Custo de vida

Cesta básica de Curitiba tem a 2ª maior alta das capitais brasileiras

(Foto: Daniel Castellano/SMCS)

O custo da cesta básica caiu em fevereiro em 12 das 17 capitais brasileiras analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, feita mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Nas demais cinco capitais, o preço da cesta aumentou. E uma delas foi Curitiba.

A capital onde ocorreu a maior alta no mês foi João Pessoa (2,69%), seguida por Curitiba (2,33%), Natal (2,19%), Belém (1,11%) e Porto Alegre (1,03%).

Por outro lado, as maiores reduções foram registradas em Campo Grande (-4,67%), Brasília (-3,72%), Belo Horizonte (-3,16%), Vitória (-2,46%) e Goiânia (-2,45%).

A cesta básica mais cara do país é a de Florianópolis, com custo médio de R$ 639,81. A mais barata é a de Aracaju, com custo médio de R$ 445,90.

Com base na cesta mais cara, a de Florianópolis, o Dieese estimou que o salário mínimo necessário para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência seria de R$ 5.375,05, o que corresponde a 4,89 vezes o salário mínimo vigente, de R$ 1.100.

Em Curitiba, o valor da cesta é de R$ 572,77, o que corresponde a 56,29% de um salário mínimo líquido atual.

No período entre janeiro e fevereiro, os produtos que tiveram altas em destaque em Curitiba foram o açúcar (3,32%), o leite integral (1,62%) e o arroz (1,88%, a maior verificada entre as capitais).