• 01/04/2018

    Criador da Blue Moon anuncia lançamento de cerveja com THC

    maconha

    A legalização da maconha em alguns estados americanos tem movimentado a economia dos EUA. Poucos dias após a New Belgium Brewing anunciar a The Hemperor Hemp Pale Ale, cuja mistura de lúpulo e cânhamo traz um aroma forte característico da erva; outro cervejeiro renomado divulgou seus planos para o lançamento de uma cerveja não-alcoólica que realmente chape os bebedores.

    Keith Villa, criador da famosa witbier americana Blue Moon Belgian White, que trabalhou por 32 anos na MillerCoors, anunciou em janeiro deste ano a sua saída da empresa para tocar novos projetos. Esta semana divulgou que irá lançar uma cerveja com THC e suas características psicoativas. Não apenas será possível escolher entre três níveis de chapeira, como saber exatamente quanta energia ou euforia esperar de cada garrafa ou lata.

    “Quem quiser assistir aos jogos do Super Bowl bebendo um six-pack, mas não quiser ficar totalmente chapado, pode se divertir com as nossas cervejas light. Deste jeito ficará tão leve como se tivesse bebido o equivalente a uma cerveja com 4 – 4,5% de teor alcoólico.”

    Enquanto outros cervejeiros utilizam uma versão não-psicoativa do composto CBD contido na cannabis, Keith sabe que os consumidores de cannabis querem pirar o cabeção, diz ele: “Dar-lhes uma cerveja com cânhamo ou CBD é quase como dar a um bebedor de cerveja artesanal uma Russian Imperial Stout sem álcool e dizer a eles: 'Isso é bom o suficiente’”.

    Dois meses depois de se aposentar de sua carreira de três décadas na MillerCoors, onde ficou conhecido pela cerveja que é servida com uma fatia de laranja e continua a introduzir milhões de bebedores em todo o mundo para a cerveja do estilo witbier, Villa diz que espera revolucionar mais uma vez a indústria com este empreendimento. Ele ainda está formulando o nome da linha de produtos que irá lançar, está pensando em utilizar o nome da empresa que fundou com a esposa CERIA BEVERAGES.

    Com este projeto ele procura trazer novos ares para o mundo da cannabis, colocando-a no mesmo patamar que a cerveja artesal. Pretende atrair não só novos consumidores, como instigar neles a sede por conhecimento: “Estamos no mesmo barco que a cerveja artesanal estava nos anos 90. Se você pensar em um consumidor típico que entra em um marijuana dispensaries (o equivalente aos coffee shops, nos EUA), eles sabem muito pouco além de que essa coisa é verde e que você fica chapado.”

    Trabalhando com parceiros como cultivadores de maconha e marijuana dispensaries no Colorado, e gradualmente outros estados onde a maconha recreativa é legal, Villa preparará cerveja, retirará o álcool e o entregará para os dispensaries que adicionarão o THC. A cerveja será encontrada pelos consumidores nestes pontos de venda. Keith fez uma parceria com uma empresa chamada Ebbu que descobriu como dosar em cada garrafa ou lata de 355ml a quantidade de THC ideal. Como o álcool, o metabolismo de um bebedor, a massa corporal, o consumo de alimentos e similares contribuirão para variações na sensação.

    A cerveja virá em diversas versões, permitindo controlar o nível da chapeira. Para aqueles que querem curtir um brilho, sem perder a razão, terá a “light”. Para aqueles que já querem curtir a chaperia, ouvir um reggae na beira da praia e ficar levente retardado, a escolha é a “medium”. Mas também terá a “heavy-duty”, cerveja para aquele seu amigo cabeçudo, que quer sentir um soco no córtex, viajar no universo e ver a terra girar. Segundo Villa não existe limite teórico para as doses de TCH.

    Serão combinadas proporções de Sativa com Indica para personalizar as experiências que irão variar entre estados como feliz, enérgico ou relaxado, e eventualmente ela poderá decidir se quer tudo isso em uma RIS ou em uma cerveja mais refrescante como a Wit.

    Tradução livre da matéria da Forbes: Blue Moon's Creator Aims To Get Customers Mile-High On His New Brew

  • 31/03/2018

    Criador da Blue Moon divulga lançamento de cerveja com THC

    maconha

    A legalização da maconha em alguns estados americanos tem movimentado a economia dos EUA. Poucos dias após a New Belgium Brewing anunciar a The Hemperor Hemp Pale Ale, cuja mistura de lúpulo e cânhamo traz um aroma forte característico da erva; outro cervejeiro renomado divulgou seus planos para o lançamento de uma cerveja não-alcoólica que realmente chape os bebedores.

    Keith Villa, criador da famosa witbier americana Blue Moon Belgian White, que trabalhou por 32 anos na MillerCoors, anunciou em janeiro deste ano a sua saída da empresa para tocar novos projetos. Esta semana divulgou que irá lançar uma cerveja com THC e suas características psicoativas. Não apenas será possível escolher entre três níveis de chapeira, como saber exatamente quanta energia ou euforia esperar de cada garrafa ou lata.

     “Quem quiser assistir aos jogos do Super Bowl bebendo um six-pack, mas não quiser ficar totalmente chapado, pode se divertir com as nossas cervejas light. Deste jeito ficará tão leve como se tivesse bebido o equivalente a uma cerveja com 4 – 4,5% de teor alcoólico.”

    Enquanto outros cervejeiros utilizam uma versão não-psicoativa do composto CBD contido na cannabis, Keith sabe que os consumidores de cannabis querem pirar o cabeção, diz ele: “Dar-lhes uma cerveja com cânhamo ou CBD é quase como dar a um bebedor de cerveja artesanal uma Russian Imperial Stout sem álcool e dizer a eles: 'Isso é bom o suficiente’”.

    Dois meses depois de se aposentar de sua carreira de três décadas na MillerCoors, onde ficou conhecido pela cerveja que é servida com uma fatia de laranja e continua a introduzir milhões de bebedores em todo o mundo para a cerveja do estilo witbier, Villa diz que espera revolucionar mais uma vez a indústria com este empreendimento. Ele ainda está formulando o nome da linha de produtos que irá lançar, está pensando em utilizar o nome da empresa que fundou com a esposa CERIA BEVERAGES.

    Com este projeto ele procura trazer novos ares para o mundo da cannabis, colocando-a no mesmo patamar que a cerveja artesal. Pretende atrair não só novos consumidores, como instigar neles a sede por conhecimento: “Estamos no mesmo barco que a cerveja artesanal estava nos anos 90. Se você pensar em um consumidor típico que entra em um marijuana dispensaries (o equivalente aos coffee shops, nos EUA), eles sabem muito pouco além de que essa coisa é verde e que você fica chapado.”

    Trabalhando com parceiros como cultivadores de maconha e marijuana dispensaries no Colorado, e gradualmente outros estados onde a maconha recreativa é legal, Villa preparará cerveja, retirará o álcool e o entregará para os dispensaries que adicionarão o THC. A cerveja será encontrada pelos consumidores nestes pontos de venda. Keith fez uma parceria com uma empresa chamada Ebbu que descobriu como dosar em cada garrafa ou lata de 355ml a quantidade de THC ideal. Como o álcool, o metabolismo de um bebedor, a massa corporal, o consumo de alimentos e similares contribuirão para variações na sensação.

    A cerveja virá em diversas versões, permitindo controlar o nível da chapeira. Para aqueles que querem curtir um brilho, sem perder a razão, terá a “light”. Para aqueles que já querem curtir a chaperia, ouvir um reggae na beira da praia e ficar levente retardado, a escolha é a “medium”. Mas também terá a “heavy-duty”, cerveja para aquele seu amigo cabeçudo, que quer sentir um soco no córtex, viajar no universo e ver a terra girar. Segundo Villa não existe limite teórico para as doses de TCH.

    Serão combinadas proporções de Sativa com Indica para personalizar as experiências que irão variar entre estados como feliz, enérgico ou relaxado, e eventualmente ela poderá decidir se quer tudo isso em uma RIS ou em uma cerveja mais refrescante como a Wit.

    Tradução livre da matéria da Forbes: Blue Moon's Creator Aims To Get Customers Mile-High On His New Brew

  • 28/07/2017

    Festival da Cultura Cervejeira Artesanal 2017

    Nenhum texto alternativo automático disponível.

    Curitiba se transforma na capital da cerveja artesanal durante o mês de agosto, com a realização do Festival da Cultura Cervejeira Artesanal - FCCA 2017

    A  Associação das Microcervejarias do Paraná (Procerva) está preparando um dos maiores eventos do país voltados a esta cultura, que ocorrerá de 5 a 13 de agosto, no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba.

    O Festival da Cultura Cervejeira Artesanal - FCCA 2017 contará com uma programação pra todos os gostos. A semana começa com o The12Beers (sábado 05/08), um verdadeiro pub crawl por 12 bares para degustar 12 cervejas em 12 horas.

    No domingo, uma edição especial do Bodebrown Beer Train levará as pessoas por um passeio de trem incrível até o litoral paranaense regado à muitas cervejas artesanais e outras delícias.

    Durante a semana diversos restaurantes sediarão experiências gastronômicas com grandes chefs, que farão almoços e jantares temáticos, promovendo a harmonização de pratos especiais com as cervejas artesanais.

    Nos dias 09 e 11/08 a Serra Verde Express organizou visitas técnicas às micro cervejarias - são 6 roteiros diferentes para explorar o mapa da cerveja artesanal de Curitiba e região.

    O FCCA 2017 contará também com palestras e exposição para os profissionais do mercado cervejeiro (dias 10 e 11/08 no Auditório do MON), rodada de negócios, uma competição de planos de negócios cervejeiros, além do encontro de cervejeiros caseiros e brassagem ao vivo conduzida pela ACervA-PR.

    A semana de imersão culminará com a realização de uma mega oportunidade de degustação, com mais de mais de 200 rótulos, na ProcervaFest, que ocorrerá nos gramados do MON nos dias 12 e 13 de agosto e que contará com diversificada gastronomia, shows de jazz e rock'n roll e diversas atrações para a família toda.

    Ingressos para a ProcervaFest: https://www.eventbrite.com.br/e/procerva-fest-tickets-36046521115

    Não dá pra ficar de fora de tudo o que vai rolar nessa semana!

    Site do evento: www.procerva.com.br/fcca2017

  • 07/07/2017

    Curso de Marketing Cervejeiro abre inscrições.

    erica-barbosa-marketing-cervejeiro-curso

    Após se formar em Marketing e iniciar uma pós em Marketing Digital na ESPM em 2013, Érica Barbosa começou a  trabalhar informalmente com cervejas e drinks em um pub ao mesmo tempo que trabalhava como Assistente de Marketing. Nessa época, decidiu seguir carreira na área e queria se tornar uma Especialista em Marketing de Cerveja. Ela procurou por cursos com esse tema e frustada por não tem encontrado nada nesse meio, decidiu traçar uma estratégia para buscar mais conhecimento na área cervejeira. O primeiro passo foi fazer o curso de sommelier de cervejas da Escola superior de Cerveja e Malte em Blumenau e se formou na primeira turma com certificado do Doemens Akademie, com isso já conseguiu se posicionar no meio: “Voltei do curso com uma proposta de trabalho unindo o Marketing e a cerveja e não pensei duas vezes - pedi demissão e entrei nesse mercado. De lá pra cá, já trabalhei em eventos cervejeiros, concurso, loja especializada, bares, e-commerce, clube de assinatura e na maior distribuidora de cervejas especiais do Rio de Janeiro, onde pude analisar as principais dificuldades e cases de sucesso tanto das cervejarias que a gente representava, quanto dos bares e lojas que eram clientes. “ conta Érica.

    Ao analisar o cenário do mercado, unindo a prática adquirida com o conhecimento teórico que já tinha, percebeu que ainda existe muito a ser desenvolvido nessa área. Decidiu arriscar e montar um curso sobre como trabalhar com o marketing especializado em cervejas artesanais: “Tive que sair de um emprego estável na distribuidora de cervejas para me dedicar ao projeto, o que foi algo muito arriscado, mas minha vontade de empreender e contribuir para o mercado cervejeiro era tão grande que tomei a iniciativa. “

    Sair do papel demandou grande esforço, pois além de ministrar a maioria das aulas, ela ainda coordenou todo o andamento do curso - desde a escolha da sala e criação da ementa e material, até divulgação e inscrição dos alunos. Para diminuir as dificuldades, ela decidiu começar de forma bem enxuta, mas após a primeira edição que rendeu bons resultados, está investido na marca para se estruturar e continuar crescendo.

    O curso é indicado para todos que trabalham com cerveja, seja em cervejaria, bar ou outro negócio cervejeiro, inclusive empreendedores e cervejeiros que queiram lançar sua marca. Também é ideal para profissionais de marketing, publicitários, designers, jornalistas e administradores que desejam trabalhar com cervejas artesanais. “Por mais que a gente esteja no mesmo barco, o olhar crítico do profissional de marketing que também entenda sobre cervejas e conheça o mercado brasileiro é fundamental para orientá-los. A ementa de disciplinas está bem completa, então, por mais que quem já trabalha na área saiba de alguns assuntos que são abordados, sempre há o que aprender.” completa Érica.

    marketing-cervejeiro-curso-marketing-de-cerveja-professores (1)

    Os professores convidados são os principais profissionais de comunicação e estratégia especializados em cerveja do Brasil. Alguns não são reconhecidos pela  principal profissão no meio cervejeiro, mas têm muito conhecimento a compartilhar. “A Amanda Henriques, por exemplo, é conhecida basicamente pelo seu blog Maria Cevada, mas é uma especialista em Marketing Digital com currículo de peso. Tive esse olhar crítico para enxergar além do óbvio e mapear pessoas que pudessem contribuir com suas formações e experiências.” explica ela.

    As próximas turmas serão em Porto Alegre, RS de 31 de julho a 5 e agosto; Rio de Janeiro de 21 a 31 de agosto; e Ribeirão Preto de 06 a 11 de novembro.

    Para saber como se increver, custos e dúvidas, acesse o site:

    http://marketingcervejeiro.rds.land/curso-marketing-de-cerveja

  • 30/05/2017

    Babuína Brewery completa 1 ano

    babuina_02

    Atenção cervejeiros! A Babuína Brewwery irá reunir o bando para comemorar seu primeiro ano no mercado cervejeiro e promete comemorar em grande estilo. A festa será neste sábado, dia 03 de junho a partir das 15h30 no We Are Bastards Pub. Além dos tradicionais rótulos Papio Brown Ale, Dog´s Head Lager e Mandril IPA, a cervejaria irá lançar uma nova receita: Coffee Milk Stout, como o nome já diz, uma milk stout com lactose na sua composição e brassada em parceria com a Frank´s Ultra Coffee.

    Essa cervejaria cigana, com sua produção terceirizada na Bastards Brewery, é um projeto do mestre cervejeiro Lucas Gonçalves, que abandonou o meio publicitário para se abraçar com as panelas e carregar saco de malte, porém nada como realizar um sonho. Inclusive esse ano a meta é fechar os 12 meses com 10 mil litros envasados, o que significa quadruplicar a produção do ano passado. Uma meta bem ousada para um cervejeiro cigano com apenas um ano de mercado.

    A Babuína tem como premissa ser uma cerveja descomplicada, sem impor padrões, sem seguir necessariamente a risca os estilos, porém sempre se preocupando com a qualidade e boa apresentação dos produtos. Coisa que eu pude comprovar, experimentando a Mandril IPA.

    babuina_01

    Uma American IPA bem aromática, corpo médio pra baixo e amargor intenso, porém sem cobrir a complexidade da base de maltes. Uma cerveja bem equilibrada, seguindo a proposta da cerveja, feita pra beber em bando! “Não queremos criar uma distâcia entre entendidos e quem quer só tomar uma boa cerveja. O cuidado sempre esteve em oferecer a melhor cerveja que, no mínimo, surpreenda quem toma”, afirmar Lucas.

    Realmente, a cerveja é muito boa, ótima opção para o dia-a-dia. Depois de provar essa IPA fiquei curioso pelo lançamento, essa milk stou chega na hora certa, uma cerveja perfeita para o clima mais frio de inverno.

    SERVIÇO:

    Data: 3 de junho

    Hora: a partir das 15h30

    Local: We Are Bastards Pub – Av. Iguaçu 2300

  • 17/05/2017

    DUM DAY VII inicia a venda de ingressos nesta segunda

    DUM DAY MON EXTRENA Fotos Daniela Carvalho (1)

    O DUM Day VII, festival que celebra o sétimo aniversário da curitibana DUM Cervejaria, já tem data e local confirmados. Mais uma vez, acontece no Museu Oscar Niemeyer, no dia 22 de julho. Os ingressos começam a ser vendidos no dia 22 de maio pelo site www.eventbrite.com.br. O evento terá como atrações mais de 80 rótulos de cervejas artesanais, com destaque para as criações da própria marca.

    O evento já se tornou um clássico da DUM, movimentando a cena cervejeira de Curitiba. A marca ganhou notoriedade com a Petroleum, uma cerveja com 12% de teor alcoólico e cor escura, com toques de café e chocolate. Tanto a versão original quanto as dez variações da Petroleum estarão disponíveis no evento, bem como as cervejas Jan Kubis e Grand Cru.

    O DUM Day VII contará com outras surpresas, como cervejas colaborativas desenvolvidas para a festa e rótulos selecionados dentre as TOP 15 cervejarias do ranking do aplicativo Untappd (aplicativo de avaliação de cervejas). Quem comprar o ingresso ganha um copo de cristal exclusivo do evento produzido pela clássica Cristal Blumenau, com capacidade para 150ml, tamanho da dose padrão do festival.

    Socios da DUM Luiz Felipe, Julio e Murilo Foto Jana Rizziolli

    A parte gastronômica contará com hambúrgueres do Whatafuck e batatas do Roots. Além disso o evento terá outras opções, como pratos elaborados por chefs paranaenses. Dentre os doces, estão os Kurtos Kalacs e sorvetes da Gelataio.

    A diversão é garantida para toda a família pois o evento terá um espaço para as crianças e também será pet-friendly.

    DUM DAY INTERNA Fotos Daniela Carvalho  (1)

    DUM DAY VII

    DATA: 22 de julho, sábado.

    LOCAL: MON - Museu Oscar Niemeyer

    ENDEREÇO: Rua Mal. Hermes, 999 - Centro Cívico, Curitiba - PR

    INGRESSOS: à venda a partir de 22 de maio ao meio dia no link www.eventbrite.com.br/e/dum-day-vii-tickets-33522774521.

    VALOR: Lote 1: R$ 40; Lote 2: R$ 50; Lote 3: R$ 60.

    INFORMAÇÕES: www.dumcervejaria.com.br

  • 11/05/2017

    Growler Day para as mães cervejeiras

    GrowlerDay Bodebrown (3)   Para celebrar o Dia das Mães, a cervejaria Bodebrown realiza neste final de semana uma edição comemorativa do  GrowlerDay. As mães cervejeiras que comparecerem na sexta-feira (12) e no sábado (13) vão concorrer a seis vouchers de R$ 200 para serem utilizados em restaurantes parceiros da cervejaria - Simples Assim Gastronomia, Old West, Piola, Quintana Gastronomia, Vindouro e Tiwanaku. Nesta sexta-feira, a cerveja em cartaz é a Obscena American IPA. Ela traz aroma de caramelo e biscoito, possuí coloração ambar, amargor médio e notas cítricas provenientes dos lúpulos norte americanos. Já no sábado , a atração é a Tripel Montfort au Chardonnay, sim meus amigos, uma wood-aged séries!!!! Trata-se de um um blend com 20% da Tripel Wood Aged Series (adormecida por 9 meses em barris de carvalho francês de vinho Chardonnay) e 80% da já maravilhosa Tripel Montfort. Esta última traz aroma rico em especiarias, frutas amarelas e pães, com seu potente 10% de teor alcoólico, enquanto a Wood Aged incorpora notas suaves de flores, pera, pães, chá verde, abacaxi e baunilha. Agora junta tudo e vamos se embriagar....     Growlers Bodebrown  Na recarga do growler, a pessoa ganha um tag e concorre a um voucher de R$ 200,00 para ser utilizado em um dos seis restaurantes, sendo que cada voucher é específico para o restaurante em questão. Caso o valor da conta passe de R$ 200, basta completar o pagamento. Se o consumo for menor que o estipulado pelo voucher, entretanto, não há devolução do crédito. Mas tendo em vista os parceiros, acho difícil deixar passar essa oportunidade. Conforme o cervejeiro Samuel Cavalcanti, fundador da Bodebrown, com esta ação a cervejaria presta uma justa homenagem para as mamães e também ressalta a importância de harmonizar boas cervejas com boas mesas. "Queremos trazer para elas um passeio sensorial, aliando a boa gastronomia da cidade com nossas criações", resume. Com um atrativo extra, um dos restaurantes, o Tiwanaku, terá um SPA montado em parceria com a Bodebrown. O estabelecimento terá, além da gastronomia latina,  espaço para massagem, reflexologia e o tratamentos nos pés com Ictioterapia.     Então você que é mãe e cervejeira, não dá pra perder essa oportunidade!     Growler Day - venda de cerveja, visitação à fábrica e food trucks DATA E HORÁRIO: sexta das 17h às 20h, e sábado das 9h às 15h. VALOR: Entrada franca. Litro da cerveja vendido a partir de R$ 20 ENDEREÇO: Rua Carlos de Laet, 1015 - Curitiba, Hauer - PR INFORMAÇÕES: www.bodebrown.com.br
  • 12/04/2017

    Punk is Dead

    Nas últimas semanas uma notícia abalou o mundo cervejeiro, deixando punks e revolucionários sem chão. A compra da Brew Dog pela TSG Consumers Partners, mesma dona da Pabst Blue Ribbon (uma merda de cerveja de baixa qualidade), mostra que o mundo revolucionário da cerveja não é tão revolucionário assim. Mesmo depois dos punks cervejeiros terem impressionado o mundo liberando o download gratuito do DIY Dog, um almanaque de 286 páginas com mais de 200 receitas e histórias das suas cervejas, mostrando que eles estão acima das indústrias convencionais e seus segredos industriais. Imagem relacionada Fundadores da BrewDog: Martin Dickie (esq.) e James Watt (dir.) Segundo o Sunday Times, a TSG investiu £213 milhões na compra, sendo £100 milhões para investimentos na fábrica e £113 milhões para os sócios. Os fundadores James Watt e Martin Dickie vão ter suas partes diminuídas de 35% para 25% e de 30% para 22% respectivamente.  Não está claro (para mim, de qualquer maneira) se essa diluição é porque os dois estão vendendo 18 % das suas partes da empresa para a TSG, ou parte da queda na sua participação percentual vem de novas ações sendo emitidas: o Sunday Times diz que uma das moções aprovadas no mês passado BrewDog AGMEGM em Aberdeen viu a criação de uma nova classe de ações preferenciais, o que garantiria à TSG um retorno anual composto de no mínimo 18%. Mas mesmo assim, da pra dizer que James está recebendo algo em torno de £50 milhões e Martin mais de £40 milhões. Nada mal para quem ficou por mais de 10 anos sendo rude sobre o resto da indústria de cerveja. O que nos resta é torcer para que isso não vire moda por aqui, afinal de contas nenhum punk revolucionário resiste um gordo e suculento cheque assinado.
  • 27/03/2017

    Como a cerveja mudou a humanidade

    Os seres humanos estão passeando pela terra há mais ou menos 140 mil anos, mas apenas há aproximadamente 10 mil anos o homem começou a viver em sociedade, deixando de ser apenas caçador e coletor para se tornar agricultor. Esta foi a primeira grande revolução que começou a estruturar a civilização como conhecemos hoje. Mas por que o homem resolveu viver assim? A resposta é: CEVADA. Por muito tempo assumiu-se que o homem iniciou o plantio da cevada para fazer pão, mas há alguns anos o Dr. Patrick Heyes (Universidade do Oregon) apresentou uma nova teoria - a revolução da agricultura teria ocorrido pela produção de cerveja. O arqueólogo Dr. Pat McGovern também defende esta teoria com base na descoberta de objetos utilizados para a produção de cerveja que datam de 3 mil anos antes de qualquer registro de produção de pães. Quando estudamos a história da cerveja percebemos que isso faz muito sentido, pois na antiguidade a cerveja era reconhecida como um líquido sagrado (eu ainda acredito nisso), com suas propriedades atribuídas aos deuses. O homem ainda não entendia o processo de fermentação, nem sabia o que causava os efeitos inebriantes do álcool. Era óbvio, os Deuses estão felizes conosco e estão nos presenteando com cerveja. Séculos depois o próprio Benjamim Franklin reconheceu isso dizendo “A cerveja é a prova que Deus nos ama e nos quer ver felizes”. O que pode ser mais forte do que a fé para criar uma revolução tão grande quanto a revolução agrícola? Bem, neste caso, CERVEJA! Ao longo dos séculos a cerveja ajudou a mudar o rumo da história e acredita-se que, em algumas ocasiões, até salvou a humanidade. Para quem ficou curioso, documentário abaixo fala mais sobre o tema, assista: https://www.youtube.com/watch?v=xO53rQ9nqQs

DESTAQUES DOS EDITORES