Publicidade
Arena da Baixada

Atlético Paranaense será julgado no STJD por ação política antes das eleições

Jogadores do Atl\u00e9tico com camisas amarelas, antes do jogo com o Am\u00e9rica-MG
Jogadores do Atl\u00e9tico com camisas amarelas, antes do jogo com o Am\u00e9rica-MG (Foto: Geraldo Bubniak)

O Atlético Paranaense será julgado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela ação promovida no jogo com o América-MG, em 6 de outubro. Um dos procuradores do STJD, Felipe Bevilacqua, decidiu levar o clube a julgamento. A data ainda será marcada pelo presidente do Tribunal. O clube corre risco de ser multado.

O regulamento da competição define que todo tipo de manifestação no gramado, promovida por um clube, deve ser pedido à entidade com 48 horas de antecedência. O Atlético-PR teria feito o pedido fora do prazo. A CBF negou o pedido do clube, sem analisar o conteúdo da manifestação.

Na partida contra o América-MG, na Arena da Baixada, quase todos os jogadores do time entraram em campo com uma camisa amarela com a frase "vamos todos juntos por amor ao Brasil". O slogan tem sido usado por apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à Presidência da República. Só o zagueiro Paulo André não usou a camisa. O jogador já assinou manifesto contra a candidatura de Bolsonaro.

Na semana passada, Bevilacqua explicou o caso. “A pena máxima seria exclusão do torneio, mas neste caso seria medida muito extrema, que não caberia”, disse à Folhapress/UOL. “Não estava escrito o nome do candidato, mas a mensagem política foi clara. Não adianta alegar que não”, completou.

O CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) é omisso em casos de manifestação política, mas a Fifa os proíbe.

O estatuto da Fifa, no artigo 4, prega a neutralidade política, e a regra se aplica a todas as confederações filiadas. No último Mundial na Rússia, a entidade multou Shaqiri e Xhaka, da Suíça, por manifestações políticas durante partida contra a Sérvia. Os dois são de origem kosovar, que vive em clima de tensão com os sérvios há décadas. Cada um deles foi multado em 10 mil francos (R$ 37,8 mil em valores atuais).

PETRAGLIA
Questionado nas redes sociais sobre em quem votaria para presidente, Mario Celso Petraglia, presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-PR, respondeu que apoiava Bolsonaro.

Em publicação em redes sociais, Petraglia afirmou que a ação se trata de um ato político, mas não partidário. Ele ainda disse que novas ações serão realizadas, mas não avisou quando.

DESTAQUES DOS EDITORES