Arquivo mensais:julho 2016

É bom saber: inverno exige lavagem profissional de roupas e cobertas de pets

6 julho, 2016 às 15:53  |  por Ana Maria Ferrarini

 inverno 1

As baixas temperaturas podem causar problemas de saúde em cães e gatos. Manter os pets aquecidos e secos é fundamental para que eles não adoeçam. Uma das principais recomendações de especialistas são roupinhas confortáveis, cobertores e caminhas. Mas de nada adianta deixar os bichinhos quentinhos para evitar doenças se esses itens não estiverem bem limpos, higienizados e desinfectados.  Na lavagem caseira os microorganismos (bactérias, fungos e ácaros) não são eliminados por completo, o que pode causar micoses, dermatites bacterianas e sarnas.

A melhor maneira de garantir limpeza, higienização e desinfecção de camas, roupas e cobertas de pets é o processo realizado por uma lavanderia animal. A Laundry Pet, localizada no bairro Juvevê, em Curitiba, está entre as pioneiras na oferta desses serviços. Além de equipamentos de última geração e produtos biodegradáveis, a empresa recebeu laudo técnico que comprova 100% da eficácia da lavagem.

inverno 2

No processo são aplicados produtos biodegradáveis certificados e formulados para conservar água e energia, aumentar a segurança e reduzir o desperdício, além de adotar sistemas eletrônicos de dosagem, o que garante padrão de qualidade com otimização do processo e minimização de falhas humanas. “A combinação de todos esses fatores é o diferencial que garante um padrão de limpeza de toalhas, cobertores e caminhas livres de qualquer risco para a saúde animal, agora comprovado tecnicamente”, destaca Felipe Grecco Sass, proprietário da Laundry Pet.

inverno 3

Mais informações: www.laundrypet.com.br - info@laundrypet.com.br

Endereço: Rua Rocha Pombo, 650 – Bairro Juvevê – Curitiba – (41) 4141-6188

É na cozinha: torta de ervilha e escarola

6 julho, 2016 às 15:49  |  por Ana Maria Ferrarini

torta-vegana-ervilha

Ingredientes

1 xícara de farinha de trigo branca
1/2 xícara de farinha de trigo integral
1 xícara de leite vegetal
1/4 de xícara de óleo de girassol
3 colheres (sopa) de amido de milho
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara de ervilhas cozidas ou 1 lata de ervilhas em conserva
1/2 maço de escarola picado e cozido
1 tomate grande maduro picado
1 cebola média picada
1 colher (sopa) de açafrão em pó
1 colher (chá) de orégano
1 pitada de pimenta-do-reino em pó
1 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de gergelim (opcional)

Preparo

Em um recipiente, misture primeiro os ingredientes líquidos; adicione e mexa os temperos, e por último as farinhas e o fermento. Acrescente os vegetais picados à massa, aos poucos, e mexa bem.  Leve para assar em forma untada e enfarinhada, por cerca de 30 minutos.  Se desejar, polvilhe gergelim sobre a torta antes de assar.

 

Coleta de pilhas e baterias usadas

6 julho, 2016 às 15:44  |  por Ana Maria Ferrarini

Antes de descartar incorretamente pilhas e baterias usadas saiba disso: 

Como forma de contribuir com o meio ambiente, o Condor Super Center passou a disponibilizar em suas 42 lojas postos de coleta de pilhas e baterias usadas. Como estes materiais utilizam metais pesados altamente tóxicos em sua composição, quando as cápsulas que os envolvem passam por deformações, pode vazar um líquido tóxico não biodegradável, que contamina o solo e os lençóis freáticos, prejudicando a agricultura e a hidrografia. A contaminação com estes metais pesados representa riscos graves à saúde das pessoas.

Esta ação tem como objetivo incentivar que as pessoas descartem  corretamente as pilhas e baterias e desta forma contribuam com a preservação ambiental.

Além disso, a caixa coletora é feita com material 100% ecológico.

Fundação Grupo Boticário divulga Relatório Anual 2015

6 julho, 2016 às 15:42  |  por Ana Maria Ferrarini

O Relatório Anual 2015 da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza está disponível para consulta. O documento detalha os principais avanços e realizações da instituição ao longo do ano passado.

A instituição comemorou, em 2015, 25 anos de dedicação à conservação da natureza brasileira. Nesse período 131 espécies foram descritas, 487 unidades de conservação foram beneficiadas e 240 espécies ameaçadas foram estudadas.

Como parte da celebração dos 25 anos, ano passado a instituição lançou um estudo inédito, que permite valorar os benefícios gerados por Unidades de Conservação (UCs) em escala ambiental, social e econômica.

A metodologia criada permite mensurar, em valores monetários, os benefícios de manter a floresta ‘em pé’ em qualquer área protegida do mundo. As duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) da ONG, que somam 11 mil hectares, foram utilizadas como base para o desenvolvimento do projeto. Juntas, elas somam R$ 3,8 milhões por ano em benefícios sociais, ambientais econômicos para as regiões onde estão situadas.

Outro feito da Fundação Grupo Boticário em 2015 foi a realização do VIII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), um dos mais importantes encontros internacionais sobre áreas protegidas e conservação da natureza da América Latina. O congresso atraiu mais de mil participantes e resultou na definição de importantes moções públicas (indicações técnicas) sobre temas relacionados à conservação.

“Os resultados positivos de 2015 são reflexo da trajetória de 25 anos da Fundação Grupo Boticário. Em 2016 manteremos e evoluiremos no compromisso perene e inabalável de contribuir para a conservação da natureza brasileira”, afirma a diretora executiva da instituição, Malu Nunes.

Para conferir a versão digital do Relatório Anual 2015 na íntegra, clique aqui.

LATAM anuncia que não fará mais transporte de animais para laboratórios de pesquisa científica

6 julho, 2016 às 15:39  |  por Ana Maria Ferrarini

1-46

A LATAM Airlines emitiu um comunicado recentemente afirmando que não transportará mais nenhum animal cujo destino seja laboratórios de pesquisa ou qualquer outro tipo de estudo científico.

“Devido o compromisso da LATAM Cargo com o meio ambiente e as espécies que fazem parte dele, a equipe de Operações de Cargas não deverá aceitar e nem transportar nenhum tipo de Animal Vivo cuja a finalidade de transporte seja para pesquisa e experimentos em laboratório ou qualquer outro tipo de estudo científico.” – diz o comunicado.

A empresa é resultado da fusão entre a brasileira TAM e a chilena LAN, que aconteceu em 2012. Embora a fusão comercial já tenha 4 anos, a marca LATAM começou a ser usada há apenas algumas semanas. A identificação de todas as aeronaves e uniformes dos funcionários demorará ainda cerca de 3 anos.

A LATAM é a maior empresa aérea da América Latina e de todo o hemisfério sul, figurando também entre as principais companhias em atividade em todo o mundo. A empresa tem mais de 300 aeronaves e transporta mais de 60 milhões de passageiros por ano.

O impacto da decisão da LATAM na indústria dos testes em animais foi grande. As principais entidades brasileiras que defendem a vivissecção enviaram cartas para a empresa e estão acionando ministros e até a Presidência da República para tentar reverter a decisão.

Além do comunicado emitido, a LATAM deixou pública sua postura sobre o assunto na última linha de suas diretrizes sobre o transporte de animais vivos.

Outras companhias aéreas continuam transportando os animais para os laboratórios, mas por ser a maior do ramo na América Latina, a LATAM deu um belo empurrão para que a ciência desenvolva outras formas de testar drogas e tratamentos.

Capturar

Curso sobre biogás está com inscrições abertas

6 julho, 2016 às 15:35  |  por Ana Maria Ferrarini

Capacitação ocorrerá integralmente a distância, em português, espanhol e inglês

Estão abertas, até 22 de julho, as inscrições para uma nova turma do curso “Atualizações em Energias do Biogás”, promovido pelo CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis–Biogás) e pelo Centro Internacional de Hidroinformática (CIH). Para inscrever-se, basta acessar  www.cibiogas.org > Cursos > Atualização do biogás. Mais informações podem ser obtidas por meio de contatoead@cibiogas.org ou (45) 3576-7022.

As aulas terão início no dia 25 de julho e duração de três meses, podendo ser realizadas também em espanhol e inglês.“O engajamento das pessoas com a capacitação – que vem de vários países – atesta o interesse cada vez maior em relação ao biogás e ao papel estratégico do Brasil nesse caminho”, afirma o diretor de Tecnologia do CIBiogás, Rafael Gonzalez. O biogás – que é produzido por meio da decomposição de dejetos de animais e resíduos da agricultura – é capaz de gerar energia elétrica, térmica e veicular.

O objetivo do curso é atualizar profissionais e estudantes interessados no tema e compartilhar os trabalhos sobre energias renováveis desenvolvidospela instituição. Desde 2011 – quando a primeira turma foi aberta –capacitamos cerca de 800 pessoas de 23 países. A instituição também oferece o curso de Gestão Territorial Aplicada à Água e Energia e, em breve, ofertará a capacitação sobre Biodigestores.

Artigo – Tecnologia inédita para tratamento de esgoto utiliza energia solar

6 julho, 2016 às 15:34  |  por Ana Maria Ferrarini

unnamed (22)

Por Rodrigo Berté

Na verdade, a falta de saneamento básico ambiental, no que se refere a rede de esgoto, faz com que a população fique mais exposta a várias doenças, desde aquelas que já estão banalizadas, como diarreia, até o agravamento de epidemias. A falta de atenção com o saneamento pode contribuir inclusive para a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

Mas, apesar de ser uma questão de conhecimento geral, muitas vezes, precisamos da iniciativa de pequenos grupos para chamar a atenção das autoridades da esfera ambiental, que manejam as unidades de conservação nacionais, estaduais e municipais, para a possibilidade de disseminação de princípios da ecologia e do meio ambiente.

Por isso, há quatro anos, comecei a pensar em uma alternativa para criar um sistema de tratamento de esgoto movido a energia solar. Uma solução que demanda pouca manutenção e contribui para que o lançamento do esgoto nos rios não resulte em contaminação e consequentemente na morte de vários peixes.

A estrutura é simples e não utiliza produtos químicos. Com o apoio técnico de um engenheiro e um profissional da área de ciências agrícolas, o projeto sustentável foi realizado em uma mini unidade de conservação particular, composta por um módulo formado a partir de tubos a base de plástico (PEAD ou PP), no estilo colmeia, uma cópia do que a própria natureza produz. Na prática, são duas colmeias que ficam girando para manter o tratamento biológico e a formação de bactérias que degradarão o material sólido e melhorarão a qualidade para o lançamento em rios, parques e florestas.

É uma tecnologia inédita, na busca de uma solução para diminuir os impactos provocados pela ação humana, que pode beneficiar muitas regiões, pois uma pequena estrutura como esta pode atender até quatro casas em um condomínio.  Além de colocar em prática os princípios da sustentabilidade, a iniciativa é uma atividade de aprendizagem que promove a ampliação dos horizontes de sensibilização ambiental e recebe a visita de centenas de alunos todos os anos.

É apenas uma das soluções possíveis para o problema crônico de saneamento que temos no país. A questão não é uma realidade distante, afinal, 43% da população – quase metade -  vive em cidades sem rede de tratamento de esgoto.

Rodrigo Berté, é PhD em Educação e Ciências Ambientais, e Diretor da Escola Superior de Saúde, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter

SVB oferece curso gratuito de culinária vegetariana para chefs

6 julho, 2016 às 15:31  |  por Ana Maria Ferrarini

A Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) promove, nos dias 9 e 10 de julho, o Curso Prático de Culinária Vegetariana, voltado para chefs e restaurantes que não possuem experiência na culinária vegetariana. O evento faz parte do o I Congresso Vegetariano Sul brasileiro que integra a programação do Veg Fest Brasil 2016.

Totalmente gratuito, o curso será ministrado por chefs renomados na área como André Cantú, Rafael Rupp e Monyka Wanto, que vão ajudar os participantes a desenvolver pratos vegetarianos para atender o público vegetariano – cada vez maior no país. “Sabemos que cada vez mais famílias apresentam um ou mais integrantes que optaram pela alimentação vegetariana. Oferecer opções a esse público é uma demanda atual e um oportunidade de negócio”, explica Ricardo Laurino, presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira, otimista em relação à possibilidade da popularização dos pratos vegetarianos em restaurantes convencionais.

As aulas serão divididas em dois módulos: Introdução à Cozinha Vegetariana e Versões Internacionais e Sobremesas. No dia 9, o curso acontecerá nos períodos da manhã e da tarde (das 9h, às 12h e das 14h às 17h). No dia 10, acontecerá exclusivamente de manhã (das 9h às 12h). Entre as receitas que serão ensinadas estão canja sem galinha; abobrinhas recheadas, grelhadas ao molho de arroz e castanhas e escondidinho de berinjela e cogumelos.

Pós-graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento está com inscrições abertas

6 julho, 2016 às 15:15  |  por Ana Maria Ferrarini

Previsto para iniciar em agosto, curso traz disciplinas atuais e inovadores, além de corpo docente de mestres e doutores na área

banner pos

O Direito Ambiental é um segmento relativamente novo no Direito quando comparado com as outras áreas mais tradicionais como, por exemplo, o Direito Civil e o Penal. Porém, já é um ramo consolidado no Brasil, que possui uma das legislações ambientais mais complexas do mundo. Como, por exemplo, cita-se a Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, criada há 35 anos (1981), marco jurídico muito relevante e atual até hoje.

Com esse quadro, o advogado e professor Alaim Giovani Fortes Stefanello, presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB Paraná, explica a importância do curso de pós-graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento, que coordenará junto com Samantha Ribas Teixeira, mestre em Direito Econômico e Socioambiental pela PUCPR. O curso começará em agosto na grade da Academia Brasileira de Direito Constitucional.

O doutor em Direito Econômico e Socioambiental pela PUCPR afirma que um dos diferenciais da pós-graduação é a grade de disciplinas atuais e inovadoras, destacando-se, além das matérias clássicas abrangendo a parte histórica, a teoria geral, os crimes ambientais, o direito ambiental constitucional, a responsabilidade administrativa e civil. O conteúdo prevê matérias específicas como: licenciamento e competências ambientais, Direito Minerário, Direito Marítimo e Zona Costeira, Código Florestal, Cadastro Ambiental Rural, tributação ambiental, créditos de carbono, sustentabilidade, patrimônio genético, mudanças climáticas, estatuto das cidades, meio ambiente do trabalho, recursos hídricos, resíduos sólidos, logística reversa, meio ambiente no constitucionalismo latino-americano, Direito dos Animais, Direito Ambiental no Poder Judiciário, e um bloco sobre o Direito Ambiental e o Novo Código de Processo Civil.

Propor soluções

Stefanello afirma que o velho dilema entre crescimento econômico e conservação da natureza ainda não foi superado nem tratado de forma abrangente no país. “Ao mesmo tempo em que o Brasil tem as maiores e mais ricas florestas e rios do mundo, existem órgãos ambientais sem estrutura necessária para fiscalizar e atuar rapidamente na análise de situações e empreendimentos potencialmente causadores de danos ambientais, de modo que desastres como o ocorrido na cidade de Mariana, em Minas Gerais, poderiam ser evitados”, pontua.

Neste contexto, o Direito Ambiental tem o desafio de propor soluções diante de uma realidade complexa e abrangente que não está sendo contemplada pela legislação. Nem o setor produtivo sente segurança para fazer investimentos em áreas que demandem autorizações dos órgãos ambientais, e tampouco os recursos naturais têm sido efetivamente protegidos, ocorrendo perda e extinção da biodiversidade.

De acordo com Stefanello, a pós-graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento reúne em seu corpo docente algumas das maiores referências da área no Brasil. “Além disso, alia a necessidade prática da advocacia e atuação diária dos técnicos neste segmento, ao aporte teórico aprofundado para quem busca preparar o caminho de um mestrado ou doutorado”, explica.

Os professores

A pós-graduação tem por objetivos capacitar o pós-graduando tanto para o mercado de trabalho quanto para futuro ingresso em cursos stricto sensu (mestrado e doutorado), oferecendo disciplinas com enfoque prático e aprofundamento teórico, abrangendo os mais diversos e inovadores ramos do Direito Ambiental e Desenvolvimento. O corpo docente está composto  por professores mestres e doutores  na área, bem como ministros do Supremo Tribunal de Justiça – STJ, advogados, juízes e membros do Ministério Público.

Ao lado de Stefanello, integram o corpo docente os professores: Vladimir Passos de Freitas, Vicente de Paula Ataíde Junior, Solange Teles da Silva, Sergio Luiz Kukina, Sandro Kozikoski, Regina Vera Villas Bôas, Paulo de Bessa Antunes, Mariana Passos de Freitas, Maria Leonor Cavalcanti Ferreira, Karin Kassmayer, Juarez Freitas, José Aparecido dos Santos, Edson Luiz Peters, Danielle Tetü Rodrigues, Consuelo Yoshida, Claudia Sonda, Celso Antonio Pacheco Fiorillo, Anderson Furlan, Alex Justus da Silveira e Alessandro Panasolo.

Serviço – Curso de Pós-Graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento

Realização: ABDConst – Academia Brasileira de Direito Constitucional

Coordenação dos professores Alaim Giovani Fortes Stefanello e Samantha Ribas Teixeira

Data: agosto/2016 a julho/2017; sextas-feiras (18h30 às 22h40) e sábados (8h45 às 13 horas)

Local: ABDConst – Rua XV de Novembro, 964, 2º andar  – Centro – Curitiba – PR

Inscrições em: www.abdconst.com.br

Investimento: R$ 150,00 de taxa de matrícula e 20 vezes de R$ 569,00

 

 

 

 

Petit Gateau vegano e sem glúten

1 julho, 2016 às 17:16  |  por Ana Maria Ferrarini

PadraoArtigos2

1/4 de xícara (de chá) de azeite (ou óleo de coco)
140 gramas de chocolate picado
1 colher (de sopa) de chia triturada – ou linhaça
1/3 de xícara (de chá) de leite vegetal – ou água mesmo
2/3 de xícara (de chá) de açúcar mascavo
1/3 de xícara (de chá) de cacau em pó
1/3 de xícara (de chá) de amido (araruta, fécula de mandioca ou batata)
Pasta de amendoim a gosto

Preaqueça o forno por uns 20 minutos em temperatura máxima. Pra fazer a massa, é só derreter o chocolate com o azeite e misturar bem. Reserve! Em uma tigela, misture os outros ingredientes, acrescente o chocolate derretido, o leite e misture bem, até ficar homogêneo. Coloque a massa em forminhas individuais e, por cima, acrescente uma colher de pasta de amendoim. Leve ao forno por uns 12/15 minutos a 220ºC.

Fonte: Presunto Vegetariano