Ancelotti descarta favoritismo do Real Madrid, mas avisa: 'Estamos preparados'

O Real Madrid chegou a Paris embalado pelo título espanhol - conquistado com 13 pontos de diferença para o Barcelona, a maior em 47 anos - e por conseguir reverter situações quase impossíveis na campanha na Liga dos Campeões, como a alucinante virada contra o Manchester City, na qual, com dois gols nos últimos segundos do jogo, os merengues reverteram uma eliminação quase consumada.

Sem dar importância para o clima de já ganhou, o técnico Carlo Ancelotti apontou a ambição de seus comandados, mas reforçou a imprevisibilidade de uma decisão tão equilibrada com o Liverpool. "Estamos bem preparados, daremos o nosso melhor, mas em uma final, tudo pode acontecer."

Ancelotti entende do assunto: disputará no Stade de France, em Saint-Denis, nos arredores de Paris, a sua quinta final. Seus times ganharam três delas. A única derrota foi em 2005, em Istambul, na Turquia, quando treinava o Milan. Exatamente contra o Liverpool. Os italianos chegaram a fazer 3 a 0, mas os ingleses foram buscar o empate e levaram a taça na disputa por pênaltis.

"Eu acredito que, até onde podemos, cumprimos o nosso papel", disse o italiano. "Nosso grupo está com uma ótima energia e sabe que tem de mostrar nossas qualidades individuais e compromisso coletivo: mas talento e técnica podem não ser suficientes contra un adversário intenso e que também tem talentos, como o Liverpool".

Um dos capitães da equipe, o brasileiro Marcelo, também prega concentração total. "Sei como os torcedores do nosso clube são exigentes e o tamanho que tem esta final da Liga dos Campeões", disse ele, que tem quatro títulos europeus no seu currículo. "Eu desfruto dos momentos positivos, antes de uma final como esta, mas, na noite anterior ao jogo, começa a preocupação". Com 24 troféus conquistados pelo Real Madrid (é o recordista do clube, na história), o lateral sabe que, para vencer uma decisão, é preciso jogá-la, nos detalhes, e ganhá-la.