• 10/09/2018

    Nair Kremer inaugura a mostra "Sou livre porque tenho laços"

     

    Nair Kremer inaugura a exposição “Sou livre porque tenho laços”, dia 13 de setembro, quinta, às 19 horas, no Museu Guido Viaro. A mostra traz a leitura da trajetória de Nair Kremer como artista, arte-educadora e também sua visão pessoal, como o exame das questões internas com a aproximação ao outro, que é convidado a doar sua subjetividade ao entrar em contato com o trabalho da artista. "Essa cumplicidade provoca encontros e situações de aprendizagem e ensino, que apresentam novas possibilidades de entendimento do que é ser livre" analisa a curadora Marina Ramos.

     

     

     

    Sobre a artista

    Nair Kremer nasceu em São Paulo, em 1938, filha de judeus austríacos. Mãe de quatro filhos e avó de onze netos, sempre tomou a arte como um exercício cotidiano, inclusive, no hábito de registrar constantemente as alegrias de sua vida em família. A produção constante da artista é frequentemente exposta em museus e eventos como as exposições Poéticas da Natureza e Um Mundo Sem Molduras, sob curadoria de Kátia Canton, no Museu de Arte Contemporânea, em 2008 e 2009, respectivamente. Nair Kremer é Arte Educadora, exercendo este ofício desde 1977. Além de seus projetos e pesquisas individuais, trabalha como professora e orientadora em arte. Sua atuação reflete a crença de que por meio da cultura, do acesso à arte, podemos despertar potencialidades diversas capazes de transformar a nós mesmos e nossas ações no meio em que vivemos.

     

     

     

    A mostra faz parte da programação do Sabra Festival de Arte Brasil x Israel. Na abertura do evento também acontecerá “Ghost and Golem Chapter II”, performance de Dan Allon, artista israelense multidisciplinar residente em Berlim. Seu trabalho explora diversas mídias como música, quadrinhos, performance, desenho e instalação. Possui mestrado no programa de Belas Artes da Faculdade de Arte Hamidrasha em Israel (2014). Faz parte do coletivo Humdrum e do duo performático Bad Research. Seu trabalho é mostrado em museus, galerias, festivais e espaços em Israel e no mundo.

     

    Serviço:

    Exposição "Sou livre porque tenho laços",de Nair Kremer

    Abertura: 13 de setembro, quinta, às 19h

    Período expositivo:13 de setembro a 14 de outubro

    Horário de visitação: Terça a sábado, das 14h às 18h

    Entrada franca

    Classificação livre

     

    Museu Guido Viaro

    Rua XV de Novembro, 1348 - Centro

    Curitiba - PR

  • 20/08/2018

    Série televisiva exibe circuitos autônomos nas artes visuais

    Legenda

     

    Projeto é coordenado pelo artista e pesquisador Newton Goto


     

    O projeto Circuitos Compartilhados TV (CCTV) apresenta em formato televisivo uma série com mostras de vídeo e entrevistas com artistas de todas as regiões do país, inclusive com participações internacionais. A programação acontece de 7 de agosto a 20 de dezembro de 2018,às 21h, na UFPRTV (canal 15 da net), com 40 episódios. 

     

    Coordenado por Goto por meio do organismo artístico EPA! - Expansão Pública do Artista - tem como base os acervos anteriormente organizados pelo artista em Circuitos compartilhados (2008), Rotação de culturas (2014) e Livre-troca (2016-2017).

     


    Duplo selfie CCTV/Nervo Óptico, Curitiba/Porto Alegre. Com Clovis Dariano, Ana Albani, Vera Chaves Barcellos, Telmo Lanes e Goto

     

    CCTV  propõe18 novos programas temáticos montados com novos títulos, atualizando, ampliando e aprofundando reflexões. É o maior acervo organizado sobre circuitos autônomos de artes visuais no Brasil, no sentido contextual, histórico e de abrangência geográfica.

     

    Cada episódio do CCTV está formatado em dois segmentos, uma entrevista com um artista ou coletivo, seguida de uma exibição de vídeo. CCTV exibe assim aproximadamente 6h40min de entrevistas e 30 horas de programação de videoarte.

     


    Cildo Meireles em seu ateliê sendo entrevistado por Goto

     

    O conteúdo relaciona-se a registros audiovisuais de "ações em circuitos autônomos nas artes visuais", com ênfase na cena de arte contemporânea brasileira a partir da década de 1960, apresentando também algumas participações internacionais. Um “lema” da proposta é “Rede de compartilhamento de estratégias de contracultura nas artes visuais”. O projeto homenageia os artistas Bruno Lechowski (Varsóvia, 1887 - Rio de Janeiro, 1941) e Paulo Bruscky (Recife, 1949) por seus diferentes pioneirismos na proposição de circuitos artísticos no Brasil.

     

    O homenageado Bruscky em entrevista para o programa 02 do CCTV. Cenário e figurino em duplo chroma key e estética "Global groove"

     

    São trabalhos de intervenção urbana, happenings, ações colaborativas, propostas de coletivos de artistas, programações em espaços alternativos, ou seja, diversos tipos de estratégia onde o artista além de propositor da obra é também o mediador dela com o público.

     

     


    Sergio Moura em entrevista para o episódio "Curitiba anos 70" no CCTV

     

    Serão exibidas entrevistas de artistas e mostras de vídeo de André Parente, Bia Medeiros, Cildo Meireles, Dias e Riedweg, Dyógenes Chaves, Grupo EmpreZa, Grupo Nervo Óptico, Frente 3 de Fevereiro, Julia Risler e Pablo Ares/Iconoclasistas, Lula Wanderley, Maria Ivone dos Santos, Ines Linke e Louise Ganz, Jailton Moreira,  Paulo Bruscky, Ricardo Basbaum, Ricardo Moreno, Sergio Moura, entre outros.

     


    Entrevista sobre Cicloativismo na Praça de Bolso do Ciclista com Fernando Rosenbaum e Goura Nataraj

     

    O projeto

    CCTV, a atual etapa de realização do projeto Circuitos compartilhados,  tem apoio da COPEL; parceria com a UFPRTV; é uma realização da EPA!; e tem o incentivo do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura/ PROFICE - Secretaria de Estado da Cultura - Governo do Estado do Paraná.

     

    O programa será exibido inicialmente no canal por TV a cabo da UFPRTV com abrangência na Região Metropolitana de Curitiba, podendo ser replicado (simultânea ou posteriormente) por TVs universitárias federais de outros estados vinculadas ou não à Rede IFES (Rede de TVs universitárias das Instituições Federais de Ensino Superior), ou seja, pode ser exibido em outras regiões metropolitanas brasileiras ou redes de alcance de cada uma das TVs.

     


    Leonarda Glück e Goto em entrevista para CCTV na UFPRTV

     

    Os programas exibidos nas terças às 21h têm reprise na quarta, às 15h30, sábado, às 19h, e domingo, às 11h e 17h. Os das quintas, às 21h, serão reprisados na sexta, às 15h30, domingo, às 20h30 e segunda, às 15h.

     

    Posteriormente os conteúdos serão disponibilizados na internet em rede pública própria da UFPRTV, com acesso público e gratuito, podendo também ser usados como material educativo em diferentes níveis escolares.

     


    Entrevista sobre Hortas urbanas na Horta do Jacu. No still do vídeo: Claudio Oliver, Goto, Guilherme Scharf, Ricardo Leining e Paulo Roberto Oliveira.

     

    Goto

    Atua como artista, pesquisador, curador e produtor. É doutorando em Poéticas Visuais pela UFRGS, mestre em Linguagens Visuais pela UFRJ (2004) e Especialista em História da Arte do Século XX pela EMBAP (2000). Desde 2001 é coordenador da EPA! Expansão Pública do Artista, entidade autônoma voltada à reflexão histórica e crítica sobre o circuito artístico, organismo dedicado também à produção artística, ao estabelecimento de redes de trabalho colaborativo e ao debate propositivo sobre políticas culturais contemporâneas para as artes visuais, com ênfase na interface entre arte e sociedade. Coordenador do projeto de acervo compartilhado Circuitos compartilhados, cujos antecedentes de pesquisa iniciam em 2000 e cujas ações desdobram-se até o presente, com reverberações junto a museus, universidades, instituições culturais e circuitos autônomos brasileiros e também com algumas articulações internacionais. Idealizador e curador dos projetos de intercâmbio cultural Livre-troca (2016-2017) e Rotação de culturas (2014) e coordenador do projeto de intervenção urbana Galerias subterrâneas (Curitiba, 2008). Membro do coletivo de artistas E/Ou (2005-2013), realizador da série de trabalhos Descartógrafos. De 2005 a 2012 foi membro do Colegiado Setorial de Artes Visuais, entidade de representação da classe artística vinculada ao Conselho Nacional de Política Cultural, órgão consultivo do Ministério da Cultura para a formulação de políticas públicas para o setor. (https://newtongoto.wordpress.com)

     

    EPA! (2001)

    A EPA! – Expansão Pública do Artista – é um organismo autogerido de política cultural. Foi fundado em 2001, em Curitiba, motivada pelo desejo de reflexão contextual sobre arte política e ativista nas artes visuais. A entidade é, em princípio, a expansão pública do artista Goto, um eu coletivo. A atuação da EPA! busca identificar, fortalecer e fomentar uma rede de interlocutores e de produção, tanto no ambiente artístico como no social, tendo como fundamento valores associados a uma arte livre, experimental, heterogênea, crítica, contemporânea e de envolvimento social.

     

    Circuitos Compartilhados (2008)

    A mostra Circuitos Compartilhados teve sua estreia em 2008, na Cinemateca de Curitiba. Decorrente dos projetos Vide o vídeo (2002) e Circuitos em vídeo (2005 a 2007), a iniciativa foi financiada pelo Edital Arte e Patrimônio IPHAN/MinC 2007. O contexto associa-se às práticas dos coletivos de artistas, arte de ativismo cultural, ações colaboracionistas em arte, espaços alternativos, etc. O acervo com 225 títulos audiovisuais de 87 participantes foi formatado em 150 coleções com 35 DVDs e compartilhado entre os participantes, museus, universidades e instituições culturais públicas do Brasil e algumas do exterior.  (https://newtongoto.wordpress.com/circuitos-compartilhados)

     

    Rotação de culturas (2014)

    Intercâmbio cultural entre artistas visuais e pesquisadores de arte da Região Norte e Sul do Brasil a partir da realização de dois encontros, em Belém e em Curitiba, agregando um artista/pesquisador de cada um dos 10 estados integrantes dessas regiões. Inspirada no projeto Circuitos compartilhados, a iniciativa foi financiada pelo Edital Rede Nacional Funarte Artes Visuais 10ª Edição / 2013. Cada artista/pesquisador elaborou um texto e uma curadoria de vídeo sobre o circuito de artes visuais de seu estado, com ênfase nos circuitos autônomos. O acervo com 66 títulos audiovisuais de 49 participantes foi formatado em 200 coleções com 6 DVDs e compartilhado entre os participantes, museus, universidades e instituições culturais públicas do Brasil.   (https://rotacaodeculturas.wordpress.com)

     

    Livre-Troca (2016-2017)

    Intercâmbio cultural entre artistas visuais e pesquisadores de arte da Região Centro-Oeste e Nordeste do Brasil a partir da realização um encontro Maceió. Inspirada no projeto Circuitos compartilhados e no Rotação de culturas, a iniciativa foi financiada pelo Edital Rede Nacional Funarte Artes Visuais 12ª Edição / 2015. Cada artista/pesquisador elaborou um texto e uma curadoria de vídeo sobre o circuito de artes visuais de seu estado/territorialidade, com ênfase nos circuitos autônomos. O acervo com 87 títulos audiovisuais de 71 participantes foi formatado em 120 coleções com 8 DVDs e compartilhado entre os participantes, museus, universidades e instituições culturais públicas do Brasil.

    (http://livretroca.redelivre.org.br/apresentacao)

     

    Os programas e entrevistados do CCTV são:

    PROG 1: EPA! Expansão Pública do Artista. Entrevistado: Goto (PR).

    PROG 2: Bruscky flux. Entrevistado: Paulo Bruscky (PE).

    PROG 3: Cildo Meireles / Inserções em circuitos ideológicos. Entrevistado: Cildo Meireles (RJ).

    PROG 4: NBP + EuVocê. Entrevistado: Ricardo Basbaum (RJ).

    PROG 5: Corpos Informáticos. Entrevistada: Bia Medeiros (DF/RJ).

    PROG 6: Torreão: intervenções. Entrevistado: Jailton Moreira (RS).

    PROG 7: Dias e Riedweg. Mera vista point / Janela do tempo. Entrevistados: Maurício Dias e Walter Riedweg (Brasil/Suíça).

    PROG 8: Dias e Riedweg. Throw. Entrevistados: Maurício Dias e Walter Riedweg (Brasil/Suíça).

    PROG 9: Territórios indígenas: Entrevistada: Naine Terena (MT).

    PROG 10: Zumbi somos nós. Entrevistada: Dona Mauri (SP) (in memorian).

    PROG 11: Curitiba anos 70. Entrevistado: Sergio Moura (PR).

    PROG 12: Nervo Óptico. Entrevistados: Ana Albani de Carvalho, Clóvis Dariano, Telmo Lanes e Vera Chaves Barcellos (RS).

    PROG 13: Paranã-puca: Recife experimental. Entrevistados: Joana D'arc e Jura Capela (PE).

    PROG 14: Nordeste. Entrevistado: Dyógenes Chaves (PB).

    PROG 15: Maranhão 669. Entrevistado: Ramusyo Brasil (MA).

    PROG 16: Amazônia. Entrevistado: Arthur Leandro (PA) (in memorian).

    PROG 17: Letícia Parente e André Parente. Entrevistado: André Parente (RJ).

    PROG 18: Cartografias e mídias táticas. Entrevistados: Julia Risler e Pablo Ares/Iconoclasistas (Argentina).

    PROG 19: Arte comunitária. Entrevistado: Ricardo Moreno (Colômbia).

    PROG 20: NYC: comunidade, ativismo e a cena downtown. Entrevistada: Cristiane Bouger (Brasil/EUA).

    PROG 21: Thislandyourland. Entrevistadas: Ines Linke e Louise Ganz (MG/BA).

    PROG 22: Perdidos no espaço. Entrevistada: Maria Ivone dos Santos (RS).

    PROG 23: Coletivo Madeirista. Entrevistado: Joéser Alvarez (RO).

    PROG 24: Centro-Oeste. Entrevistada: Marithê Azevedo (MT).

    PROG 25: Grupo EmpreZa. Entrevistados: Babidu Barboza, Helô Sanvoy, Paulo Veiga Jordão e Thiago Lemos (GO/RJ).

    PROG 26: Daniel Lima. Entrevistado: Daniel Lima (SP).

    PROG 27: Arte feminista. Entrevistada: Alice Porto (RS).

    PROG 28: LGBT: Entrevistada: Leonarda Glück (PR).

    PROG 29: Lugar. Entrevistado: Rodrigo Araújo/Bijari (SP).

    PROG 30: EAT - Espaço Aberto ao Tempo. Entrevistado: Lula Wanderley (RJ).

    PROG 31: Atrocidades Maravilhosas. Entrevistado: Alexandre Vogler (RJ).

    PROG 32: Política do Impossível. Entrevistados: Daniel Lima e Luciana Costa (SP).

    PROG 33: Ações performativas 1. Entrevistado: Maikon K (PR).

    PROG 34: Ações performativas 2: Fernando Ribeiro e Tissa Valverde (PR).

    PROG 35: Arte e jardinagem. Entrevistadas: Faetusa Tezelli e Gabriela Leirias (PR/SP).

    PROG 36: Hortas urbanas. Entrevistados: Claudio Oliver, Guilherme Scharf, Paulo Roberto Oliveira, Ricardo Leining (PR).

    PROG 37: Arte socioambiental: Entrevistado: Rogerio Newton (PI).

    PROG 38: Cicloativismo: Entrevistados: Fernando Rosenbaum e Goura (PR).

    PROG 39: Tecnologias livres. Entrevistado: Guilherme Soares (PR/BA).

    PROG 40: Desligare. Entrevistado: Goto (PR).

     

     

     

     

    Mapa dos participantes do CCTV

     

    Links de referência:

    Circuitos compartilhados: https://newtongoto.wordpress.com/circuitos-compartilhados/

    CCTV Circuitos compartilhados TV: https://newtongoto.wordpress.com/circuitos-compartilhados-tv/

    Rotação de culturas: https://rotacaodeculturas.wordpress.com/

    Livre-troca: http://livretroca.redelivre.org.br/apresentacao/

    Newton Goto: https://newtongoto.wordpress.com

    CCTV no Facebook: https://www.facebook.com/circuitoscompartilhados

     

     

    Fonte: Divulgação CCTV/Release: Goto

     

    Serviço:

    Programa Circuitos Compartilhados TV (CCTV)

    Programação: de 07 de agosto a 20 de dezembro, terças e quintas, 21h.

    Canal: UFPRTV (Canal 15 na NET)

     

    Informação para a imprensa

    CCTV/Divulgação

    Marianna Camargo

    41 9 9956 2684

    [email protected]

     

    Informação para replicação de programação em TVs universitárias públicas

    RP UFPRTV

    Angélica Dal'Negro

    41 3313 2001

    [email protected]

  • 14/08/2018

    Teca Sandrini lança mostra inédita em Joinville

     

    A artista Estela Sandrini. Crédito: Juliano Sandrini

     

    Estela Sandrini realiza uma nova exposição "O que já havia e o que resta", dia 18 de agosto, sábado, a partir das 10 horas, no Instituto Internacional Juarez Machado, Joinville (SC). São 30 obras inéditas da artista visual, produzidas com a ajuda dos olhos da memória e da sua incessante necessidade de criar.

     

    Nas palavras da professora, curadora e crítica de arte Maria José Justino, Estela “só se mostra por inteiro na vivência impetuosa com a arte”. Em seu trabalho, a cor funciona como maneira de existir no mundo e de representar o real. O crítico Fernando Bini é certeiro ao apontar que “é na cor que ela mostra a sua liberdade plástica e toda a sua sensibilidade, fundamento de seu compromisso social e político quando provoca a reflexão, seja pelo desvendamento do universo feminino ou pela revolução cromática”.

     

    Com vasta experiência no mundo das artes, Estela é formada em pintura na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, tem especialização em Antropologia filosófica pela Universidade Federal do Paraná. Trabalhou no ateliê do Professor Juan Carlo Labourdette, em Buenos Aires e no Maryland Institute of Art, nos Estados Unidos.

     

    Participou de diversas exposições coletivas e individuais dentro e fora do país, em instituições como a Fundação Cultural de Curitiba (PR), Katzenstein Gallery (EUA), Brazilian-American Cultural Institute (EUA), Museu de Arte Contemporânea do Paraná (PR), Galeria de Arte Banestado (PR), Fundación Centro de Estudios Brasileños (AR), Museu Metropolitano de Arte de Curitiba (PR), Art at Format (EUA), Conjunto Cultural da Caixa, (BA), Ecomuseu de ITAIPU (PR), Centro Cultural Jorge Luis Borges (AR), Embaixada do Brasil (PAR), Galeria de Arte do Banco Itaú (SP). De 2011 a 2017 foi Diretora Cultural do Museu Oscar Niemeyer. Foi selecionada e premiada em diversos salões oficiais pelo Brasil.

     

    "O que já havia e o que resta: pinturas de Estela Sandrini" apresenta uma artista coerente, cuidadosa e em plena força criativa.

     

    Serviço

     "O que já havia e o que resta: pinturas de Estela Sandrini"

    Abertura: dia 18 de agosto de 2018 (sábado), a partir das 10 horas.

    Encerramento: dia 28 de outubro de 2018.

    Local: Instituto Internacional Juarez Machado, R. Lages, 994 - América, Joinville - SC

     

  • 04/06/2018

    Semana de abertura de exposições em Curitiba

    Junho começou com a semana cheia de aberturas de exposições e eventos culturais. Nesta quinta, dia 07/06, serão duas: a artista nascida em Paris, Julia Kater, traz a mostra "Breu", com curadoria de Paulo Miyada, que reúne desenho, vídeo e fotografias no Museu Oscar Niemeyer. Já na Galeria Teix, Salma Nasser transforma objetos do dia a dia, como fios retorcidos, peças metálicas e plásticas, restos de lanternas de automóveis, bijuterias perdidas, em obras de arte, na sua primeira mostra individual "Coletora de Joias". Ambas as mostras abrem às 19 horas com entrada franca. 

     

    A artista e designer Salma Nasser. Foto Divulgação

     

    Na sexta, dia 08/06, Estela Sandrini é a artista convidada do projeto "Te encontro no Guido", no Centro Estadual de Capacitação Artes Guido Viaro, com curadoria de Marcia Msascarenhas, e apresenta a exposição "Memória e Percepção - O visível do invisível", com obras de diferentes fases de sua trajetória. Haverá tambémm um bate-papo com a artista no mesmo local, com entrada livre.

     

     

    Estela Sandrini (Teca). Foto Divulgação MON

    Estela Sandrini (Teca). Foto: Divulgação/MON

     

    Dia 09/06, sábado, às 11h, os artistas Cleverson Luiz Salvaro, Fernando Ribeiro, Tony Camargo e Willian Santos apresentam "Cada Vez Mais Perto", com curadoria de Ana Rocha. A exposição foi pensada a partir de discussões sobre o uso do espaço público e o acesso da população à arte e à cultura de maneira geral. As obras estarão colocadas em locais espaços ociosos, locais históricos, no trajeto de casa, por exemplo, distribuídas pelo centro de Curitiba. A abertura será na rua Duque de Caxias, 477.

     

     

    No mesmo dia, sábado, 09/09, das 12h às 22h, e no domingo, dia 10/06, das 13h às 18h, o restaurante Fellini organiza um bazar multicultural em seu espaço. O evento contará com mais de 20 expositores, valorizando as marcas locais, e reúne arte, moda, gastronomia, música e atividades para crianças e adultos. Esta será a primeira edição do "Pechinchas No Fellini", com entrada gratuita, sem couvert e sem cobrança de estacionamento.

     

     

    Serviço:

    Quinta, dia 07/06

    Abertura da mostra "Breu" - Julia Kater

    Museu Oscar Niemeyer - Rua Marechal Hermes, 999

    Horário:19h, entrada franca

    www.museuoscarniemeyer.org.br

     

    Abertura da mostra Coletora de Joias - Salma Nasser

    Galeria Teix -  Alameda Augusto Stellfeld, 1581

    Horário: 19h, entrada franca

    teix.ink

     

    Sexta, dia 08/06

    Abertura da exposição "Memória e Percepção – O Visível do Invisível" - Estela Sandrini

    Centro Estadual de Capacitação e Arte Guido Viaro - Francisco Mota Machado, 490 - Capão da Imbuia

    Horário: 20h, entrada franca

    http://centrodeartesguidoviaro.com.br

     

    Sábado, dia 09/06

    Abertura da exposição "Cada vez mais perto"

    Inauguração: Duque de Caxias, 477

    Ponto de partida: Marco zero de Curitiba (em frente à Catedral da Praça Tiradentes)

    Horário: 11h, entrada franca

    https://www.facebook.com/events/2176633545951425/

     

    Sábado e domingo, dias 09 e 10/06

    Evento multicultural "Pechinchas no Fellini"
    09 de junho (sábado) - 12h às 22h e 10 de junho (domingo) - 10h às 18h
    Restaurante Fellini
    Av. Manoel Ribas, 4227 – Cascatinha

    (41) 3026-7300

     

     

     

  • 09/04/2018

    Curitiba sedia Encontro Internacional de Grafitti

    Curitiba sedia Encontro Internacional de Grafitti

    O Festival Street of Styles - Encontro Internacional de Graffiti acontece de 10 a 15 de abril em vários espaços da cidade. Em sua sétima edição, estão programadas mais de 128 ações envolvendo dança, arte, cultura e música com artistas de 30 países e 22 estados brasileiros.

    Estarão presentes artistas de diversos países, como Argentina, Espanha, Chile, Índia, Grécia, Marrocos, Japão, Rússia, entre outros, além de diversos estados do Brasil.

    Segundo o organizador do evento, Michel Devis, o pensamento é ampliar a dinâmica do festival e promover a cultura na cidade. “O Street of Styles é um evento mundial de integração cultural e intercâmbio entre grafiteiros, artistas urbanos, dançarinos, músicos, atletas radicais e demais expressões urbanas", afirma.

    O público ainda pode conferir batalhas de dança, palestras, mesas redondas, minicursos de produção musical, entre outros. No sábado e domingo, dias 14 e 15, acontecem os três grandes eventos do Street of Styles.

    O Encontro de Graffiti vai reunir 200 artistas convidados, das 9h às 18h, pintando simultaneamente 12 locais totalizando 2 mil metros lineares de murais. Das 14h às 19h, o Memorial de Curitiba recebe as batalhas de Breaking Dance, com aproximadamente 300 competidores. E ainda das 15h às 21h o Palco das Ruínas do São Francisco recebem diversas atrações musicais.

    A realização do Realização do 7° Street of Styles - Encontro Internacional de Graffiti é da Capsula Graffiti Shop.

     

    Confira a programação completa: www.streetofstyles.com

     

     

    SaveSave

  • 02/04/2018

    Morre a artista Corina Ferraz

    Morre a artista Corina Ferraz

    A artista visual Corina Ferraz faleceu nesta sexta, dia 30 de março, em Curitiba. Corina nasceu no Leme (SP), em 1948, e depois mudou-se para Curitiba, onde estudou na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Reconhecida pela sua produção de arte naïf, participou do Salão dos Novos (1971) e do 47.º Salão Paranaense (1990); na Argentina, esteve na VII Bienal de Arte Sacra (1998) e, nos Estados Unidos, da coletiva na Gallery Catholic Theological Union, em Chicago (2000).

     

     

    Segue texto publicado para a Revista Ideias em março deste ano.

    Os céus de Corina Ferraz

    Ritmo, canção, cor, delicadeza. Assim é Corina Ferraz e sua obra. A artista, que estudou em colégios internos, trouxe a liturgia, o latim e o canto para sua vida. Transformou seu trabalho em poesia, a cor em imaginação. Corina vê a vida quando olha para o céu.

    Artista: compositora, pintora, cancioneira, poeta. Nas suas mais variadas formas, tem o que considera essencial à vida: pureza. “Sem isso não é possível fazer nada”, avisa.

    Nasceu no Leme (SP), em 1948, e depois mudou-se para Curitiba, onde estudou na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Reconhecida pela sua produção de arte naïf, participou do Salão dos Novos (1971) e do 47.º Salão Paranaense (1990); na Argentina, esteve na VII Bienal de Arte Sacra (1998) e, nos Estados Unidos, da coletiva na Gallery Catholic Theological Union, em Chicago (2000).

    Em 2012 realizou a exposição individual “Ceias Sertanejas”, no Museu de Arte Sacra da Arquidiocese de Curitiba. Foi premiada no Salão de Miniquadros do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (1985) e no 10.º Salão de Jacarezinho (1994).

    Em sua percepção, “as pessoas precisam olhar mais para cima, ver o céu, as nuvens, o arco-íris”. Reflexo disso está em sua obra, como um espelho.

    Corina trabalha como se rege uma orquestra. Ouve nota por nota, afina o som, tem os olhos e os ouvidos atentos para os descompassos e para a beleza e, dessa maneira, cria, percebe, equilibra.

     

    Crédito foto: Kraw Penas

  • 22/02/2018

    Evento exclusivo celebra skate paranaense

    O skate paranaense será celebrado em um evento exclusivo neste próximo sábado, dia 24/02, às 17h, no Acervo Circular. Haverá uma exposição de caricaturas de figuras da cena local e na sequência acontece a entrega das artes aos respectivos homenageados.   Maguila. Arte: Bozer Marcos Maguila. Arte: Bozer   "SKATE HOMENAGEM PARANÁ" tem como objetivo enaltecer  as pessoas que ajudaram a construir a história do skate no Estado e contribuíram muito para o crescimento do esporte no país, além de fortalecer a imagem do skate brasileiro ao redor do planeta, com o apoio de profissionais de diversas frentes, alguns deles presentes neste evento.   Calazans. Arte: Bozer Calazans. Arte: Bozer     O público poderá ver as caricaturas feitas pelo artista por NinoGrafs, com intervenção da artista letrista Angélica Lopes e comunicação virtual, por meio de ilustrações digitais, do artista Bozer. Multiartistas que atuam no segmento da tatuagem e/ou grafite foram convocados para fortalecer o projeto. A ação é baseada no projeto "Fotos de Gaveta Homenagens", do artista NinoGrafs.   Larissa Carollo. Arte: Bozer Larissa Carollo. Arte: Bozer       Miguel Catarina. Arte: Bozer Miguel Catarina. Arte: Bozer   Evento: Skate Homenagem Paraná Data: 24 de fevereiro de 2018 (sábado) das 17 às 22 horas Local: Acervo Circular Rua Mateus Leme,142 e (41) 3010-1218 Curitiba/PR   Homologação: PRa Skate Associação Paranaense de Desenvolvimento da Cultura e da Prática do Skate Mais informações no site: www.fotosdegaveta.com.br   Idealização: Campeonatos de Skate Patrocinios: Drop Dead Skateboard – Hondar Skateboards – Zabô Street Eyewear – New Skate Apoios: Boozone – Us Street – CX Caps – Everlong – Skate: Este Carrinho Não Polui Cobertura: InnerSport – Portal OH2C – Central Skate Mag – Portal Tattoo – Tatuagem – Bela Tatuada Chancela: PRa Skate Arte Flyer Skate Homenagem Paraná: Daniela Carrara Arte Flyer Fotos de Gaveta: Diego Almeida Ilustrações Digitais: Fabricio Bozer Caricaturas: NinoGrafs Letterings: Angélica Lopes Foto Expo: Hélio Guerra
  • 20/02/2018

    Paranaguá e Curitiba recebem mostra de Zardo

      A Casa de Cultura Monsenhor Celso, em Paranaguá, litoral paranaense, realiza a primeira exposição do artista Zardo, "Sombras Inversas", no dia 21 de fevereiro, quarta, às 19 horas.   Foram selecionadas obras que resgatam a pesquisa autoral do artista, apuro técnico permeou a obra escultórica de Zardo, como em suas cerâmicas policromadas, resultado de temperaturas muito elevadas com curvas térmicas longas, que ganham o espaço em arranjos muitas vezes de repetidas formas e cores diversas.   Cerâmica. Foto Marcos Campos Cerâmica. Foto Marcos Campos   A mostra segue depois para Curitiba, dia 22 de de março, no Museu da Gravura, no Solar do Barão.   De acordo com o curador Carlos Henrique Tullio, além das exposições, serão realizadas oficinas de experimentação com argila, ministradas e destinadas ao público infantil gratuitamente, durante alguns dias a definir, durante o período das mesmas exposições. No final da exposição será lançado um catálogo que consta do Projeto Cultural.   Sobre o artista Faustino Zardo nasceu em Sapucaia do Sul (RS) e morou em Curitiba até seu falecimento, em 2016. Realizou inúmeras exposições desde 1993. Foi professor de cultura, cerâmica, litogravura e gravura em metal  e serigrafia. Suas obras, em sua maioria cerâmicas, resgatam a pesquisa autoral do artista.   O artista Faustino Zardo. Foto: Igor Gomes O artista Faustino Zardo. Foto: Igor Gomes     Serviço Exposição "SOMBRAS INVERSAS" de ZARDO Local:Casa de Cultura Monsenhor Celso, Paranaguá (PR). Abertura: 21 de fevereiro, quarta, às 19 horas Até: 13 de maio de 2018 Horários para visitação: Segunda a sexta: 8h às 11h e das 13h às 18h Sábados: 13h às 18h Entrada franca Endereço: Largo Monsenhor Celso - Centro Histórico - Paranaguá - PR.
  • 08/02/2018

    O underground curitibano em exposição na Gibiteca

      Um time de artistas do "underground" local está reunido na mostra "Underground Ilustrado: a arte visual da cena musical curitibana", que abre dia 9 de fevereiro, sexta, às 19 horas, na Gibiteca de Curitiba.   Arte: Magoo Arte: Magoo   Cartazes, capas de álbuns, fanzines, pinturas, ilustrações e esculturas estão em exposição, feitos por artistas que participam do underground, principalmente na música, e que tem na arte visual mais uma forma de contribuir com a cena alternativa da cidade.   Arte: Christiano Neto Arte: Christiano Neto Participam da mostra:Chico Felix, Koti, Lemer Luiz, Ulisses Rodrigues, Maxweel Alves, Jura, G-lerm, Rafael Silveira, Wilson, Thiago, Gusso, Christiano C.Neto, Daniel Gonçalves, Eli, Fernando Nishijima, Mario Alencar, Romvlvs e Leandro Almeida. Arte: G-Lerm Arte: G-Lerm   Homenagem Acontece também uma homenagem ao artista Magoo, morto em 2015, aos 44 anos. Alessandro Rüppel Silveira, conhecido como Magoo, começou a carreira aos 16 anos, em 1987 venceu o prêmio de artes plásticas "Primeira Visão", quando ainda era estudante do Colégio Estadual do Paraná. Responsável também por capas de álbuns produzidos pelo projeto "A Grande Garagem que Grava" e inúmeros materiais para a cena musical da cidade.   O artista Magoo é homenageado na mostra O artista Magoo é homenageado na mostra   No mesmo dia haverá show das bandas Repelentes e Rabo de Galo, às 20h. A exposição tem curadoria de Christiano C. Neto e Daniel Gonçalves e fica em cartaz até dia 30 de março.   Serviço: Abertura da exposição "Underground Ilustrado: a arte visual da cena musical curitibana" Data: 9 de fevereiro, sexta, às 19 horas Até 30 de março de 2018 Local: Gibiteca de Curitiba Entrada franca


DESTAQUES DOS EDITORES