Paralisação nacional

Apesar da greve, sacolões, mercados e feiras funcionam normalmente

Mercado Regional Cajuru tem hortifr\u00fatis ao menos at\u00e9 s\u00e1bado, segundo informa\u00e7\u00f5es da Prefeitura de Curitiba
Mercado Regional Cajuru tem hortifr\u00fatis ao menos at\u00e9 s\u00e1bado, segundo informa\u00e7\u00f5es da Prefeitura de Curitiba (Foto: Pedro Ribas/SMCS)

​​​​​​​Com exceção dos pontos do Nossa Feira, que não abrem nesta quinta (24/5), todos os demais estabelecimentos e programas de segurança alimentar da Prefeitura funcionam normalmente, apesar da greve nacional dos caminhoneiros.

 

A Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab) está monitorando os sacolões, feiras, mercados e armazéns da Família para informar à população sobre os estoques de alimentos e outros produtos.

O secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Luiz Gusi, reconhece, no entanto, que poderá ocorrer falta de alguns produtos se a paralisação continuar nos próximos dias. “Alguns comerciantes já apontam dificuldade de encontrar alimentos como cebola, batata, manga, aipim, beterraba, goiaba e caqui”, explica ele.

Vale lembrar que os programas Nossa Feira e Sacolão da Família trabalham com uma lista de alimentos que precisa custar, no máximo, R$ 2,29 o quilo. Gusi descarta qualquer aumento nos preços de produtos por conta da paralisação, mas admite que as cooperativas do Nossa Feira e comerciantes dos sacolões poderão ter dificuldade de encontrar hortifrutigranjeiros se persistir a greve.


Situação em cada um dos estabelecimentos e programas da Prefeitura:

- Nossa Feira – Como na quarta-feira (23/5), os pontos desta quinta (24/5) - Pilarzinho e Lindoia - não abrem por conta da dificuldade das cooperativas de adquirir frutas e verduras que não são produzidas pelos agricultores associados. Ainda está sendo avaliado se os pontos de sexta-feira irão funcionar. O programa conta com dez locais, que funcionam de segunda a sexta.

- Sacolões – As 15 unidades funcionam normalmente. No entanto, algumas unidades menores, como Santa Efigênia, Monteiro Lobato, Osternack e Bairro Novo, apresentam redução de hortifrútis. Está ocorrendo oferta reduzida de cebola, pepino japonês, pimentão amarelo e vermelho, abobrinha e inhame.

- Feiras – As feiras da Prefeitura ainda têm oferta de produtos, normalmente, ao menos, até sábado. Como no caso dos sacolões, alguns hortifrutigranjeiros tiveram alta de preço e outros começam a ter oferta reduzida ou falta, como cebola, batata, manga, aipim, beterraba, goiaba e caqui.

- Mercados – Tanto o Mercado Municipal de Curitiba como o Mercado Regional do Cajuru ainda têm hortifrútis até sábado. Os comerciantes já estão sentindo aumentos de preços de alguns produtos, como batata e frutas.

Armazéns da Família – As 33 unidades têm estoques de gêneros alimentícios e itens de higiene e limpeza suficientes para uma semana. A maior preocupação, no momento, é com o fornecimento de produtos de entrega diária, como frango, embutidos e derivados do leite, que vêm do interior do Paraná e de Santa Catarina. Se a paralisação continuar, poderá ocorrer problemas de fornecimento destes itens na próxima semana.