Atmosféra

A cada minuto, dois raios atingem o Paraná, mostram estatísticas

Sistema de Previs\u00e3o Probabil\u00edstica de Eventos de Raios \u00e9 capaz de prever o comportamento futuro de uma tempestade de raios
Sistema de Previs\u00e3o Probabil\u00edstica de Eventos de Raios \u00e9 capaz de prever o comportamento futuro de uma tempestade de raios (Foto: Foto: José Fernando Ogura/Arquivo ANPr)

A cada minuto, dois raios atingem o Paraná, em média. Segundo informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgadas pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica, todos os anos são registrados sobre o território paranaense 916,8 mil raios. O estado é o 11º entre as unidades da federação em termos de raios, sendo que o Brasil é o campeão mundial das chamadas descargas atmosféricas, com a média de 77,8 milhões por ano.

Entre todas as unidades da federação, o estado com maior incidência é o Tocantins. Em número absolutos, o campeão é o Amazonas, que tem seu território atingido por cerca de 24,6 milhões de descargas elétricas todos os anos. Já no Paraná, o destaque fica para os municípios litorâneos, como Antonina (8,14 raios por quilômetro quadrado por ano, com uma média de 6.878 descargas), Guaraqueçaba (índice de 7,18), Morretes (6,19) e Paranaguá (6,14). 

Curitiba, por sua vez, aparece apenas posição de número 223 no ranking estadual e na de 1.916 no ranking nacional, com uma densidade de descargas de 4,56 por quilômetro quadrado ao ano. Isso dá uma média de 1.957 descargas a cada ano – ou ainda cinco ocorrências de raios por dia na Capital.

Durante esta terça-feira (18), porém, o Paraná apareceu nos radares do Grupo de Eletricidade Atmosférica e da Rindat (Rede Integrada de Detecção de Descargas Atmosféricas) como o estado com maior incidência de raios. Com a chegada do verão, a tendência é que essas ocorrências de descargas elétricas se tornem ainda mais frequentes.
Segundo alertas emitidos pelo Inpe, o verão 2018/2019 deve ser de muitos temporais e, como o raio é a consequência da descarga elétrica gerada pelo choque entre as nuvens, a estação deve ser de muitas ocorrências deste fenômeno também. Historicamente, nessa época do ano ocorre a maior incidência de raios no país e a maioria das mortes por ocasião deles: cerca de 43%. 
Entre 2000 e 2017, ainda segundo o Inpe, foram registrados 2.044 acidentes fatais em todo o país. O estado com maior número de vítimas é São Paulo, que registrou 313 ocorrências no período em questão. Em seguida estão: Minas Gerais (167), Pará (150), Rio Grande do Sul (139) e Mato Grosso do Sul. O Paraná aparece na nona colocação, com 106 mortes no período.

Em dias de tempestade, siga as dicas de segurança de especialista
Como os raios têm um grande potencial destrutivo (sua descarga elétrica pode superar a 100.000 Ampères e a vários milhões de Volts), é sempre importante saber como evitar danos físicos e materiais com descargas elétricas. Um dos problemas mais comuns, por exemplo, é a queima de eletrodomésticos por ocasião de sobretensão na rede de enegia elétrica, aponta o Engenheiro Eletricista Fábio Amaral, diretor da Engerey Painéis Elétricos.

Segundo o especialista, durante ocorrências de chuvas ou tempestades as pessoas devem evitar ficar em campos abertos, no mar ou em piscinas; embaixo do guarda-sol ou de árvores, principalmente se elas estiverem isoladas ou em campo aberto; se estiver em casa, não ficar próximo de janelas metálicas, geladeiras, televisores e próximo a tomadas elétricas; também não fale ao telefone que possui linha a fio, pois o raio pode ser conduzido através dele até você.

Já para evitar danos materiais, Amaral recomenda a retirada de equipamentos da tomada durante a chuva forte e o uso do DPS (Dispositivo de Proteção contra Surtos) nos quadros elétricos, que protege as instalações da sobretensão causada por descargas atmosféricas indiretas, evitando a queima de eletrodomésticos e eletrônicos. Outra medida de prevenção é o uso de para-raios, excelentes alternativas para edificações, conduzindo a sobretensão para a terra e evitando a queima de equipamentos, assim como acidentes.

Calor dará um ‘até logo’ aos curitibanos nos próximos dias
Os curitibanos já estavam ficando acostumados, mas em breve terão de se despedir, mesmo que temporariamente (um “até logo”) dos dias com temperatura máxima acima dos 30ºC. De acordo com o Instituto Meteorológico do Paraná (Simepar), o clima na Capital nos próximos dias será parecida com o que se verificou nesta terça-feira (18), com tempo abafado, chuvas a partir do período da tarde e o risco de temporais típicos de verão.

No domingo (23), porém, acontece um resfriamento abrupto. Se no sábado a previsão é de temperatura mínima de 19ºC e temperatura máxima chegando até 31ºC, no dia seguinte os termômetros devem registrar temperaturas entre 19 e 23ºC, situação que deve permanecer até, pelo menos, quarta-feira – na quinta, volta-se a registrar máxima acima de 30ºC.

“No dia de Natal teremos um clima bem mais ameno do que tivemos nesses últimos dias. Atualmente temos uma massa de ar bastante aquecida que faz com que as temperaturas se elevem durante o dia, principalmente por conta da ausência de nuvens. Mas assim que começar o verão, baixa também a (temperatura) máxima e bem no dia 25 vamos ter muitas nuvens e daí o sol não consegue aquecer tanto”, explica o Simepar.