• Como escolher a melhor escola para meu filho?

    Como escolher a melhor escola para meu filho?

    Com a mudança no perfil da educação básica, fica cada vez mais difícil selecionar entre tantas opções o que será melhor para cada família. Tradicional, construtivista, sociointeracionista, Montessori, Waldorf, Freinet e alguns outros adjetivos costumam estar relacionados à linha pedagógica das escolas. E como escolher em meio a todas elas sem um aconselhamento profissional?

    Ciente da ansiedade que esse momento representa para os pais de crianças por volta dos 6 anos de idade, o Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil promove um programa de aconselhamento e acompanhamento das visitas às escolas de Ensino Fundamental, bem como realiza um estudo do perfil de cada aluno que está cursando o último ano da Educação Infantil para ajudar os pais nessa importante decisão.

    Por conta da pandemia, as visitas deste ano ocorrem de forma digital - o que permite até mesmo aprofundar as conversas e questionamentos com diretores e coordenadores pedagógicos das escolas. “Para fazer a escolha certa é preciso muita pesquisa sobre as instituições de ensino e conhecer bem o perfil de aprendizagem do seu filho”, explica a diretora do Peixinho, Marianna Canova. Com 20 anos de experiência no aconselhamento escolar para a entrada no Ensino Fundamental, ela alerta: “Cuidado com falsas promessas das escolas, e preste muita atenção à correta interpretação do estilo do seu filho.”

    Culturalmente, a escolha da escola se dá por indicação, para acompanhar amiguinhos, pela localização ou espaço físico. “É preciso ter muito mais cuidados para ter uma opção adequada, chegando a 17 critérios que devem ser observados”, explica Marianna.

    Algumas dicas incluem observar o perfil de aprendizagem da criança, que pode ser mais dispersa ou ter maior facilidade de concentração. E isso faz diferença na hora de escolher um ensino mais conteudista ou mais aberto.

    Outro cuidado é conter a empolgação da estética, pois uma escola atraente fisicamente pode não ter a melhor proposta pedagógica para seu filho. Por conta disso, é recomendado não levar a criança no período de visitação e escolha, e sim somente após a tomada de decisão, que deve ser feita pelos pais ou responsáveis. “A criança costuma preferir um ou outro parquinho, mas a grande questão é onde ela se sentirá bem e terá o melhor estímulo para aprender, de acordo com seu perfil.”

    Desenvolvimento interpessoal, organização e criatividade são alguns dos efeitos que a educação adequada ao perfil da criança promove.

    SERVIÇO
    E-book "Qual a melhor escola para o meu filho? Guia para os pais"
    De Marianna Canova, pedagoga e psicopedagoga
    Investimento: R$ 19,90  
  • Solidariedade

    Massa solidária para ajudar a APACN

    Massa solidária para ajudar a APACN

    O Centro Acadêmico da Faculdade Evangélica Mackenzie, em parceria com a Pasta Mamaita, lançaram uma campanha chamada Massa Solidária! Nessa campanha, são vendidos kits com 1 pacote de talharim artesanal + 1 pote de molho de tomate artesanal, a fim de arrecadar dinheiro para doações para a APACN. A instituição é de apoio à criança com câncer e necessita agora mais do que nunca de toda ajuda possível.

    "Realizamos nossas encomendas pelo whatsapp: (41) 99134-1080 até quarta-feira!  Os pedidos são entregues no final de semana, sendo que você pode buscá-lo conosco ou receber na sua casa! Cada kit custa apenas R$26,00 e serve 2-3 pessoas! Contamos com a sua ajuda!"

    Para mais informações: (41) 99134-1080.

    #PraCegoVer Arte da Campanha Massa Solidária. Sobre fundo vermelho, nas cores amarela. Você compra um kit com talharim artesanal mais molho de tomate artesanal R$26,00. Uma fecha parte para a segunda informação: E ajuda a APACN: Instituição de Apoio a Criança com Câncer! Abaixo envolta de um quadrado amarelo Faço sua encomenda pelo whatsapp: (41) 99134-1080. Ilustrações de um macarrão com um pote de massa tomate e abaixo foto de uma criança carequinha. Ela sorri. 

  • Primeira formatura Drive-In da Pedreira Paulo Leminski foi da UniOpet

    Primeira formatura Drive-In da Pedreira Paulo Leminski foi da UniOpet

    Esta semana aconteceu a primeira formatura Drive-In de Curitiba! O evento foi uma parceria entre o Centro Universitário UniOpet e a empresa de eventos e formaturas, Polyndia.

    Cerca de 60 alunos da instituição foram com seus familiares, de carro, buscar o tão sonhado diploma. O evento respeitou todas as recomendações de segurança e saúde exigidos pelo momento que o mundo atravessa, da pandemia do Covid-19.

    Na entrada os automóveis eram sanitizados e encaminhados para vagas de estacionamento próximo ao palco respeitando a distância segura, para evitar qualquer risco de contágio. Os carros sintonizavam uma frequência de rádio para escutar a cerimônia que seguiu todo o protocolo de uma formatura regular: com a execução do hino nacional, homenagens aos mestres e amigos.

    O momento mais esperado, no entanto, foi quando cada um dos estudantes subiu ao palco para buscar o diploma das mãos da reitora do UniOpet, professora Adriana Karam Koleski. Neste momento, claro, a salva de palmas foi substituída pelas buzinas animadas de todos os carros convidados. "Enchemos a Pedreira Paulo Leminski com a alegria de nossos alunos e de nossa equipe. Sentimento de missão cumprida e de satisfação por encontrarmos caminhos pra nos reinventarmos a cada dia!", disse a reitora.

    A festa ficou para a história da Pedreira Paulo Leminski como a primeira formatura já realizada neste formato. O cenário do local, que é de uma beleza já reconhecida em todos os cantos do país, foi essencial para tornar a noite dos formandos em um momento ainda mais fascinante.

  • Festa de Formatura Virtual reunirá 30 mil estudantes de todas as regiões do País

    O ano de 2020 será lembrado pela sociedade do século XXI como o período em que a “Terra parou”, como dizia Raul Seixas. Após 5 meses de distanciamento social, por conta do novo coronavírus, a humanidade foi obrigada a se reinventar: pacientes foram atendidos por vídeo-chamadas, milhares de pessoas trabalham em regime de home-office, peças de teatros e shows sendo transmitidos pelas lives na internet e, acredite, casamentos sendo realizados em espaços drive-in, popularizados por conta das sessões de cinema dentro dos carros. Neste sábado (29), a partir das 20h, a Estácio também promoverá um feito inédito: o Evento Formou Virtual, grande festa de formatura para 30 mil estudantes de todo o Brasil por meio da internet, com transmissão ao vivo pelo Facebook. A iniciativa permite que estudantes, familiares e convidados celebrem a conquista juntos. A comemoração virtual seguirá todos os protocolos de uma formatura tradicional e todos os recém-formados participarão com depoimentos e fotos. Para animar esse dia tão esperado, o cantor Thiago Martins e a DJ Carol Emmerick prometem não deixar ninguém parado. A jornalista Fernanda Gentil será a Mestre de Cerimônia e Djamila Ribeiro a Patronesse dos alunos.

    O Formou Virtual também contará com a participação especial de alguns Atletas do Time Estácio, que fazem parte do Pilar Esporte do programa de Responsabilidade Social Educar Para Transformar. Eles estarão presentes, parabenizando e enviando recados para os formandos. Os alunos receberão muitas homenagens, mensagens motivadoras, vídeos e fotos de momentos felizes, além de premiações e interações que vão tornar essa noite inesquecível.

    Foi um semestre completamente atípico para todo o mundo. Por conta disso, o Evento Formou Virtual foi elaborado pela Estácio com o objetivo de minimizar os problemas causados pela pandemia. A Instituição fez questão de pensar em cada aluno, valorizando a jornada e entendendo a importância que a formatura tem na vida deles e de suas famílias.

    “Estamos somando todos os esforços para realizarmos a tão sonhada festa de formatura, rito de passagem fundamental para os nossos alunos. Durante todo esse momento de turbulência, nós fizemos questão em apoiá-los em todos os sentidos para que eles chegassem ao dia da vitória. Com esse olhar empático, decidimos promover nosso pioneirismo, fazendo o uso da melhor tecnologia disponível para realizar um grande evento online”, comenta Marcelle Lima, Gerente de Sites, Redes Sociais e Inbound da Estácio e uma das idealizadoras do evento.

    Segundo Marcelle, muitos planos foram parados, rotas foram mudadas e a instituição precisava mostrar aos alunos que ela permanecia firme, se reinventando e que os sonhos dos alunos não poderiam ser adiados. Daí, a parceria com o Facebook vai permitir que esse grande “sonho real” fique gravado para sempre nas memórias dos 30 mil alunos da Estácio e de suas famílias e amigos. O Evento Formou Virtual poderá reunir de uma vez só mais de 150 mil pessoas entre estudantes, familiares, amigos e docentes.

    O Facebook será o canal de transmissão da Live e também de divulgação do evento que será dividido em 3 fases para os formandos, amigos e familiares: pré-formatura; durante o evento e pós-formatura, cujos participantes terão acesso a todo o conteúdo gerado durante a festa.
    O Evento Formou Virtual reunirá 30 mil formandos do período 2020.1 de diversas turmas, de várias carreiras. Entre as carreiras com mais formandos estão Direito, Administração e Gestão de Recursos Humanos.

  • Práticas pedagógicas inovadoras em tempos de ensino remoto

    Práticas pedagógicas inovadoras em tempos de ensino remoto

    As escolas brasileiras vivem um momento de ressignificação. A pandemia trouxe uma nova realidade que surpreendeu e exigiu quebra de paradigmas, inovação nos métodos de aprendizagem e, principalmente, a adoção de ferramentas tecnológicas como forma de assegurar aos alunos o ensino de conteúdos educacionais de forma atraente e eficaz. E, assim, o meio digital ganha peso e a educação teve que se adaptar. Ensinar de forma remota é o desafio.

    O Colégio Amplação sempre teve a inovação em seu DNA. A prática de metodologias ativas e recursos tecnológicos faz parte da proposta pedagógica há 8 anos. Para “Escola do Futuro”, engajada no conceito de educação inovadora, que já segue pela fluência digital, migrar para o ensino remoto foi um passo descomplicado, quase que natural, uma continuidade do trabalho presencial.

    Ao se inspirar na experiência da Finlândia, referência em gestão educacional moderna, o Amplação está entre as escolas mais inovadoras do Brasil.

    As metodologias ativas e as ferramentas tecnológicas adotadas potencializam o aprendizado e trazem resultados comprovados e eficazes.  Mas, acima de tudo, promovem uma educação mais colaborativa, instigante e participativa, onde os alunos são protagonistas de sua jornada de aprendizagem.

    Metodologias Ativas aplicadas pelo Colégio Amplação

    Na Sala de Aula Invertida, por exemplo, o aluno estuda antes da aula e a aula se torna um lugar de aprendizagem ativa, onde há perguntas, discussões e atividades práticas, otimizando o papel do professor em sala.

    A Aprendizagem em Pares ou Peer Instruction tem como ideia central construir o conhecimento a partir da interação entre alunos. Na prática a dinâmica da sala altera-se para que os alunos auxiliem uns aos outros no que se refere ao entendimento de conceitos, que serão aperfeiçoados pelo professor por meio de questões dirigidas.

    A Aprendizagem Baseada em Projetos ou Project Based Learning (PBL) é uma metodologia em que os alunos se envolvem com tarefas e desafios para desenvolver um projeto ou um produto. A aprendizagem baseada em projetos integra diferentes conhecimentos e estimula o desenvolvimento de competências, como trabalho em equipe, protagonismo e pensamento crítico.

    A aquisição do conhecimento acontece por meio da resolução de situações e tornar o aprendizado mais dinâmico com simultaneidade entre a teoria e a prática é o objetivo da  Aprendizagem Baseada em Problemas, a PBL - Problem Based Learning

    Na metodologia denominada Trezentos os alunos se ajudam mutuamente por meio de grupos potencialmente colaborativos, com metas cuidadosamente planejadas. Criada em 2013, baseia-se em aprendizagem ativa e colaborativa, permitindo ao aluno mais facilidade de entender o conteúdo, principalmente, naquele que tenha dificuldade de entender.

    O método Jigsaw tem como princípio a aprendizagem cooperativa. Os alunos trabalham em grupos para compartilhar e construir o conhecimento.  Parece apenas mais um “trabalho em grupo”, mas tem particularidades bem interessantes em suas etapas que permitem desenvolver diferentes habilidades nos alunos. 

    O Storytelling desenvolve a imaginação e a capacidade de interpretação, além de criar expressiva conexão com aquilo que se fala ou que se escuta, pelas contações de história feitas pelos professores ou alunos.

    Organização de ideias em busca de soluções práticas, transmissão e absorção de determinado conhecimento é o que acontece quando se aplica o Design Thinking. A metodologia usa os elementos visuais para, literalmente, desenhar a ideia por meio de fluxos, organogramas, símbolos, cores, títulos, entre outros. 

    Pela aplicação da Gamificação na educação, os alunos usam elementos dos jogos para engajar pessoas e atingir um objetivo.

    O movimento Maker teve sua origem no início dos projetos Do It Yourself, mais conhecidos como DIY ou “faça você mesmo”, em português. É uma cultura composta pela crença de que qualquer pessoa é capaz de criar, alterar, consertar e fabricar diferentes tipos de objetos com as próprias mãos.

    A escola adotou ainda o método Mindfulness, que possibilita o controle e concentração nas experiências, atividades e sensações do presente.

    Ferramentas tecnológicas

    A plataforma de aprendizado Kahoot é baseada em jogos, “kahoots", que são testes de múltipla escolha. Eles permitem a geração de usuários e podem ser acessados por meio de um navegador da Web. 

    O Socrative é uma aplicação simples de elaboração de questionários (preparação de testes, quizzes etc.) que pode ser usada em sala de aula para receber feedback em tempo real da aprendizagem do aluno. O professor pode recolher, pelo sistema de perguntas e respostas e em tempo real, as respostas dos alunos, percebendo melhor a sua compreensão relativamente aos temas em estudo na aula.

    A ferramenta on-line MindMeister faz um mapeamento mental do aluno, permitindo ao professor capturar, desenvolver e compartilhar as ideias do aluno visualmente. 

    Já o Prezi permite a criação de apresentações animadas e mais dinâmicas do que os slides convencionais. Possui uma interface atraente e bem organizada, permitindo criar, editar e exibir apresentações elaboradas a partir do navegador ou programa para computador ou celular.

    O aplicativo Google Forms gerencia pesquisas. Por ele, os usuários pesquisam e coletam informações sobre outras pessoas. Também podem usados para questionários e formulários de registro. O App mensura o coeficiente de aprendizagem dos alunos, além de outras pesquisas em geral.

    Com o programa Google Slides criam-se novas apresentações a partir de templates com diferentes tipos organização das informações. É possível fazer inclusão de textos e títulos, edição de arquivos PowerPoint para incluir fotos, formas, vídeos e redimensionamento de todos os elementos da página. Tudo isso usando toques na tela de smartphones ou tablets, ou via extensão no Google Chrome.

    O Google Sala de Aula facilita a comunicação entre professores e alunos ao centralizar atividades, materiais e feedbacks em uma única ferramenta, por meio das salas de aula online. E a Google Earth, plataforma desenvolvida pela Google, apresenta um modelo tridimensional do globo terrestre construído a partir de um mosaico de imagens de satélite obtidas de fontes diversas, imagens aéreas (fotografadas de aeronaves) e GIS 3D, possibilitando explorar várias partes do planeta usando o computador ou o celular.

    A plataforma Pear Deck permite aos professores criarem apresentações para melhor interagir com seus alunos em tempo real. Também podem usar as respostas e dados que coletados para garantir planos de aula eficazes e alcançar o maior número de alunos.

    O Mentimeter é um recurso digital para criar interações em tempo real, como enquetes, nuvem de palavras ou coleta de perguntas. 

    O Jamboard é uma tela inteligente, que permite ver rapidamente as imagens de uma pesquisa no Google, salvar os trabalhos na nuvem automaticamente, usar a ferramenta de reconhecimento de formas e de escrita à mão fácil de ler e desenhar com uma caneta stylus, mas apagar com o dedo, como se estivesse usando um quadro branco.

    O Poll Everywhere cria questionários onde as perguntas podem ser facilmente respondidas através da internet em qualquer dispositivo. A ideia é tornar sessões de exposição oral, como apresentações, congressos, palestras, seminários, simpósios e mesmo aulas, mais interactivas. Desta forma os participantes podem responder às questões que vão sendo colocadas e os resultados são coletados e apresentados em tempo real.

    Seesaw é um Portfolio Digital que oferece inúmeras possibilidades aos alunos: gravar vídeos, fazer fotos, realizar atividades e também gravar as próprias vozes durante a leitura ou realização das atividades.

    Pela plataforma Padlet o professor e os alunos podem inserir conteúdos como textos, imagens, vídeos e hiperlinks, juntamente com outras pessoas e tudo isso com a mesma conta. Os conteúdos podem ser filtrados, assim como os comentários para cada publicação.

    Uma ferramenta ótima para trabalhar a escrita e a criatividade.

    A Realidade Aumentada potencializa o aprendizado a partir da integração de elementos ou informações virtuais. É possível visualizações do mundo real por meio da câmera.

    Genially permite a criação de posteres, infográficos, apresentações, postcards, e conteúdos resumidos, todos eles interativos, calendários, mapas, linhas de estudos, jogos de tabuleiros, por meio de uma interface atraente e muito intuitiva!

    O Código QR - código de barras bidimensional - pode ser facilmente escaneado usando a maioria dos telefones celulares equipados com câmera. Esse código é convertido em texto, um endereço URI, um e-mail, ou outro direcionamento que o professor tenha criado. Pode ser utilizado em inúmeras atividades.

    O Scape Room é uma sala onde se joga o escape game. Antes de o tempo acabar, os alunos precisam resolver enigmas usando pistas para solucionar o mistério e conseguir sair da sala. Ótimo para estimular o trabalho em equipe entre os alunos, sendo boa estratégia para promover o aprendizado de forma muito divertida e interativa, usando conteúdos aprendidos em sala de aula. 

    A ferramenta on-line Thinglink cria imagens e vídeos interativos, por meio de etiquetas com conteúdos (som, fotografias, imagens, vídeos, texto, links) posicionadas na imagem ou no vídeo. O trabalho final pode ser partilhado em diferentes redes sociais. Permite ainda pesquisar as criações de outros utilizadores, segui-los e escrever comentários.

    O Podcast é um material entregue na forma de áudio, muito semelhante a um rádio. A diferença é que fica disponível para que o consumidor escute quando quiser. Na área educacional, professores têm utilizado para explicações e alunos para apresentações de trabalhos. O podcast também é muito utilizado na área do entretenimento em forma de áudio.

    O aplicativo LyricsTraining permite aprender inglês ao assistir os videoclipes de músicas. O método de aprendizagem consiste em completar as letras das canções com palavras que faltam e, assim, praticar vocabulário e conhecer novas expressões. O app possui milhares de clipes, com grandes sucessos internacionais antigos e atuais. Dessa forma, o usuário aprende um novo idioma de forma divertida enquanto ouve música.

    Muito mais do que apenas aulas on-line, contar com as principais metodologias ativas, que são referência mundo afora, tem permitido ao Amplação entregar aulas remotas com aprendizagem emergencial qualificada e eficácia comprovada.

     

     

  • 5 dicas para promover o aprendizado em casa

    5 dicas para promover o aprendizado em casa

    Com a experiência que as famílias brasileiras estão tendo de acompanhar as aulas virtuais dos filhos durante a pandemia, surge a oportunidade de desfazer um engano, infelizmente recorrente: o de que lugar de aprender é só na escola. Uma pesquisa do Instituto Avisalá revelou que 85% das pessoas acreditam que a educação diz respeito prioritariamente à instituição de ensino.

    “Socialmente, é ainda muito comum fazer essa associação, mas a quarentena trouxe aos pais a oportunidade de ver seus filhos aprendendo, participar ativamente de suas descobertas e rever esse conceito”, avalia a diretora do Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil, Marianna Canova. 

    Apesar de a dinâmica da educação a distância ser desgastante para alguns pais, há famílias em que o acompanhamento do ensino tem sido muito gratificante. Em geral, as escolas que sempre trabalharam em parceria com as famílias encontraram menos resistência neste momento. 

    É o caso do Peixinho Dourado, onde toda semana ocorrem cafés virtuais, durante o distanciamento social, na forma de lives e reuniões. São oportunidades para tirar as inúmeras dúvidas que todo pai e mãe tem, e compartilhar experiências que dão certo.

    Live aprendizado em casa

    Para enfatizar a importância do incentivo familiar na educação, o Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil promove dia 25 de agosto, às 19h, uma live gratuita sobre “A casa confirmada como espaço de aprendizagem”.
    A convidada especial é a psicóloga Isabel Parolin, que soma décadas de experiência no aconselhamento de crianças e pais nas questões relacionadas à infância e educação. “Sempre procuramos fontes de informação entre profissionais que enxergam o ensino como espaço também afetivo, não apenas técnico”, explica a diretora Marianna Canova.
    Para acessar, basta visitar o canal da escola no YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCE_hbEaCdJzDEss_QFDRyHw

    Quer saber como desfrutar das descobertas do seu filho e estimular o aprendizado? Veja essas dicas da pedagoga Marianna Canova:

    1. VALORIZE O APRENDIZADOCriar uma cultura familiar de que aprender é importante é o melhor presente que você pode dar ao seu filho. Despertar o amor pelo aprendizado irá abrir caminhos para ele, não só na vida escolar, mas também para toda a vida.

    1. SONS VÊM ANTES DA ESCRITA - Uma das grandes preocupações das famílias é com a alfabetização. Mas você sabia que hoje as escolas pensam esse processo ao longo dos três primeiros anos do Ensino Fundamental? Nem todo mundo aprende ao mesmo tempo, então relaxe: brincar com a leitura e a escrita sem fazer correções é a melhor dica para ajudar seu filho.  Outro ponto importante é a consciência fonológica, ou seja, que a criança perceba os sons ao seu redor (fonemas), para aos poucos associá-los às sílabas. Rimas, trava línguas, poemas são excelentes oportunidades para brincar com o som das palavras.  “Diga: ‘filho, como será que se escreve CANELA’? Ajude-o a pensar nos sons! Se a criança transformar CANELA em K - E - A, ou seja, com um som por sílaba, ótimo! Se só disse que começa com K, bom também… essa construção é gradativa, passando por diversas fases, como a pré-silábica, a silábica, silábica-alfabética e alfabética, mas ela precisa do estímulo social e de uma ambiente positivo”, recomenda a pedagoga. 

    1. APROVEITE TODA CURIOSIDADE E FAÇA PESQUISAS - Valorize as perguntas do seu filho: elas são preciosas. Seu pequeno gostou de uma formiga do jardim? Que tal ver vídeos sobre esse inseto, escolher uma foto e redesenhar? Se tiver interesse, a tentativa da escrita também é válida. “Aqui em casa o estegossauro foi o escolhido! Sabia que ele era o dinossauro mais feroz? A gente também aprende!”, brinca Marianna. Outra excelente oportunidade vem da cozinha. “3 xícaras de farinha, 2 ovos, 1 xícara de açúcar…” Que tal desenhar os ingredientes?

    1. MATEMÁTICA - Já reparou que os números estão em tudo? E é possível potencializar esse pensamento usando brincadeiras. Uma simples tarefa como arrumar a mesa pode se transformar em ferramenta de ensino. Jogos como bingo com letras ou números, lince, memória, dominó são excelentes para esse estímulo. Mas é importante que sejam coerentes com a faixa etária.

    1. CANTINHO DO APRENDIZADOA criança precisa ter tempo para lidar com as ideias e as coisas. Para os menores, vale um direcionamento maior, e dispor de forma estética alguns gravetos, por exemplo, ou materiais ricos como fubá e areia, para permitir a descoberta e experimentação. Os maiores podem ter um espaço físico dedicado a esse vínculo formal, com materiais como folha, tesoura e canetinha à disposição. Mas não é recomendado apressar o tempo das experiências. Com essas dicas e o direcionamento que o coração de pai e mãe sabe dar, certamente seu filho irá entender que aprender é bom. Procure não cobrar resultados, e sim proporcionar um ambiente de estímulo constante.

  • Educação

    Ensino não Presencial para promover estudo além das fronteiras

    Ensino não Presencial para promover estudo além das fronteiras

    Uma nova perspectiva pode trazer possibilidades criativas. Foi assim que a Escola Pedro Apóstolo, de Curitiba, escolheu lidar com os desafios que o ensino não presencial trouxe. Além das aulas online com os conteúdos curriculares lecionados pelo professor, a instituição tem procurado alternativas criativas para promover o estudo além das fronteiras e manter o relacionamento próximo com os pais. Um exemplo foi a aula que os alunos do 7º ano tiveram recentemente com a advogada indigenista da Funai, Carolina Santana. Mesmo morando em Brasília, ela participou de uma atividade extracurricular a distância. O resultado foi um momento de inovação ao dia a dia das aulas de história.

    “Essa foi uma das estratégias adotadas pela escola para contribuir com a aprendizagem dos nossos alunos. O encontro com a Carolina Santana foi oportuno e trouxe um novo olhar para um assunto já trabalhado pelos professores. Acreditamos que proporcionar esse tipo de experiência aos estudantes está sendo um diferencial positivo neste momento”, explica Carolina Paschoal, diretora da escola.

    Durante a aula, exibida através da plataforma Microsoft Teams, a advogada trouxe às crianças detalhes sobre a cultura indígena e também preparou um material exclusivo e despertou a curiosidade dos estudantes. “Por que os indígenas não caçam os peixes com as mãos? Por que ao invés de caçar com arco e flecha eles não usam redes? Até hoje os indígenas fazem seus rituais? Quais são os materiais que os índios usam para estudar?”. Essas foram algumas das perguntas que tornaram a aula ainda mais interativa e proveitosa.

    “Como professor de história, esse tipo de atividade é enriquecedora porque conseguimos ter uma perspectiva mais ampla do assunto. Além disso, acaba contribuindo com o processo de aprendizagem, pois complementa o que já é trabalhado no dia a dia”, contou o professor de história Ângelo Rechi, que proporcionou a atividade. 

    A Escola online e suas possibilidades

    A diretora Carolina Paschoal ainda afirma que, apesar do grande desafio no ambiente educacional com a pandemia, é possível encontrar soluções e possibilidades interessantes. Para manter o relacionamento próximo e estar disponível para os pais, a escola também adotou os encontros online individuais.

    “Sabemos que a adaptação a esse novo modelo é um processo a ser construído, e os pais são parte essencial nisso. Portanto estamos nos mantendo disponíveis para conseguir lidar com as necessidades individuais de cada família e assim superar este momento”, explicou Ana Cruz, diretora pedagógica da escola

  • Volta às aulas pós-pandemia: como se preparar?

    Volta às aulas pós-pandemia: como se preparar?
    Diretora do Peixinho Dourado, Marianna Canova.

    O setor educacional vem sendo impactado de diversas formas com a pandemia. Professores tendo que se adaptar às aulas online, os pais em casa tentando ajudar, as crianças longe dos coleguinhas, os diretores aguardando o momento da volta e se organizando de que maneira será feito esse retorno. Que cuidados deverão ser tomados para diminuir a insegurança das crianças, dos pais, dos funcionários. 

    Conheça nesta matéria o que a Escola Peixinho Dourado vem fazendo durante a pandemia para manter o vínculo e como estão se planejando para o retorno: 

    Adaptações físicas são fundamentais para o retorno com segurança das escolas

    Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil pesquisa e implanta melhorias

    Todos estão ansiosos pelo retorno da vida escolar presencial, mas é preciso saber como proteger as crianças tanto no aspecto físico quanto psicológico. Pensando nisso, o Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil já preparou mudanças estruturais e de procedimento importantes para garantir a segurança de todos, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde e órgãos nacionais, estaduais e municipais de saúde.

    Uma das melhorias foi a ampliação da circulação de ar natural, com dutos que forçam a entrada e saída do ar entre os dois lados das salas. Dessa forma, ele não fica estancado em nenhum ambiente e permite a melhor ventilação.

    Outro ponto é a limpeza dos sapatos que chegam da rua. No lugar de obrigar todos a fazer a troca na entrada, serão colocados tapetes sanitizantes, com solução preconizada para a adequada higienização dos calçados. 

    Também foram instalados totens e displays de álcool gel na entrada da escola e em pontos de maior fluxo de pessoas, como recepção, pátio e salas de aulas Um cuidado especial é dedicado às crianças menores, que requerem o aconchego do colo das professoras. Para isso, foram providenciados aventais específicos para uso no interior da sala, de modo que as crianças não tenham contato com a roupa utilizada na área de maior circulação da escola.


    “Há dois meses estamos buscando as melhores soluções de segurança para o retorno, seja quando for possível realizá-lo”, explica a assessora de biossegurança do Peixinho Dourado, Cristina Ogg. Enfermeira de formação, ela estará desenvolvendo ações voltadas para a prevenção e proteção da comunidade escolar, buscando um ambiente onde se promova a contenção de riscos e agentes potencialmente nocivos à saúde.

    “O ambiente escolar é um lugar de interação, e por isso não usamos o termo distanciamento”, ela explica. Em vez disso, trabalha-se com o conceito de fracionamento das turmas, que alternarão as atividades entre diferentes espaços da escola.

    O monitoramento do estado emocional dos funcionários também é constante, com palestras, conversas e treinamentos.

    Manter vínculo na pandemia é fundamental

    Uma das providências mais importantes para facilitar o retorno, quando ele for possível, é a manutenção do vínculo realizada durante os meses de pandemia. Para que as crianças continuem vendo os professores como fontes de segurança, as aulas virtuais foram planejadas para ocorrer de forma natural, sem exageros no uso das telas.

    “É importante enfatizar para as famílias o senso de pertencimento, pois eles fazem parte da escola”, explica a diretora do Peixinho Dourado, Marianna Canova.

    Seja em tempos normais ou no distanciamento, o desenvolvimento emocional das crianças deve ser uma prioridade - e para isso é necessário diversificar o contato dos pequenos com informação, dentro e fora da família.

    Algumas das atividades para estabelecer relações sugeridas são o envio de áudio e desenhos para os amigos, conversas informais com as professoras, procurar fotos antigas nas redes sociais da escola, sempre num processo em que a criança se percebe como indivíduo e como integrante de um todo.

    São tarefas que têm mantido ocupada a família de Manuela Pinheiro, de apenas três anos. “Ela aguarda as atividades com ansiedade, e fica muito interessada quando contamos que terá encontro virtual com os amigos”, conta o pai, o advogado Adriano Pinheiro. “Isso nos ajuda a manter um tempo de qualidade com ela, pois nossa criatividade é grande mas chega a um limite”, brinca. Ele destaca que o esforço da escola para manter o vínculo da criança ajuda muito a enfrentar esse momento de incertezas.

    “Como vou aprender se não me sinto pertencente a um grupo?”, questiona Marianna. Para ela, o desenvolvimento emocional na educação infantil é muito mais relevante do que cumprir currículo de conteúdos.

    Seja com lives, reuniões virtuais, aulas direcionadas e no treinamento da equipe, o processo de aprendizagem foi transformado para agregar ideias, não substituir. “Manter uma escola viva num momento de pandemia é um grande desafio, mas a criatividade é filha da necessidade”, finaliza a pedagoga.

  • ENEM

    Faculdades oferecem descontos conforme nota do Enem

     Faculdades oferecem descontos conforme nota do Enem
    (Foto: Shutterstock)

    Para quem já passou pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), a Estácio Curitiba traz uma excelente notícia: é possível usar a nota do Exame para ingressar no ensino superior sem precisar realizar o vestibular e, ainda, garantir, de acordo com a pontuação obtida, bolsas de estudos durante toda a graduação. Quanto maior a nota da prova, maior o desconto concedido nas mensalidades. Com pontuação partir de 300, já é possível conquistar 55% de desconto durante todo o curso. Já os candidatos que obtiveram acima de 900 garantem ainda 100% desconto no 1º semestre. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pela internet pelo link http://abre.ai/bnHK ou pelo telefone 99930-0031.

    A oferta é válida para os estudantes que obtiveram pontuações acima de 300 em uma das edições do ENEM entre 2015 e 2019, e está em vigor até o dia 01 de agosto. Os calouros iniciarão os estudos já em agosto quando iniciam as atividades do segundo semestre letivo. Na Estácio Curitiba os candidatos poderão escolher entre mais de 100 opções de graduação, entre elas Psicologia, Direito, Farmácia, Nutrição e Engenharias, que estão disponíveis nesta campanha. Para mais informações sobre o uso da nota do ENEM na matrícula, basta acessar a página de regulamento no endereço www.estacio.br/regulamentos.

    Outras formas de acesso
    Quem não realizou a prova do Enem, ainda tem chances de ingressar no ensino superior. O Vestibular on-line garante, durante o mês de julho, até 50% de desconto em todo o curso. Na Estácio Curitiba os candidatos à segunda graduação, transferência externa ou reabertura de matrícula, também encontram condições especiais, disponíveis por tempo limitado, conforme previsto nos regulamentos das campanhas. Os descontos são variáveis de acordo com curso, campus e modalidade. Todas as condições estão disponíveis na página de regulamento.

    Investimento certo
    “Toda carreira precisa do primeiro passo e, neste momento, criamos muitas oportunidades de ingresso no ensino superior. Nossos alunos estão no caminho certo para vencer os desafios, pois a educação continua a ser um dos melhores investimentos. Quanto maior a escolaridade, melhores as chances de superar os períodos mais difíceis, por isso, em qualquer época, investir nos estudos fará a diferença para uma carreira de sucesso”, atesta Alexandre Frigeri, diretor da Faculdade Estácio Curitiba.

    Fonte: Assessoria de Imprensa Faculdade Estácio Curitiba.

  • Terceira Idade

    Perigo! Saiba como evitar quedas de idosos durante a pandemia

    Perigo! Saiba como evitar quedas de idosos durante a pandemia

    Tapetes, quinas agudas, superfícies escorregadias e até pesos de porta podem ser grandes vilões da terceira idade, ainda mais neste tempo de confinamento. A queda é um grande risco, com destaque para lesões de fêmur, punho e coluna, que são os mais frequentes. pior são as estatísticasum terço das pessoas com mais de 65 anos cai pelo menos uma vez por ano, de acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

    Dicas práticas para evitar esse problema serão o tema da live "Cuidados com quedas na terceira idade durante o confinamento – Orientações do profissional Terapeuta Ocupacional", com a especialista Syomara Cristina Szmidziuk. O evento é realizado pelo Crefito e tem mediação de Patrícia Lima e ocorre nesta segunda-feira (dia 6), às 19h.

    Para Syomara, orientar os idosos pode sim dar um certo trabalho, visto que envolve mudanças no quarto, no banheiro, na cozinha, ou seja, em toda a casa e até em hábitos como a saída às compras. Mas é um ato de amor que traz impactos emocionais e até financeiros. Participe e descubra como!

    SERVIÇO

    #Live: Cuidados com quedas na terceira idade durante o confinamento – Orientações do profissional Terapeuta Ocupacional

    Dia 6 de julho, às 19h, pelo Instagram do Crefito-8.

    Com Syomara Cristina Szmidziuk (terapeuta ocupacional) e mediação de Patrícia Lima.

    Fonte: Assessoria de Imprensa

  • Educação

    Futuro alcança a escola e educação inovadora ressignifica o cenário atual

    Futuro alcança a escola e educação inovadora ressignifica o cenário atual

    O sistema de ensino brasileiro foi surpreendido pela suspensão das aulas presenciais em todas as escolas do país devido à pandemia de Covid-19. Professores e gestores educacionais precisaram buscar alternativas para superar os desafios, se reinventar e quebrar paradigmas para continuar a ensinar os alunos. A adoção de ferramentas tecnológicas tem sido o caminho para que o processo ensino/aprendizagem continue acontecendo, mesmo que à distância. As aulas gravadas e on-line, envio de conteúdos por aplicativo, videoconferências e o uso de mídias sociais passaram a ser exigência para as instituições de ensino.

    A pesquisa divulgada pelo Instituto Península, fundado em 2010, e que tem como foco a melhoria da qualidade da educação brasileira, revela que 83% dos professores das redes públicas e particulares, não se sentem preparados para ensinar virtualmente e que 55% ainda não receberam treinamento ou orientação para ministrar aulas a distância.

    Escola do Futuro

    Se para a maior parte das escolas brasileiras a transformação digital chegou de repente, para o Colégio Amplação de Curitiba, conta a diretora Gisele Mantovani Pinheiro, a adaptação ao ensino remoto se deu de maneira tranquila. “A inovação está no nosso DNA. Há 8 anos, praticamos  metodologias ativas, como o  ensino híbrido e as aulas invertidas, onde o professor é mediador e o aluno, autônomo e protagonista de sua jornada de aprendizagem. Também  substituímos o material didático docente físico (livros) pelo digital (tablets)”, observa Gisele. Ela relata que a reinvenção do setor educacional foi um olhar visionário do colégio, que é considerado a ‘escola do futuro’, por estar engajada no conceito de educação inovadora.

    Gisele acredita que a educação brasileira já clamava por uma transformação conceitual e tecnológica, a exemplo da realidade das escolas de primeiro mundo. “A experiência da Finlândia é nossa inspiração e referência em gestão educacional moderna”, sublinha. A diretora explica que esse país nórdico está constantemente investindo na evolução de seu sistema educacional, e figura sempre nas primeiras posições em avaliações internacionais que medem o nível de aprendizado dos alunos.

    “A pandemia, o distanciamento social e o ensino remoto reforçaram a necessidade de uma educação inovadora, ampla, assertiva e significativa, que não se conecta mais com a ‘velha escola’”. Ela frisa que as instituições públicas ou particulares que investem no novo não encontraram muitas dificuldades de adaptação em ações emergenciais como, por exemplo, o período de distanciamento social imposto ao Brasil.

    Fluência digital

    Gisele pontua que, com certeza, a pandemia transformou o sistema educacional. Todas as instituições de ensino tiveram que avançar para a educação do Século XXI, buscar estratégias e se reinventar. “Para o Colégio Amplação, que já seguia pelo caminho da fluência digital, migrar para o ensino remoto foi um passo descomplicado, quase que natural”, enfatiza a diretora. “Foi uma continuidade do trabalho presencial, porque as atividades escolares já são trabalhadas com recursos digitais, metodologias  ativas e ferramentas  tecnológicas aplicadas à educação diariamente”.  Por isso, no início da suspensão das aulas físicas, o Amplação foi uma das primeiras escolas a levar conteúdo aos alunos por meio de aulas on-line ao vivo, e gravadas em estúdio, com envolvimento de mais de 1.000 alunos e professores. 

    Avaliação da aprendizagem

    Outro fator deve ser considerado pelas escolas, ressalta Gisele -“Todo o processo de ensino e aprendizagem, exige a avaliação contínua e indispensável à mensuração da evolução de cada aluno, e a comprovação de sua efetividade nas variadas metodologias de ensino adotadas pelo professor”. Para ela, surge, então, a oportunidade de repensar antigas práticas e testar todas as possibilidades que possam funcionar para um ambiente virtual, inclusive, as avaliações. “É preciso levar em consideração que para este cenário não existe um modelo pronto, mas sim inúmeras maneiras de fazer o ensino remoto acontecer”.

    A avaliação deve se dar em um movimento contínuo e diversificado, utilizando as mais variadas metodologias que vêm ao encontro do DNA de cada escola, e as inúmeras ferramentas tecnológicas que o sistema de ensino oferece. No Colégio Amplação estão sendo utilizadas como formas de avaliar os alunos neste período de distanciamento social e home office, as plataformas Google Forms, Socrative, Kahoot, Seesaw e Plickers.

    Ainda no processo de avaliação, a diretora do Amplação destaca que o colégio também utiliza a aula invertida, que é quando o professor passa um tema ao aluno, que estuda ou pesquisa este tema, e em vídeo conferência explica o que aprendeu.  Gisele acrescenta ainda, que essa metodologia estimula a habilidades como - saber ouvir, respeitar a opinião do outro e também  desenvolve a autonomia e o protagonismo.

    Educação inovadora

    Gisele conceitua que a educação inovadora é mais humana, colaborativa, instigante e participativa. “A educação do século XXI promove o conhecimento por meio de práticas tecnológicas inovadoras e experiências educacionais diferenciadas, sem abrir mão do acolhimento e da afetividade, onde o desenvolvimento socioemocional tem tanta importância, quanto as salas de aula modernas ou as metodologias ativas”.

    Fonte: Editado com assessoria

  • #pracegover

    Teatro com Audiodescrição: As Cidades Invisíveis

    Teatro com Audiodescrição: As Cidades Invisíveis
    Print da tela da peça

    O espetáculo "As Cidades Invisíveis" vai permanecer em exibição com Audiodescrição por mais uma semana!!! Devido a pedidos da comunidade, a peça curitibana do Agora Coletivo que iria ficar apenas 24h disponível online estendeu o prazo de exibição.

    A peça traça uma narrativa que beira a linguagem dos sonhos e faz uma analogia entre as “cidades” e as atrizes que formam o elenco do trabalho. Inspirada nas subjetividades de cada uma delas, “As Cidades Invisíveis” é uma trajetória por suas histórias autobiográficas. O processo teve como ponto de partida o livro homônimo de Ítalo Calvino e caminhadas por ruas do centro histórico de Curitiba. A noção de “território” como identidade e de “corpo” como território delineia um discurso que transita entre as ideias de vida e morte, viagem e morada, convite e expulsão, invasão e acolhimento.

    Essa é uma iniciativa do Agora Coletivo em parceria com a audiodescritora Raquel Carissimi, alunos do projeto Ver com as Mãos e da Híbrido Produções. A peça tem classificação indicativa de 14 anos e o link com acessibilidade fica disponível do dia 1 a 7 de Junho:

    https://www.youtube.com/watch?v=uBGxDs7cpsY

    Ajude a espalhar essa ideia! Compartilhe com possíveis interessados em Teatro com Audiodescrição no Brasil e demais países de língua portuguesa! Teatro #pracegover não pode mais ser uma exceção. Mesmo à distância ele é possível e é essencial para que haja equidade!

    #fiqueemcasa pra assistir teatro com a gente!

    #pracegover #ascidadesinvisíveis #agoracoletivo #audiodescrição #pratodosverem #CuritibatemAD #AD #hibridoproduções #vercomasmãos

  • Ensino Superior

    Estácio lança "Semana Imperdível" para quem deseja se tornar universitário

    Estácio lança "Semana Imperdível" para quem deseja se tornar universitário

    O momento, que exige cuidados para a contenção do COVID-19 no Brasil, mas para quem quiser conquistar o sonho de se tornar um universitário chegou a Semana Imperdível. A campanha on-line ocorrerá entre os dias 11 e 16 de maio e será realizada simultaneamente em diversos campi e polos de ensino a distância. As inscrições são gratuitas e as provas poderão ser agendadas diretamente no portal da Estácio em um dos horários disponíveis. Confira a programação da unidade ou polo escolhido em http://inscricoes.estacio.br/.

    A Semana Imperdível vai possibilitar o início da graduação com até 40% de desconto em cursos das modalidades à distância e presenciais, que passaram a ser oferecidas por meio de aulas ao vivo pela internet para mais de 300 mil alunos. A plataforma de ensino que possibilita a continuidade das aulas presenciais durarem a manutenção das medidas de isolamento social foi aprovada por 94% dos estudantes. Já na modalidade digital os cursos seguem sem alterações. E se a preocupação com o futuro é o impedimento para iniciar a graduação, na Estácio o seguro educacional protege os alunos que tenham perdido o emprego. Totalmente sem custos, o benefício garante um crédito de até seis vezes o valor da mensalidade. Saiba mais informações em https://portal.estacio.br/seguroeducacional.

    Para garantir descontos de até 40% no primeiro semestre além de descontos até o final do da graduação, os candidatos precisam ser aprovados entre os dias 11 e 16 e efetuarem a confirmação de matrícula até o dia 23 de maio com o pagamento referentes à primeira mensalidade. A campanha é válida para diversos cursos, como Arquitetura e Urbanismo, Direito, Engenharia de Produção, Marketing, entre outros, conforme regulamento. Os descontos são válidos para matriculados no 2º semestre de 2020 e não são cumulativos entre si nem com quaisquer outros descontos. Esta campanha não é válida para o curso de Medicina e todos os detalhes estão descritos no regulamento no site.

    Ao participarem do vestibular on-line os candidatos precisarão estar atentos à conexão de internet e devem permanecer em um ambiente calmo que facilite a concentração. O tempo para a realização da prova é limitado em até uma hora ininterrupta, desta forma, o candidato não poderá pausar a avaliação. Todas as informações estão disponíveis no site. É necessário ler as instruções com atenção e antes de iniciar a prova.

    Quem fez a prova o Enem ou já possui um diploma de ensino superior, não precisa prestar o vestibular. Nesse caso, basta realizar a inscrição no site inscricoes.estacio.br. Para ingressar pelo ENEM é necessário ter obtido nota acima de 300 na redação e no mínimo 100 em cada uma das provas objetivas do exame (estas notas serão comprovadas com o boletim de notas do ENEM. Após, basta encaminhar cópias do RG, CPF, histórico de conclusão do ensino médio pelo portal do candidato. Para quem for iniciar a segunda graduação, é necessário realizar a inscrição e enviar, além dos documentos citados, o diploma de graduação.

    Ao iniciar seus estudos em uma das mais respeitadas instituições de ensino do Brasil, o aluno da Estácio contará com diversas vantagens como material didático digital sem custo; um corpo docente formado por especialistas, mestres e doutores; amplo acervo bibliográfico; orientação de carreira e encaminhamento para o mercado de trabalho, entre outras vantagens.

    Fonte: Assessoria de Imprensa Estácio/Curitiba

  • O que o isolamento social tem nos ensinado

    O que o isolamento social tem nos ensinado

    É inegável que todos estão sendo muito provados durante esta quarentena, que obriga a rever modos de trabalho, relações em casa, enfim, trata-se de muita mudança em pouco tempo. Para completar, o medo de ser contaminado e a dificuldade em conter essa ansiedade diante das crianças trazem um complicador ao dia a dia. E como lidar com os filhos em meio a isso tudo?

    Para auxiliar nesse período, que ainda exigirá um pouco mais de paciência, a psicopedagoga do Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil, Márcia Canova, aborda algumas dicas bem práticas baseadas em boas práticas que poderemos incorporar à vida familiar depois que tudo isso passar.

    1. Crie uma rotina, seja qual for a situação

    É importante dar organização ao dia, planejar as atividades e manter esse esquema, em nome da paz no lar. “Isso faz com que o nível de ansiedade diminua bastante. Quando a criança não tem o que fazer, ela procura o que fazer - e isso acaba trazendo muito estresse. Evite viver apagando incêndios”, compara Márcia.

    1. Não dê lugar à paranoia

    Como estamos lutando contra um ser invisível, é fácil entrar em pânico, com medo de que o vírus esteja em qualquer lugar. “Basta usar o bom senso. Não precisa entrar em compulsão de limpeza, nem achar que qualquer um está contaminado”, explica a psicopedagoga. É importante também explicar o risco às crianças sem exageros.

    1. Brincar em família: mantenha essa prática!

    Apesar do confinamento ser compulsório e estar lançando a muitos em grave crise econômica, algumas situações só foram possíveis graças ao tempo ampliado em família. É o caso do banho de mangueira numa segunda-feira à tarde, dos jogos de tabuleiro encontrados nos armários, das conversas olho no olho. Não deixe isso de lado depois!

    1. Escolha atividades para todos os sentidos

    A diversidade de atividades na rotina faz com que a criança consiga explorar e distensionar o corpo. Muito tempo de televisão imobiliza e traz estímulos nem sempre positivos. Use tintas, massinha, livros, músicas, montar quebra-cabeça, e, muito importante, tente dar outro significado aos objetos da casa para ativar a imaginação. “Os materiais alternativos ativam o sensorial da criança, e isso descarrega tensão”, garante Márcia.

    1. Casa também é lugar para aprender

    O vínculo com a aprendizagem acontece sobretudo na escola, mas uma das oportunidades que a quarentena traz é construir essa relação também em casa: ensinar com amor! Entre muitos outros aprendizados, ganha destaque a culinária em família, quando é possível experimentar texturas, seguir regras e observar o resultado da “experiência” depois.

  • Estácio oferece Cursos Gratuitos online durante a quarentena

    Estácio oferece Cursos Gratuitos online durante a quarentena

    São cursos de diversas áreas de interesse que vão contribuir para aprimorar os conhecimentos de estudantes e profissionais

    Que tal aproveitar o tempo em casa para investir no seu conhecimento? Em tempos de quarentena por conta do combate à disseminação do novo coronavírus, a Estácio vai ajudar quem está em casa. A instituição selecionou vários cursos de seu portfólio e vai liberá-los gratuitamente durante esse período, para que profissionais e estudantes possam aprimorar sua carreira e seus conhecimentos pessoais.

    “Sabemos que o isolamento social pode ser um grande desafio. Para tornar esses dias mais proveitosos e cheios de conhecimento, estamos disponibilizando gratuitamente cursos para esse período de quarentena. Fizemos uma seleção de cursos on-line em diferentes áreas, para quem deseja conhecer algo novo e se qualificar ainda mais”, explica Alexandre Aguieiras, vice-presidente de Conteúdo Digital.

    Os cursos fazem parte do portfólio da Estácio, podem ser feitos pelo computador, celular ou tablet e foram divididos em quatro áreas de interesse: administração, gestão e engenharia; educação; gastronomia; e computação. Todo o material didático foi elaborado pela Estácio e está disponível na plataforma, com vídeos, e-books e testes de conhecimento.

    “Nossa plataforma pode ser acessada facilmente e conta com videoaulas, material de apoio e contém cursos ministrados por professores da Estácio, altamente qualificados. Acho importante dividirmos informação e conhecimento com todas as pessoas, principalmente nesse momento tão delicado que estamos vivendo. Reduzir o impacto sobre a sociedade como um todo também é papel de uma instituição de ensino em situações como essa”, complementa Marcel Desco, vice-presidente de Mercado.

    Para se inscrever e iniciar os estudos basta entrar no site http://cursosgratuitos.estacio.br

  • Deficiência visual

    Por que as pessoas cegas podem ficar mais suscetíveis ao coronavírus?

    Por que as pessoas cegas podem ficar mais suscetíveis ao coronavírus?

    Entre tantos posts de redes sociais e mensagens pelo whats sobre a relação entre o Coronavírus e as pessoas com deficiência visual, compartilho aqui fontes confiáveis de pessoas e instituições ligada à causa.

    Primeiro compartilho o link do professor e pessoa com deficiência visual Francisco Lima, em que ele responde a pergunta: "Por que as pessoas cegas podem ficar mais suscetíveis ao coronavírus". http://bit.ly/coronavirus_deficiência_visual 

    Na sequência, divulgo nota da Associação Brasiliense de Deficientes Visuais- ABDV, que também faz vários alertas às pessoas com deficiência visual quanto aos cuidados pessoais que devem ser reforçados em tempo de pandemia. 

    A Associação Brasiliense de Deficientes Visuais- ABDV, vem por meio deste alertar as pessoas com deficiência visual quanto aos cuidados pessoais que devem ser reforçados em tempo de pandemia do Corona vírus. Por razões diversas, entendemos que as pessoas com deficiência visual também se enquadram no grupo de risco, por estarem mais vulneráveis, levando em consideração
    alguns aspectos ocasionados pela ausência da informação visual, como:

    1. Utilização frequente das mãos, uma vez que o tato é um sentido muito explorado e essa por sua vez, é considerada veículo direto de contaminação.

    2. Provável dificuldade da lavagem das mãos, de acordo com a técnica correta de higienização, que nas normas instrutivas são demostradas de forma visual através de imagens e desenhos.

    3. Uso da bengala, que podemos considerar ser uma extensão das mãos, e que muitas vezes é esquecida de ser higienizada.

    4. Contato direto e constante com outras pessoas que os auxiliam nas atividades diárias, como: serem guiadas por diferentes pessoas, receberem objetos das mãos de terceiros, tocar em corrimão, etc.
    5. Grupo que desenvolve diversas atividades profissionais, na maioria das vezes, utilizando o tato, como: informática, câmara escura, telemarketing, etc... ressaltando
    ainda o grande número de pessoas com deficiência visual que trabalham com massagem, onde acontece o contato direto com o cliente, suor, higienização da cadeira.

    6. a deficiência visual, que muitas vezes está associada a doenças crônicas, que por sua vez é considerado grupo de risco.
    Sugerimos:
    - Lavar bem as mãos e punho, de preferência com sabonete líquido, depois usar álcool a 70%.
    Observação: Seja em gel ou líquido, o álcool recomendado é o que tem concentração de 70%.

    - NÃO ESQUEÇA de higienizar sua bengala com água e sabão, além do álcool.

    - Ao receber ajuda, procure segurar no ombro evitando tocar nas mãos ou cotovelo de quem irá te guiar, uma vez que a recomendação é de que ao tossir ou espirrar,
    as pessoas o façam no meio do braço.

    Atenção! Ao ser considerado grupo de risco, você também pode ser considerado veículo de contaminação. Saiba se proteger e
    proteja os outros!
    Pense nisso!

    O auto cuidado é a arma mais potente que você tem nas mãos!

    Atenciosamente;
    Denise Braga. presidente da ABDV.

  • Voluntariado empresarial auxilia no aumento da prática solidária no Brasil

    Voluntariado empresarial auxilia no aumento da prática solidária no Brasil
    Moradores do Instituto Princesa Benedikte receberam livros no fim do ano. Crédito: Divulgação.

    O Brasil tem cerca de 7,2 milhões de voluntários que atuam nas mais diferentes entidades, sejam na área de educação, cultura, saúde, esportes, ciências, recreação, assistência social, entre outras. O número, registrado pelo IBGE e referente ao ano de 2018, parece ser grande, mas representa apenas 3% da população nacional.

    O voluntariado empresarial representa uma forma de ampliar o alcance dessa prática, que beneficia tanto quem cede um pouco do seu tempo em prol de uma causa quanto quem o recebe. Todavia, esse é um âmbito que merece cautela quando aos procedimentos formais, já que o serviço de voluntariado é regido pela Lei Federal 9608/98.

    “Para as empresas que desejam iniciar um projeto de voluntariado, independentemente da área de enfoque, o primeiro passo é elaborar um planejamento estratégico inicial”, avisa a advogada Marcella Souza, coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da Andersen Ballão Advocacia (ABA).

    Nele, devem constar as expectativas daquilo que se deseja alcançar, possibilidades e objetivos do programa. É importante salientar que a instituição beneficiada pode ser uma entidade pública de qualquer natureza, ou instituição privada sem fins lucrativos.

    Outro requisito formal é firmar um termo de adesão entre a entidade e o prestador do serviço voluntário. “No documento devem constar o objeto e as condições de seu exercício, e, a depender da entidade beneficiada, as regras específicas internas relativas aos voluntários”, explica a advogada.

    A ABA oferece consultoria e assessoria jurídica a empresas que desejam implementar programas de voluntariado ou regulamentar o trabalho já realizado em entidades e instituições. Pessoas físicas também podem recorrer a esse auxílio profissional para iniciar uma atividade solidária.

    O resultado desejado, na maioria dos casos, é a transformação da realidade das comunidades, além do fortalecimento do engajamento do colaborador no ambiente de trabalho e do benefício positivo para a imagem da marca.

    Sorrisos como recompensa

    Um exemplo de resultado registrado pela excelência no voluntariado é o serviço prestado voluntariamente pela ABA na gestão administrativa, financeira e de assessoria jurídica ao Instituto Princesa Benedikte. Ao se responsabilizar por tantas áreas da mesma entidade, os advogados envolvidos precisam dedicar-se a temas que vão além de sua expertise jurídica, o que representa um ganho para todos. “A vivência de entidades sociais tem uma dinâmica própria, e acabamos envolvidos em diversos outros aspectos, nos forçando a ter ainda mais dedicação para realizar as atividades necessárias, com uma grande motivação que são as causas por trás de tudo isso”, conta Marcella Souza.

    Para a advogada, testemunhar, reconhecer e demonstrar para o público interno do escritório a importância do trabalho voluntário também traz benefícios. “Há um tipo de valor agregado não vinculado à parte financeira apenas, ou seja, é uma outra espécie de lucro, tão importante quanto, pois também implica diretamente na imagem do escritório.”

    Ela também considera que, para além dos resultados mais aparentes, que também contam muito – como testemunhar a melhora na qualidade de vida das crianças, passando um tempo com elas, ou ainda recepcionar um membro de uma família real como a princesa dinamarquesa que esteve em Curitiba em outubro de 2019 –, uma outra questão envolvida é a função social alcançada por esse voluntariado, seja na função de advogados, como também enquanto empresa.

    Outro exemplo de empresa que presta serviços voluntários é a Smartcom Inteligência em Comunicação que, desde 2013, presta serviços voluntários para entidades sem fins lucrativos. O retorno social e de marketing da iniciativa foi tão positivo que, desde 2019, a agência com sede em Curitiba e alcance global decidiu contribuir pro bono para o planejamento e gerenciamento das redes sociais do Instituto Princesa Benedikte, o que já vem trazendo resultados visíveis para a rede de contatos da entidade.

    “No momento da escolha da entidade, é preciso que haja uma identificação entre a causa e a marca. O planejamento estratégico auxilia nessa etapa e mostra as vantagens do voluntariado para o negócio. Trabalhamos com comunicação, então foi natural a empatia com entidades que envolvem aspectos educacionais e de futuro. Este é o legado que queremos deixar para a comunidade”, complementa Silvana Piñeiro Nogueira, diretora da Smartcom.

    Serviço

    Acompanhe todas as atividades do Instituto Princesa Benedikte e seja também um voluntário!

    Facebook http://bit.ly/2O71IiW
    Instagram @institutoprincesabenedikte
    Site www.institutoprincesabenedikte.com

    Fonte: com assessoria

  • Pessoas com deficiência visual podem participar de oficinas de teatro no IPC

    Pessoas com deficiência visual podem participar de oficinas de teatro no IPC

    O Instituto Paranaense de Cegos por meio do projeto “Teatralizando” realiza, a partir de março de 2020, oito oficinas multilinguagens para pessoas com deficiência visual, na própria sede do IPC, em Curitiba. Por meio dessas oficinas, a pessoa com deficiência visual terá contato com a prática teatral e suas ramificações, bem como os outros elementos correlatos como: maquiagem, figurino, improvisação e jogos etc. As inscrições estão abertas até o dia 13 de março e podem ser feitas no próprio IPC ou entrando em contato com a professora e coordenadora do projeto Juliana Partyka pelo whatstApp (41) 99718-8160 ou pelo e mail jupartyka@icloud.com. As oficinas ocorrerão sempre aos sábados, das 13 às 17 horas, no auditório do IPC. 

    O Teatralizando é viabilizado por meio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. O Projeto, de acordo com Juliana, busca incentivar a inclusão do público-alvo em uma vida social mais ampliada com o auxílio dos educadores especialistas e alguns métodos desenvolvidos ao longo dos encontros dos módulos executados, levando-se em conta as particularidades do grupo.

    Além das atividades em sala, estão previstas a saída dos alunos para visitar museus com acompanhantes que farão descrição dos objetos e da história; intercambiar com outros alunos de outras escolas de teatro da cidade; frequência nas peças nos festivais de teatro e de bonecos, bem como em peças que estejam em cartaz de autores paranaenses. 

    Contempla o projeto ainda o contato com os escritores e autores brasileiros de teatro com incentivo à produção de peças, buscando a ampliação do campo de conhecimento e cultura destes alunos. Estão previstos encontros temáticos, uma vez por mês, que procure fomentar o debate e o pensamento crítico sobre questões como sexualidade, gênero, exclusão/inclusão e outros.

    O objetivo do projeto também é de trabalhar com a quebra de paradigmas, construindo noções como a autoestima e a cidadania por meio das ferramentas e benefícios do teatro, referenciado pela metodologia do Teatro do Oprimido. Pretende-se que os esforços no sentido de fortalecer nas crianças e jovens com deficiência visual o contato com a cultura e o conhecimento equilibre as condições de inclusão escolar e social e incentive estas pessoas a uma maior presença em eventos culturais. 

    A professora Juliana destaca que o projeto não visa a formação profissional de atores, mas sim a utilização das técnicas de teatro direcionadas para desenvolver competências nos jovens com deficiência visual, no sentido de contribuir para uma mudança construída nas interrelações, assim como no rendimento escolar.  Na maior parte das vezes, segundo Juliana, estes alunos, apresentam dificuldades no acompanhamento escolar, tendo em vista que os métodos utilizados na educação formal são voltados às crianças e alunos sem deficiência. “Não é incomum esses alunos estarem incluídos em sala de aula, porém totalmente excluídos da relação ensino/aprendizagem”, diz Juliana exemplificando a falta de material adaptado.

    Mais informações para inscrição: Professora Juliana Partyka pelo whatstApp (41) 99718-8160 ou pelo e mail jupartyka@icloud.com

  • Cinema

    Cineplus Jardim das Américas: cinema ace$$ível para a “Melhor Idade”

    Cineplus Jardim das Américas: cinema ace$$ível para a “Melhor Idade”

    Em uma ação inédita, a Rede Cineplus do Shopping Jardim das Américas promete mais uma vez fazer história em Curitiba. Desta vez, a pioneira do Brasil com equipamentos de acessibilidade para deficiência visual e auditiva, criou uma novidade: sessões especiais para a “Melhor Idade”, que irão acontecer sempre na primeira quarta-feira do mês, às 14h30.

    E o melhor, com ingressos no valor fixo em R$ 7,00 para os idosos e seus acompanhantes. Outros clientes que não estejam na companhia de idosos pagarão o valor normal da bilheteria.

    “Além do preço convidativo, a sessão será especialmente preparada para eles, incluindo chá e bolachinhas, tudo para que eles sintam-se à vontade e possam aproveitar esse momento. Escolheremos sempre o filme em cartaz mais adequado a eles para exibição.”, conta a criadora da ideia e sócia do Cineplus Marina Pastre.

    A primeira sessão será dia 4 de março, às 14h30, com o filme “O Chamado da Floresta”. “O Shopping não poderia estar mais feliz em ser o escolhido para mais essa grande ação do Cineplus. Já contamos com o Cinematerna, a sala inclusiva, dia para o espectro autista e agora a melhor idade. Temos muito orgulho em trazer toda a família para nosso mall”, conta Daniella Soni, gerente de marketing do Shopping Jardim das Américas.

    Fonte: Informações com Assessoria de Imprensa

  • Romancistas lançam Namida Taiko, obra de ficção sobre os costumes de uma colônia japonesa

    Romancistas lançam Namida Taiko, obra de ficção  sobre os costumes de uma colônia japonesa

    “Namida Taiko” será lançado no dia 29 de fevereiro (sábado), às 18h, na Nikkei – Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba com apresentação do Wakaba Taiko, Grupo de Taiko (tambores japoneses)

    “Namida Taiko”, nova obra da dupla de romancistas Helena Douthe e Franccis Yoshi Kawa, conta a história de quatro personagens, que disfarçados de agricultores, se transformam em protagonistas de um enredo cheio de aventura, drama, amor e fantasia. A obra será lançada, no dia 29 de fevereiro, às 18h, na Nikkei - Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba, com sessão de autógrafos e apresentação do Wakaba Taiko, Grupo de Taiko (tambores japoneses).

    O livro é uma obra de ficção inspirada na geada de 1975, onde foi devastada – em apenas uma noite –, plantações de café em colônias no Norte do Paraná. “A geada dizimou os cafezais, ocasionando grave crise financeira. Os elementos de ficção compõem a obra para deixá-la mais suave e bem-humorada para contar sobre os costumes e a maneira de viver dos colonos.”, conta

    Os autores durante o processo de escrita passaram a frequentar eventos da comunidade japonesa Nikkei, o que colaborou para estudo e pesquisa de campo, outra parte veio da memória afetiva do Franccis.  “De início foi difícil imaginar que pudesse surgir uma aventura, um romance, algo mirabolante que pudesse dar sustentação à narrativa, sem ofender ou incomodar os ex-moradores e moradores da colônia”, relatam.  

    Sobre o título do livro, os autores explicam: “Taiko é um instrumento japonês de percussão, onde é preciso disciplina, concentração e habilidade rítmica do músico para que o som fique harmonioso. No livro ele é transformado num elo entre o casal principal da história, que consegue se comunicar por telepatia e sentir um ao outro quando escutam suas batidas. Namida quer dizer lágrima”. 

    Pela união das duas palavras já dá para ter uma ideia do romance, uma história recheada de bom humor, drama, amor e dor, em que o taiko deixa de ser apenas um simples instrumento de percussão. “É uma trama complexa baseada em honra e disciplina, que conta a saga de uma jovem lutando para conquistar seu sonho até as últimas consequências”, explica Franccis.

    Este já é o terceiro livro escrito pela dupla Helena e Franccis, ambos acadêmicos da Academia Virtual Internacional de Poesia, Arte e Filosofia. A parceria começou com o lançamento em 2017 com o livro escrito em prosa "Ajoelhar jamais" (Editora Appris) e o segundo foi “Os Velhacos” (Editora Insight), romance em que famílias lutam pelo poder e agora “Namia Taiko. Enquanto Helena empresta um pouco de lirismo, Franccis gosta de apresentar momentos histórica sob a roupagem da ficção.

    Sobre o grupo Wakaba Taiko – Fundado em 2003, atualmente o Wakaba Taiko conta com aproximadamente 60 tocadores. É relevante a quantidade de pessoas, descendentes e não descendentes de japoneses, que têm interesse em aprender e se envolver com a cultura japonesa, através do taikô. O grupo pretende por meio desse instrumento tradicional, preservar e dar continuidade à cultura japonesa, transpassando os valores e costumes. O grupo coleciona inúmeros prêmios nacionais e internacionais, com destaque para a conquista, em 2018, de Campeão Brasileiro de Taiko na categoria master com a música "KAKEHASHI".

    Serviço:
    Lançamento do livro “Namida Taiko” e apresentação do grupo Wakaba Taiko
    Autores:
     Helena Douthe e Franccis Yoshi Kawa
    Editora: Insight Ano: 2019

    Local:  Nikkei -Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba (Rua Pe. Júlio Saavedra, 598)
    Dia:  
    29/02 Horário: às 18h

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES