Legislativo

Assembleia pode abrir CPI para investigar suspensão de concurso da Polícia Civil; líder do governo fala em 'sabotagem'

Assembleia: Legislativo tem uma CPI em funcionamento, e outras três esperando instalação
Assembleia: Legislativo tem uma CPI em funcionamento, e outras três esperando instalação (Foto: Sandro Nascimento/Alep)

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri (PSD), defendeu hoje a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a suspensão do concurso para a Polícia Civil do Estado, no último domingo. As provas foram suspensas pelo Núcleo de Concursos (NC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), alegando falta de condições sanitárias que garantissem a segurança dos candidatos e aplicadores das provas. Eram mais de 300 locais de provas em Curitiba e região, e 106 mil candidatos. A suspensão foi comunicada às 5h42 do domingo, poucas horas antes do início das provas.

Bakri levantou a suspeita de que teria havido uma “sabotagem”. “Eu, pessoalmente, estou sentindo um cheiro de sabotagem. Cinco horas da manhã por na esteira problemas que podiam ser relatados anteriormente?”, questionou. “Proponho que entre na fila uma CPI para investigar esse caso”, defendeu o líder governista.

O parlamentar considerou “incompetência, inconsequência ou má-fé” a decisão tomada pelo Núcleo de Concursos da UFPR. “Até para não prejulgarmos ninguém, uma CPI se faz necessária. E que seja comandada pelos deputados da segurança pública, que têm capacidade e competência investigativa para ajudar o Paraná nesse caso.  Inclusive, é preciso entrar em contato com a UFPR a respeito do concurso da Polícia Militar marcado para o mês que vem, para que não siga o mesmo caminho”, afirmou Bakri.

Para o concurso da Polícia Civil, estão abertas 400 vagas, sendo 50 para delegado, 300 para investigador e 50 para papiloscopista. O governo do Estado anunciou que deve entrar com processo administrativo por quebra de contrato contra o NC-UFPR, cuja atuação foi considerada “inaceitável” e “desrespeitosa” pelo Governador Ratinho Junior.

Atualmente, apenas uma CPI está instalada na Assembleia – a que foi criada para investigar denúncias de irregularidades envolvendo Organizações Não-Governamentais (ONG) do Estado. Outras três estão aguardando serem instaladas: a das Bombas de Combustíveis; da Mineração e Barragens; e a do Transporte Coletivo. Pelo regimento interno da Casa, no máximo cinco CPIs podem funcionar simultaneamente. Em tese, portanto, uma CPI para investigar a suspensão do concurso poderia ser instalada imediatamente.

Durante a sessão, vários deputados criticaram o Núcleo de Concursos da UFPR pela suspensão das provas. O deputado Do Carmo (PSL), juntamente com os deputados Requião Filho (MDB) e Rodrigo Estacho (PV) protocolaram pedido de informações ao secretário da Administração e Previdência, Marcel Micheletto, sobre a suspensão da prova e, principalmente, quais as providências que serão tomadas junto ao NC-UFPR para o ressarcimento dos prejuízos suportados pelos 106.332 candidatos inscritos. “Não vamos aceitar essa desorganização que prejudicou tantas pessoas passivamente’, disse Do Carmo.

Outro pedido de informações foi protocolado pelo deputado Arilson Chiorato (PT), também ao secretário de Administração e Previdência e ao secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, coronel Rômulo Marinho Soares, questionando o motivo de terem mantido as provas para o último domingo mesmo com a manifestação da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba e Recomendações da DPE/PR e do MPT pelo adiamento da prova objetiva por "representar risco à segurança sanitária dos participantes e habitantes da Curitiba".