Decisão polêmica

Diretor da Itaipu decide migrar funcionários de Curitiba para Foz a partir de julho

(Foto: Nilton Rolin/Itaipu Binacional)

Por determinação do diretor-geral brasileiro de Itaipu, Joaquim Silva e Luna, a Itaipu Binacional manterá em Curitiba apenas um escritório de representação, a exemplo do que já ocorre em Brasília (DF). O plano de migração dos cerca de 150 empregados das unidades organizacionais da capital para o centro de comando brasileiro da usina, em Foz do Iguaçu, ocorrerá entre julho deste ano e 31 de janeiro de 2020.

Luna é o primeiro diretor-geral brasileiro, na história de Itaipu, a morar na cidade onde está instalada a usina. A partir disso, determinou que toda a Diretoria Geral Brasileira fizesse o mesmo e replicou a determinação para os demais diretores. Diárias e passagens passaram a ser reduzidas. Só no primeiro trimestre, segundo a assessoria da Itaipu, a economia chegou a R$ 1 milhão, mas vai crescer gradativamente. 

Apesar de trabalhar em regime de CLT, por causa do Tratado de Itaipu, que tem sua própria natureza jurídica, o general considera que Itaipu precisa seguir as mesmas diretrizes de uma empresa pública comprometida. Pelo escritório alugado da Fundação Itaipu BR de Previdência e Assistência Social (Fibra), onde os empregados de Itaipu em Curitiba trabalham, a empresa desembolsa mensalmente R$ 208 mil. Já foi avaliado o impacto na fundação de previdência dos empregados e a conclusão é de que ele será mínimo. A intenção é que com o plano de migração, a concentração do processo decisório e da execução dos processos empresariais das diversas diretorias se dará somente em Foz do Iguaçu.