de plantas. Mas em vez de derivados de animais, eles são feitos de ingredientes como grão de bico e tapioca em pó. As informações são Metro.

Açougues veganos tên se espalhado pelo mundo. Os fãs da ideia doaram generosamente e viram os irmãos Kale e Aubry Walch levantar US $ 61.806, em 2014. Eles vão abrir sua loja em 23 de janeiro. Favoritos como o glúten de trigo e pepperoni à base de tofu, salsicha italiana, costelas defumadas, carne de porco e bacon caramelizado estarão à venda em sua nova loja.

Cachorro-quente vegano

Cachorro-quente vegano

“Nós criamos produtos complexos e saborosos que irão satisfazer qualquer herbívoro, omnívoro, e até mesmo auto-proclamados carnívoros, declara a página do Kickstarter.

“[Nossas] alternativas à carne são 100% vegan e livres de crueldade, elas captam os melhores sabores, texturas e nutrientes que as carnes têm para oferecer, sem os seus impactos negativos sobre a saúde, animais e meio ambiente.”

E os Walches parecem estar em boa companhia à medida que mais e mais pessoas estão se distanciando da carne animal. Mais de 60% da geração do milênio consome alternativas à carne, de acordo com um estudo realizado pela 210 Analytics.

Bife vegano

Bife vegano

Empresas do setor alimentar vegano estão crescendo rapidamente e incluem imitações de carne de empresas como a Fry’s e Beyond Meat, bem como o famoso hambúrguer à base de plantas da Impossible Foods. Seu hambúrguer, feito a partir de proteínas e nutrientes extraídos de verduras, sementes e grãos, é supostamente indistinguível no sabor e textura de carne real. “Poderia a imitação de carne vegana ser futuro dos alimentos?”, pergunta o Metro.

Fonte: Anda

Açougue vegano

Açougue vegano

Alunos desenvolvem tinta sustentável usando terra e cola

14 janeiro, 2016 às 14:51  |  por Ana Maria Ferrarini

Solução criada por professores e alunos de Manaus não utiliza substâncias tóxicas, é uma tinta mais barata e que não agride o meio ambiente em seu processo de produção e pintura

A busca por atividades e produtos sustentáveis parece (felizmente) ter entrado na pauta da sociedade em várias regiões do mundo. Crianças, jovens e adultos estão mais conscientes sobre a necessidade de se preservar os recursos naturais que normalmente seriam utilizados na produção de bens de consumo e em outras atividades humanas. Esta necessidade também impulsiona a criatividade das pessoas e novas alternativas ecológicas podem surgir diariamente.

Um bom exemplo da criatividade em prol do meio ambiente veio do Instituto Federal do Amazonas, onde professores e alunos desenvolveram nas aulas de química uma tinta ecológica obtida da terra. “A tinta produzida a partir de solo é uma ideia prática e eficiente, e é o que chamamos de tecnologia social”, afirmou o professor de engenharia agronômica do instituto, Gyovanni Ribeiro, um dos líderes do projeto “Tons da Terra”, em entrevista à Rede Globo.

Como é feita a tinta da terra?

A tinta sustentável é composta quase que exclusivamente de materiais retirados da construção civil e da natureza. Para tal, os alunos coletam argila de obras e já no laboratório, com ajuda dos professores, a tinta é produzida. Para tal, é selecionada a terra mais argilosa e depois é preciso peneirar bem para deixar tudo bem ralo, adicionando na sequência água (na mesma quantidade de terra). Por fim é preciso filtrar e adicionar cola branca (metade da quantidade de água)… Pronto! Uma tinta sustentável feita de terra e cola e que pode custar até 75% menos do que as tintas convencionais.

A conta é simples: se utilizar oito quilos de terra será preciso adicionar oito litros de água e quatro litros de cola branca. Somente neste exemplo é possível obter 18 litros de tinta sustentável! Outro diferencial é que é uma solução 100% livre de substâncias tóxicas. Além disso, a secagem também é rápida e não deixa cheiro no ambiente. A durabilidade da tinta é de três anos, em média.

Oficina Verde também oferece atividades para crianças

13 janeiro, 2016 às 16:31  |  por Ana Maria Ferrarini

oficina_verde

A 34ª Oficina de Música de Curitiba promove até o dia 22 de janeiro, mais uma edição da “Oficina Verde”, evento que funciona como contrapartida ambiental e como inspiração para pessoas interessadas em ecologia urbana.  Todos as atividades são gratuitas e para participar é preciso fazer inscrição pelo link http://www.oficinademusica.org.br/cursos/oficina-verde/6

Para este ano, a programação foi ampliada e além de contar com mais oficinas o evento terá lançamento de livro, exibição de filme e palestra com o ambientalista Daniel Habib. A agenda da Oficina Verde aproveita o período de férias e também oferece atividades para crianças. Na quarta-feira (20), a Praça da Capela Santa Maria recebe Oficina de Microjardinagem, com Iracema Bernardes e Renê Skaraboto e na quinta-feira (21), as crianças aprenderão com o Mago Jardineiro  a reconhecer ervas aromáticas, fazer o plantio e também como cada planta pode ser utilizada.

Programação

16/01/2016 – 15h30 às 17h00 – Praça da Capela Santa Maria
Lançamento do livro “Transgênicos: a semente que Deus não criou”, de Valdir Izidoro Silveira
O livro pretende mostrar o caráter deletério e mentiroso da falsa tese de que os transgênicos são bons para a saúde.”

18/01/2016 – VAGAS ESGOTADAS

Oficina de Horta Urbana com o Mago Jardineiro

19/01/2016 – 15h30 às 17h30 – Cinemateca de Curitiba
Ciclo de Idéias “Cultura Sustentável”, com Daniel Habib
Vivemos momentos de grandes contrastes. De um lado vemos a crescente destruição do mundo e dos modos de vida, impulsionados pelo progresso e pelo consumo de objetos cada vez menos duráveis. De outro lado, vemos a perda contínua de compreensão do papel dos cidadãos no mundo, na natureza, na sociedade.

Será possível reorganizar a nossa vida, nossos hábitos, reorientar nossos desejos? E em paralelo, devemos esperar que os outros decidam e definam por cada um de nós? Somente políticos, governantes e empresários devem desenhar o nosso futuro? Em outras palavras, quem tem o poder de criar uma cultura sustentável?


CRIANÇAS: 20 de janeiro, das 14h às 16h – Praça da Capela Santa Maria
ADULTOS: 20 de janeiro, das 16h às 18h - Praça da Capela Santa Maria
Oficina de Microjardinagem, com Iracema Bernardes e Renê Skaraboto

Esta oficina busca oferecer ao público a prática simples da microjardinagem, e através desta, uma experiência de interação e reflexão sobre o meio-ambiente, a ecologia, e princípios da sustentabilidade. Neste encontro a jardinagem é apresentada como ação lúdica, afetiva e de conscientização, sendo um dispositivo de aproximação entre homem e natureza. Além de atividade lúdica a oficina de microjardim proporcionará o contato com a terra: uma atividade sensorial que estimula o tato, o olfato e a visão. Por fim, o uso de instrumentos de jardinagem e das duas mãos, estimula a sensibilidade, o senso de estética, e desenvolve a concentração.


21/01/2016 – 14h às 17h – Praça da Capela Santa Maria
Oficina de Ervas Aromáticas para Crianças com o Mago Jardineiro

Nesta oficina as crianças aprenderão de uma maneira simples e divertida a reconhecer as ervas aromáticas, através de uma sensibilização dos sentidos: olfato, tato, visão. Vão aprender a fazer o plantio das ervas e fazer mudas, através de estaquias, e também como cada erva pode ser utilizada, para diversos fins. Serão distribídas mudas de ervas, para que cada participante monte o seu próprio vaso.


21/01/2016 – 15h30 às 17h – Cinemateca de Curitiba
Exibição do filme “Árvores de Curitiba”, de Chico Cardoso

Este filme ensina a identificar as principais espécies encontradas nas ruas, parques e praças da cidade, mostra sua importância e traz algumas curiosidades sobre esse patrimônio vivo de todos os curitibanos.

Devemos ter umas duzentas espécies diferentes em Curitiba e cerca de 900 no Paraná. Todos os dias, muitas delas desaparecem sem sequer sabermos seus nomes e várias vão sumir do mapa antes de dizer a que deram o ar da sua graça.

Em geral, um adulto da cidade grande consegue identificar de meia-dúzia a uma dúzia de árvores, incluindo a araucária, o ipê-amarelo e o velho limoeiro no quintal. Entre crianças e adolescentes esses números ainda são menores.

Daí a ideia de produzir um documentário mostrando as árvores mais comuns na cidade e algumas de suas características, antes que sumam de vez. Dividido em três vídeos (14min, 17min e 19min), o DVD apresenta 39 espécies e onde encontrá-las.

Após a exibição haverá bate-papo com o roteirista e diretor Chico Cardoso, e com o músico compositor da trilha sonora Celso Piratta.


22/01/2016 – 14h00 às 16h00 – Praça da Capela Santa Maria

Oficina “Como ser lixo zero”, com Jéssica Pertile, do Instituto Lixo ZeroEsta oficina visa demonstrar meios e ferramentas para redução de resíduo, bem como orientar sobre as separações e destinação corretas de todos os resíduos gerados em uma residência.


22/01/2016 – VAGAS ESGOTADAS

Oficina “Compostagem doméstica: do lixo ao adubo”, com Flávia de Sá Sotto Maior e Jéssica Pertile

Falta de água pode tornar o mundo vegetariano

8 janeiro, 2016 às 13:35  |  por Ana Maria Ferrarini
Dieta vegetariana demanda de cinco a dez vezes menos água que uma dieta rica em proteína animal

Dieta vegetariana demanda de cinco a dez vezes menos água que uma dieta rica em proteína animal

Diariamente, um bilhão de mulheres, homens e crianças vão dormir com fome, enquanto 10 milhões morrem por desnutrição a cada ano. Se ainda hoje o mundo não conseguiu sanar esse mal, que afeta um em cada sete de seus habitantes, como é que vamos alcançar a segurança alimentar para uma população que em 2050 chegará a 9 bilhões de pessoas?

Um novo estudo mostra que a solução para evitar uma catástrofe alimentar passará por uma mudança quase completa de uma dieta a base de carne para uma mais centrada em vegetais. E isso deverá acontecer por um único motivo: a escassez de água. É o que aponta o relatório “Alimentando um mundo sedento: Desafios e Oportunidades para a segurança hídrica e alimentar”, divulgado ontem na Suécia, por ocasião da Semana Mundial da Água.

A análise mostra que não haverá água suficiente para alcançar a produção esperada em 2050 se seguirmos com a dieta característica dos países ocidentais em que a proteína animal responde por pelo menos 20% das calorias diárias consumidas por um indivíduo.

Na ponta do lápis, de acordo com os cientistas, a adoção de uma dieta vegetariana é atualmente uma opção para aumentar a quantidade de água disponível para produzir mais alimentos e reduzir os riscos de desabastecimento em um mundo que sofre com extremos do clima, como a seca histórica que afeta os Estados Unidos. O motivo é que a dieta vegetariana consome de cinco a dez vezes menos água que a de proteína animal – que hoje demanda um terço das terras aráveis do mundo só para o cultivo de colheitas para alimentar os animais.

“A capacidade de um país de produzir alimentos é limitada pela quantidade de água disponível em suas áreas de cultivo”, ressalta um trecho do relatório, que alerta sobre a pressão atual e crescente sobre esse recurso natural usado de forma cada vez mais insustentável. Segundo previsões da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, da sigla em inglês), será necessário aumentar a produção de alimentos em 70% nos próximos 40 anos para atender à demanda. Isto colocará uma pressão adicional sobre os nossos hídricos, num momento em que precisaremos também alocar mais água para satisfazer a demanda global de energia, que deverá crescer 60% em três décadas, salientam os cientistas.

Estresse hídrico

Um outro estudo divulgado em maio pela consultoria britânica Maplecroft mostrou que o mundo já vive um “estresse hídrico” e que a falta de acesso à água potável vem pesando sobre os países mais pobres ou marcados por histórico de conflitos militares, instabilidades políticas e sociais. Segundo o levantamento, os países do Oriente Médio e África são os mais vulneráveis à falta de água. Nessas regiões, cada gota pode emergir como uma nova fonte de instabilidade.

Em alguns dos maiores produtores de petróleo do mundo, como Kwait e Arábia Saudita, a escassez de água vem se tornando crítica há gerações. Primeiro colocado na lista de 10 países em “risco extremo”de falta de d`água, Bahrein, no Golfo Pérsico, usa águas subterrâneas para a prática da horticultura, porém, em quantidade insuficiente para atender toda a população. A deterioração dos lençóis subterrâneos de água já é uma das principais preocupações nacionais.

Fonte: Portal Revista Exame

É NA COZINHA – Risoto de aspargos e limão

8 janeiro, 2016 às 13:30  |  por Ana Maria Ferrarini

risoto-vegano

Ingredientes e Modo de preparo:

  • Aspargos de 15 a 20 unidades, cortados em pedaços de aproximadamente 1cm.
  • 2colheres de sopa de azeite de oliva
  • 1 xícara de cebola – cortada em cubos
  • 1xícara de cebolinha picada
  • 1 dente de alho picado
  • 1 xícara de arroz arborio
  • 1/2 xícara de vinho branco
  • 2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1 colher de sopa de raspas de limão
  • 5 xícaras de caldo de legumes ( 2 litros de água, 2 cebolas, 1 alho poró ou 1 salsão, 1 cenoura grande, talos de 1 maço de salsinha, 1 xícara de chuchu picado, 2 cravos, 1 folha grande de louro e especiarias em pó a gosto)
  • Sal marinho e pimenta do reino a gosto
  • 1 colher de sopa de Levedura Nutricional VeganWay
  • 1 colher de sopa de folhas de tomilho fresco

Em uma panela média coloque a água para ferver. Adicione os aspargos e escalde por cerca de dois minutos, ou até que estejam macios. Retire-os da panela e lave-os em água fria para impedi-los de cozinhar mais. Separe. Aqueça o azeite em uma panela grande. Adicione a cebolinha e cebola e deixe cozinhar por quatro minutos, ou até que as cebolas fiquem macias. Adicione o alho e cozinhe por mais três minutos. Adicione o arroz, mexendo sempre, por cerca de dois minutos. Abaixe o fogo para médio-baixo. Adicione o vinho branco, suco de limão e as raspas de limão e cozinhe, mexendo delicadamente, até que o vinho branco seja absorvido. Adicione uma xícara do caldo de legumes na panela e cozinhe, mexendo, conforme necessário, até que o caldo seja absorvido. Continue adicionando o caldo aos poucos ( sempre meia xícara), mexendo bem até que o caldo seja absorvido. Você pode não precisar de todas as cinco xícaras de caldo para fazer o arroz cremoso e macio. Quando o arroz ficar macio ( ao dente), misture o Nutricional Yeast VeganWay e o tomilho, juntamente com sal e pimenta a gosto. Misture os aspargos no arroz, aqueça e sirva.
Receita para 4 pessoas.

Fonte: Food52

Fisiculturistas veganos mostram que é possível construir músculos sem comer carne

8 janeiro, 2016 às 13:27  |  por Ana Maria Ferrarini

Já mostramos aqui uma vez, a história de uma mãe com seu filho pequeno que distribuem refeições veganas para moradores de rua, e muitos questionaram que a sopa servida não teria nutriente suficiente para mantê-los aquecidos e satisfeitos.

Acredito então que depois dessa notícia, alguns conceitos irão cair por terra, pois muitas pessoas ainda acreditam que a dieta vegetariana (composta por produtos exclusivamente de origem vegetal) é prejudicial ao homem, já que os adeptos desse tipo de alimentação não consomem nenhuma proteína de origem animal.

Para provar que essa visão é bem errada, Felipe Garcia do Carmo e Paulo Victor Pinheiro Guimarães, conhecido como “Paru”, dois fisiculturistas brasileiros, provam que é perfeitamente possível comer bem e ser saudável ao mesmo tempo em que se respeita os animais.

E o mais bacana é que eles fazem uso de suplementos 100% vegetais de uma marca brasileira, a VeganWay, que criou uma equipe de atletas veganos que ajudam a disseminar a mensagem de respeito e compaixão aos animais, além de provar que é possível seguir uma alimentação balanceada, rica em todos os nutrientes necessários à saúde, ao consumir alimentos de origem vegetal.

Continue lendo aqui

vegan

vegan2

Fonte Catraca Livre

Vinder: o ‘Tinder’ que aproxima vegetarianos

8 janeiro, 2016 às 13:21  |  por Ana Maria Ferrarini

Os relacionamentos carnais podem estar perto do fim, mas as pessoas não vão deixar de se amar. Acontece que, procurando alguém que prefira dividir carne de jaca em vez de carne de animal, dois brasileiros criaram o Vinder, o Tinder para vegetarianos.

vegetable-love1

Lançado para sistema Android, o aplicativo foi desenvolvido pela estudante ovolactovegetariana Carolinne Pinheiro e pelo programador Mateus Brandão a partir de um meme criado por membros da comunidade Ogros Vegetarianos.

Na comunidade, usuários e usuárias do grupo postavam fotos de pratos esperando que alguém se identificasse, e não demorou para que alguém sugerisse o Tinder para vegetarianos. Em pouco menos de 24 horas, o aplicativo teve adesão de mais de 500 veggies.

Para participar do aplicativo, além de ser ovolactovegetariano ou vegano, basta preencher um perfil com fotos e informações, que o app procura alguém próximo da sua região. Ainda não há previsão de lançamento do Vinder para sistemas iOS e Windows Phone.

Via Elastica