Stella Winnikes

Publicidade

Paciente que recebeu implante de desfibrilador subcutâneo passa bem

O projetista mecânico Luciano Nievola, 46 anos, que tem hipertrofia do miocárdio e passou por procedimento de implante do Cardioversor-Desfibrilador Implantável Subcutâneo (S-ICD), que reseta o coração com um choque e reverte a morte súbita, no dia 8 de março, em Curitiba, passa bem. Embora ainda não possa realizar atividades mais intensas, como exercícios físicos, ele está em franca recuperação. “O paciente está se recuperando bem, já está podendo fazer algumas atividades normais do seu dia a dia, mas a recuperação completa só após 30 dias do procedimento. Aí, poderá até fazer exercícios físicos”, conta o eletrofisiologista e cardiologista, Dr. Mauricio Montemezzo do LEC (Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba), que realizou o implante em parceria com a médica canadense Jacqueline Joza.

Animado com o procedimento, Nievola já faz planos de voltar a ter uma vida mais tranquila e a fazer o que gostava. “Agora vou poder me exercitar novamente. Até os 30 anos eu fui atlético, hoje sou sedentário. Quero também dar um pouco mais de segurança e conforto para minha esposa que se preocupa muito comigo, especialmente quando está longe de mim”, diz e complementa: “Esse aparelho será meu anjo da guarda.”

Sobre o LEC

Fundado em 1991, o Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba (LEC) é dedicado ao diagnóstico e tratamento das arritmias cardíacas. Conta com as mais modernas técnicas para o mapeamento, ablação e implante de dispositivos para o tratamento das arritmias cardíacas. Seu corpo clínico é formado por profissionais experientes com participação constante em atividades científicas nacionais e internacionais.

DESTAQUES DOS EDITORES