Assine e navegue sem anúncios [+]
Na Arena da Baixada

Atlético vence o Caracas e está nas quartas de final da Sul-Americana

Jogadores do Atl\u00e9tico comemoram gol sobre o Caracas
Jogadores do Atl\u00e9tico comemoram gol sobre o Caracas (Foto: Geraldo Bubniak)

O Atlético Paranaense venceu por 2 a 1 o Caracas, nessa quarta-feira (dia 3) à noite, na Arena da Baixada, na partida de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana. No jogo de ida, na Venezuela, o time paranaense já havia vencido por 2 a 0 e, portanto, ficaria com a vaga mesmo com uma derrota por um gol de diferença em Curitiba. Na soma dos dois placares, acumulou uma vitória por 4 a 1. 

Nas quartas de final, o Atlético vai pegar o vencedor do duelo entre Botafogo e Bahia. No jogo de ida, em Salvador, o time baiano venceu por 2 a 1. As duas equipes se enfrentam nessa quarta-feira, no Rio de Janeiro. 

O gol como visitante é critério de desempate na competição organizada pela Conmebol. 

Os gols da vitória do Atlético nessa quarta-feira foram marcados pelo ponta Marcelo Cirino e pelo lateral-esquerdo Renan Lodi. Cirino tem agora 4 gols em 12 jogos pelo Furacão em 2018 – dois gols pela Sul-Americana. Renan Lodi soma 2 gols em 36 partidas no ano.

[node:galeria id=588998]

DESEMPENHO
O Atlético fez uma partida irregular, com muitos erros individuais e cedendo muitos espaços no setor defensivo. Mesmo assim, não sofreu para derrotar o Caracas e criou mais jogadas ofensivas que o adversário: 10 a 5. O time venezuelano surpreendeu e fez um jogo de bom nível, com trocas de passes curtos pelo centro e muita mobilidade do quarteto ofensivo.

FASES
O Atlético chegou à 9ª vitória seguida na Arena da Baixada – foram sete pelo Brasileirão duas pela Sul-Americana. Já o Caracas chegou à quarta derrota consecutiva – duas pelo campeonato venezuelano.

HISTÓRIA
Em toda história, o Atlético disputou duas competições internacionais oficiais: a Sul-Americana e a Libertadores. É a sétima vez que participa da Sul-Americana. A Libertadores esteve no calendário do Furacão em cinco temporadas. No total, o clube rubro-negro somou 37 vitórias, 14 empates e 27 derrotas nesses torneios, ambos organizados pela Conmebol.

TÉCNICO
O técnico Tiago Nunes soma agora 11 vitórias, quatro empates e cinco derrotas no comando do time principal do Atlético. 

ESCALAÇÃO
O desfalque no Atlético era o meia Raphael Veiga, com dores musculares. Sem ele, o técnico Tiago Nunes apostou no meia Guilherme. O esquema tático foi o mesmo 4-2-3-1 de sempre. A linha de três tinha Cirino (direita), Nikão (esquerda) e Guilherme (centro). O time venezuelano também usou o 4-2-3-1.

PRIMEIRO TEMPO
Os primeiros 15 minutos foram arrasadores, com o Atlético criando quatro chances, mas pecando demais nas finalizações. Os avanços de Lodi, as arrancadas de Cirino e os passes de Guilherme e Nikão foram as principais armas. A partir do 15 minutos, porém, o Caracas se encontrou no jogo e começou a chegar com boas tabelas pelo centro. Foram três boas jogadas do time venezuelano. O gol atleticano saiu aos 30, em cruzamento de Lodi e chute de Cirino.

SEGUNDO TEMPO
A segunda etapa começou com os dois times atacando. O jogo ficou “lá e cá”. Aos 3, Díaz acertou belo lançamento e Garcéz saiu na cara do gol: 1 a 1. O Atlético fez 2 a 1 aos 12, com lançamento de Léo Pereira, belo toque de Pablo e finalização de Renan Lodi. A partir daí, o jogo ficou mais controlado. Aos 20, duas substituições no Furacão: saíram Pablo e Cirino e entraram Bergson e Rony. Aos 37, troca de volantes: saiu Wellington e entrou Bruno Guimarães. O Atlético teve duas boas chances para ampliar o placar em contra-ataques, mas Bergson desperdiçou.

ESTATÍSTICAS
Em 90 minutos, o Atlético somou 21 finalizações (9 certas), 62% de posse de bola, 93% de eficiência nos passes e 3 escanteios. O Caracas arrematou 12 vezes (7 certas) e teve 38% de posse de bola, 85% de eficiência nos passes e 4 escanteios. Os dados são da DataFactory/Conmebol.

ATLÉTICO 2 x 1 CARACAS
Atlético: Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington (Bruno Guimarães) e Lucho González; Nikão, Guilherme e Marcelo Cirino (Rony); Pablo (Bergson). Técnico: Tiago Nunes
Caracas: Flores; Fereira, Guerra, Quijada e Añor; Martins e Garcés; Canelón (Saggiomo), Diomar Díaz (Chacón) e Robert Hernández; Arrieta. Técnico: Noel Sanvicente
Gols: Marcelo Cirino (30-1º), Garcés (3-2º), Renan Lodi (12-2º)
Cartões amarelos: Robert Hernández, Martins, Arrieta, Garcés, Quijada, Guerra (C). Wellington, Paulo André (A). 
Árbitro: Michael Espinoza (Peru)
Local: Arena da Baixada

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo

5 – Guilherme chuta cruzado. Flores espalma.
7 – Lodi cruza. Cirino chuta. Flores rebate. Guilherme pega o rebote e chuta. Quijada bloqueia.
8 – Guilherme enfia. Pablo recebe na área e chuta cruzado, para fora.
17 – Canelón lança, Díaz ajeita de calcanhar para Arrieta, na área. Ele chuta e Paulo André bloqueia.
21 – Díaz cruza rasteiro. Santos abafa antes que Arrieta finalize. 
23 – Falta na esquerda. Lodi cruza. Cirino chuta para fora.
26 – Canelón chuta de fora da área. A bola passa perto.
30 – Gol do Atlético. Cruzamento rasteiro de Lodi. Añor corta mal. Cirino domina na cara do gol e fuzila. 
40 – Cirino cruza rasteiro. Pablo ajeita de calcanhar. Guilherme não alcança.

Segundo tempo
3 – Gol do Caracas.
Díaz dá belo passe em profundidade. Garcés recebe na cara do gol e chuta no canto.
6 – Lodi cruza. Flores corta. Cirino pega o rebote e chuta em Guerra. Guilherme pega o rebote e chuta de fora da área. A bola passa perto.
9 – Lodi chuta de fora da área. A bola passa perto.
12 – Gol do Atlético. Léo Pereira lança. Pablo recebe na área e ajeita de calcanhar para Lodi, na cara do gol, chutar no cantinho.
20 – Rony intercepta passe e lança Bergson. Ele dispara, chega na cara do gol e chuta para fora.

Assine e navegue sem anúncios [+]

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. OK