Bem Radical

Publicidade
Jeffrey's Bay

Medina dá show em final brasileira na África do Sul

Final brasileira na África do Sul
Final brasileira na África do Sul (Foto: Divulgação WSL)

Uma final histórica em Jeffrey's Bay. Os brasileiros Ítalo Ferreira e Gabriel Medina pintaram de verde e amarelo as ondas sul-africanas na manhã de hoje (19). E um detalhe chamou a atenção dos fãs. Há décadas não acontecia uma final entre dois "goofies" - base trocada - em uma onda que quebra para a esquerda. 

Os brasileiros não deixaram nada a desejar. Ao contrário, uma final digna de ficar marcada. Tanto Ítalo Ferreira quanto Gabriel Medina deram um verdadeiro show em J-Bay. No final, após um duelo até os últimos segundos, vitória de Medina com quase toda a totalidade dos pontos possíveis.

Ítalo Ferreira vinha embalado de uma grande semifinal contra Filipe Toledo. Então em sua primeira onda ele conseguiu uma notaça! Já na primeira batida ele foi até o lip da onda, sendo completamente vertical. Em sequência batidas e cut backs, com mais uma batida gigante na junção que lhe garantiu um 9.10.

Depois de duas ondas desperdiçadas, Medina conseguiu uma onda gigante. Ele aproveitou de maneira diferente de Ítalo. Ao invés de forçar diversas batidas, Medina buscou os picos da onda. Com um final espetacular, misturando uma batida com uma rasgada lá no lip, impressionando todos os juízes. A nota, como não poderia ser diferente, foi um 9.73.

Ferreira conseguiu logo a seguir uma nota 5.50, que lhe dixou novamente na liderança (total de 14.60). Gabriel trabalhava por uma nota 4.87 para vencer a etapa de J-Bay. A maré encheu um pouco, prejudicando a qualidade das ondas. Mesmo assim, ainda teve mais emoção nos 10 minutos finais. 

Ítalo conseguiu mais uma onda muito boa. Ela apareceu muito grande, onde ele começou com uma batida. Depois de ver enchê-la, esperou o inside para que ela crescesse. Isso aconteceu e, depois de mais uma rasgada, o brasileiro conseguiu uma finalização muito boa na junção. Os juízes deram 7.67. 

Precisando de um 7.07 para vencer, Medina mostrou porque é o atual campeão mundial. Entrou em uma onda considerada pequena com uma batida, logo após emendou um floater espetacular e mais uma rasgada, esperando que a onda chegasse no inside.

Quando todos pensavam que ele iria buscar uma batida na junção, Medina emplacou um tubo espetacular, onde ele entrou, saiu e entrou novamente no tubo. O dez só não veio porque os juízes não quiseram. A nota foi um 9.77, somando 19,5 pontos de 20 possíveis e lhe dando o título.

Ainda na água, para o repórter Strider, da WSL, Gabriel falou sobre esta virada nos minutos finais:

"É muito difícil ganhar este campeoato. Realmente não estava esperando vencer aqui. Tudo isso começou com minha vitória em cima do Ryan Kelly. Este foi um campeonato de viradas. Nada é impossível, temos que acreditar até o fim. Eu acreditei e acabei vencendo."

Semifinais insanas: 

Nas semifinais tivemos três brasileiros e apenas um americano. Kolohe Andino era o "haole" entre os brasileiros Gabriel Medina, Ítalo Ferreira e Filipe Toledo. E ele e Gabriel foram os primeiros a entrar nas gélidas águas de Jeffrey's Bay.

O americano começou soltando uma boa onda e atingindo a nota 6.50. Medina demorou a encontrar uma boa onda, porém, quando achou-a praticamente resolveu com um 8.07. 

Andino surpreendeu e conseguiu mais uma boa onda, voltando a liderança (7.50). Medina precisava pelo menos de um 6. E conseguiu! Com muitas batidas e emplacado um mini-tubo no fim da onda, ele derrotou o americano por pequena diferença (14.30 contra 14.00). 

A segunda semifinal foi espetacular. Filipe Toledo lutava pelo tricampeonato em J-Bay. Ele emplacou uma nota 9.0 depois de dar um show com muitas rasgadas. No final, um floater gigante.

Filipinho garantiu mais uma nota cinco, que lhe deu 14 pontos no placar. Dali em diante começou o show de Ítalo Ferreira. Ele primeiro colocou uma nota oito com uma onda muito bem aproveitada. Foram diversas rasgadas muito altas, terminando com uma batida espetacular na junção. 

Com a série muito boa, Ítalo veio novamente e com a maior onda da bateria conseguiu um 9.5. Ela foi muito parecida com a da nota 9 de Filipe, contudo, por ele surfar de base trocada nas esquerdas (sua base é goofy), os juízes o premiaram com um 9.5. Uma bateria insana.

Classificação e próxima etapa: 

Com a vitória, Gabriel Medina subiu na classificação do Championship Tour da WSL e está em sétimo. Kolohe Andino agora é o líder, com Filipe Toledo na segunda colocação, John John Florence (que não irá mais competir este ano devido a uma lesão no joelho) em terceiro e Ítalo Ferreira na quarta colocação. 

Vale ressaltar que os dois brasileiros melhores colocados irão às Olimpíadas. Também é importante dizer que esta classificação tem tudo para mudar, já que ao final das onze etapas as duas piores são descartadas. Se isso acontecesse hoje, Medina estaria na quarta colocação. 

A próxima etapa acontece do dia 21 de agosto à 1° de setembro, em Teahupo'o, no Taiti. No ano passado quem venceu esta etapa foi Gabriel Medina.

Quem faz o blog

Leopoldo Scremin é jornalista, acompanha, pratica e cobre esportes radicais há cinco anos.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES