Comunicação & Educação Acessíveis

O que o isolamento social tem nos ensinado

É inegável que todos estão sendo muito provados durante esta quarentena, que obriga a rever modos de trabalho, relações em casa, enfim, trata-se de muita mudança em pouco tempo. Para completar, o medo de ser contaminado e a dificuldade em conter essa ansiedade diante das crianças trazem um complicador ao dia a dia. E como lidar com os filhos em meio a isso tudo?

Para auxiliar nesse período, que ainda exigirá um pouco mais de paciência, a psicopedagoga do Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil, Márcia Canova, aborda algumas dicas bem práticas baseadas em boas práticas que poderemos incorporar à vida familiar depois que tudo isso passar.

  1. Crie uma rotina, seja qual for a situação

É importante dar organização ao dia, planejar as atividades e manter esse esquema, em nome da paz no lar. “Isso faz com que o nível de ansiedade diminua bastante. Quando a criança não tem o que fazer, ela procura o que fazer - e isso acaba trazendo muito estresse. Evite viver apagando incêndios”, compara Márcia.

  1. Não dê lugar à paranoia

Como estamos lutando contra um ser invisível, é fácil entrar em pânico, com medo de que o vírus esteja em qualquer lugar. “Basta usar o bom senso. Não precisa entrar em compulsão de limpeza, nem achar que qualquer um está contaminado”, explica a psicopedagoga. É importante também explicar o risco às crianças sem exageros.

  1. Brincar em família: mantenha essa prática!

Apesar do confinamento ser compulsório e estar lançando a muitos em grave crise econômica, algumas situações só foram possíveis graças ao tempo ampliado em família. É o caso do banho de mangueira numa segunda-feira à tarde, dos jogos de tabuleiro encontrados nos armários, das conversas olho no olho. Não deixe isso de lado depois!

  1. Escolha atividades para todos os sentidos

A diversidade de atividades na rotina faz com que a criança consiga explorar e distensionar o corpo. Muito tempo de televisão imobiliza e traz estímulos nem sempre positivos. Use tintas, massinha, livros, músicas, montar quebra-cabeça, e, muito importante, tente dar outro significado aos objetos da casa para ativar a imaginação. “Os materiais alternativos ativam o sensorial da criança, e isso descarrega tensão”, garante Márcia.

  1. Casa também é lugar para aprender

O vínculo com a aprendizagem acontece sobretudo na escola, mas uma das oportunidades que a quarentena traz é construir essa relação também em casa: ensinar com amor! Entre muitos outros aprendizados, ganha destaque a culinária em família, quando é possível experimentar texturas, seguir regras e observar o resultado da “experiência” depois.