Série A

Após 3 jogos com Claudinei, Paraná ‘elege’ vilão: as bolas paradas

Cleber Reis tenta travar chute a gol do Corinthians
Cleber Reis tenta travar chute a gol do Corinthians (Foto: Rodrigo Gazzanel Agencia Corinthians)

Após três jogos sob o comando do técnico Claudinei Oliveira, o Paraná Clube tem um “vilão” a combater: as bolas paradas, tanto defensivas quanto ofensivas. No sábado (25), o time foi derrotado pelo Corinthians por 1 a 0 com um gol de escanteio. Para piorar, na avaliação do treinador, o time não ofereceu perigo quando tinha a bola parada a seu favor.

O gol sofrido pelo Paraná Clube ocorreu aos 36 minutos do 1º tempo e foi o mais básico possível para uma cobrança de escanteio. Jadson (ex-Atlético) cobrou escanteio e Henrique (ex-Coritiba), no meio da área, cabeceou para dentro. 
“Acho que fizemos um bom primeiro tempo, jogamos com autoridade. Infelizmente, em um lance de bola parada, que sabíamos da qualidade deles, nós fomos penalizados”, disse o treinador, em coletiva após o jogo de sábado. 

No outro lado, o Paraná Clube teve sete escanteios a favor, mas não conseguiu aproveitar nenhum. Também não conseguiu levar perigo em cobrança de faltas – nem as diretas nem as erguidas à área. “Nós vamos ter que dar muita atenção para a bola parada. Não podemos bater tantos escanteios e não oferecer perigo”, falou o treinador. Estamos tendo volumes, mas as batidas não estão sendo perfeitas”.

As bolas paradas fizeram estrago também na derrota para o Internacional. O gol que determinou a derrota do Paraná por 1 a 0 saiu de uma cobrança de falta aos 50 minutos do segundo tempo. Os jogadores admitiram que Claudinei Oliveira – que na ocasião estreava na equipe – havia alertado para evitar faltas perto da área. “Vamos analisar os lances para corrigir isso e tentar ser mais eficientes, tanto ofensivamente, quanto defensivamente”, falou o treinador. 

No Brasileirão, o Paraná é o único time que não marcou gols oriundos de cobranças de escanteio ou de faltas (diretas ou indiretas). Além disso, é o segundo que mais sofreu gols de faltas e escanteios (10 ao todo), segundo dados do site Whoscored. Apenas o Atlético-MG, com 11, levou mais gols dessa forma. 

Com a derrota de sábado e os demais resultados da rodada, o Paraná está em último lugar na classificação, com 15 pontos em 21 rodadas. Para evitar o rebaixamento, a conta é que o time precisa somar pelo menos 30 pontos nas 17 rodadas restantes. O Paraná está na zona de rebaixamento do Brasileirão desde a 2ª rodada e é o lanterna há 11 rodadas. 

O Paraná Clube volta a campo no próximo domingo (2), às 16 horas, quando enfrenta o Sport em Recife, pela 22ª rodada do Brasileirão. O volante Leandro Vilela, que foi expulso neste sábado, cumpre suspensão. 

Jogo — Na primeira etapa, o Paraná conseguiu segurar a pressão inicial do Corinthians e até equilibrou o jogo. Tanto que finalizou mais vezes: sete (duas certas) contra seis (duas certas). A diferença é que uma das finalizações do Corinthians entrou: Henrique (ex-Coritiba) fez 1 a 0, de cabeça, aos 36 minutos. 

Já no segundo tempo, o Paraná foi achatado em seu campo. Sofreu cinco finalizações em oito minutos diante de um Corinthians que resolveu se impor. Mesmo com as trocas de três jogadores, o time criou pouco e mal conseguia finalizar quando chegava perto da área adversária. E ainda dependeu do goleiro Richard para não sofrer mais gols. 

No jogo, o Paraná teve 12 finalizações (3 certas), 39% de posse de bola e 71% de acerto nos passes. O Corinthians arrematou 16 bolas (8 no alvo e uma na trave), teve 61% de posse de bola e acertou 81% dos passes. Os porcentuais são do site Whoscored. 


ATUAÇÕES

7,0    Richard: Não teve culpa no gol e fez sete defesas, sendo quatro difíceis.
5,5    Diego Tavares: Erros e acertos na na defesa. Errou 33% dos passes. Voluntarioso no apoio
5,5    Renê Santos: Falhou no gol, mas fora isso ganhou a maioria das jogadas pelo alto
6,0    Cléber Reis: Alguns errinhos. Ganhou várias jogadas pelo alto
6,0    Igor: Apoiou pouco. Batido poucas vezes. Esteve bem nos passes e nos desarmes
4,5    Leandro Vilela: Levou um cartão amarelo polêmico e outro que foi justo; acabou expulso. No mais, irregular
6,5    Alex Santana: Marcou bem, ajudou no apoio e foi quem mais chutou a gol (4 vezes)
-    Rodolfo: Entrou aos 42-2º. Jogou pouco tempo
5,5    Raphael Alemão: Ajudou na marcação e foi razoável. No setor ofensivo, pouco produziu
5,0    Nádson: Entrou aos 11-2º. Tentou armar o time, mas pouco conseguiu fazer
6,0    Caio Henrique: Um bom chute a gol. Melhor passador do time, com 85% de acerto. Às vezes sumia do jogo
6,0    Silvinho: Tentou jogadas de velocidade pela esquerda, mas perdeu a maioria
5,0    Grampola: Engolido pela marcação. Perdeu lances por demorar demais com a bola. Só uma finalização
-    Jhonny Lucas: Entrou aos 35-2º para recompor o meio-de-campo. Jogou pouco tempo


LANCES

Primeiro tempo
8 – Jadson recebe de Clayson, gira e chuta. Richard defende, a bola toca a trave e volta nas mãos do goleiro
20 – Alex Santana puxa jogada pela direita. Raphael Alemão toca para Caio Henrique, que domina e chuta no ângulo. Cassio faz boa defesa
36 – Gol do Corinthians. Jadson cobra escanteio. Henrique cabeceia no ângulo esquerdo
52 – Jadson lança Roger, que toca na saída do goleiro. A bola vai na trave
Segundo tempo
34 – Fagner avança pela direita e cruza rasteiro. Jadson domina e chuta a gol. Richard faz grande defesa
39 – Danilo Avellar ganha dividida contra Diego Tavares e bate cruzado. Richard pega
44 –Após contra-ataque, Pedrinho arremata no ângulo. Richard salta e defende