Publicidade
Eutanásia

Cientista de 104 anos e sem doença terminal viaja para a morte

Um cientista australiano de 104 anos viajará nas próximas semanas à Suíça para dar cabo à própria vida. David Goodall não sofre nenhuma doença em fase terminal, como sua qualidade de vida piorou, ele programa um encontro com uma organização que oferece assistência à eutanásia da Basileia.

O anúncio da decisão do idoso, considerado o cientista mais velho da Austrália, foi feita pela associação Exit International, que apoia o cientista. 

Em entrevista ao canal australiano ABC no início de abril, quando de seu aniversário, o ecologista afirmou lamentar profundamente ter alcançado os 104 anos de idade. "Não sou feliz. Eu quero morrer. Não é particularmente triste. O que é triste e se  alguém é impedido (de morrer)", disse Goodall. "Uma pessoa velha como eu eve ter plenos direitos de cidadania, incluindo o direito ao suicídio assistido", complementou.

Acontece que o suicídio assistido - ou eutanásia - é ilegal na Austrália. No ano passado até foi legalizado no estado de Victoria, mas a legislação entrará em vigor apenas em junho de 2019 e contempla pacientes em fase terminal, com expectativa de menos de seis meses de vida.

"É injusto que um dos cidadãos mais idosos e proeminentes da Austrália seja forçado a viajar para o outro lado do mundo para morrer com dignidade", afirmou a Exit International em seu site, destacando que o cientista quer apenas ter direito a uma "morte pacífica e digna".

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES