Quebra de decoro

Mesmo impedido, Borges dribla regimento da Câmara e vota por cassação de Freitas

Nesta quinta-feira, 4 de agosto, na sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Curitiba, um ato do vereador Eder Borges (PP), pode colocar ele na mira dos colegas da Casa. Apesar de estar impedido de votar, por questão regimentar, ele tentou violar o regimento e votou favorável à cassação do mandato de Renato Freitas (PT) em uma primeira votação realizada nesta manhaã de quinta-feira, 4 de agosto.

Dos 38 vereadores da CMC, 5 estavam impedidos de votar por serem autores de representações, Osias Moraes (Republicanos), Pastor Marciano Alves (Solidariedade), Pier Petruzziello (PP) e Éder Borges (PP). Já Freitas estava impedido por ser o objeto das representações.

O vereador Tico Kusma (PROS), presidente da mesa diretiva da Câmara de Vereadores de Curitiba, foi alertado pelo vereador Dalton Borba (PDT). Com isso, a primeira votação, também favorável à cassação de Freitas, foi anulada.

Borba encaminhou à Mesa um pedido para a abertura de um procedimento disciplinar contra Borges por quebra de decoro.