Política em Debate

Publicidade
Gustavo Guedes

Deputados do PSL do Paraná escapam de cassação por 'caixa 2'

Subtenente Everton
Subtenente Everton (Foto: Orlando Kissner )

Em julgamento retomado nesta segunda-feira (9), o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) julgou improcedente ação que pedia a cassação do deputado estadual Subtenente Everton (PSL), assim como de Coronel Figueiredo (PSL), primeiro suplente de deputado federal da coligação.

A informação foi divulgada pela defesa dos políticos. O despacho da ação (0604004-51.2018.6.16.0000) ainda não foi publicado no sistema público da Justiça Eleitoral. 

Na ação proposta pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) alegou-se ter havido caixa-dois, pela não declaração de um material impresso fornecido pela Associação dos Militares da Reserva, Reformados e Pensionistas das Forças Armadas do Paraná (Asmir) em um jornal da entidade.

De acordo com a defesa, o Plenário do TRE decidiu pela improcedência das alegações do MPE, "entendendo que a conduta não teve qualquer reflexo na eleição dos candidatos, afastando assim a gravidade dos fatos que justificasse cassação do mandato conquistado nas urnas".

Para o advogado Gustavo Bonini Guedes, que fez a defesa dos políticos do PSL, a ação não poderia gerar cassação de mandato. "A decisão de hoje da Justiça Eleitoral reforça a soberania popular e demonstra que mandatos somente podem ser cassados por motivos gravíssimo, o que não se verificou no caso, por se tratar de mero equívoco contábil”, afirma.  

Ainda cabe recurso da decisão ao Tribunal Superior Eleitoral.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES