Último boletim

Bolsonaro tem 'boa recuperação' após cirurgia, diz porta-voz da Presidência

Porta voz da presidência Otávio Rêgo Barros
Porta voz da presidência Otávio Rêgo Barros (Foto: Agência Brasil)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - De acordo com o último boletim médico, divulgado às 10 horas, o Presidente Jair Bolsonaro apresenta boa evolução clínicocirúrgica após procedimento de reconstrução do trânsito intestinal realizado nesta segunda-feira, 28. "Após procedimento que teve duração de 7 horas, está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e não apresentou sangramentos ou qualquer outra complicação. Permanece afebril e sem disfunções orgânicas. Mantém-se em jejum oral, recebendo analgésicos para controle de dor, hidratação endovenosa e medidas de prevenção de trombose venosa", diz o boletim. 

Por ora, a alimentação de Bolsonaro será via venosa com a "reintrodução da alimentação por via oral será avaliada diariamente e ocorrerá de forma paulatina e no momento oportuno."

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta terça-feira (29) que o presidente Jair Bolsonaro está em boa recuperação, após passar por uma cirurgia na véspera.

À reportagem, Rêgo Barros disse que Bolsonaro passou a noite "sem intercorrências" e que ele não apresenta sinais de infecção.

Ele passou por uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal na segunda, num processo que durou 7 horas. 

Esta foi a terceira operação à qual ele foi submetido desde que foi alvo de uma facada, em setembro de 2018, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

O procedimento consistiu no religamento do intestino após a retirada de uma bolsa de colostomia, colocada há quase cinco meses.

A grande quantidade de aderências (partes do intestino que ficam coladas) levou a equipe médica a executar um procedimento mais complexo e demorado do que se esperava.

A opção mais simples era religar as duas pontas do intestino grosso, que estavam separadas, para que o trânsito intestinal voltasse ao normal.

A outra, que teve de ser adotada, exigia a união de uma alça do grosso com o delgado. Para que isso acontecesse, a parte do intestino grosso que estava conectada à bolsa de colostomia foi removida.

Essa intervenção seria adotada se os médicos constatassem que havia muitas aderências e lesões em razão da facada e das duas cirurgias a que ele foi submetido anteriormente. 

O presidente permanece internado em uma UTI (unidade de terapia intensiva), onde deve ficar por mais nove dias, segundo previsão médica. 

Desde que ele foi sedado para a cirurgia, a Presidência foi assumida por seu vice, o general Hamilton Mourão.

Bolsonaro deve retomar as funções já na manhã de quarta-feira (30). 

O GSI (Gabinete de Segurança Institucional) preparou um escritório improvisado ao lado de seu quarto, no Einstein, para que ele volte à rotina de despachos a partir da manhã de quarta. 

As visitas estão restritas nesta terça a familiares. A primeira-dama Michelle e 3 dos 5 filhos do presidente acompanharam a cirurgia e recuperação: o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e Jair Renan.