Publicidade
Bichos

Coelho não deve ser tratado como presente e requer cuidados especiais por toda a vida

JULIA ALVES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - De olhos vermelhos e pelo branquinho, os coelhos se tornaram o símbolo da Páscoa há mais de 300 anos, quando a tradição europeia foi trazida para a América.

Por conta do modismo da época, a compra de minicoelhos aumenta em 30% na época do feriado, de acordo com a rede Petz. Contudo, os mamíferos não devem ser tratados como qualquer presente e requerem cuidados por toda a vida, que tem duração média de nove anos.

O ideal é que os coelhos vivam soltos, mas monitorados, afirma a veterinária Jéssica Trombini. Caso não seja possível deixá-los soltos, é necessária uma gaiola com espaço suficiente para o animal brincar, descansar, comer e explorar o ambiente. Acessórios como comedouros, bebedouros e brinquedos devem ser resistentes e não tóxicos.

Como animal de estimação, os coelhos costumam ser tranquilos, amigáveis e companheiros. A maneira como são criados influencia diretamente em suas personalidades e um coelho que é mantido alojado e sem atenção ficará deprimido, podendo ter danos a saúde e alteração comportamental, diz a veterinária.

Os coelhos devem passar por um veterinário assim que são adquiridos, pois podem transmitir doenças e infecções para humanos. Além disso, a veterinária diz que a família deve pesquisar sobre manejo, alimentação e cuidados especiais com o coelho antes de realizar a compra.

"As famílias devem ter alguém responsável pelos cuidados do animal, principalmente higienização, manejo, passeios diários e idas ao veterinário para acompanhamento, vacinas e castração. É um animal recomendado para famílias que possam dar uma boa qualidade de vida ao animal."

O espaço para o animal fazer suas necessidades não deve ser feito com areia de gato, grade metálica ou aparas de madeira, e sim com camas de papel reciclado compradas em lojas de animais. Trombini afirma ainda que não é necessário dar banho nos coelhos, pois eles se limpam sozinhos. "Colocá-los na água poderá causar grande estresse e hipotermia, levando o animal a choque e óbito sucessivamente."

Trombini afirma que a maior diferença no cuidado de animais domésticos e coelhos é ter o ambiente apropriado para criá-los. Enquanto cães e gatos se adaptam rapidamente, coelhos podem rejeitar o ambiente em que são inseridos.

"A temperatura ideal é entre 10º C e 20º C, em local arejado, mas não com correntes de ar e sol excessivo. O ambiente deve ser calmo, pois são animais que se estressam com facilidade. Também é necessário cuidado com materiais perigosos e tóxicos, necessitando supervisão maior do que com animais domésticos", diz a veterinária.

Além de ingerirem ração própria, os coelhos precisam comer feno e frutas. Mas a alimentação deve ser adaptada de acordo com a espécie e acompanhada por um veterinário especialista em animais silvestres para que não desenvolvam problemas de saúde como cálculos urinários, carências nutricionais e sobrepeso.

DESTAQUES DOS EDITORES