• Orientação Financeira

    Santander abrirá agência de Curitiba no fim de semana para orientação financeira gratuita

    Santander abrirá agência de Curitiba no fim de semana para orientação financeira gratuita
    Karine Siqueira Bueno, head de Sustentabilidade do Santander (Foto: Divulgação)

    Funcionários do Santander Brasil se organizaram em um programa de voluntariado para levar orientação financeira a clientes e não clientes interessados em receber apoio para organizar suas contas e investir. A iniciativa será realizada, a princípio, em 29 agências selecionadas do banco em 25 municípios – entre elas a de Curitiba – a partir deste sábado, 4 de maio, sempre das 9h às 12h, até o último sábado de junho.

    Até o momento, mais de 1,2 mil funcionários do Banco se inscreveram para participar desta missão cidadã, quando poderão dar palestras, realizar assessoramento individual ou coordenar e apoiar as atividades do dia. As atividades das agências, nestas datas, serão 100% dedicadas à educação financeira – não haverá atendimento comercial. Em Curitiba, os atendimentos serão realizados na agência da Rua Emiliano Perneta, 267, Centro, por ordem de chegada.

    Os voluntários, que não necessariamente atuam na rede comercial no dia a dia, passarão por uma formação para aprimorar suas competências e garantir a qualidade da experiência do público atendido. Quem visitar as agências também receberá indicações de ferramentas e cursos on-line sobre os temas abordados.

    A iniciativa nasceu de uma proposta do presidente do Santander Brasil, Sérgio Rial, que divulgou a intenção do Banco de ceder a estrutura das agências para os voluntários em um vídeo manifesto. “Educação financeira é valorizar o que se tem, seja pouco, seja muito. É cuidar, é aprender, é ter disciplina. E criar confiança para dizer não. Essa reflexão é importante no nosso Brasil de hoje. Ainda somos 12 milhões de desempregados e 63 milhões de pessoas que ainda tem alguma dívida atrasada”, afirmou Rial, na mensagem publicada em março último nas redes sociais.

    A head de Sustentabilidade do Santander, Karine Siqueira Bueno, explica que o programa pode crescer e se consolidar como uma prática da Instituição. “A educação financeira ainda é uma lacuna no Brasil. Existem iniciativas importantes, como a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), mas ainda há um longo caminho a ser percorrido por toda a sociedade. Nossos funcionários compreenderam a importância de fazer parte dessa mobilização”, afirma a executiva.

    Em fevereiro, o Banco lançou uma ferramenta online de educação financeira gratuita para seus clientes, o Santander ON. O serviço oferece uma radiografia de todos os compromissos financeiros do correntista, e alerta para eventuais pendências na Receita Federal, Serasa e Banco Central.Com interface amigável, a plataforma indica o caminho para a resolução rápida em caso de restrição ao CPF. Conforme a situação, o banco poderá até mesmo oferecer uma linha de crédito para permitir a quitação da dívida pendente.

  • Investimentos

    Volkswagen retoma 2° turno no Paraná e contrata 60 pessoas para acelerar a produção do T-Cross

    Volkswagen retoma 2° turno no Paraná e contrata 60 pessoas para acelerar a produção do T-Cross
    O Presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si (Foto: Divulgação)

    A Volkswagen retomou o 2º turno de produção na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, acelerando a fabricação do T-Cross, SUV que acaba de chegar ao mercado brasileiro. Cerca de 500 funcionários que estavam em layoff (suspensão temporária de contratos) voltam ao trabalho, aumentando a produção do modelo. O contingente representa um quinto do total de trabalhadores da fábrica, que tem 2.600 pessoas contratadas.

    A retomada do 2º turno permitirá à empresa elevar a produção do T-Cross para abastecer tanto o mercado interno como as exportações, uma vez que o novo SUV da marca tem potencial para ser comercializado em 50 mercados da América Latina e África. Além do segundo turno, os dias de produção na fábrica aumentarão significativamente em 2019, cerca de 100 dias a mais que em 2018 (de 150 para 250).

    Ao todo, a Volkswagen do Brasil investiu R$ 2 bilhões na produção do T-Cross no Paraná, incluindo modernização e ampliação da fábrica e desenvolvimento do projeto, que resultou no primeiro SUV da marca Volkswagen fabricado no Brasil.

    “Além das 500 pessoas que retornarão do layoff, ainda contrataremos mais 60 profissionais para acelerar a produção do T-Cross. Ele é o 12º das 20 novidades que lançaremos até 2020. É o modelo mais importante da Volkswagen em 2019. Temos compromisso com o Brasil e aqui estamos investindo nesse período R$ 7 bilhões para essa que é a maior ofensiva de produtos da história da marca Volkswagen no País”, diz o Presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si. 

    Ofensiva de SUVs - O T-Cross faz parte dos cinco SUVs completamente novos que a Volkswagen lançará no Brasil até 2020. O primeiro deles foi o Tiguan Allspace, que já é o segundo SUV premium mais vendido do País, com cerca de 1.000 unidades comercializadas mensalmente. O segundo é o T-Cross.

    Atualmente, os SUVs representam 23,3% do mercado total de automóveis de passeio no Brasil. Considerando o mercado de carros e comerciais leves, estima-se que em quatro anos, de dez unidades vendidas no Brasil, no mínimo três serão SUVs.

    São José dos Pinhais, a fábrica mais moderna da Volkswagen no Brasil - A fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, foi inaugurada em 18 de janeiro de 1999. É uma das mais modernas fábricas do Grupo Volkswagen. Desde a sua inauguração, já produziu mais de 2,6 milhões de veículos.

  • Mercado Pet

    Grupo Akron assume gestão da marca Eukanuba no Brasil

    Grupo Akron assume gestão da marca Eukanuba no Brasil
    Nelo Marraccini Neto, fundador e CEO da Akron (Foto: Divulgação)

    A Akron, grupo brasileiro de alimentação, produtos e acessórios para pets, acaba de assumir, de forma exclusiva, toda a gestão comercial e logística da Eukanuba, marca de alimentos super premium para pets pertencente ao conglomerado americano Mars.

    O portfólio inicial da marca no Brasil será composto por quatro linhas específicas para cães – filhote, adulto, light e sênior – cada uma delas com versões direcionadas para os portes pequeno, médio e grande. Elas podem ser encontradas em embalagens de 1kg, 3kg, 7,5kg e 12kg, totalizando 16 SKUs. Nessa primeira etapa de implantação da marca, a linha para felinos não será contemplada.

    A fabricação dos produtos acontecerá em uma planta da marca francesa Royal Canin, também do grupo Mars, localizada em Descalvado, São Paulo. As linhas serão comercializadas a partir do dia 25 de fevereiro em pontos de vendas especializados e clínicas veterinárias. Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro serão as praças de entrada da Eukanuba, que juntas representam 70% do mercado pet nacional.

    "O Brasil é um dos maiores mercados pet do mundo e, portanto, com grande potencial para o estabelecimento de uma marca super premium e focada em precisão nutricional", explica Nelo Marraccini Neto, fundador e CEO da Akron. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação, em 2017 o setor cresceu 4,95%, consolidando o Brasil como o terceiro maior mercado pet em faturamento global.

    A expectativa é ampliar a operação da Eukanuba para todos os estados do país gradativamente, até o final do ano, além de aumentar as vendas em 50% em um prazo de doze meses.

    A Akron também foi responsável pela implantação da Royal Canin no Brasil e esteve à frente da gestão logística e comercial por mais de 26 anos (entre 1992 e 2018), sendo responsável por posicioná-la na liderança de alimentos super premium. O objetivo é repetir o sucesso com a implantação da Eukanuba.

  • Cooperativismo

    Dirigente do Sicredi é eleito presidente do Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito

    Dirigente do Sicredi é eleito presidente do Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito
    Com exercício até o ano de 2022, João Spenthof foi eleito presidente do Conselho de Administração da Assembleia Geral do Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito (Foto: Divulgação)

    Os dirigentes das principais instituições do cooperativismo de crédito brasileiro estiveram reunidos em Brasília no dia 17 de abril para a realização da Assembleia Geral do Fundo Garantidor das Cooperativas de Crédito (FGCoop). Além da apresentação das demonstrações financeiras, a reunião definiu os nomes que irão compor os conselhos de administração do FGCoop até 2022. Durante o encontro, também foi realizada a plenária do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), na qual foi feito um balanço dos 10 anos da Lei Complementar 130, importante marco para o desenvolvimento do cooperativismo de crédito no Brasil.

    Com exercício até o ano de 2022, João Spenthof foi eleito presidente do Conselho de Administração do FGCoop por unanimidade – Francisco Silvio Reposse Junior (Sicoob) será o vice. Também ficaram definidos os conselheiros titulares de administração da entidade: Celso Ramos Regis (OCB/MS, representando as cooperativas de crédito não filiadas a centrais); Álvaro Jabur (Uniprime, representando as cooperativas de crédito de dois níveis); e José Maria de Azevedo (Unicred). E, ainda, foram escolhidos os conselheiros suplentes: Luis Alberto Pereira (OCB/GO), Leonel Pedro Cerutti (Cecrers), Cledir Assisio Magri (Cresol), Mário Augusto Moura Flores (Unicred), Márcio Port (Sicredi) e José Alves Sena (Sicoob). Outra pauta do dia foi a prorrogação do mandato dos conselheiros fiscais até 2020.

    “Recebo com muita honra e responsabilidade essa atribuição de assumir a presidência do Conselho de Administração do FGCoop. O Fundo tem a função de proteger os depósitos dos integrantes das cooperativas de crédito e equipara nossa segurança com as dos bancos tradicionais, gerando confiança e promovendo a continuidade do crescimento sustentável do Sistema Nacional de Cooperativas de Crédito (SNCC)”, destacou Spenthof.

    Após a assembleia do FGCoop, a reunião teve sequência com a realização da Plenária do Ceco, aberta pelo anfitrião do encontro Marcio Lopes de Freitas, presidente da OCB. O dirigente abriu seu discurso destacando o êxito do trabalho realizado por Bento Venturim na gestão 2016/2019 do FGCoop e saudando o retorno, em 2018, de Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar, à coordenação do Ceco. “O trabalho de Venturim aliou competência com a essência do cooperativismo, que é de fazer as pessoas felizes lá na ponta. A volta de Dasenbrock à coordenação do Ceco retoma um ciclo de 10 anos atrás, quando trabalhamos pela Lei Complementar 130”, ressaltou.

    Ainda durante a plenária, Dasenbrock expôs o trabalho de criação de uma agenda prioritária realizado pelo grupo, com destaque para temas como o relacionamento das cooperativas de crédito com fundos constitucionais e elaboração do Documento de Diretrizes Estratégicas do Sistema Nacional de Cooperativas de Crédito. Também foram apontados alguns dos temas da pauta de 2019 do Ceco, entre eles o aprimoramento da LC 130. “Nos últimos 10 anos, vivemos um avanço muito grande do cooperativismo de crédito e muito disso se deve à conquista da criação da LC 130. Essa trajetória só foi possível pela união de esforços do SNCC e pela relação de parceria e proximidade do segmento com o Banco Central do Brasil”, contextualizou, complementando com a consideração que o Brasil tem hoje um dos melhores ambientes regulatórios para o segmento em âmbito mundial.

  • Tendência de mercado

    Rede Bourbon assina parceria para programa de timeshare

    Rede Bourbon assina parceria para programa de timeshare
    Alceu A. Vezozzo Filho, Presidente da Rede Bourbon (esq) e Olivier Chavy, Presidente Mundial da RCI

    O presidente da Rede Bourbon, Alceu Ântimo Vezozzo Filho, assinou afiliação com a RCI (Resorts Condominiums International), parceira intercambiadora do projeto Bourbon Destination Club, na cidade de Orlando – Flórida (sede mundial da RCI). A assinatura deu-se em conjunto com o Presidente Mundial da RCI, Olivier Chavy.

    A Rede Bourbon entra no mercado de timeshare no momento de maior expansão deste segmento. O Bourbon Destination Club contará com salas de vendas no Bourbon Cararatas do Iguaçu Resort (PR) – a partir de junho e no Bourbon Atibaia Resort (SP) – até o final do ano.

    O Bourbon Destination Club permitirá a aquisição de pontos que darão direito a usufruir de hotéis e resorts Bourbon em um determinado período de tempo. A Rede conta atualmente com 21 empreendimentos espalhados pela América Latina. A pontuação necessária para cada hotel ou resort é variável de acordo com o destino, categoria e período desejado, permitindo férias planejadas e acessíveis o ano todo.

  • INVESTIMENTOS

    Klabin anuncia o maior investimento da sua história

    Klabin anuncia o maior investimento da sua história
    Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin. (Foto: Divulgação)

    Na semana em que completa 120 anos, a Klabin, maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, demonstra mais uma vez a sua capacidade de crescimento e transformação ao anunciar o maior investimento de sua história. Com aporte previsto em R$ 9,1 bilhões, o novo ciclo de expansão compreende a construção de duas máquinas de papel para embalagens (kraftliner), com produção de celulose integrada, que serão instaladas na unidade industrial da companhia no município de Ortigueira (PR), no mesmo site onde está localizada a Unidade Puma, fábrica de celulose inaugurada em 2016. A capacidade total das novas máquinas será de 920 mil toneladas anuais de papéis.

    O Projeto Puma II, como está sendo chamado, será dividido em duas fases, e as obras têm previsão de duração de 24 meses cada uma. A primeira etapa consiste na construção de uma linha de fibras principal para a produção de celulose não branqueada integrada a uma máquina de papel kraftliner, com capacidade de 450 mil toneladas por ano. A segunda contempla a construção de uma linha de fibras complementar integrada a outra máquina de papel kraftliner, com capacidade de 470 mil toneladas anuais.

    “Este é o maior investimento da Klabin em seus 120 anos de história e um importante marco que reforça a competitividade e capacidade de transformação da companhia. Nosso foco em eficiência operacional tem sido essencial para alcançar resultados expressivos e manter os consideráveis investimentos feitos pela empresa nos últimos anos. Com este anúncio, aliamos a nossa essência inovadora à trajetória de sucesso e reforçamos a nossa vocação para o futuro biodegradável, alinhado às tendências globais de consumo sustentável”, declara Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin.

    Durante o pico de obras do Projeto Puma II, cerca de 9 mil postos de trabalho serão gerados e após o início das operações serão 1,5 mil vagas (diretas e indiretas), que beneficiarão a região dos Campos Gerais do Paraná, onde está localizado o município de Ortigueira. As licenças necessárias para a construção do projeto já foram concedidas pelos órgãos responsáveis e o empreendimento tem potencial de geração de ICMS incremental no Estado do Paraná de até R$ 200 milhões por ano, favorecendo o desenvolvimento das comunidades locais. Além disso, haverá impacto positivo na região em função da geração de impostos e negócios, benfeitorias socioambientais e desenvolvimento de infraestrutura.

    “Para a construção da Unidade Puma, uma das mais modernas instalações de celulose do mundo, adotamos as melhores práticas globais de sustentabilidade e tecnologia. No Projeto Puma II não será diferente, continuaremos guiados pela inovação e pelos princípios da indústria 4.0, com o objetivo de continuar oferecendo ao mercado soluções em embalagens cada vez mais eficientes, biodegradáveis, recicláveis, provenientes de fontes renováveis”, ressalta Francisco Razzolini, diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose.

    A produção anual de 1,6 milhão de toneladas de celulose da Unidade Puma continuará abastecendo os mercados interno e externo. Com a inauguração da fábrica, há três anos, a Klabin dobrou a sua capacidade e ampliou sua representatividade na indústria mundial de papel e celulose, tornando-se a única companhia do País a oferecer ao mercado, a partir de uma operação totalmente projetada para essa finalidade, uma solução em celuloses branqueadas de fibra curta, fibra longa e fluff. A Unidade também possui a capacidade de gerar 250 MW de energia elétrica, o que elevou a Klabin à condição de autossuficiente na produção de energia.

  • IMPORTAÇÃO DE PÁSCOA

    Páscoa 2019: importações brasileiras no primeiro trimestre

    Páscoa 2019: importações brasileiras no primeiro trimestre
    O executivo Helmuth Hofstatter (Foto: Divulgação)

    O mês de março de 2019 registrou uma alta nas movimentações de importação brasileira em decorrência do período de Páscoa, conforme dados coletados junto da plataforma SearchX da LogComex.

    A solução desenvolvida pelo time da startup curitibana permitiu ao cliente ter a oportunidade de analisar os produtos importados e exportados, identificar potenciais fornecedores, avaliar preços, origens, destinos e a classificação fiscal.

    Itens como chocolates e peixes congelados são os que tiveram maior crescimento no número de pedidos. Acompanhe o desempenho do país com números inéditos do mercado a seguir, apresentados por Helmuth Hofstatter, executivo que desenvolveu sua carreira profissional sempre ligado a empresas que atuam no segmento do Comércio Exterior, especificamente ligadas à logística internacional, e que criou a tecnologia que serviu de base para a LogComex, hoje uma das startups que mais cresce e revoluciona o Comércio Exterior Brasileiro:

    Chocolate

    No primeiro trimestre de 2019, as importações em chocolate somam 4.996 itens ao todo, sendo 2.179 itens apenas no mês de março. São 6.953.369,60 unidades comercializadas das marcas Milka, Hershey, M&M, Ferrero e Nestle, por ordem de preferência.


    Peixes

    Peixes, crustáceos e moluscos registraram aumento no número de pedidos no mês de março de 2019. O bacalhau dessalgado está entre o mais importado pelos brasileiros, com 33,3% do percentual de pedidos. Outro ponto destaque na importação é o frete, totalizando 1.344.696,52 USD.

    A movimentação de item também está no assunto modal de transporte. Os chocolates são importados majoritariamente pelo modal aéreo (51,1%), com o aeroporto Internacional do Rio de Janeiro como principal na unidade de desembaraço. Já com os peixes congelados, a preferência é pelo modal marítimo (59,7%), com desembaraço pelo Porto de Santos. O uso de containers é justificado pela necessidade de refrigeração ao longo do transporte para garantir higiene e segurança na entrega da mercadoria.

    Estes são alguns dados referentes ao período de Páscoa 2019 gerados pela LogComex. E você também pode ter acesso com o módulo SearchX, focado na análise de mercadorias importadas. Clique aqui e saiba como nossa plataforma pode ajudar você a revolucionar o Comércio Exterior.

  • E-COMMERCE

    Comércio eletrônico deve faturar R$ 3,3 bilhões no Dia das Mães

    Comércio eletrônico deve faturar R$ 3,3 bilhões no Dia das Mães
    Mauricio Salvador, presidente da ABComm (Foto: Divulgação)

    O comércio eletrônico espera faturar R$ 3,3 bilhões no Dia das Mães. A expectativa é da ABComm, associação que representa o setor. De acordo com a entidade, esse montante é 16% superior ao movimentado na mesma data do ano passado. A previsão considera as vendas realizadas no período de 15 de abril até 11 de maio. Segundo o estudo, o número de pedidos realizados pela internet será de 9,81 milhões, com o tíquete médio de R$ 345.

    As categorias mais procuradas para a data são as de moda, cosméticos, eletrodomésticos, flores, além de artigos de casa e decoração, indicando os setores que possuem maior possibilidade de aumentar o faturamento. Ainda segundo a ABComm, esse aumento se deve ao reaquecimento da economia, queda no câmbio e a retomada da confiança do consumidor.

    De acordo com Mauricio Salvador, presidente da ABComm, seguindo as demais datas sazonais, que vem apresentando resultados positivos no ano, o Dia das Mães deve também seguir no mesmo caminho. "Sendo uma data de tradicional relevância, as lojas vão preparar ações, ofertas e condições melhores para os consumidores", afirma.

  • Incertezas do mercado

    Confiança dos pequenos negócios na economia do país apresenta queda

    Confiança dos pequenos negócios na economia do país apresenta queda
    Paulo Jorge, analista de Gestão Estratégica do Sebrae. (Foto: Divulgação)

    O índice de otimismo dos empreendedores quanto aos rumos da economia brasileira caiu cerca de 10 pontos percentuais nos primeiros três meses de 2019, mas a confiança dos donos de micro e pequenos negócios continua em alta. É o que mostra a Sondagem Conjuntural feita pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), entre os últimos dias 25 de fevereiro e 11 de março. O estudo aponta que 69,6% dos empresários entrevistados estão acreditando na recuperação do país, contra 79,5% apontado na pesquisa de dezembro, quando foi feito o último levantamento. Entre esses empresários, o principal motivo apontado para serem otimistas foi a confiança no crescimento econômico do Brasil com o novo governo. 

    “A mudança no governo , aliada ao novo ano, elevou muito a expectativa dos empresários de pequenos negócios em dezembro, quando foi realizada a última sondagem. É natural que o percentual de otimistas apresente queda suave, após os primeiros meses do governo”, avalia o analista de Gestão Estratégica do Sebrae, Paulo Jorge. “Ainda assim, registramos o segundo maior índice de otimismo da série histórica e verificamos que a intenção de contratação de mão de obra, por parte dos empreendedores permanece alta”, pondera.

    A marca de 79,5% de empreendedores otimistas, verificada em dezembro, foi a maior já registrada desde junho de 2017, quando a pesquisa começou a ser feita pelo Sebrae. O levantamento, feito trimestralmente, tem como objetivo conhecer as expectativas dos donos de pequenos negócios em relação à economia brasileira e ao seu próprio empreendimento. A Sondagem conjuntural ouviu 2.992 Microempreendedores Individuais (MEI), empresários de Micro e Pequenas Empresas (ME) e donos de Empresas de Pequeno Porte (EPP). Mais da metade deles (68,5%) se mostraram bastante otimistas com relação à melhora do faturamento de sua empresa em 2019, apesar da queda de quase 9 pontos percentuais em relação a dezembro de 2018. Os que acreditam que a situação vai ficar como está, somaram 22,5%, índice maior do que ano passado, que era 16,8%, enquanto que os pessimistas cresceram de 3,3% para 6,8%.

    A última pesquisa indicou que 81,5% dos donos de pequenos negócios otimistas avaliam que a economia do país vem dando sinais de recuperação, 60% dos entrevistados já constataram aumentos de vendas, enquanto 54,7% disseram que o emprego está aumentando. Apesar disso, o percentual de empresários que pretendem contratar funcionários em 2019 foi de 32,1%, praticamente igual ao do final do ano passado: 32,4%. Conforme a Sondagem Conjuntural, isso ocorrerá principalmente em EPP dos setores ligados à Indústria e à Construção Civil. Em contrapartida, os que devem enxugar seus quadros subiram de 2,8% para 4,8%. Para resolver o problema de mão-de-obra, os empreendedores continuam com a mesma percepção de que é melhor contratar pessoas inexperientes e capacitá-las na própria empresa: 80,4%.  

    Principais pontos da Sondagem Conjuntural

    • Após o ápice das taxas de otimismo dentre os empresários em dezembro de 2018, motivados especialmente pela expectativa com o novo governo, o estudo mostra uma queda nos índices de 79,5% no ano passado para 69,6% em 2019.
    • Cerca de 70% dos empresários acreditam que tanto a economia, quanto o faturamento de sua empresa e o seu próprio negócio como um todo tendem a melhorar nos próximos meses.
    • A expectativa positiva em relação ao novo governo segue sendo o motivo mais citado por aqueles que acreditam na melhoria da economia do país.
    • Dentre os entrevistados, cerca de 9% estão pessimistas, avaliando que a economia tende a piorar e o principal motivo são os altos índices de desemprego.
    • Mais de 30% dos entrevistados afirmam que pretendem contratar funcionários este ano, enquanto que 5% devem demitir.
    • Cerca de oito a cada 10 empresários optam por contratar pessoas inexperientes e treiná-las na própria empresa. 

  • Endoculture

    TW completa 10 anos e anuncia novo posicionamento

    TW completa 10 anos e anuncia novo posicionamento
    Rogério Pinheiro, CEO da TW (Foto: Divulgação)

    A TW, especializada na tangibilização de cultura de marcas, completa 10 anos e anuncia seu novo posicionamento. Além de criar e executar ações relacionadas à comunicação corporativa, endomarketing, endobranding e live marketing, é pioneira em Endoculture, uma metodologia criada pela agência que integra diversos momentos da construção do legado cultural das marcas.

    “Cada marca é constituída de uma cultura corporativa e seus atributos quase que necessariamente permeiam por entre seus produtos e serviços. O fato é que, nos dias de hoje, é muito importante que os stakeholders percebam congruência no que a empresa evidentemente entrega, com o que ela realmente acredita e pratica. A metodologia do Endoculture integra desde a definição das crenças e valores da marca até a entrega de seus produtos e serviços, garantindo que estes atributos sejam percebidos e verdadeiros em toda a cadeia de desenvolvimento, em especial, para as pessoas que nela participam”, explica o CEO da TeamWorker, Rogério Pinheiro.

    A estratégia, que já conquistou grandes nomes, como Itaú Unibanco, Mapfre, Votorantim, ESPN, BRF, AES, Citibank, Claro, Net, Totvs, entre outras, parte do tratamento das demandas das marcas em sete pilares, que determinam o nível de maturidade e aderência entre discurso e prática de seus atributos culturais. Entre eles estão a descentralização, que estimula menos ‘hierarquia’ e mais ‘pessoas’; o encantamento; a representatividade no quadro de funcionários e parceiros e a responsabilidade social compartilhada.

    Na prática

    Como resultado, a TeamWorker tem no portfólio campanhas como a “Somos gente que entende gente”, do Itaú, voltada para o público de atendimento ao cliente do banco, que começou em setembro e já impactou quase 40 mil pessoas, entre o público da Central e os colaboradores da rede social do banco. 

    “Os próprios colaboradores são os protagonistas neste case, pois eles são o primeiro contato com o cliente do banco, são quem entende a ‘dor’ de cada pessoa e auxilia. Fizemos a campanha com uso de fotos dos colaboradores, depoimentos, histórias e elogios reais de clientes a eles. O resultado foi muito expressivo. Os colaboradores ficaram encantados com o reconhecimento, tanto do banco com eles, como dos clientes que enviaram elogios para os times, e, voluntariamente, levaram a campanha para suas redes sociais, onde despertaram ainda mais o orgulho de pertencer a empresa. Sucesso!”, comemora Caê Barbosa, VP de Atendimento da TW.

    Outro exemplo, foi o trabalho de endoculture desenvolvido para a Youse. “A TW foi acionada e iniciamos um trablho para entender como a marca era vista pelos atendentes, pelos clientes, entender o que era comunicação e o que era realidade, onde esses pontos se tocavam e onde havia espaço para trabalharmos. Fizemos diversas reuniões de imersão, com atendentes e com clientes. Usamos o IDEATORS, metodologia exclusiva do grupo TW, e que mais uma vez não falhou”, lembra o diretor criativo Mateus Oazem. “Ao apresentarmos os resultados para área de marketing, atendimento e cultura foi como se tivéssemos desnudado completamente a empresa - ação por ação. Criamos um roadmap de ações corporativas para fortalecer a cultura e entregamos um manual com todos os valores, sua importância e seus comportamentos”, complementa.

    “Com a Youse encontramos uma oportunidade de fazer o que amamos: ser parte da cultura corporativa, conseguir olhar aquela lista de valores e missões e transformar em ações da rotina de todos”, enfatiza Rogério Pinheiro.

    Mulheres pelo Coração, uma campanha voltada para a área da saúde criada para a Fundación Mapfre; uma pesquisa de engajamento criada para a Suzano – Papel e Celulose, com audiência de 93%; a Campanha IR Instituto Votorantim, de arrecadação de doação de um percentual do IR para causas sociais, que atinge todas as empresas do grupo, também estão entre os cases de endoculture liderados pela TeamWorker.

    Democrático

    Além do briefing do cliente e das pesquisas pertinentes, os oito passos do checklist de Endoculture determinam o índice de eficiência e eficácia que se deve constituir em cada atividade de comunicação, potencializando toda a estratégia de valor. “O Endoculture é totalmente democrático. A comunicação é dirigida à particularidade de cada marca, independentemente, inclusive, do seu tamanho. É possível entender a necessidade e até mesmo descobrir a viabilidade de comunicar com o que a marca já tem em seu ecossistema, possibilitando economia e uma entrega eficaz. O resultado não precisa ser necessariamente uma campanha, pode ser uma estratégia. O importante é que a entrega seja efetiva e atinja ou supere os resultados esperados”, explica Pinheiro.

    A TW já é considerada uma das melhores agências de endomarketing, endobranding e comunicação do país. Seu perfil multidisciplinar de estratégia, design e experiências já ajudou a construir mais de 20 marcas fortes, com a fidelização de grandes nomes, como o Itaú, presente na carteira da agência desde seu primeiro ano de atividades. Outros detalhes: www.teamworker.com.br

  • Artigo

    OPINIÃO S/A - Contratação da alta gerência de tecnologia: qual o impacto para o negócio?

    OPINIÃO S/A - Contratação da alta gerência de tecnologia: qual o impacto para o negócio?
    Paulo Exel, diretor de operação da Yoctoo (Foto: Divulgação)

    Por Paulo Exel

    Tomar a decisão de mudar a gestão empresarial e fazer uma substituição na alta gerência é uma tarefa complexa, que exige grande empenho e análise de cenários. Quando o assunto é fazer uma alteração desse peso, na área de tecnologia, quanto mais próxima a estratégia do negócio a área estiver, mais delicada e arriscada é a mudança. Para que o processo de substituição seja assertivo e não acarrete em dados para a empresa é preciso considerar inúmeros fatores e é sobre eles que gostaria de discorrer nos próximos parágrafos.

    Quando um processo de contratação se inicia temos que levar em consideração se a motivação para mudança do profissional é gerada pelo indivíduo, que espontaneamente deseja deixar o cargo, ou se é motivada por decisão da empresa. Essa análise é feita em todos os níveis hierárquicos, mas em cargos executivos ela é determinante para a estratégia de recrutamento.

    Quando a substituição é uma demanda corporativa, o planejamento, assim como a execução devem ser detalhados para prever os riscos e gerenciar as expectativas. As empresas são organismos vivos que estão em constante desenvolvimento e esse progresso é pautado por mudanças. Em muitos casos reposicionar a alta gerência é uma transformação necessária para o crescimento. Antes de traçar um plano de ação e avaliar os riscos de contratar para essa cadeira, é importante a empresa descobrir  qual necessidade será atendida ao efetuar essa demanda de substituição.

    Em alguns casos a performance do profissional, ou seja, a qualidade e a quantidade dos resultados que são entregues pela gestão dele, é um motivador grande o suficiente para gerar a demanda de substituição. Entretanto, a performance não é o único fator responsável. Em alguns casos a mudança necessária para a empresa continuar crescendo são habilidades comportamentais, como por exemplo, habilidade de liderança e de motivar pessoas ao engajamento com os projetos e entregáveis.

    Independente dos motivos ou dos gatilhos para a mudança, o impacto na organização é real em menor ou maior grau. Quando falamos de contratação para áreas executivas estamos falando basicamente sobre decisões de gestão e liderança de pessoas. A alteração na cadeira precisa avaliar o quanto a mudança vai impactar na estrutura da empresa. De maneira clara, o quanto uma mudança de executivo pode abalar as estruturas da operação, o engajamento das pessoas e se a transição do líder pode levar a empresa a perder profissionais que são vitais para a operação.

    A partir dessa reflexão, a empresa precisa buscar executivos que preencham a atual demanda em termos de habilidades técnicas e de comportamento e principalmente o match com os valores e estratégia de longo prazo, quanto mitigar os riscos dessa transição. Olhando especificamente para o impacto da substituição em cadeiras de tecnologia, ou em empresas de tecnologia, a conta é bem simples de ser feita. Quanto mais próximo do core business a tecnologia estiver, maior o risco para o negócio, portanto, melhor e mais bem planejada deve ser essa transição.

    É importante dizer que algumas empresas ao avaliarem os riscos de uma substituição desistem. Esse é um erro particularmente inocente já que a desistência leva em consideração o quanto a adaptação para a nova gerencia pode custar, mas raramente, considera-se qual o custo de ter a pessoa errada nas decisões, ou ainda as perdas que uma operação parada ou mal gerenciada pode acarretar.

    As consultorias em recrutamento e seleção, especializadas em tecnologia, podem ser um ótimo aliado nesse momento. Elas não só conferem confidencialidade e discrição no trabalho, mas também contribuem agilidade bem como olhar clínico especializado sobre habilidades mais requisitadas e novas tendências de mercado. Essa visão especializada muitas vezes entende melhor as demandas da empresa e acaba por torna-se assertiva na hora de recrutar para a posição. Outro fator importante para ser levado em conta nessa decisão é a de que o risco de uma contratação errada geralmente está embutido nesse trabalho, uma vez que elas oferecem garantias nos casos de não adaptação ou desistência dos profissionais indicados e contratados por meio delas.

     

    Paulo Exel é diretor de operação da Yoctoo, formado em Administração de Empresas, possui MBA executivo em Gestão de Negócios e tem certificação em coaching. Exel tem mais de 10 anos de experiência no recrutamento especializado nas áreas de Tecnologia, Digital e Vendas.

  • Nova Presidência

    Kawasaki Motores do Brasil tem novo presidente

    Kawasaki Motores do Brasil tem novo presidente
    Naoki Kawaguchi, novo presidente da Kawasaki Motores do Brasil (Foto: Divulgação)

    O executivo japonês Naoki Kawaguchi acaba de assumir a presidência da Kawasaki Motores do Brasil. Desde 1994 na Kawasaki Heavy Industries, teve passagens pelos departamentos de Engenharia, Produção e Planejamento de Vendas no Japão e Vice-presidência de Engenharia na Tailândia.

    "Estou feliz e honrado em poder dar minha contribuição à Kawasaki Motores do Brasil. Assumo este cargo num momento muito importante, pois a empresa acabou de ultrapassar a meta de vendas no País no fechamento de nosso ano fiscal. Juntamente com uma esperada recuperação gradual da economia brasileira, acompanhamos um movimento positivo no segmento de duas rodas e acreditamos que esta combinação nos possibilitará melhores condições comerciais, e a oportunidade de oferecer nossos produtos a cada vez mais brasileiros", comenta o executivo.

    A Kawasaki Motores do Brasil, que completou 10 anos de atuação no mercado nacional no ano passado, conta atualmente com mais de 230 colaboradores, atuando na planta industrial em Manaus (AM), no escritório de São Paulo e no Centro de Treinamento em Barueri (SP). Possui 33 concessionárias em 29 cidades e uma linha de produtos com mais de 30 motocicletas, incluindo modelos e suas versões.

  • tecnologia

    Stadia: como será o mercado mundial de videogames com anúncio do Google

    Stadia: como será o mercado mundial de videogames com anúncio do Google

    No dia 19 de março, o Google lançou uma plataforma chamada Stadia. Em linhas gerais, esta plataforma fará o streaming (ou transmissão) de jogos de videogame, permitindo que os mesmos sejam jogados em tempo real em qualquer dispositivo conectado à internet, seja ele um computador, um tablet, um telefone celular ou uma smart TV. O funcionamento é parecido com o Netflix, pois basta abrir um navegador e entrar no Stadia, e ao clicar num jogo, o mesmo quase que instantaneamente aparece na tela e o jogador pode começar a partida. Por ser integrado ao Youtube, a transmissão do jogo ou a sua gravação pode ser feita apenas apertando-se um botão no controle. A qualidade da transmissão chegará a 4k e 60 quadros por segundo, com planos no longo prazo de transmissão a 8k e 120 quadros por segundo. Com isto o Google entra no mercado mundial de videogames que movimenta em torno de meio trilhão de reais por ano.

    No entanto, a entrada do Google neste mercado representa muito mais do que mais um concorrente de peso na indústria. Ela promete provocar mudanças profundas na indústria que está atualmente na oitava geração de consoles de videogames, e que se iniciou com um protótipo feito por Ralph Baer em 1966 que permitia que se controlasse uma bolinha, ou melhor, um quadrado, pela tela de uma TV. Um primeiro impacto imediato é que os jogadores não dependerão mais de aparelhos de videogames sofisticados ou de placas de vídeo com aceleração em seus computadores para a geração de gráficos sofisticados, dado que o Stadia realiza todo o processamento pesado nos servidores do Google e realiza a transmissão via tecnologia de streaming, análogo ao que o Netflix faz para transmitir seus vídeos, em resposta aos comandos feitos pelo jogador que são transmitidos para seus servidores. Isto pode tornar o mercado de consoles obsoleto. Apesar de não ser uma ideia exclusiva do Google, pois a Microsoft vem trabalhando num projeto similar chamado xCloud, uma comparação entre a cobertura mundial e o poder computacional disponível entre os datacenters da Microsoft e do Google, bem como a diferença entre participação de mercado entre os navegadores de cada empresa, aumentam as apostas nas vantagens potenciais do Stadia.

    O segundo impacto é que com esta tecnologia, o Stadia pode mudar a distribuição e comercialização dos jogos. De uma forma análoga ao que aconteceu com os mercados de música e filmes, o Stadia pode oferecer um serviço de assinatura. Assim, os jogadores pagam uma taxa mensal e usufruem os jogos disponíveis na plataforma. Tal como aconteceu com a Blockbusters, isto pode tornar empresas como a GameStop algo do passado. Com isto, o custo de distribuição de jogos muda radicalmente. Alternativamente, seguindo o modelo de negócios tradicional do Google, o serviço poderia até mesmo ser gratuito, aproveitando-se do número de horas que os jogadores passam em frente das telas e do nível de atenção empregado por eles, para veicular propagandas.

    Não apenas o custo de distribuição, mas o custo de desenvolvimento de um jogo pode ser impactado. Ao longo das gerações o custo de desenvolvimento de um novo jogo cresceu exponencialmente, aumentando a barreira de entrada e de permanência de várias empresas produtoras de excelentes jogos no mercado. Agora, ao invés do custo decorrente da curva de aprendizado de desenvolvimento de jogos para diversas plataformas (mesmo levando-se em conta os ambientes de desenvolvimento multiplataforma), as empresas podem desenvolver para apenas uma plataforma com baixo risco de perder a audiência, visto que qualquer dispositivo com um navegador de internet habilita um usuário a usufruir o jogo.

    De fato, em 2013, uma pesquisa no MIT sobre a dinâmica de competição entre as plataformas de videogame ao longo das sete primeiras gerações feita pelo pesquisador brasileiro Alexandre Moreira Nascimento, orientado pelo renomado economista Robert Pindyck, apontou que há algumas gerações de videogame nenhuma plataforma estava realmente atingindo a condição de soberania, tal como ocorreram nas primeiras gerações. De fato, plataformas como o Atari 2600, garantiram a soberania durante um período, algo que não acontece hoje, até porque o teor dos jogos atraiu uma audiência maior e de pessoas mais velhas, e o custo dos consoles caiu significativamente diante do poder de compra dos usuários, fazendo com que muitos usuários possam ter alguns consoles da mesma geração. Além disto, a importância da plataforma também veio caindo pela diminuição dos títulos de jogos que eram exclusivos para cada plataforma e que hoje são geralmente multiplataformas. O mesmo estudo previu seis anos antes que uma tecnologia similar ao Stadia poderia aparecer no futuro.

    Para desenvolver esta plataforma os engenheiros do Google tiveram que superar alguns desafios tecnológicos importantes. Dentre os quais, permitir que qualquer dispositivo com baixo poder computacional fosse capaz de oferecer praticamente a mesma qualidade de experiência em jogos de última geração, e, tudo isto sendo feito de forma interativa com cada usuário, oferecendo respostas aos comandos de cada jogador em tempo real. De acordo com Alexandre, atualmente pesquisador no Lawrence Berkeley Lab, na Califórnia, o desenvolvimento desta tecnologia tem o potencial de provocar impactos importantes muito além da indústria de games.

    Uma primeira aplicação que deve sofrer impacto, além da indústria de videogames, é a de realidade virtual. De fato, a tecnologia resolve os principais empecilhos para a sua adoção, que atualmente são a elevada demanda por recursos computacionais gráficos locais, dificuldade de set-up e o consequente elevado custo destes dispositivos.  Em pouco tempo, qualquer dispositivo barato poderá ter de enviar as informações de movimentação para os servidores de um serviço como o Stadia e receberá informações gráficas em alta resolução para simular o ambiente de imersão. Isto pode finalmente viabilizar uma adoção da tecnologia de realidade virtual numa escala muito maior. Como consequência disso, podem-se esperar impactos na educação, como a utilização de ambientes imersivos para a educação à distância, bem como na telemedicina.

    De acordo com Anna Carolina Muller Queiroz, brasileira que pesquisa na universidade de Stanford, na Califórnia, o uso de realidade virtual e ambientes imersivos na educação, este modelo de plataforma poderá em breve permitir a interação de diversos usuários simultaneamente num ambiente de realidade virtual. A realidade virtual tem se mostrado uma opção bastante interessante para o aprendizado de conteúdos que requerem treino de habilidades motoras e também de conteúdos complexos. Por exemplo, diversos times de futebol americano estão utilizando realidade virtual para que os jogadores possam treinar as jogadas sem a necessidade de treino em campo. Com a implantação de realidade virtual para esse treinamento, os times têm relatado melhor performance dos jogadores, bem como redução nas lesões físicas decorrentes dos treinos em campo. Ainda, com a expansão dos cursos à distância, este modelo de plataforma irá permitir a criação de salas de aula imersivas em realidade virtual, nas quais os alunos poderão interagir em tempo real com os professores e colegas em um ambiente virtual imersivo.

    Por fim, ao reduzir a dependência de capacidade de processamento no dispositivo do usuário, a tecnologia aumenta a dependência por conectividade de baixa latência, principalmente nos casos de jogos que exigem que os comandos dos usuários cheguem rapidamente aos servidores e as respostas sejam devolvidas em intervalos de tempo curtos e com baixa latência. Isto impactará as empresas de telecomunicação provendo acesso à internet, e, aumentará a demanda por uma internet sem fio de baixa latência e elevada confiabilidade, ou seja, pela tecnologia 5G. Isto poderá acelerar a implantação da tecnologia em grande escala, viabilizando a disponibilidade do 5G para outras aplicações, como por exemplo cidades inteligentes e carros autônomos. Em carros autônomos, a tecnologia pode ser utilizada como mecanismo de segurança crítica oferecendo redundância no reconhecimento de objetos e tomadas de decisões, resultando em redução do risco de acidentes e colisões no trânsito, como os acidentes recentes que ocorreram com Teslas.

    Alexandre Moreira Nascimento - É consultor e pesquisador em Inteligência Artificial e Dispositivos Autônomos Inteligentes, com ênfase em aplicações em negócios e educação. É pesquisador visitante na Universidade de Stanford e no Lawrence Berkeley Lab, em Berkeley, laboratório com orçamento anual de U$1Bi. Além da formação em engenharia mecatrônica pela Escola Politécnica da USP, possui um extenso currículo que inclui formações no MIT, FEA-USP, FGV e Escola Paulista de Medicina, bem como especializações nas Universidades de Harvard, Berkeley e MIT. Fundou várias empresas baseadas em aplicações de tecnologias inovadoras tanto no Brasil como no Vale do Silício (Califórnia), onde reside atualmente. 

    alexandremoreiranascimento@alum.mit.edu

    Anna Carolina Muller Queiroz - É pesquisadora sobre o uso de tecnologias na educação, dentre elas realidade virtual, aumentada e mista. Ela é doutoranda no programa de Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Universidade de São Paulo (USP) e atualmente é pesquisadora no laboratório Virtual Human Interaction Lab na Universidade de Stanford. Ela é membro do comitê científico do projeto “Planetary Health” da Universidade de Edimburgo, contribuindo para o desenvolvimento de soluções que contribuam para a saúde por meio de mídias inovadoras.

    Além do mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem (USP), ela possui pós-graduação em Administração de empresas pela FGV e em Medicina comportamental pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), bem como várias especializações na área de Aprendizagem (Harvard e Stanford - EUA).

    Anna Carolina já recebeu diversos prêmios por seu desempenho empreendedor e acadêmico, como o prêmio “Jovem Empreendedor” do Sebrae/Adetec e melhor artigo científico no Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Autora de livros em Educação e Psicologia, ela é professora com mais de 10 anos de experiência no ensino superior. Atualmente ela é membro de grupos de pesquisa associados às Universidades de São Paulo, Harvard, Edimburgo e Stanford.

    acmq@stanford.edu

  • McDonald’s participa pela 11ª vez da Hora do Planeta e reafirma compromisso com o meio ambiente

    Preocupação clara dos consumidores em esfera global, o desenvolvimento sustentável é um dos temas prioritários para o McDonald’s há vários anos. Planejar mudanças que reduzam o impacto no meio ambiente tem norteado decisões importantes da empresa, como a redução da emissão de gases de efeito estufa. Neste sábado (30), a companhia reforça seu compromisso e parceria de mais de 10 anos com a WWF e participa da “Hora do Planeta” apagando por uma hora as luzes externas dos mais de 900 restaurantes no Brasil.

    “Atitudes como esta reforçam nosso compromisso com o desenvolvimento de ações que promovam impactos positivos na sociedade. No Brasil, temos projetos importantes para reduzir o impacto do negócio no meio ambiente, a partir de iniciativas como: uso de embalagens 100% certificadas, separação dos resíduos gerados nos restaurantes, compra de carne advinda de regiões de manejo sustentável, educação para o Desenvolvimento Sustentável, entre outros. Somos líderes do segmento de serviço rápido de alimentação e entendemos que é nosso dever agir frente à de alguns dos maiores desafios ambientais da atualidade.” afirma Leonardo Lima, Diretor de Desenvolvimento Sustentável do McDonald’s no Brasil.

    Com metas globais e locais, a empresa trabalha dentro de uma política interna chamada “Escala para o Bem”, que usa toda a força, tamanho e alcance da marca para impulsionar o progresso onde é mais relevante. No país, alguns dos principais compromissos envolvem reciclagem de resíduos, compra e estimulo a produção de carne sustentável, redução do consumo de energia e água, apoio e execução de projetos de economia circular, projetos para o emprego juvenil e nutrição infantil.

    Principais iniciativas:

     

    ü  A companhia se comprometeu a diminuir em 36% as emissões de gases de efeito estufa até 2030, além de 20% em toda sua cadeia de suprimentos dentro do mesmo período. Ao todo, serão 11 milhões de toneladas de CO2 que não alcançarão a atmosfera, equivalente ao impacto da plantação de 3 bilhões de árvores, ou 25 milhões de carros fora das ruas e estradas;

     

    ü  Há cerca de quatro anos, os restaurantes da rede inaugurados no Brasil são equipados com luzes de tecnologia LED. Com isso, a economia de energia elétrica na iluminação dos restaurantes chega a 40%. A empresa também adota o uso de painéis solares que aquecem a água para limpeza de equipamentos, assim como películas transparentes nos vidros que ajudam a reter o calor, reduzindo o uso do ar-condicionado;

     

    ü  Através de projetos de otimização do uso da água, há captação e armazenamento da água da chuva para reutilização nas partes internas e externas dos restaurantes, como na lavagem de pisos, descargas, limpeza e rega de jardins. A redução do consumo de água com esse sistema chega a 50% do total, além do uso do líquido de condensação dos equipamentos de ar-condicionado;

    ü  O McDonald’s tem um compromisso global de adotar estratégias sustentáveis para embalagens e recicláveis até 2025, que inclui que 100% das embalagens sejam provenientes de fontes renováveis ou certificadas – no Brasil a meta já foi alcançada;

     

    ü  Como um dos associados ao CEMPRE (Compromisso Empresarial para a Reciclagem), a empresa soma esforços para a diminuição de resíduos de uma maneira geral, como a reciclagem de embalagens e óleo de cozinha usados nos restaurantes;

     

    Para conhecer mais sobre os compromissos do McDonald´s no Brasil, acesse www.mcdonalds.com.br - Desenvolvimento Sustentável.

     

    Sobre a Arcos Dorados

     

    A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo, tanto em vendas totais do sistema como em número de restaurantes. A Companhia é a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe, com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios, incluindo Argentina, Aruba, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curaçao, Equador, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, St. Croix, St. Thomas, Trinidad & Tobago, Uruguai e Venezuela. A Companhia opera ou franqueia mais de 2.180 restaurantes McDonald’s com mais de 90.000 funcionários e é reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar no América Latina. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO).  Para saber mais sobre a Companhia visite a seção de Investidores de nosso site: www.arcosdorados.com/ir

  • educação

    JRD Logística de Marketing investe na formação de seus funcionários oferecendo bolsas de estudos

    A JRD Logística de Marketing está completando quatro anos de um projeto especial de apoio aos estudos de seus colaboradores. A empresa oferece bolsas para o pagamento de 50% de mensalidades de cursos de graduação e pós-graduação, uma ação pouco realizada e incentivada em PME (pequenas e médias empresas), por isso, muito importante.

    Desde o início, em 2015, o Programa de Bolsas de Estudos JRD já beneficiou 21 funcionários. Atualmente, sete colaboradores recebem bolsas para ajudar a pagar seus cursos. Esse número representa 10% do total do quadro de contratados da empresa.“Acreditamos que a educação é a única forma sustentável de combater as desigualdades e capacitar as pessoas com conhecimentos e habilidades para um futuro melhor, tanto individual quanto coletivamente. A educação formal é um grande passo na geração de desenvolvimento para as pessoas e para o país”, afirma Daniel Paschoal, diretor administrativo da JRD.

    Uma das beneficiadas foi a colaboradora Nathália Aparecida da Silva, que trabalha na empresa desde 2013. Com apoio das bolsa de estudos da JRD, ela pode iniciar e concluir os quatros anos do seu curso de Ciências Contábeis.“A JRD abre portas muito grandes para todos os funcionários através de diversos projetos, como a bolsa de estudos. Vai de cada um aproveitar a oportunidade gerada e alcançar seu sonhos e objetivos. Sou extremamente grata por todas as oportunidades que tive e venho tendo dentro da empresa, tanto para meu crescimento profissional como pessoal “, revela Nathália, que iniciou como estagiária e, atualmente, é gerente de projetos da JRD.

    Paschoal revela que a JRD desenvolve o projeto de bolsas de estudo porque acredita na criação de oportunidades iguais para todos e na formação de profissionais competitivos. “Estamos dando nossa contribuição na evolução e consolidação da carreira de nossos funcionários e colaborando na formação de um país mais justo e desenvolvido”, conclui.

    Umas das 100 Pequenas e Médias Empresas que mais crescem no Brasil, segundo ranking publicado pela revista Exame, a JRD Logística de Marketing trabalha com a distribuição de material promocional e soluções nos pontos de venda de grandes empresas do Brasil, como McDonald’s, Grupo Boticário e Volvo, sendo responsável pelo armazenamento, transporte e distribuição, montagem de kits promocionais e planejamento logístico. A empresa também realiza a logística de eventos, com a instalação de displays e quiosques, positivação em pontos de venda, entre outros serviços.

     

  • liderança

    A ascensão das mulheres em cargos de liderança

    A ascensão das mulheres em cargos de liderança
    Lívia Fernandes, Diretora de Operações do McDonald’s Brasil (Foto: divulgação)

    A importância da mulher no mercado de trabalho é um tema que tem conquistado espaço nos últimos anos. No entanto, o assunto continua extremamente atual com a proximidade da data que mais ilustra a força feminina no mundo – o Dia Internacional da Mulher, celebrado hoje, dia 8 de março.“O dia da mulher vai muito além da data, é uma jornada para conquistar seus objetivos pessoais e coletivos e o merecido espaço de relevância no mercado de trabalho. Temos a honra de ser um exemplo em ações que reconheçam a força e a presença da mulher”, afirma Marcelo Nóbrega, Diretor de Recursos Humanos do McDonald’s.

     

    Na empresa, essa jornada feminina para alcançar posições de destaque se mostra cada vez mais efetiva e cerca 60% dos cargos de liderança nos restaurantes são ocupados por elas. Dentro da rede McDonald's o plano de carreira é apresentado desde o início - que, para muitos, significa o primeiro emprego. Prova disso é o número elevado de Gerentes que começaram na função de Atendentes de Restaurante e foram se desenvolvendo ao longo do tempo, crescendo diversas posições, o que significa que todos têm a mesma importância e chances de crescimento.

     

    Exemplo dessa realidade, Lívia Fernandes, Diretora de Operações do McDonald’s Brasil, é responsável por 450 restaurantes e 15.000 colaboradores. Lívia começou na companhia com apenas 15 anos, como Atendente. Atualmente, há 27 anos na empresa, ela acumula passagem por diversas funções, uma graduação em Marketing e muita história para contar - principalmente dos tempos em que trabalhava todos os dias no restaurante. Desde o segundo semestre de 2018 ocupa o cargo de Diretora, posição que conquistou por meio de muita dedicação e estudo.

     

    Confira abaixo os principais conselhos de Lívia para o sucesso na carreira:

     

    Hoje nós temos algumas mulheres que são referência no mundo dos negócios. O que você pensa sobre isso? Você já passou por um grande desafio por ser mulher?

    Eu fui promovida à Gerente de Operações sete meses depois que minha segunda filha nasceu e um mês depois que voltei de licença. Era a oportunidade que eu mais queria na vida e precisei me organizar para dar conta destes dois momentos tão importantes ao mesmo tempo. E eu consegui. Ser mulher é poder tudo: trabalhar, ser mãe, viajar, liderar uma equipe. Somos extremamente competentes, fazemos bem feito e conseguimos resultados duradouros quando nos dedicamos. Hoje, das 15 mil pessoas que estão abaixo do meu “guarda-chuva”, na gerência das unidades, 60% são mulheres. E são mulheres guerreiras, que estão à frente de negócios grandiosos. O restaurante da rede que mais vende no Brasil, por exemplo, é comandado por uma mulher.

     

    O que te inspirou a se tornar quem você é hoje na empresa?

    As pessoas sempre me inspiraram. Aqui nós lidamos com pessoas de diferentes perfis e realidades: que moraram na rua, que não têm uma geladeira em casa, que fazem sua principal refeição no McDonald’s. É tão bom poder ajudar a desenvolve-las, vê-las crescendo, mudando de vida. E tudo o que me inspira aqui eu levo para a casa, como a disciplina e esse espírito de equipe que faz qualquer resultado acontecer.

     

    Alguma dica para outras mulheres que estão começando ou mesmo no meio do caminho?

    Nunca desista de seus sonhos e sempre seja você mesma, em total transparência com a sua essência. Não existe idade para começar, por isso sempre aprenda coisas novas e se voluntarie nos projetos mais difíceis, porque o processo de desenvolvimento é uma espiral que não tem fim. A competência é algo valioso e pessoal, então é muito importante sempre se dedicar ao máximo para entregar o melhor que pode. E nunca esqueça de conciliar a vida profissional com a vida pessoal, porque se cuidar, fazer academia, meditar, ler e estar com a família nos faz mais felizes e bem-humorados.

     

    Como equilibrar as rotinas em casa e no trabalho?

    Tenho usado muito a tecnologia ao meu favor. O objetivo é estar sempre perto: do time, dos clientes e da família. Sou mãe, sou esposa e sou mulher. Faço questão de participar do dia a dia dos meus filhos, Luan, de 16 anos, e da Mel, de 10 anos, e nem por isso deixo nada a desejar no meu trabalho. Mas isso requer um planejamento rígido de horários, agendas pré-estabelecidas e, inclusive, o dom de saber falar “não” quando necessário.

                                                                                                         

    Sobre a Arcos Dorados

    A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo, tanto em vendas totais do sistema como em número de restaurantes. A Companhia é a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe, com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios, incluindo Argentina, Aruba, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curaçao, Equador, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, St. Croix, St. Thomas, Trinidad & Tobago, Uruguai e Venezuela. A Companhia opera ou franqueia mais de 2.180 restaurantes McDonald’s com mais de 90.000 funcionários e é reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar no América Latina. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO).  Para saber mais sobre a Companhia visite a seção de Investidores de nosso site: www.arcosdorados.com/ir

  • Expansão por Franquias

    inFlux prevê expansão de 20% em número de unidades

    inFlux prevê expansão de 20% em número de unidades
    Ricardo Leal, CEO da inFlux English School (Foto: Divulgação)

    A inFlux English School, escola de idiomas conhecida por garantir o domínio mais rápido do inglês, prevê para o ano de 2019 um crescimento de 20% em número de unidades. A rede que atualmente possui 150 unidades em 18 estados brasileiros e Distrito Federal enxerga um cenário favorável para novos negócios no Brasil, com 30 novas unidades em processo de implantação. "Além das novas unidades, nossa expectativa é chegar até o final do ano com 40 novos contratos", diz o gerente de expansão da inFlux, Fábio Medeiros.

    A ampliação da rede para 2019 está prevista para todos os estados do Brasil, principalmente Minas Gerais, São Paulo, Grande Campinas e região Nordeste.

    O CEO da inFlux, Ricardo Leal, revela que mesmo durante a crise econômica dos últimos anos, a rede manteve o seu crescimento. De acordo com ele, o fluxo de alunos se manteve porque quem perdeu o emprego procurava a escola para aprender um idioma e aprimorar o currículo para buscar uma nova oportunidade no mercado de trabalho.

    Leal explica ainda que do ponto de vista do negócio, a franqueadora também não ficou estagnada porque quem foi demitido e possuía uma reserva ou fez uma boa negociação durante o processo de desligamento conseguiu investir na aquisição de uma franquia e tornar-se dono do próprio negócio.

    De acordo com a projeção realizada pela Associação Brasileira de Franquias (ABF), a boa expectativa se mantém e o ano de 2019 será positivo para o setor de franquias. O estudo realizado em janeiro deste ano demonstrou que o faturamento das franquias tende a aumentar de 8 a 10%. Os índices de unidades e empregos também apresenta números positivos para os próximos meses de acordo com a ABF.

  • mercado

    Incorporadora Piemonte lança o Reserva Bonvini em Curitiba

    Incorporadora Piemonte lança o Reserva Bonvini em Curitiba

    A Incorporadora Piemonte lança no próximo sábado (23) em Curitiba, o empreendimento Reserva Bonvini. Um empreendimento no tradicional bairro de Santa Cândida, localizado na Estrada Guilherme Weigert, 528.

    Com 44 unidades, o Reserva Bonvini oferece terrenos de 174m² a 381m² e um amplo espaço de lazer, que contempla Piscinas adulto e infantil com temperatura regulada; além de Deck solarium com vista encantadora, academia climatizada, playground, mini quadra esportiva, churrasqueiras, redário e espaço sommelier.

    O empreendimento tem seu nome inspirado na Itália e na valorização da natureza. Com uma ampla área verde preservada, , grandes araucárias protagonizando a ambientação, traz o conforto e bem estar além de gramados e praças. “Hoje a presença de áreas verdes entorno dos empreendimentos é um dos fatores que levam o consumidor a escolher o imóvel”, saliente José Paulo Campos Filho, gerente comercial da Incorporadora Piemonte.

    “Desde o pré-lançamento do Reserva Bonvini a procura está sendo excelente, com retorno positivo sobre o empreendimento e atendendo as expectativas do cliente. A Incorporadora valoriza a facilidade de compra, por isso, no Reserva Bonvini, oferecemos o m² mais competitivo e a possibilidade do financiamento junto ao banco ou direto com a construtora”, enaltece Campos.

     

    Sobre a Piemonte

    Fundada em 1999 por netos de imigrantes italianos, a Piemonte é uma empresa sólida e conceituada no mercado imobiliário do sul do Brasil. Mais que imóveis a Piemonte trabalha para construir lares.

    Integrante da Holding Plenaventura, que aplica seu capital em diversos ramos de atividades no Sul Brasil. Construtora e incorporadora do grupo, atua em empreendimentos verticais e horizontais de médio e alto padrão.

    Atuante na construção civil desde 1999, já lançou mais de 9 mil imóveis, se são lares para cerca de 35 mil pessoas. Sendo todos planejados e construídos visando a qualidade de vida de seus moradores.

    Especializada também em construir condomínios horizontais e loteamentos, a Piemonte é certificada pela ISO 9001: 2008, pertencente ao nível A, do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQPH), um dos principais certificados do setor da construção civil do Brasil, e já lançou o maior loteamento da América Latina com mais de 5 mil terrenos, todos já comercializados em Curitiba.

    Mais informações: 33163316 – www.piemonte.com.br

     

  • Artigo

    OPINIÃO S/A - A era dos aplicativos: mas e a publicidade mobile?

    OPINIÃO S/A - A era dos aplicativos: mas e a publicidade mobile?
    Francesco Simeone, Diretor da Logan Media Brasil (Foto: Divulgação)

    *Por Francesco Simeone


    Você já percebeu como seu comportamento no celular mudou? Sem nos aprofundarmos no fato de que a cada dia aumentamos o uso de dispositivos móveis, é importante enfatizar que, das mais de 3 horas que passamos ao celular, diariamente, em 91% deste tempo estamos usando aplicativos.

    O Brasil já ocupa o quinto lugar no ranking global de tempo de uso de smarpthones, segundo o relatório Estado de Serviços Móveis. Se comparado com 2016, o tempo médio diário usando o device cresceu 50% e só as redes sociais concentram 50% das horas gastas com os aparelhos celulares, seguidas apenas por programas de reprodução de vídeo (15%) e por jogos eletrônicos (10%).

    Mas o que torna os apps tão atraentes? Eles são, de fato, parte de nossas necessidades? Um estudo da ComScore revelou que diferentes categorias de aplicativos alinham perfeitamente com todas as necessidades básicas, também conhecidas pela famosa Pirâmide de Maslow. Vendo por esse lado, percebemos que o celular está satisfazendo a maior parte das nossas necessidades pormeio de aplicativos. Vejamos alguns exemplos reais:

    É uma hora da tarde e você não sabe o que comer, o que você faz? Pega o seu celular e abre o aplicativo de delivery para preencher a sua necessidade fisiológica. Agora, você tem que pagar o aluguel, e hoje é o último dia de pagamento: basta abrir seu aplicativo do banco e fazer a transferência. Bingo para a necessidade de segurança. Vamos ver outro. Todos nós temos aquele amigo que agora mora com a pessoa que ele conheceu através de um desses aplicativos de namoro - necessidade de afiliação. Vamos continuar. Você compartilha no Instagram uma foto com seus amigos com localização e tags diversas: necessidade de reconhecimento.

    Uma vez que percebemos o motivo de nosso comportamento no celular, vamos examinar o que acontece dentro do nosso celular. Deixando para trás a web e passando a maior parte do tempo em aplicativos, os cookies que eram o método de coleta de dados da web, tornaram-se obsoletos e a solução para esse problema são os IDs. Um ID é um código único que o nosso dispositivo possui, quase como um número de série. Mas o que esse ID faz? E quais são os usos que tem?

    Cada vez que baixamos e aceitamos as condições de uso de nossos aplicativos, concordamos que nosso ID compile por, aproximadamente, 21 meses parte de nossos dados. Isso o permite entender o que gostamos, quais são nossos interesses, comportamentos, conhecer nossa geolocalização, tipo de dispositivo, sistema operacional, gênero, idade, operadora, entre muitos outros dados.

    Nesse sentido, é importante que o usuário saiba que é graças a esta "coleta" de dados que podemos receber mais sugestões personalizadas todos os dias, seja sobre entretenimento, viagens ou interesses pessoais. Com isso, paramos de interagir com publicidade, que nos interessa pouco.

    Ou seja, para os anunciantes e agências, é importante que compreendam que as marcas devem começar a considerar que a publicidade no aplicativo oferece os melhores resultados para o retorno do investimento. Entre as principais vantagens, vemos que os anúncios nos apps são mais confiáveis do que a web tradicional. E é o engajamento a maior força da publicidade no aplicativo: a geolocalização é precisa, há melhor segmentação por público e categorias, além de ser possível direcionar a campanha por operadora, gênero, sistema operacional e aplicativos.

    Para os publishers, é vital considerar que o modelo está mudando e que o investimento publicitário, inevitavelmente, leva em conta o tempo de consumo do usuário, de modo que a cada dia cresça mais o investimento em publicidade em apps.



    * Francesco Simeone é Diretor da
    Logan Media Brasil, empresa de mídia, marketing e desenvolvimento de soluções para mobile e Professor de Mobile Marketing e Inteligência Artificial na Converge You - Escola de Negócios e Marketing.

    Tem uma boa opinião sobre o mercado e quer compartilhar com outros executivos? Mande seu artigo para peoplesa@bemparana.com.br

  • Cidades Inteligentes

    Smart City Expo Curitiba 2019: a um mês do evento, já são mais de 1000 inscritos

    Smart City Expo Curitiba 2019: a um mês do evento, já são mais de 1000 inscritos
    Bibop Gresta é a principal atração do congresso (Foto: Divulgação)

    Mais de mil pessoas já se inscreveram para acessar a área de exposições do Smart City Expo Curitiba 2019, segunda edição brasileira do maior evento de cidades inteligentes do mundo, que será realizado nos dias nos dias 21 e 22 de março no Expo Barigui. O acesso à exposição do evento, onde serão exibidas soluções e inovações para smart cities, será gratuito mediante inscrição prévia pelo site oficial.
     
    A venda de ingressos do 2º lote para a participação no congresso, que receberá especialistas nacionais e internacionais renomados do setor, custa R$1200 até o dia 28 de fevereiro. Após a data, o valor do 3º lote será de R$1350, enquanto nos dois dias de evento será de R$1500. Estudantes pagam meia entrada mediante comprovação. A compra pode ser efetuada por meio do site oficial do evento.
     
    A expectativa da organização do evento, que acontece daqui um mês, é receber mais de 6 mil pessoas, incluindo representantes de 80 cidades brasileiras e de 25 cidades do exterior. O evento — que será o principal destaque do festival Movimenta Curitiba, promovido pela Prefeitura de Curitiba —, é chancelado pela FIRA Barcelona, organizador do Smart City Expo World Congress, maior evento do mundo sobre smart cities, que ocorre anualmente em Barcelona.

    “As inscrições vêm aumentando muito nos últimos dias e a tendência é só ampliar com a proximidade do evento. O interesse das pessoas e empresas interessadas em inovação e mobilidade cresceu com o anúncio da participação do empresário Bibop Gresta, que desenvolve o Hyperloop. O projeto tem uma relação muito forte com Elon Musk”, afirma Roberto Marcelino, sócio-diretor do iCities, a empresa curitibana responsável pela organização do evento no Brasil, em parceria com a Prefeitura de Curitiba.
     
    Gresta é a principal atração do evento e irá compartilhar suas experiências sobre o desenvolvimento do Hyperloop, o veículo de transporte mais rápido do mundo idealizado por Musk, o bilionário presidente da Tesla e da companhia de transporte espacial SpaceX. O sistema de mobilidade utilizará energia limpa, sem emissão de carbono, e alcançará a impressionante marca de 1080 km/h, o que significa duas a três vezes mais velocidade que um trem-bala.
     
    Exposição e congresso - A área expositiva do Smart City Expo Curitiba 2019 terá 35 empresas dos setores público e privado, exibindo soluções e inovações em áreas como iluminação pública, segurança, educação, saúde, saneamento básico, trânsito e urbanismo, entre outras. Além disso, 74 startups de Curitiba e região poderão exibir suas soluções e produtos e apresentar pitchs (palestras rápidas de, no máximo, 15 minutos) na Smart Plaza Vale do Pinhão, espaço da Prefeitura de Curitiba destinado a promover o ecossistema de desenvolvimento da cidade.
     
    A outra área do evento, o congresso, está preparada para receber mais de 1,6 mil pessoas. Serão três salas de conferências, que receberão especialistas nacionais e internacionais das áreas pública e privada, assim como do terceiro setor, além de mais mostras paralelas. Eles trarão cases e provocarão debates sobre temas relacionados às smart cities, como planejamento urbano, mobilidade, governança, novas tecnologias e sustentabilidade.


DESTAQUES DOS EDITORES