People S/A

Publicidade
Microempreendedor Individual

Autonomia profissional, desemprego e tecnologia fazem multiplicar o número de MEIs criadas por minuto no Brasil

Alan Correia, especialista em TI, decidiu por empreender com 21 anos de idade
Alan Correia, especialista em TI, decidiu por empreender com 21 anos de idade (Foto: Divulgação)

Contrastando com a estagnação dos números de vagas do mercado formal, estacionado na casa das dezenas de milhões de desempregados, a quantidade de empreendedores formais cresce por minuto no Brasil, com quase três novos registros a cada 60 segundos, de acordo com o acompanhamento do governo federal via Portal do Empreendedor - MEI (Microempreendedor Individual). Tal dado é um retrato fiel do amadurecimento dos profissionais sobre a própria capacidade de geração de renda, tendo na tecnologia o amparo técnico necessário à autonomia de colocar em prática uma ideia.

 Diante desse cenário que a solução de automatizar o processo de criação de plano de negócios da Start Ponto Com acompanha esse momento de fortalecimento do empreendedorismo no País. Tanto startups, quanto empresas tradicionais convergem na busca por uma ferramenta que de forma rápida e com baixo investimento, seja  capaz de validar ou não um negócio a partir das informações preenchidas pelos empreendedores,  principalmente dentro da realidade financeira de cada um. “A plataforma Start Ponto Com tem por finalidade tornar acessível o plano de negócios, cruzando com a base de dados de nossa solução as informações fornecidas por quem quer empreender ou já possui um negócio e precisa detectar os ralos financeiros para seguir no mercado e crescer, mas não dispõe de capital suficiente para encomendar um trabalho nos moldes tradicionais”, explica um dos fundadores da startup, Alan Correia, especialista em Tecnologia da Informação (TI). 

Somente neste ano, quase 200 ideias já foram estruturadas via Start Ponto Com, sendo que algumas surgiram após a constatação de que o plano inicial era inviável. “Teve um projeto que hoje é uma casa de chá, mas originalmente seria uma escola infantil e que em quatro anos não se pagaria. Com o cruzamento de informações, a Start Ponto diagnosticou isso, evitando quatro anos de prejuízo que um empreendimento sem planejamento poderia causar”, exemplifica Correia. 

O respaldo tecnológico alimenta o apetite de boa parte dos microempreendedores individuais contabilizados pelo Portal do Empreendedor até o início deste mês, que  já beira 9 milhões de pessoas (8,7 milhões). Mais de 1,5 milhão formalizou a atividade nos últimos 12 meses (em agosto de 2018 eram 7,2 milhões de MEIs). Para o também fundador e idealizador da Start Ponto Com, consultor de negócios Luiz Lima, a evolução desses números sinaliza o aprimoramento de se empreender no Brasil e do modo de trabalhar. “A viabilidade de uma ideia de negócio passa por três etapas fundamentais: concepção da ideia, implantação do negócio e na análise dos resultados. Este cuidado é a base que só se obtém através do Plano de Negócio estruturado para apontar de forma direta e objetiva se tal negócio tem viabilidade ou não. O famoso “achismo” fica de fora”, defende. Ele reforça que a plataforma Start Ponto Com foi estruturada para mudar estatísticas históricas de que a cada 10 empresas abertas quase 7 fecham até o segundo ano de funcionamento. “Nossa missão principal é propiciar a um grupo cada vez maior de empreendedores e de MPEs  trilhem um caminho com um “norte” a seguir”, avalia Lima, que acumula 30 anos de experiência por órgãos de apoio a empresários como o Sebrae e o Fomento Paraná.

 

Autonomia profissional também move fundadores da Start Ponto Com

Luiz Lima e seus sócios, Alan Correia, Debora Vieira e Jéssica D’Azevedo reuniram por mais de três anos informações sobre como diversos tipos de empreendimentos funcionavam para desenvolver a plataforma. Cada um deles tem na valorização da autonomia profissional uma das grandes razões para desenvolver a Start Ponto Com. “Trabalhei com carteira assinada dos 15 aos 21 anos de idade, sempre com TI, mas a rotina de cumprimento de horário, não fazia sentido. Hoje, dedico muito mais horas para a Start Ponto Com, mas é de um modo gratificante porque faço algo que considero relevante, entregar uma ferramenta que ajuda outros empreendedores a viabilizar produtos e serviços com menos risco de investir mal o capital”, explica Correia. Com apenas 26 anos, ele ilustra bem a visão de todos sobre o futuro do trabalho e de como a Start Ponto Com quer se posicionar.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES