Publicidade

Bolsonaro: Não quero brigar com Poder nenhum, mas recíproca tem de ser verdadeira

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, sobre a consulta do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, à Procuradoria-Geral da República da possibilidade de confisco do celular presidencial, que não quer "brigar com Poder nenhum, mas a recíproca tem de ser verdadeira".

"Eu não estou sendo acusado de corrupção, de tráfico internacional de drogas ou do que for e acho que mesmo se fosse dessa maneira, esse telefone é um segredo de Estado", disse Bolsonaro durante transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais.

Segundo disse o presidente: "Meu telefone não é meu, eu não comprei na loja no shopping. Quem forneceu foi o GSI (Gabinete de Segurança Institucional)". O presidente alegou que no celular, mantém conversas com líderes de outros países, como o presidente do Paraguai, Mario Benítez, do Chile, Sebastián Piñera, e o ex-presidente da Argentina, Maurício Macri. Por isso, Bolsonaro disse que o conteúdo "não pode cair em domínio público, seja na mão de quem quer que seja".

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES