Publicidade

Ações da Natura batem máxima histórica com compra da Avon

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Natura subiram 9,43% nesta quarta-feira (22), com a confirmação de compra da americana Avon. Segundo o Financial Times, o negócio será feito por meio de troca de ações. A Natura deve oferecer US$ 2 bilhões pelos papéis da rival, equivalente a R$ 8,08 bilhões. A Avon tem valor de mercado de US$ 1,5 bilhão.

Os papéis da companhia brasileira chegaram a cair cerca de 5%, a R$ 52,84, assim que a Bolsa brasileira abriu. Com maiores detalhes da compra, eles inverteram o sinal e fecharam a R$ 61,50, valor superior a máxima de R$ 59,80, de 4 de janeiro de 2013.​

“O modelo de transação por troca de ações pode gerar bastante valor para a companhia por não ter alavancagem financeira. Nas outras aquisições, a Natura teve solavancos no caixa porque desembolsou grandes valores”, afirma Luis Gustavo Pereira, estrategista-chefe da Guide Investimentos.

O receio de investidores era de que a compra poderia comprometer a dívida da companhia brasileira. Ao fim de 2018, o déficit da companhia era de 2,71 vezes o Ebitda.

“O negócio só poderia ser melhor se a compra da Avon fosse mais barata e o dólar estivesse mais baixo”, diz Pereira. Nesta sexta, o dólar está cotado a R$ 4,0420.

Por meio de fato relevante, a Natura confirmou que chegou a um acordo com a Avon. A transação cria "uma nova sociedade holding para o grupo, Natura Holding S.A. (“Natura & Co” ou “Natura Holding”), será a titular de todas as ações da Natura e da Avon, como resultado de uma reestruturação societária".

Segundo a companhia, a aquisição "será em uma operação que envolve troca de ações (all-share merger), que resultaria na combinação de seus negócios, operações e das bases acionárias da Natura e da Avon".

Neste modelo de compra, o pagamento é feito por ações. A Natura oferece um valor em suas próprias ações para cada papel da Avon.

A empresa brasileira ainda ressalta que a transação está sujeita a aprovação dos órgãos reguladores e pelas bases acionárias de ambas as partes. "Não há como garantir que uma Transação definitiva será anunciada ou ainda os outros termos de qualquer eventual acordo", diz o comunicado.

"A Avon passou por tempos difíceis em todos os seus principais mercados e pode precisar de investimentos para revitalizar suas operações em todo o mundo, ao mesmo tempo em que a Natura têm que manter o seu plano de reestruturação em curso para a marca The Body Shop", afirma Henara Matache, analista do Brasil Plural.

Neste ano, a Natura adquiriu a operação da inglesa The Body Shop na América Latina.

Apesar disso, Matache afirmou em nota a clientes que as sinergias que podem resultar da combinação das duas empresas "devem superar o lado negativo dos investimentos necessários e contribuir diretamente com o objetivo maior da companhia de se tornar uma marca verdadeiramente global".

Com a perspectiva de crescimento, as ações da Natura tiveram a maior do Ibovespa, maior índice acionário do país.

Já os papéis da Avon chegaram a subir mais de 20% na Bolsa de Nova York pela manhã, mas fecharam em alta de 9,94%, a US$ 3,518.

DESTAQUES DOS EDITORES