Coronavírus

Após convocação por jejum, bolsonaristas fazem 'oração' em frente ao Palácio Iguaçu

Apoiadores do presidente fazem oração em frente ao Palácio Iguaçu: alguns manifestantes usavam máscaras
Apoiadores do presidente fazem oração em frente ao Palácio Iguaçu: alguns manifestantes usavam máscaras (Foto: Eduardo Matisyak)

Após a convocação por um dia de jejum e orações, um grupo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) promoveu hoje uma manifestação em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, em Curitiba. Carregando bandeiras e vestindo roupas verde-amarelo, o grupo se concentrou nos gramados da sede do governo estadual. Alguns participantes usavam máscaras. Manifestações semelhantes foram registradas em São Paulo (SP) e Brasília (DF).

Nas publicações das redes bolsonaristas, o convite para o ato destacava o pedido do presidente, que compartilhou ontem um vídeo nas redes sociais em que ele e vários pastores pedem para a população ficar um dia sem comer.

Na quinta-feira (2), Bolsonaro já havia convocado as pessoas a jejuar para o que o Brasil “fique livre desse mal”, em referência à pandemia.

De acordo com o vídeo, Bolsonaro convocou o “exército de Cristo para a maior campanha de jejum e oração já vista no país”. Os líderes das igrejas evangélicas do Brasil, Valdemiro Santiago, RR Soares, Bispo Rodovalho e Edir Macedo, apareceram no vídeo.

Além disso, três deputados da bancada evangélica também participaram da convocação: Abílio Santana (PR-BA), Silas Câmara (Republicanos-AM) e Marco Feliciano (Sem partido-SP). O último afirma que as pessoas têm de orar e “pedir misericórdia para que essa praga cesse e todas as previsões ruins para o Brasil caiam por terra”.
Ao final, o narrador afirmava que hoje a “igreja de cristo na terra irá clamar e o inferno irá explodir”.

Bolsonaro tem criticado a política de isolamento social defendida pela Organização Mundial de Saúde e pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta, além dos governadores dos estados. Ele tem defendido o que chama de isolamento vertical, que atingiria apenas pessoas nos grupos de risco, alegando risco para a economia e empregos. 

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) do Paraná confirmou hoje 44 novos casos e três óbitos por coronavírus hoje. Dois pacientes de Campo Mourão e um de Santa Fé estavam internados com a doença e vieram a óbito neste final de semana. O Paraná soma agora 10 óbitos e 445 casos confirmados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou balanço atualizado hoje sobre a disseminação do coronavírus pelo mundo. Segundo a entidade, há 1.113.758 casos confirmados, sendo 82.061 deles registrados nas últimas 24 horas, com 62.784 mortes, sendo que destas 5.798 foram oficializadas no último dia.