Política em Debate

Publicidade
Polêmica

Gilmar Mendes aciona senador que o acusou de vender sentenças e ser 'sócio' de Beto Richa

Kajuru: senador disse que Mendes é "sócio" dos ex-governadores tucanos Beto Richa, Aécio Neves e Marconi Perillo
Kajuru: senador disse que Mendes é "sócio" dos ex-governadores tucanos Beto Richa, Aécio Neves e Marconi Perillo (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), fez uma representação contra o senador Jorge Kajuru (PSB/GO) ao presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli. No documento, que foi protocolado ontem, Mendes cita trechos de uma entrevista do senador à Rádio Bandeirantes no domingo (17).

Na entrevista, Kajuru afirma querer saber como o ministro "tem R$ 20 milhões de patrimônio". "De onde você tirou esse patrimônio? De Mega Sena? De herança de quem você tirou, Gilmar Mendes? Foram das sentenças que você vendeu, seu canalha!", diz.

O senador diz ainda que Mendes é sócio dos ex-governadores tucanos Beto Richa, Aécio Neves (MG) e Marconi Perillo (GO). "Nós vamos pegar, apurar, investigar todas as empresas que eles são sócios, que eles têm negociação, por que ele protegeu Aécio Neves, por que que ele protege o Marconi Perillo. Por que que ele protege tantos outros políticos."

Em setembro do ano passado, quando Richa foi preso na operação Rádio Patrulha, do Ministério Público Estadual, Mendes determinou a soltura do tucano poucos dias depois. Na última sexta-feira, o ministro também mandou soltar o contador da família Richa, Dirceu Pupo, preso na Operação Intregração, fase da Lava Jato que investiga um esquema de pagamento de propina por concessionárias do pedágio. Na mesma decisão, ele deu salvo-conduto a Richa para que o tucano não fosse mais preso. Mesmo assim, ontem, o ex-governador acabou sendo preso pela terceira vez, na operação Quadro Negro, do MP paranaense, que investiga um esquema de desvio de recursos de construção e reforma de escolas, não alcançado pela decisão do ministro.

Segundo Kajuru, Mendes será o primeiro alvo da CPI da Toga. "Depois vamos nos Lewandowskis da vida". O ministro encaminhou as declarações ao ministro Toffoli para a "adoção das providências que entender cabíveis".

Assista o vídeo de Jorge Kajuru abaixo: 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES