Campeonato Paranaense

Operário atropela o Athletico e impõem maior goleada do Furacão na história da 'nova Arena'

(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)
(Foto: Geraldo Bubniak)

O Athletico disputou na tarde deste sábado (17 de abril) sua terceira partida no Campeonato Paranaense, realizando o primeiro jogo da temporada 2021 em Curitiba e na Arena da Baixada. E pela terceira vez o rubro-negro foi derrotado, desta vez de forma impactante pelo organizado time do Operário, que não tomou conhecimento do adversário e impôs uma sonora goleada por 4 a 0 ao time da capital paranaense, lanterna e única equipe que ainda não pontuou no estadual.

Os gols da partida saíram todos no segundo tempo e foram marcados por Felipe Garcia (duas vezes), Ricardo Bueno e Leandrinho (de pênalti). O Fantasma foi superior durante praticamente toda a partida e só não abriu o placar mais cedo e conseguiu uma vantagem mais elástica por causa das intervenções do goleiro Bento.

Ainda assim,  goleada é a maior já sofrida pelo Furacão na 'nova Arena da Baixada', reinaugurada em 2014 após ser reformada para a disputa da Copa do Mundo. Antes disso, a última derrota do Athletico por um placar desses dentro de casa havia sido em 7 de junho de 2009, quando a equipe rubro-negra perdeu para o Atlético-MG também por 4 a 0 na Arena da Baixada, em jogo válido mpelo Campeonato Brasileiro. Naquela ocasião, Júnior, Diego Tardelli e Éder Luís (2) foram os autores dos gols do Galo, em partida que acabou provocando a queda do técnico Geninho, ainda durante a gestão do ex-presidente Marcos Malucelli.

LEIA MAIS: Bento foi o único destaque do Athletico, mas também falhou. Confira as atuações

ESCALAÇÃO

O técnico Bruno Lazaroni resolveu promover algumas mudanças no time do Athletico para o jogo contra o Fantasma, a começar pela formação tática: em vez do 4-2-3-1, que tinha Matheus Anjos como meia centralizado, a aposta foi num 4-4-2 em linha. Dessa forma, Matheus Anjos passou a jogar de volante ao lado de Kawan, com Yago e Reinaldo nas extremas e Jajá e Mingotti no ataque.

No papel, o Fucarão de Lazaroni seria um time mais ofensivo, com qualidade no passe e chegada em bloco ao ataque, com pressão alta. Na prática, porém, os erros na saída de bola acabaram acuando o time rubro-negro em seu próprio campo e o Operário soube aproveitar isso, se valendo da transição rápida de jogadas para castigar o adversário e fazer do goleiro Bento um dos principais destaques da etapa inicial.

O JOGO

Foram cinco boas intervenções do jovem arqueiro ao longo do primeiro, a melhor delas já nos acréscimos da etapa inicial, em cabeceio a queima roupa de Ricardo Bueno. Ao todo, o Fantasma criou sete jogadas de perigo, enquanto o Furacão chegou três vezes (em cobrança de falta de Khellven, em cruzamento de Yago que a zaga cortou antes de Reinaldo poder finalizar e em chute de fora da área de Kawan).

No segundo tempo, a escalação dos dois times era a mesma, mas a postura do Athletico mudou. Mais ligado, o time curitibano finalmente começou a encaixar as jogadas ofensivas e em três minutos já criou duas chances de gol. Uma lufada de esperança, mas que não durou muito tempo.

Aos 13 minutos da etapa final, o goleiro Bento, até então herói do Athletico, acabou falhando feio ao tentar cortar um cruzamento fechado de Jean Carlo e entregou a bola nos pés de Felipe Garcia, que havia entrado em campo no final do primeiro tempo, quando substituiu Leandro Vilela, ex-Paraná, lesionado. Com o gol aberto, o meio-campista só teve o trabalho de escolher onde bater para abrir o placar.

Seis minutos depois do gol, Matheus Costa promoveu as entradas de Leandrinho e Rafael Chorão no Fantasma. As mudanças deram certo e aos 21 o primeiro teve participação decisiva no lance que culminou no segundo gol do time visitante, marcado por Ricardo Bueno.
Completamente entregue, o Furacão não conseguiu esboçar qualquer reação, mesmo depois das entradas de Bissoli, João Victor, Geovane Elias Carioca e Vinicius Kaue (os dois últimos já nos minutos finais da partida). O Operário, por sua vez, queria mais, e mesmo com as alterações mais "conservadoras" de Matheus Costa, com Lucas Mendes e Fabiano entrando em campo para reforçar a marcação, o time do interior paranaense conseguiu transformar a vitória em goleada.

O terceiro castigo athleticano veio aos 39 minutos, em mais uma boa jogada de Leandrinho, que mostrou aptidão para garçom e serviu Felipe Garcia, que marcou seu segundo tento no dia.

Já nos acréscimos, o próprio Leandrinho, de pênalti, guardou o seu, dando números finais ao confronto: Athletico 0 x 4 Operário.

ESTATÍSTICAS

Ao final da partida, conforme estatísticas divulgadas pelo próprio Athletico, os donos da casa somaram sete finalizações a gol (três no algo), com três chances reais para marcar. O Operário, por outro lado, finalizou 18 vezes, 12 no alvo e com 12 chances reais de balançar as redes. Um massacre, verdadeiramente.

FICHA TÉCNICA

Athletico 0 x 4 Operário

Athletico: Bento; Khellven, Edu, Luan Patrick e Jáderson (Vinicius Kaue); Yago (João Victor), Kawan, Matheus Anjos (Geovane) e Reinaldo (Bissoli); Vinicius Mingotti e Jajá (Elias Carioca). Técnico: Bruno Lazaroni.
Operário: Simão; Alex Silva (Fabiano), Fábio Alemão, Odivan e Djalma Silva; Pedro Ken, Leandro Vilela (Felipe Garcia), Jean Carlo (Leandrinho), Rafael Oller e Tomas Bastos (Rafael Chorão); Ricardo Bueno (Lucas Mendes). Técnico: Matheus Costa.
Gols: Felipe Garcia (13-2º e 39-2º), Ricardo Bueno (21-2º) e Leandrinho (46-2º)
Cartões amarelos: Alex Silva, Jean Carlo, Tomas Bastos, Leandrinho (OPE); Kawan, Jajá (CAP)
Árbitro: Adriano Milczvski
Local: Arena da Baixada, em Curitiba, sábado (17 de abril) às 16 horas

PRINCIPAIS LANCES

Primeiro tempo

9 – Lançamento de Fábio Alemão do campo de defesa para Ricardo Bueno, que entra nas costas da zaga e chuta de bico. Corajogo, o goleiro Bento consegue travar a finalização, que ainda rebateu em Edu antes de sair.

13 – Leandro Vilela rouba a bola de Matheus Anjos na intermediária e chuta uma pancada de fora da área. Bento se estica todo e faz uma grande defesa.

29 – Cobrança de falta de Khellven da entrada da área. Ele manda por cima da barreira, bem colocado, e o goleiro Simão faz defesa segura.

32 – Lançamento de Leandro Vilela para Jean Carlo, nas costas da defesa. Ele dispara pela direita e o goleiro Bento sai estabanado do gol para dividir com o atacante, que chuta por cobertura da entrada da área, por cima do gol.

36 – Jean Carlo aparece de novo pela direita e chuta firme de canhota, colocado. A bola vai em cima de Bento, que espalma.

39 – Yago avança pela direita e cruza forte para a segunda trave. Reinaldo aparece bem posicionado, mas a zaga tira na hora H.

42 – Bola rebate na defesa do Operário e fica viva na intermediária. Kawan chega batendo firme e manda ao lado do gol.

45 – Alex Silva recebe dentro da área, corta a marcação perto da linha de fundo e chuta forte. Bento espalma.

47 – Cruzamento da direita para Ricardo Bueno, livre perto da pequena área. O atacante cabeceia firme, em cima de Bento, que faz grande defesa no reflexo e salva o gol.

48 – Kawan erra na saída de bola e entrega para Felipe Garcia, que vence a disputa com Luan Patrick, avança até perto da entrada da área e chuta forte, para fora.

Segundo tempo

1 – Cobrança de falta de longe de Jáderson. Ele chuta forte e o goleiro bate roupa, espalmando para frente, nos pés de Mingotti. De frente para o alvo e com gol aberto, o atacante chuta ao lado da meta.

3 – Khellven aciona Yago, que finaliza com efeito da entrada da área. Simão voa no canto oposto para evitar o gol.

13 – Gol do Operário! Jean Carlo escapa pela direita e cruza fechado. O goleiro Bento sai mal para cortar, espana a bola dentro da área e Felipe Garcia chega de trás e empurra pro gol.

21 – Gol do Operário! Cruzamento de Leandrinho da esquerda para a área. Fábio Alemão aparece na segunda trave e cabeceia para o meio da pequena área. Ricardo Bueno aparece livre e desvia pro gol.

33 – Bela trama do Operário na entrada da área, Rafael Chorão serve Ricardo Bueno, que chuta duas vezes cara a cara com Bento e não consegue vencer o goleiro.

38 – Leandrinho chega na linha de fundo, carrega a bola e cruza fechado. Bento defende com os pés e afasta o perigo.

39 – Gol do Operário! Lançamento longo de Pedro Ken, Leandrinho vence a disputa com Khellven e toca para Felipe Garcia, que de novo só empurra pro fundo da rede.

45 - Djalma Silva recebe lançamento pela esquerda, invade a área e é derrubado por Khellven. Pênalti!

46 - Gol do Operário! Leandrinho chuta forte. A bola vai para um lado, o goleiro pro outro