Publicidade

Advogados da OAB fazem plantão para atender casos de violência em protestos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quinze advogados da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP (seção de São Paulo das Ordem dos Advogados do Brasil) estarão de plantão nesta quarta-feira (15) para atuar no caso de eventuais violações ao direito de manifestação.

De acordo a advogada Ana Amélia Mascarenhas Camargos, presidente da comissão, a medida foi tomada diante do receio de que ocorram atos hostis e violentos contra os manifestantes, que protestam em oposição aos cortes determinados pelo governo federal nos recursos da educação.

"O governo tem agido com agressividade", disse à reportagem, minutos após o presidente Jair Bolsonaro chamar os manifestantes de "idiotas úteis", classificando-os como "militantes" e "instrumento político de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais".

Ana Amélia, que é professora de direito do trabalho na PUC-SP, afirma que "o governo trata a educação como gasto, enquanto o mundo todo considera como investimento fundamental para a formação da sociedade e para a melhora da qualidade de vida". 

"Que cidadão este governo quer formar?", pergunta Ana Amélia. "A educação é a base do mundo civilizado", afirma. 

O ministro-chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni, comparou a redução de recursos nas universidades com as dificuldades financeiras de um pai que pretende comprar um vestido para a festa de 15 anos da filha. "Então, ele diz: pode ser que não dê, então não vou sair para comprar cigarro, não vai ter cervejinha no final de semana."

O telefone da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP é (11) 3291-8210.

DESTAQUES DOS EDITORES