Entrevista

Chitãozinho, Xororó, Zezé di Camargo e Luciano prometem show histórico em Curitiba

(Foto: Orelha/Divulgação)
(Foto: Guga Pereira/Divulgação)

Cinquenta anos depois daquele “Fio de Cabelo” e da “Galopeira”, e trinta anos passados de “É o Amor”, Chitãozinho, Xororó, Zezé Di Camargo e Luciano vão unir suas mãos e vozes em evento inédito em Curitiba. Serão dois shows com cada dupla mostrando os seus grandes sucessos em celebração as suas sólidas e bem-sucedidas trajetórias. Chamado de 80 A Festa, o show das duplas acontecerá neste sábado (14), às 20 horas, no Estádio Athletico Paranaense.

O público verá Chitãozinho e Xororó em parte do espetáculo, honrando os hits que fizeram sua história, em apresentação solo única. Da mesma forma, testemunhará Zezé Di Camargo e Luciano rememorando três décadas de sucessos. Entre a presença dos irmãos paranaenses e dos manos goianos, entrará em cena um repertório de canções cujos versos a plateia canta de cor há décadas, a plenos pulmões, como ‘No Rancho Fundo’, ‘Pra Não Pensar em Você’, ‘Brincar de Ser Feliz’, ‘Fio de Cabelo’, e, claro, ‘É o Amor’ e ‘Evidências’, entre outras.

Em entrevista ao Bem Paraná, as duplas prometeram um show inesquecível.

Chitãozinho e Xororó: "Adoramos Curitiba. O show será uma verdadeira festa"

Bem Paraná — 50 anos de carreira. Qual o momento mais emocionante durante todo este tempo?
Chitãozinho – Tivemos muitos momentos emocionantes, é bem difícil escolher um só. Cada momento é único, cada show tem seus momentos únicos e emocionantes

BP — Foi um caminho árduo nestes 50 anos?
Xororó — Como grande parte dos artistas, nosso começo não foi fácil. Tivemos que batalhar bastante para chegar onde chegamos, no começo chegamos a pensar em desistir, mas graças a Deus resolvemos insistir um pouco mais.

BP — Como foi para vocês tanto tempo na estrada ficar estes dois anos sem contato com o público por causa da pandemia?
Chitãozinho – Foi difícil ficar longe dos palcos nesse período, assim como para todos os artistas. Mas pelo menos pudemos contar com a tecnologia para levar um pouco de música para a casa das pessoas através das lives e com isso ajudar também quem estava precisando por meio das doações.

BP — Como foi definir um repertório para este show comemorativo com tantos sucessos na bagagem?
Xororó – A escolha de repertorio é sempre difícil. Tem muita música que o público gosta e sempre pede. Tentamos selecionar as que sabemos que o público vai cantar com a gente e também contemplar algumas novas.

BP — Qual a relação com o público curitibano?                                                                                                                                                                   Chitãozinho — Adoramos o público curitibano, sempre que vamos pra Curitiba somos muito bem recebidos e é o show é uma verdadeira festa.

BP — Há alguma surpresa especial para este show?
Xororó — Só podemos dizer que o show foi preparado com muito carinho para o público. Mas eles terão que assistir para saber mais (risos)

Zezé di Camargo e Luciano: "Acho que somos bichos do Paraná de alma"

Bem Paraná -  30 anos de história. Qual o momento mais emocionante desta trajetória?                                                                                                              Zezé di Camargo - Tiveram momentos incríveis. Desde a primeira vez que ouvimos nossa música na rádio, ao carinho do público, a consagração da carreira, prêmios, títulos, o filme " 2 Filhos de Francisco", o livro "Simplesmente Helena, ser samba enredo da Imperatriz Leopoldinense e ganhar um musical. Shows no Brasil todo, duas vezes no Japão , onde , em Hamamatsu, tivemos de fazer dois shows só numa noite, causando trânsito lotado na cidade.

BP - Já pensaram em desistir? E o que fez continuarem?                                                                                                                                                                  Luciano -  O sonho sempre foi muito maior que os percalços. A nossa história foi construída com muito amor e, claro, muitas dificuldades. Mas, tudo valeu a pena. Faria tudo diferente entre erros e acertos. É o sonho do nosso pai, aqui são os dois filhos de Francisco e Helena!

BP - Como se sentiram dois anos longe dos palcos durante a pandemia?                                                                                                                                  Zezé di Camargo - Foi difícil ficar longe dos palcos. Lugar que a gente é tão feliz. A nossa rotina de shows, o contato com fãs e público, mas pra mim a pandemia trouxe um lado bom que foi ficar mais próximo dos meus pais. Eu pude estar com eles todos os dias na minha fazenda em Araguapaz(GO) e tive o privilégio de viver os últimos dias com o meu pai. 

Luciano - A pandemia foi muito triste pela ausência física com os fãs, mas foi muito boa pra unir ainda mais a familia. Hoje está difícil viajar e ficar longe da familia. Pudemos colocar em prática alguns projetos. Como o gospel que era algo que minha mãe sempre falava comigo. Tinha o sonho de ela me ver gravar para Jesus. Assim como meu irmão trouxe um projeto dele em paralelo a nossa carreira juntos. 

BP - Qual o critério para definir o repertório de um show tão especial? Foi difícil?                                                                                                                        Zezé di Camargo- Canções que fizeram parte da carreira de Zezé Di Camargo e Luciano. Sempre. " Pão de Mel", "No dia em que sai de Casa", Mexe que é bom", "Dois Corações e uma história", "É o Amor", entre outras. 

BP - A relação com o público curitibano é especial?                                                                                                                                                                          Luciano- Curitiba é uma cidade que nos recebe muito bem. Com muito amor há tantos anos. Acho até que somos bicho do Paraná de alma!. 

BP - O público pode esperar surpresas nesta apresentação?                                                                                                                                                             Zezé di Camargo- Tem dois cantores cheios de saudade de cantar para essa galera e o fator surpresa é a gratidão a todos que vão nos assistir. Se vai ser supresa, não podemos contar...

BP- Vocês acreditam nestes 30 anos de estrada o público da dupla foi se renovando?                                                                                                                  Luciano- Com certeza. Atingimos todas as idades a cada ano que passa. Creio que os arranjos, cenário e tudo que envolve Zezé Di Camargo e Luciano sempre se modernizou. Somos a primeira dupla a usar um cenário high-tech, no passado. E buscamos sempre inovar, sem perder nossa essência.

Serviço
Quando: 14 de maio de 2022 (sábado)
Onde: Estádio Athletico Paranaense (Rua Buenos Aires, 1260 – Água Verde – Curitiba)
Horário: Abertura do Portões às 17h | Show às 20h
Quanto: os valores variam R$ 150,00 (meia) a R$ 1.200 para uma mesa com 4 lugares e de acordo com o setor e modalidade escolhidas. Parcelamento em até 5x com juros.