Mercado da bola

Athletico contrata Ricardo Gomes para o cargo de diretor executivo de futebol

Ricardo Gomes
Ricardo Gomes (Foto: Divulgação/Athletico.com.br/Fabio Wosniak)

O Athletico Paranaense divulgou nessa terça-feira (dia 4) à noite a contratação de Ricardo Gomes para a função de diretor executivo de futebol. Ele vai trabalhar em conjunto com Paulo Autuori, diretor técnico do Rubro-Negro. “Será um prazer cooperar com um grande clube como o Athletico Paranaense”, disse Ricardo Gomes, para o site oficial do clube. “Trabalhar ao lado de profissionais como o Paulo Autuori também é gratificante. É um profissional completo”, comenta.

“Chego com muito entusiasmo para realizar este trabalho aqui no Athletico Paranaense”, afirma Ricardo Gomes. “O futebol hoje em dia tem outra dimensão. Mudou-se a estrutura, a forma como você dirige um clube de futebol. Chegamos a um outro nível de exigência. E vejo o Athletico muito bem colocado nesse processo. A ideia é continuar o bom trabalho que vem sendo realizado aqui no clube. Colaborar para que consigamos marcas ainda maiores”, planeja.

Sobre o trabalho que irá desenvolver no Furacão
A experiência de Ricardo Gomes dentro e fora de campo serão determinantes para a função que ele irá realizar no Athletico Paranaense. O cargo contempla atividades que envolvem relacionamento direto com o elenco, corpo diretivo e com a presidência do clube.

O futuro do Athletico com Ricardo Gomes
Ricardo Gomes chegou a Curitiba no início da semana e passou dois dias no clube, em conversas diárias com diretivos e com a presidência. Nas visitas que fez ao CAT Caju e ao Estádio Joaquim Américo, conta que se sentiu acolhido também pelos demais funcionários e membros do estafe do clube. Elogiou os processos. Elogiou o modelo de gestão do Rubro-Negro. E a partir de agora, passa a compartilhar dos mesmos sonhos e objetivos de todos os athleticanos. “O futuro está aberto para que os sonhos sejam realizados”, enfatiza Ricardo Gomes, quanto às metas que tem pela frente na nova casa. “O presidente Mario Celso Petraglia me contou sobre os planos do clube. E eles são muito interessantes. Nesses dois dias que fiquei aqui em Curitiba, pude conhecer melhor o CAT e a Arena. Conhecer melhor como funcionam os processos no clube. E você nota que é uma estrutura ímpar no futebol brasileiro”, aponta.

“O torcedor pode esperar de mim muito trabalho, dedicação e entusiasmo em cada dia de trabalho aqui no clube”, continua Ricardo Gomes. “E de forma coletiva, quero cooperar para o clube conseguir os resultados. Temos metas bem importantes aqui. Metas das quais o clube não abre mão. É um clube que pensa sempre à frente e que tem metas ambiciosas. Os quatro ventos explicam isso. Mostram que, se você não tiver ambição, você não serve para fazer parte aqui da casa”, ressalta.

A trajetória de Ricardo Gomes até o Athletico Paranaense
Ricardo Raymundo Gomes é carioca do bairro da Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro. Nasceu em 13 de dezembro de 1964. Começou no futsal aos oito anos de idade, na Vila Izabel. Dali, seguiu para as divisões de base do Fluminense, clube pelo qual estreou como profissional, em 1983.

Tornou-se um dos principais zagueiros do país. Chegou à Seleção Brasileira, pela qual foi capitão na Copa do Mundo de 1990 na Itália. Com o Brasil, conquistou ainda a Copa América de 1989 e a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, em 1987. Foi também medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.

Ficou no Fluminense até 1988, quando saiu para ganhar a Europa. Transformou-se em ídolo no Benfica, de Portugal, e no Paris Saint-Germain, da França. Encerrou a carreira como atleta em 1996, no clube português.

Deixou os gramados com mais de 30 títulos como atleta profissional.

Vitórias continuaram como treinador
A carreira dentro de campo terminou, mas as vitórias seguiram Ricardo Gomes agora à beira dos gramados. O início como treinador foi no Paris Saint-Germain, em 1996. Dali em diante, trabalhou no comando técnico de outros 13 clubes também no Brasil e no Oriente Médio. Foi ainda treinador da Seleção Brasileira Olímpica entre 2003 e 2004.

Somando-se as passagens como treinador por clubes e pela Seleção, já são mais de 630 partidas à beira do campo.

Conquistou duas vezes a Ligue 1 [Liga Francesa], uma Copa da França e uma Copa da Liga Francesa quando esteve à frente de Paris Saint-Germain e Bordeaux. Aqui no Brasil, levantou a taça da Copa do Brasil de 2011 pelo Vasco da Gama e do Brasileiro Série B de 2015 pelo Botafogo. Com o Vitória-BA, conquistou a Copa do Nordeste e o Campeonato Baiano, ambos em 1999.

Exemplo de vida e consolidação em novos desafios no futebol
Ricardo Gomes exerceu a função de coordenador técnico no Vasco da Gama, em 2012. Desafio que assumiu pouco tempo depois de uma vitória pessoal. Em 2011, superou um acidente vascular encefálico que sofreu quando era treinador do próprio Vasco, durante uma partida do Campeonato Estadual.

Voltou a trabalhar em funções diretivas no futebol em 2018, pelo Santos. Ainda em 2018, foi contratado para a função de “manager” no Bordeaux. Ficou na França até 2019. Voltou ao Brasil e agora assume a função de diretor executivo no Athletico Paranaense.